Como foi o Fórum sobre mobilidade com David Byrne

Apoie nosso trabalho,
doe um libre!

Faço aqui um resumo comentado de como foi e o que foi dito no Fórum Cidades, Bicicletas e o Futuro da Mobilidade, ocorrido em 12 de julho, em São Paulo, com a presença do músico e escritor David Byrne, autor do livro Diários de Bicicleta e ex-vocalista da banda Talking Heads.

Bicicletário

No espaço de quatro ou cinco carros, quase uma centena de bicicletas. Foto: Carlos Alkmin

A caminho do Sesc Pinheiros, encontrei a Talita Noguchi. Descobri que estava atrasado (me confundi e achei que fosse às 19h30) e colei no vácuo da menina, que voava com sua estilosa fixa azul e amarela. Logo ao chegar, uma cena linda: dezenas de bicicletas enfileiradas lada a lado dos dois lados da rua, ocupando o mesmo espaço que seria ocupado por apenas quatro ou cinco carros.

Ganhei um bilhetinho muito simpático da Ciclocidade, agradecendo por ter vindo de bicicleta. 🙂

O bicicletário preparado na rua pela Ciclocidade, com paraciclos em U invertido para não machucar as bicicletas, estava lotado, mas os ciclistas continuavam chegando aos montes. Fui instruído a descer a rampa para estacionar no bicicletário interno, que também estava lotado. Prendi a minha bicicleta na do André Pasqualini, que identifiquei pelos adesivos do Instituto CicloBR e pela u-lock eternamente presa ao bagageiro (acreditem, ele perdeu a chave e agora ela mora ali).

Somando as bicicletas do lado de fora com as do segundo subsolo, devia haver pelo menos uma centena. Ao subir, muita, mas muita gente conhecida. Os capacetes, caramanholas, bolsas “messenger” e outros acessórios denunciavam parte das pessoas que tinham vindo de bicicleta. Muita gente da imprensa também. O auditório, com 1000 lugares, estava lotado e havia gente em pé na porta.

Mais de mil pessoas compareceram ao Sesc Pinheiros para ouvir um cicloativista. Quem diria. São Paulo começa a mudar e não tem mais volta.

Abaixo, os pontos principais de cada palestra, com os comentários do Vá de Bike.

David Byrne

O nome do artista certamente foi o maior chamariz do evento. O que um cara que fez tanto sucesso na música tem a dizer sobre bicicletas e mobilidade? É o que muita gente quis saber.

Byrne começou sua palestra mostrando algumas concepções artísticas equivocadas de como as cidades deveriam ser no futuro. Elas mostravam cidades sem pessoas, em que os seres humanos viviam confinados em grandes prédios ou torres, como grandes cupinzeiros. E mostrou uma concepção de cidade do futuro, apresentada pela General Motors muitas décadas atrás, em que as cidades eram compostas de torres para confinar pessoas e uma infinidade de pistas e viadutos para o tráfego de automóveis. A cidade dos sonhos – para a GM.

Os próximos slides mostraram muitas áreas “mortas” em cidades que adotaram a mobilidade por automóvel como ponto principal. Com o espaço público entregue aos carros, tanto por vias como por grandes áreas de estacionamento, as pessoas simplesmente desaparecem de muitas partes da cidade.

Em São Paulo mesmo temos muitos exemplos: praças cercadas por grades e esquecidas pelas pessoas, que só passam por ali de carro; áreas decadentes sob viadutos, como debaixo do “minhocão”, lugares inóspitos para as pessoas, como as calçadas estreitas, destruídas e inexistentes em muitos pontos nas marginais; pontes que impedem que as pessoas as transponham, para não afetar o fluxo motorizado.

Byrne ressaltou que São Paulo (e eu estenderia isso para o Brasil) tem muita diversidade e esse é um ponto positivo, porque facilita as mudanças. Disse inclusive acreditar ser mais fácil mudar São Paulo que San Francisco (EUA) – e olha que SF também é uma cidade com muita diversidade cultural e étnica.

Mostrando um gráfico que mostrava a quantidade de acidentes com ciclistas em Nova York, ressaltou que quanto mais pessoas pedalando, menos acidentes acontecem. Já comentamos isso por aqui e não se trata de achismo de roqueiro: há um estudo que prova isso.

O músico e cicloativista encerrou dizendo que “se houver mais mulheres em bicicletas, os homens, certamente, as seguirão”. O comentário, apesar de divertir a platéia, foi percebido como verdadeiro.

A palestra não apresentou muitas novidades para os cicloativistas, que já conhecem de cor o que foi apresentado por Byrne. Mas mostrou que o cicloativismo brasileiro está alinhado com o que o cicloativista veio mostrar. E foi importante por fazer com que pessoas de fora do meio tenham prestado atenção ao discurso que fazemos por aqui há anos, sendo taxados de exagerados, revoltados, fora de sintonia com a realidade. Byrne, ao contrário, é cool e tendência.

Arturo Alcorta

Um dos cicloativistas com mais tempo de luta pela bicicleta no país, a palestra de Arturo Alcorta começou com muitas imagens de Nova York e de outras cidades no mundo, onde o espaço público foi recuperado pelas pessoas, com áreas para pedestres, ciclovias, ciclofaixas e rotas para bicicletas. Mostrou a malha cicloviária da cidade americana e ressaltou que “o problema de São Paulo é principalmente falta de projeto”.

Criticou a falta de reação da sociedade, citando alguns problemas fortes de São Paulo que não são discutidos pela sociedade, como por exemplo a tonelada de dinheiro enterrada na Nova Marginal, que nao resolveu problema nenhum e consumiu recursos que poderiam ter sido melhor aproveitados em outras áreas.

Por fim, criticou o princípio de vaia que ocorreu quando o Secretário de Transportes e Presidente da CET, Marcelo Branco, havia sido chamado à mesa. E tenho que concordar com o Arturo: não foi apenas falta de respeito, mas uma avaliação pobre do que acontecia ali naquela noite: o simples fato do responsável pelo trânsito na cidade participar pessoalmente de um fórum em que se discutia mobilidade por bicicleta já seria motivo de aplausos.

Seu antecessor estaria se lixando para o evento. Sua presença, mesmo que tivesse sido apenas para assistir, já seria bastante representativa. O que nos leva aos comentários sobre sua palestra.

Marcelo Branco

Branco começou dizendo que pretendia fazer uma exposição sobre a Ciclofaixa de Lazer, mas resolveu adaptar sua apresentação ao que estava sendo debatido.

O secretário falou de improviso e gostei do que ouvi. Iniciou citando uma frase do arquiteto e urbanista dinamarquês Jan Gehl.  Seria o projeto Cidades para Pessoas começando a trazer resultados? Esperava de sua parte uma defesa tímida da circulação das pessoas, com o argumento de não afetar a circulação de veículos, me surpreendi bastante.

Marcelo Branco discursou com a frase de Jan Gehl ao fundo

Eu seu discurso, Marcelo Branco disse que “a falta de entendimento de que a cidade é para as pessoas é que levou à situacao atual”. Disse que a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo) é uma empresa que foi criada com uma cultura voltada ao veiculo individual, que foi feita para dar fluidez ao trafego. Disse ainda que “o modelo de investir no transporte individual é um modelo falido no mundo inteiro” e que as grandes cidades que investiram nesse modelo estão todas hoje com problemas.

Ressaltou que ciclovias e ciclofaixas têm seu espaco, mas que “fundamentalmente temos que buscar o compartilhamento” e que não acredita que a solução seja criar vias segregadas na cidade toda. “A Ciclofaixa de Lazer tem o mérito de gerar esse exercicio de compartilhar a via”. Informou que nesse fim de semana será inaugurada a rota do Brooklin, baseada em compartilhamento, projeto que ele quer “ampliar para outros bairros e para a cidade toda”. “Quebrar esse paradigma [do compartilhamento das vias] é fundamental”.

Ao contrário de seu antecessor, que acreditava que a fluidez é mais importante que a vida, Branco disse que “a priorização a pedestres pode eventualmente gerar uma lentidão, mas é uma opção que a cidade tem que fazer. A cidade precisa fazer uma opção pelas pessoas e nao pelos veículos”. Citou iniciativas como a diminuição da velocidade máxima das vias e a diminuição dos tempos entre as travessias para pedestres e disse que parte da dificuldade em fazer isso vem das reclamações que alguns setores da sociedade [acostumados e acomodados com a priorização historicamente dada ao automóvel] fazem a essas iniciativas, classificando-as sempre como indústria das multas. “Não tem indústria da multa”, afirmou Branco.

Seu discurso surpreendeu quem esperava um posicionamento mais tímido, ou mesmo críticas ao uso da bicicleta. Parabéns, secretário. Continue avançando.

Eduardo Vasconcellos

Falando com segurança, mostrando profundo conhecimento do que dizia e justificando tudo com números, Vasconcellos fez a palestra que foi a mais aplaudida do Fórum sem precisar de slides. Foi inclusive interrompido pelas palmas em dado momento, por ter impressionado a platéia com uma de suas frases (infelizmente não me recordo agora qual foi).

Foi muita informação de uma vez e não consegui anotar tudo, então vai o mais importante, ou o que mais me impressionou. Vasconcellos contou que um carro em movimento ocupa em média 50 m2 (varia com a velocidade), enquanto uma bicicleta opcupa em média 2 m2 (informou também, o espaço ocupado por pedestres, transporte público e outros veículos, mas me perdi e não anotei).

Com base nos números apresentados, conclui-se que a classe média que usa o automóvel usa 12 vezes mais espaco publico que as classes mais baixas. Portanto, construir vias é antidemocratico, pois prioriza-se o uso do espaço público por quem utiliza o automóvel em detrimento das classes sociais mais baixas.

Afirmou que o número de 7 milhões de carros é um mito, que temos 4 milhões no máximo, mas 600 mil param a cidade no final do dia. A esse comentário, damos aqui o link onde pode ser consultada a quantidade de veículos registrados na cidade – clique em frota de veículos por tipo. Note que nem todos nessa soma são de fato automóveis particulares, mas os carros são mais de 5 milhões (embora talvez nem todos estejam em uso). Quanto à quantidade necessária para parar a cidade, o número divulgado recentemente pela CET é de 456 mil. Esse número é em veículos, o que inclui ônibus, caminhões, motos, etc. Se considerarmos apenas os automóveis, teremos uma quantidade ainda menor.

Comentou ainda que “aqui o pedestre agradece o motorista que para na faixa” e que “esse é um dos maiores sinais da falta de civilidade”. Não deveríamos ter que agradecer, deveria ser algo comum.

Vasconcellos fez duas propostas para melhorar a mobilidade na cidade: “baixar a velocidade na cida inteirinha, nao é só nas avenidas: nas zonas residenciais, baixar para 30 ou 40 km/h” e “tirar automoveis das ruas”.

Palestra excelente.

Perguntas

A seguir, foram lidas algumas perguntas do público. Destacaram-se as respostas abaixo, que foram resumidas sem alterar as frases ditas.

Byrne: “Compartilhar é possível, os motoristas aprendem. Ciclovias são preferíveis, mas você não pode fazê-as na cidade toda. No restante, você tem que compartilhar”. Perfeito.

Branco: “Ciclofaixa de lazer foi desenhada para ser de lazer, não é a melhor rota para bicicletas. Para ser utilizada para transporte, precisa ter caracteristicas de transporte. Está sendo feito estudo para ver quais trechos sao adequados para transporte”.

Branco: “É fundamental diminuir a velocidade. O número de acidentes cai e de mortes cai vertiginosamente. No Brooklin, a velocidade já vai ser regulamentada em 30km/h. Essa diminuicao da velocidade é fundamental”.

Eduardo Vasconcellos: “A sociedade foi motorizada como queriam as elites. Já perdemos o primeiro tempo! É hora de partir pro segundo.”

Gostou da matéria? Doe um libre
e ajude nosso projeto a continuar!

24 comentários para Como foi o Fórum sobre mobilidade com David Byrne

  • Willian Cruz: “Sou muito mais feliz e em paz do que eu era" | bikepedalecia.com.br

    […] dia do fórum do David Byrne (ex-vocalista do Talking Heads, cicloativista e autor do livro Diários de Bicicleta) em São Paulo […]

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Gilson Cunha

    andré, aqui em Salvador o calor é intenso, e tem também chuvas esporáticas, mas mesmo assim não impede de andar de bicicleta, é mais fresco que andar de ônibus, e em relação as chuvas existem capas transparentes muito boa e protege legal, tem só que ter um pouco mais de cuidado, porque os freios deixa de funcionar corretamente, fique sabendo que é mais rapido que carro, seja ele qual for, pois a cidade para com tanto alagamento.
    Gilson Cunha
    Presidente da ASBB – Associação dos bicicleteiros da Bahia
    Lutando pelo transporte mais saudável do mundo – a bicicleta

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • André Soares

    Moro em Belém-PA, uma cidade com todos os problemas de trafego imagináveis. Já tentei abandonar o carro, mas o Transporte público é absolutamente incompetente em sua função. Moro em uma rodovia que mais parece uma “filavia” tamanho o número de carros e caminhões, a construção de uma ciclovia diminuindo ainda mais o espaço da via, a principio me aborreceu muito, porém com a redução da velocidade, passei a ver o quão útil é a utilização da bicicleta, pena que aqui no norte, alem da dificuldade com a conscientização das pessoas temos as barreiras climáticas(chuvas diárias e calor humido). Como chegar trabalho molhado de chuva ou de suor?

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Gilson Cunha

    Amigo, Jessé, eu posso sim, gostaria que entrasse em contato comigo pelo telefone. (71)9982-7014 // 3356-2548 ou me mande um torpedo com seu telefone que eu te ligo, aqui na Bahia estamos trabalhando para que os frutos da Copa de 2014o deixe um grande legado para a mobilidade urbana, aqui tem prometido + ou – 230 Km de cicloviias, mas tem lutado que venha acompanhado de passeios, inclusive para deficientes.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • jesse teixeira felix

    Gostaria de saber de sua disponibilidade de vir a Santos para participar do 5 FORUM DE MOBILIDADE ATRAVES DA BICICLETA NO PROXIMO DIA 30 DE AGOSTO “SEMANA DO CICLISTAS DE SANTOS. GOSTARIA QUE VOCE DIVULGASSE ESTE MARAVILHOSO SITE.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Willian Cruz

    “Associação dos Bicicleteiros da Bahia” – acho esse nome tão simpático! Gilson, obrigado pelo comentário e continue o bom trabalho aí na Bahia. Grande abraço!

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Gilson Cunha

    parabéns São Paulo.

    Adorei ler o relato do forum. tivemos aqui em Salvador com a presença de Renata Fazoni e Arturo Alcorta, quero lembrar dos passeios, pois com as ciclovias e com os passeios até a segurança aumenta, pois locais com grandes movimentaçoes de pessoas o indice de criminalidae diminue, em relação as ciclovias, eu classifico como:
    Ciclovia de Transporte – Ciclovia que liga centros residenciais até centros comerciais
    Ciclovia de turismo – Ciclovia que liga rede de hoteis até pontos turístico, prais, rios, praças e etc….
    Ciclovia de lazer – Ciclovia fechada, feito em praças, parques, dique e etc…, esta ciclovia é muito importante para os bicicleteiros, pois nela o aprendizado é mais seguro, pois quem utiliza é mais pessoas para se exercitar e não tem muita pressa.
    Eu sempre lembro, que 70% das pessoas que utiliza carros e motos, podem e tem condições de andar de bicicletas, veja, que neste evento os bicicletários ficaram lotados, será que não poderia ser sempre assim, prestem atenção que não temos ciclovias suficiente na cidades mas mesmo asim as bicicletas circulam, aqui em Salvador, andei da Itapoan até Centenário, pela Orla, 32 Km, passei por 278 bicicletas, isto signica nada menos que 278 carros na rua no Domingo, faço a pergunta, será que por isto que não temos engarrafamento neste dia.
    Gilson Cunha
    Presidente da ASBB – Associaçao dos Bicicleteiros da Bahia
    (71)9982-7014 // 3356-2548 // asbbesporte@hotmail.com

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Compartilhe! «

    […] semana que o Secretário dos Transportes, Marcelo Branco, disse com todas as letras que acredita mesmo é no compartilhamento das vias, está reduzindo as velocidades máximas na […]

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Roque (Som do Roque)

    Parabéns e obrigado pelo relato.

    Alguém sabe se eles vão disponibilizar os vídeos na internet?
    Alguma previsão?

    Grande abraxxxxxxxxxxxxxxx

    Roque
    em Salvador, de bicicleta.
    http://culturadabicicleta.blogspot.com/

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Carlos Alkmin

    Tivemos posturas lúcidas e alguns desmontes de verdades prontas, como certas estatísticas. Destaco a fluidez do pensamento do Arturo Alcorta, que alertou para as omissões da sociedade civil, como a que levou à privatização de um quarteirão inteiro do Itaim Bibi onde por décadas funcionaram instituições com serviços à comunidade. Explicou, assim, que esta mesma omissão permitiu chegarmos ao atual modelo de (não-)mobilidade.

    Parece também começar a haver vontade política, antes tarde do que nunca.

    Insisto no seguinte: para uma plateia em que predominam cidadãos já envolvidos na causa, já agentes de transformações, talvez tenha havido pouco a acrescentar. Tanto melhor será se o evento tiver atraído por outros meios de divulgação novos multiplicadores das práticas que poderão levar a um mundo melhor.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Edson Murakami

    O tom do discurso do Marcelo Branco tem que ser usado também para toda população de SP, não somente aos ciclistas. Repetidas vezes, com ações concretas e combatendo pressões de forma demonstrativa.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • cristiane iannacconi

    oi, Willian,
    adorei seu relato sobre o forum!
    tenho um blog onde falo sobre viver mais sustentável…
    lá tem um link p Vá de Bike!
    gostaria de postar um trechinho do seu texto por lá e, é claro, citar a origem e linkar p essa postagem.
    a ideia por lá é sempre de divulgar boas idéias p preservar os recursos do planeta.
    passa lá e dá uma olhadinha:
    http://ciclicca.blogspot.com
    aguardo seu contato para saber se vc autoriza o post.
    Valeu.
    Abç
    Cris

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • James Prado Gondim

    Gostei muito do que vi e ouvi. Apesar de alguns não enxergarem, que estes encontros, significam um grande avanço, ja percebo o ressoar deste evento. A simples participação do Trânsito, ja e , por si so um sinal de mudança.Ha alguns anos não se poderia contar com gente tão expressiva e de peso.
    Bom o “barulho” foi iniciado, cabe a cada um agora, a responsabilidade de multiplicar esta ações.

    Boa noite

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Fabricio Semmler

    Uma coisa que me impressionou no projeto “Cidades Para Pessoas” foi um dinamarquês falando que Copenhagen não há algumas décadas era tão ruim como São Paulo é hoje. Foi a pressão da própria população que causou as mudanças que a levaram a ser uma cidade tão boa para se viver. Bem, vamos seguir o exemplo deles e continuar reclamando nosso direito às ruas, afinal o que temos a perder?

    Esse encontro com a presença do próprio Secretário quer dizer que a luta está funcionando. Vamos continuar então!

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • jose

    Só o fato do cabeça da CET falar publicamente oq falou já é algo positivo, mas estamos acostumados a esse tipo de gente falar coisas lindas, falar que vão fazer isso e aquilo, mas que não fazem absolutamente nada de concreto, só falam…. Sinceramente, só acredito vendo! Só vou começar a acreditar em mudanças reais no dia em que um figurão desses aparecer em um evento do tipo dizendo “nós fizemos (e não queremos fazer…) muito pela mobilidade, completamos a ciclovia da marginal pinheiros, até o jaguaré, com mais de uma dezena de acessos, com iluminação decente e horário de funcionamento das 4 as 23h, eliminamos todas as vagas de estacionamento em todas as ruas de grande fluxo na cidade, baixando a velocidade dos carros nessas vias, e construimos ciclofaixas no lugar dessas vagas ocupadas por automóveis. Nós criamos diversos programas para facilitar a compra de bikes para a população, não só tirando o imposto de bikes e peças, mas bancando boa parte do custo delas, para realmente incentivar o uso das bikes. Nós forçamos nossos agentes de trânsito a multar os automóveis que infrigem o código de trânsito, atentando contra a vida dos ciclistas, etc..”. No dia que fizerem isso, ai sim teremos alguma mudança real, falar que quer algo é extremamente fácil, é positivo pq mostra o mínimo de vontade por parte deles, mas quero ver é por em prática oq eles falam! Sinceramente, duvido muito que isso ocorra num médio/curto prazo… E, de coração, espero estar redondamente enganado!

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Sumaya

    Eduardo Vasconcellos foi um exemplo de coerência, conhecimento e senso de realidade. Foi um sensacional a participação dele. Senti falta da Renata Falzoni e de outros representantes grandes como vc, Willian.

    Abraços.

    Thumb up 3 Thumb down 0

  • Quinzena agitada! «

    […] Vá de Bike […]

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Fernanda

    Excelente relato.
    Concordo em gênero, número e grau, hehehe.
    Vamos torcer para que o diálogo continue acontecendo.
    Fernanda

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • como foi | Bicicletada da Zona Oeste

    […] Willian Cruz, autor do Vá de Bike, fez um relato extenso sobre o Fórum de Mobilidade com o David Byrne, que ocorreu no SESC […]

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Xampa

    Belo texto, belissimo encontro.
    Por isso que eu acredito na bike como meio de transporte.
    A reflexão de compartilhamento é sensacional. Abriu a mente.
    Obrigado por dividir.

    Thumb up 2 Thumb down 0

Enviar resposta

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>