Moto chega antes, mas bicicleta foi mais eficiente no Desafio Intermodal de São Paulo

Desafio Intermodal de São Paulo chega em sua 8ª  edição. Foto: Rachel Schein

Desafio Intermodal de São Paulo chega em sua 8ª edição. Foto: Rachel Schein

Veja também
Mas o que é um Desafio Intermodal?

Resultados do Desafio Intermodal
ao longo dos anos, em seis capitais

Dia Mundial Sem Carro

Veja mais atividades na Cicloagenda

No dia 12 de setembro São Paulo realizou, pelo oitavo ano consecutivo, seu Desafio Intermodal. Utilizando diferentes formas de deslocamento, o teste avalia o tempo gasto para se chegar ao destino final, o custo gerado e a emissão de gás carbônico. Por isso, o Desafio é mais que uma “corrida maluca”, pois não basta chegar em primeiro lugar: o impacto ambiental e o custo do deslocamento também se tornam importantes.

Dessa vez, o meio de locomoção que chegou mais rápido foi a moto: Willy concluiu o percurso entre a Praça General Gentil Falcão, na zona sul da cidade, até a Prefeitura, no centro, em 19 minutos e 9 segundos. E apenas um minuto depois chegou a primeira bicicleta, mas seu tempo não pôde ser registrado: quem a pedalava não era o competidor oficial, mas seu acompanhante, e pelas regras o tempo a ser registrado deve ser sempre do participante oficial.

O ciclista que vestia a camiseta verde-limão do Desafio chegou quatro minutos depois da motocicleta, com o tempo oficial de 23 minutos e 22 segundos. Seguindo por vias rápidas, ele havia perdido a entrada da rua que sai na frente da prefeitura e precisou dar uma volta maior, perdendo nesse processo cerca de 15% do tempo que havia levado para chegar até ali. Mas, mesmo com o atraso, ele chegou quase um minuto antes do tempo feito em 2012!

O Desafio Intermodal é apenas uma das atividades do mês da mobilidade. Veja outras na nossa Cicloagenda!

Carro e ônibus parados na Marginal

A pessoa que fez o percurso correndo chegou seis minutos antes do automóvel, que neste ano fez em 1h07, um tempo 34 minutos mais rápido que o do ano passado. A participante que foi como motorista, Roberta Godinho, conta que planejou um caminho que achava ótimo, mas uma hora “travou na Marginal” (Pinheiros).

O usuário do ônibus Samir Souza também reclamou do mesmo problema: “Na Marginal [Pinheiros] muitas horas não tinha corredor e tem muitos acessos que ninguém anda, acho que foi mais de meia hora só nos acessos.”

E esse ano o tempo da pessoa chegou caminhando foi de 1h44, um minuto a mais do que o ano passado.

A superlotação do trem e do metrô

Estações cheias dificultaram o embarque dos participantes, que precisaram esperar para conseguir entrar nos trens. Foto: Rachel Schein

Estações cheias dificultaram o embarque dos participantes, que precisaram esperar para conseguir entrar nos trens. Na foto, a estação Pinheiros. Foto: Rachel Schein

Aylons, o participante que usou o trem mais metrô, conta que ficou mais tempo pra conseguir se deslocar nas estações, tanto de trem como de metrô, do que o tempo de deslocamento nos dois modais. Ele pegou o trem na Estação Berrini, desceu na Estação Pinheiros e foi até a Estação República. Da República preferiu andar até o Viaduto do Chá do que fazer a conexão para a linha vermelha e descer na Estação Anhangabaú, que seria a mais próxima do seu destino final. Completou o percurso em 53’03”.

Veja o seu depoimento na hora da chegada e acompanhe, no mesmo vídeo, também o do cadeirante:

Dessa vez a combinação dobrável + metrô não apresentou resultados satisfatórios. Segundo Thiago Benicchio, participante desta categoria, o motivo da demora foi principalmente o tempo pra conseguir entrar no vagão da linha amarela. “Foram três trens até conseguir entrar, só no quarto consegui, e não foi só por causa da bicicleta, as pessoas que estavam lá também não conseguiam”, desabafa. Quem usa a linha amarela nesse horário sabe bem sobre a superlotação que Thiago enfrentou.

O caminho escolhido pelo participante foi seguir por ruas tranquilas próximas à Av. Luis Carlos Berrini, depois pedalou pela ciclovia da Av. Faria Lima, pegou o metrô na Estação Faria Lima para desembarcar na Estação República e seguiu pedalando até a Prefeitura. Veja seu depoimento:

Seu tempo com certeza teria sido menor se optasse só pelo deslocamento de bicicleta. O participante que foi de bike por vias calmas realizou o percurso em 42 minutos e 56 segundos. Por isso Vá de Bike, sempre que puder! ;)

A gente não pode deixar de estimular o uso da bicicleta, mas o importante para o caos que a cidade enfrenta hoje é que o cidadão conheça outras opções de deslocamento mais eficientes que o carro. Outro ponto importante do desafio é mostrar para as nossas autoridades que o transporte coletivo ainda precisa de muita melhora para ser de fato eficiente.

Thiago Benicchio colocou a dobrável no metrô e foi acompanhado de perto pela Renata Falzoni. Foto: Rachel Schein

Thiago Benicchio colocou a dobrável no metrô e foi acompanhado de perto pela Renata Falzoni. Foto: Rachel Schein

Resultado final

1. Motociclista – Tempo: 19 minutos e 9 segundos

2. Bike vias rápidas – Tempo: 23 minutos e 22 segundos

3. Bike vias calmas – Tempo: 42 minutos e 56 segundos

4. Trem + Metrô – Tempo: 53 minutos e 3 segundos

5. Cadeirante (Trem e Metrô) – Tempo: 54 minutos e 40 segundos

6. Pedestre correndo  - 1 hora e 1 minuto

7. Carro – Tempo: 1 hora e 7 minutos

8. Ônibus – Tempo: 1 hora e 8 minutos

9. Skate – Aguinaldo – Tempo: 1 hora e 16 minutos

10. Dobrável + metrô – Tempo: 1 hora e 19 minutos

11. Pedestre caminhando – Tempo: 1 hora e 43 minutos

O Vá de Bike esteve por lá, acompanhando o resultado e entrevistando os participantes. Foto: Rachel Schein

O Vá de Bike esteve por lá, acompanhando o resultado e entrevistando os participantes. Foto: Rachel Schein

Mais fotos e vídeos

Veja aqui nossa galeria de fotos!

Vídeos com a chegada de cada participante e seus depoimentos:


6 comentários para Moto chega antes, mas bicicleta foi mais eficiente no Desafio Intermodal de São Paulo

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>