Ciclista, não desanime: dias melhores virão

Ciclista, não desanime: dia melhores virão

Apesar de todo o discurso do medo, apesar da histórica falta de atenção do poder público, apesar da descrença de grande parte da sociedade, a bicicleta conquista cada vez mais espaço nas cidades brasileiras.

Pioneiros, os ciclistas que hoje desbravam as ruas e impõem seu direito de circulação, apesar de todas as adversidades, abrem caminho para as próximas gerações, que em pouco tempo ajudarão a tornar nossas cidades mais humanas, agradáveis e cicláveis.

A mudança já começou e os sinais são claros – e nem estamos falando de ciclovias aqui. A quantidade de bicicletas nas ruas aumenta a cada dia. Cada vez mais pessoas tem parentes, amigos ou amores que pedalam, passando a ver quem se desloca em bicicleta como cidadãos e não como obstáculos ao fluxo do automóvel.

O assunto é cada vez mais debatido e parte da imprensa tem mudado de foco, defendendo o direito de uso da bicicleta e buscando esclarecer como esse uso pode mudar as cidades – algo raríssimo dez anos atrás. Pessoas de visão no executivo e no legislativo começam a mudar de opinião sobre a importância das pedaladas e a necessidade de proteger os ciclistas, esforçando-se, ainda que de forma trôpega, para mudar as políticas estabelecidas e o planejamento urbano voltado unicamente ao automóvel.

A adaptação das cidades e da sociedade ao uso da bicicleta é lenta, difícil, custosa, mas já se colocou em movimento e não pode ser parada. Nossa urgência de mudanças, de proteção às nossas vidas, por vezes nos faz pensar que nada caminha. Os retrocessos nos frustram, as falhas em projetos e iniciativas nos desanimam. Mas analisando por uma perspectiva histórica, a mudança é inequívoca: basta avaliar os últimos dez anos.

A mudança trazida pela bicicleta torna as cidades mais próximas das pessoas, beneficia também os deslocamentos a pé, promove uma interação com o ambiente urbano, um resgate da cidadania e da sensação de apropriação do espaço público, no sentido de usufruto e de responsabilidade.

Cidades cicláveis e acessíveis beneficiam a todos – até a quem, ainda assim, desejar continuar usando o automóvel.

Aos que não acreditam, o tempo mostrará. Continuem pedalando. Continuem mudando o mundo.


33 comentários para Ciclista, não desanime: dias melhores virão

  • Pedalo há algumas décadas e percebo uma utilização crescente das bicicletas nas grandes cidades e também um aumento de eventos ligados à bicicleta (passeios, campanhas promocionais…)

    Thumb up 2 Thumb down 1

  • Carlos

    Não desanime. Faça esta afirmação para os próprios funcinários que cuidam o bicicletário, ou que trabalham em torno. Vai ser “ciclochatice”, mas vão se lembrar dos ciclistas. É preciso essa “manutenção” na cabeça das pessoas. E, aproveite para conhecer os que cuidam do bicicletário. Ganhando simpatia através da empatia.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Douglas

    Gostaria de deixar a minha indignação ao bicicletario de itaquera que fecharam para mundaça atrapalhando nos que estamos tentando tirar um carro a menos da rua ?????????????????????????

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Concordo com você Ignez, precisamos respeitar para sermos respeitados. Eu trabalho na paulista e também vejo entregadores sem equipamento de proteção e td mais q vc falou.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Maria Ignez Costa

    Eu também sou ciclista, mas nossa fama em São Paulo não anda boa. Todos os dias eu vejo ciclistas desrespeitando as leis quase que como uma afronta aos carros. Eu podia ter carro, mas optei por andar de bike ou à pé por que tenho o privilégio de trabalhar perto de casa, mas eu tenho sofrido muito aqui na Vila Olimpia com os ciclista sem noção (que é como eu os chamo). Aqui no bairro o problema ainda se agrava com os entregadores que usam a bike. Todos eles andam sem nenhum equipamento de segurança, na maioria das vezes segurando o guidon somente com uma das mãos, enquanto na outra carregam a encomenda. Sempre andam pela contra mão e pelas calçadas. Na rua onde eu trabalho semana passada eu presenciei um desses jovens descendo a rua pela contra mão e empinando a bicicleta, num total desrespeito aos carros. Se fosse atropelado a culpa seria do motorista, ninguém culparia estes inconsequentes. Muitos colegas de trabalho vem de bike e admitem que sempre andam pelas calçadas e na contra mãe. Sábado passado eu ví um bebado pedalando às 09:00 da manhã atropelar uma idosa na calçada. Falta respeito dos dois lados.

    Thumb up 0 Thumb down 2

  • Comecei a acompanhar esse blog a pouco tempo,mas tenho curtido muito ele.Verdade seja dita:moro em uma cidade do interior e como ciclista diario(uso a bike para trabalhar ir na academia e tudo o mais,so tiro o carro da garagem para sair com a familia ou quando esta chovendo muito)no interior o problema é o mesmo das grandes cidades,ou ainda maior pois quase nao a ciclovias e as poucas que tem sao tomadas por motos numa total falta de respeito.Mas mesmo assim nao desisto de andar de bike e procuro incentivar as pessoas a trocarem os carros pela bike e vamos a luta!

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • até concordo que devemos ter mais ciclovias, mas a logica diz que: quanto mais bicicleta menos carro na rua, com menos carro na rua fica menos perigoso (por diminuir o risco de ser atropelado), menos perigoso mais ciclistas.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Vamos precisar de muita ciclovia e uma boa revolução na política! Com muita ciclovia, a gente vai descobrir que os motoristas brasileiros não são muito piores do que os motoristas holandês. Só faltava uma infraestrutura adequada para que as coisas acontecem sem atrito, sem riscos.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Eu pedalo há 20 anos e afirmo sem sombra de dúvidas que o uso da bicicleta está crescendo como nunca se viu! Parabéns para nós!

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Vim pensando hoje exatamente nisso!

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • francisco gouveia

    tenho pouco tempo pedalando e ja vi muita coisa, passou por min um carro, fox com 3 carotas gritando cuidado com braço estavam correndo muito.taxista ja tentou me derrubar ele passou colado em min businando de maneira brusca e ligando pisca alerta.estou gostando muito de pedalar não queria parar,essas pessoas que tem que sair de circulação.

    Thumb up 0 Thumb down 0

    • Carlos Shigueru Akamatsu

      Boa Francisco. Está provando que não é ciclista de fim-de-semana ou aventureiro de Parque de Diversões. :-) .
      Não desanime. Continue pedalando e aprenda cada vez mais a sobreviver nesta selva que é a cidade, e aprenda a ajudar os menos afortunados e trabalhadores, pois eles que no final irão tornar as vias mais seguras.

      Thumb up 1 Thumb down 0

    • Carlos Shigueru Akamatsu

      Só para lembrar que há 70% ciclistas que usam para ir ou no trabalho. Para eles não este luxo de desanimar. Miremos na insistência deles.

      Thumb up 1 Thumb down 0

  • Bruno Barbosa

    Pow, muito bacana esse pequeno texto. Ler ele reforçou essa ideia na minha cabeça. E com certeza vou continuar pedalando!

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • É bem isso ai pessoal…

    Vamos salvar o mundo, até para quem nem imagina…

    Bike & Amor…

    Thumb up 1 Thumb down 1

  • Muito bom William. Saber que estou de certo modo ajudando e fazendo parte dessa mudança me dá ânimo para encarar os desafios que ainda existem – principalmente na cabeça das pessoas.
    Parabéns pra você que tem um papel importantíssimo nessa mudança. Keep it up!!!!

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • o problema, William, é que a Esperança é o pior antídoto para o Medo: sendo doce, ela causa diabetes…

    A Alegria, ela sim, vence a Esperança (que é o contrário do Medo, e por isso Medo ainda) e o Medo de uma só vez. A Alegria não hipoteca o presente em nome de um futuro melhor, por exemplo: ela é a vida aqui e agora, apesar-de.

    Thumb up 0 Thumb down 1

  • Muito bom o texto Willian, estava pensando nisso hoje vindo pro trabalho. Por mais que seja uma luta, a cada dia mais normal ver amigos deixando o carro de lado e pegando a bike para fugir do transito. Parabens pelo texto!

    Rodrigo
    Analista de Projetos Financeiros e de Viabilidade de Negócios

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Silvia

    De um lado estamos nós, heróis na selva de carros. No outro está o governo e a prorrogação do desconto no IPI. Haja espaço para mais carros!

    Thumb up 2 Thumb down 0

    • Carlos Shigueru Akamatsu

      Problema não é somente mais carros, mas também mais poluição, menos fiscalização. Haddad detonou a Controlar, não vai contratar mais agentes da CET … que diretamente impacta nos ciclistas, em termos de segurança e saúde pública. Portanto, a nossa ação tem que ser de espectro amplo, que em suma, é o resgate da cidadania que vai garantir melhores condições para os ciclistas.

      Thumb up 0 Thumb down 0

    • acho que alem da redução do ipi vale lembrar como é facil tirar carta de motorista ou até mesmo como é facil comprar um automovel sem ter carta de motorista!
      Mas atualmente nunca se falou tanto de bicicleta como nos dias de hoje e nunca tivemos tanta gente na rua andando de bicicleta como temos hoje aqui em SP. Não é da noite do dia que isso vai mudar, mas está mudando, continuamos na luta!

      Thumb up 0 Thumb down 0

  • mary

    O texto veio num momento importante, Willian, principalmente porque acabei de ler que morreu uma ciclista no Rio… Não tem jeito, parece que a tranquilidade de ciclista está fadada a extremos: dias ótimos e dias em que não se entende mais nada. Mas seu blog serve como uma fonte de renovação de confiança. Obrigada pelo seu trabalho!

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Nick Vila Maior

    Muito bacana Willian!! É isso aí!! Vamos em frente, pedalando!

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Rodrigo Vilani

    Muitas vezes gostaria de ser mais ativo como ciclista, mas não acredito que tenha essa vocação.
    Porém nunca vou esquecer de um artigo que li aqui mesmo no vá de bike há um bom tempo atrás que falava da simples porém essencial importância de continuar ocupando a rua, não se deixar oprimir pelas dificuldades, pois somos todos importantes como presença. E sei que minha parte é continuar na rua, pedalando em paz, sendo gentil não porque tenho que conquistar pessoas, mas porque a bike me permite permanecer de bom humor, mesmo contra todas as adversidades até que as coisas mudem, um dia.
    E todos possam ficar bem nos modais que escolheram como os melhores pra si.

    Comentário bem votado! Thumb up 6 Thumb down 0

    • Carlos Shigueru Akamatsu

      É negócio é ocupar mais as ruas, mais o espaço público, e também ocupar mais os serviços da prefeitura e CET. Ficamos muito ausentes da vida pública, e muitas vezes omissos. A situação que enfrentamos é o resultado da omissão, medo de participar, e até mesmo devido ao estilo de vida copiado dos norte-americanos ( subúrbio – carro – trabalho ), deixamos de olhar os pequenos problemas do dia-a-dia nos locais onde passamos. E, estes pequenos problemas, se acumulam e geram grandes problemas. Portanto, não ocupe apenas a rua, ocupe também as outras coisas que nos fazem cidadãos desta cidade, deste estado, deste país.

      Thumb up 2 Thumb down 0

  • Laudari

    Willian,

    Tem textos que caem como uma luva.

    Hoje estava numa via de mão dupla apertada. Quando vejo carro no sentido contrário, ocupo a minha pista mesmo e aceno com a mão para que o carro atrás de mim reduza e aguarde.

    Ouvi o freio. Assustei e olhei para trás. Vi o sujeito tentando me ultrapassar, numa rua de bairro, com uma mão no volante e falando ao celular.

    Obrigado pelo texto!

    Laudari

    Comentário bem votado! Thumb up 11 Thumb down 0

    • Concordo contigo Laudari, tem textos que caem como uma luva. Willian, eu estava pensando nisso hoje! Vindo para o trabalho reparei que haviam mais ciclistas nas ruas, o que a um tempo atras era uma raridade, hoje em dia é cotidiano. Estamos mudando, mas tem certas pessoas que não mudam né Laudari…

      Thumb up 3 Thumb down 0

    • Carlos Shigueru Akamatsu

      É por isto que digo que usem mais os canais de denúncia do CET ( assim a longo prazo, menos motoristas irão usar celular enquanto dirigem ). Ontem mesmo no jornal Metro falava sobre isto: “Motorista dribla fiscal e
      mantém celular ao volante
      Trânsito. Número de autuações no 1º bimestre deste ano é 27% menor do que o registrado no mesmo período de 2012. Para especialista, no
      entanto, o comportamento do condutor não mudou: falta de rigor na fiscalização e uso de fones de ouvido e viva voz explicam a redução PÁG. 04″. E, com o anúncio no próprio metro de que a prefeitura não vai contratar mais 500 agentes para o CET … agrava a situação. Portanto, é hora de todos começarem a denunciar estes motoristas. Por isto que solicitei também que o CET tivesse um sistema de SMS para receber as denúncias.

      Thumb up 0 Thumb down 1

  • Ataide Junior

    Faço minha parte diariamente, respeitando as leis de trânsito, a boa convivência com os carros e pedestres e fazendo valer o meu direito de ir e vir em minha magrela!

    Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 0

  • Juliana

    Eh isso ai… mudando o mundo a pedaladas!!! Amei!!! <3

    Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 0

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>