Por usar bicicleta, empresário é hostilizado em prédio de luxo da capital paulista

Marco Gomes em pedalada pela ciclovia: preconceito contra ciclistas não é fato isolado em edifícios comerciais. Foto: Ivson Miranda

Marco Gomes em pedalada pela ciclovia: preconceito contra ciclistas não é fato isolado em edifícios comerciais. Foto: Ivson Miranda

Através de um longo e detalhado desabafo publicado em seu perfil no Facebook, o empresário Marco Gomes, fundador de duas startups de tecnologia, boo-box e Mova Mais, afirmou ter sido vítima de preconceito ao usar sua bicicleta para visitar um prédio de luxo localizado na Vila Olímpia, zona sul da capital paulista. O episódio teria ocorrido no dia 29 de julho.

Marco afirma ter chegado ao São Paulo Corporate Towers (complexo formado por duas torres de escritórios, além de um prédio técnico e outro com centro de convenções, restaurantes e cafeteria) usando sua magrela e vestindo uma jersey, camisa própria para a prática de ciclismo. De acordo com o executivo, os seguranças e funcionários do estabelecimento agiram de forma rude, tratando Marco com desdém e se recusando a orientá-lo sobre como encontrar os elevadores.

Durante seu desabafo, o ciclista comenta ainda que a equipe do prédio o confundiu com um entregador e não acreditou que ele estava ali para participar de uma reunião no 11º andar do arranha-céu. “Várias vezes me perguntaram onde eu ia fazer entrega, o que é um problema em si, pois caso eu fosse entregador, deveria ser tratado com respeito e educação como qualquer outra pessoa”, observa.

Mesmo após a reunião (e agora usando roupa social), Marco continuou sendo hostilizado por alguns funcionários do Corporate Towers, que o forçaram a usar uma saída mais distante e o impediram de utilizar, com sua bicicleta o mesmo caminho usado pelos carros. Ele explica ainda que ligou para a administração do complexo para fazer uma denúncia formal, mas o responsável se limitou a dizer que os seguranças são treinados para lidar com esse tipo de situação. Você pode conferir o depoimento completo do empresário no box abaixo.

Hoje fui de bike ao São Paulo Corporate Towers, ali na Av. JK com a Funchal, nunca fui tão mal atendido por estar de bicicleta. A infraestrutura (bicicletários, obrigatórios por lei) ainda não estão prontos, mas não foi este o problema; o problema mesmo foi o atendimento, como os funcionários do condomínio me trataram.

Por eu estar com uma camiseta própria para ciclismo (jersey), os profissionais da segurança me trataram com desdém e grosseria, fizeram perguntas constrangedoras, dificultaram meu acesso à recepção e evitavam me dar instruções de como chegar no hall de elevadores sociais que dá acesso à recepção. Várias vezes me perguntaram onde eu ia fazer entrega, o que é um problema em si, pois caso eu fosse entregador, deveria ser tratado com respeito e educação como qualquer outra pessoa. Não acreditaram que eu ia realmente fazer uma reunião de negócios no 11º andar e sequer cogitaram que havia uma camisa (com botões!) dentro da mochila.

Após a reunião, já de camisa (com botões!), na saída do prédio eu fui mal tratado da mesma forma após pegar minha bike no estacionamento, usaram vocabulário agressivo e não me deixaram sair pela mesma saída de todas as outras pessoas que usavam carro, me fizeram sair por um outro acesso muito mais longe e inconveniente para meu trajeto. E eu juro p/ vocês que não falei 1 palavra ríspida com eles, respondi tudo de maneira monossilábica e direta, deixei para resolver com o administrador do condomínio. Nestas situações eu não dou carteirada, não digo que eu sou executivo, empreendedor, internacionalmente premiado; se me consideram um entregador por causa da roupa e da bike, que continuem achando isso, mas que me tratem com respeito mesmo assim.

Eu não me sinto humilhado por me confundirem com um outro tipo de profissional, me sinto humilhado por me tratarem com descaso e não acreditarem no que eu falo. E tenho dó dos entregadores de verdade, que devem passar por isso todo dia o dia todo. Já a pessoa da recepção (aquela que entrega crachás) foi muito bem educada, não me tratou mal por causa da minha roupa e até me deu um folheto com o telefone do condomínio, para eu fazer uma ligação e reclamar com o administrador. Liguei no condomínio e expliquei minha experiência, quem me atendeu pediu desculpas e disse que vai fazer um treinamento com os profissionais da segurança. Da próxima vez eu roubo uma Porsche Cayenne ali mesmo no congestionamento da Av. JK e chego “de patrão”, quem sabe assim eles me tratam como gente.

Edifício na zona sul de São Paulo onde funcionários foram acusados de hostilizar ciclista. Imagem: Reprodução/São Paulo Corporate Towers

São Paulo Corporate Towers: funcionários do edifício de luxo foram acusados de hostilizar ciclista. Imagem: Reprodução/São Paulo Corporate Towers

O que o complexo tem a dizer

O Vá de Bike entrou em contato com a administração do São Paulo Corporate Towers para saber mais sobre o ocorrido, mas a empresa que administra a segurança do local não quis se pronunciar sobre o assunto.

Porém, a assessoria de imprensa da companhia em questão afirmou que, de acordo com informações iniciais, o que teria ocorrido é que os funcionários do local pediram para que Marco desmontasse da bicicleta e prosseguisse à pé, já que o fluxo de bicicletas era proibido no local onde ele estava. Porém a agência não soube explicar exatamente em qual lugar do prédio as pedaladas são proibidas.

Atualizado (18/08, 18h): A administração do condomínio entrou em contato posteriormente com o Vá de Bike, afirmando que o treinamento para os seguranças foi reforçado para que episódios como esse não se repitam. O complexo comentou ainda que considera muito importante o uso de bicicletas, e que inclusive já dispõe de um bicicletário no local para atender a demanda do público.

Preconceito contra ciclistas não é novidade em SP

Esta não é a primeira vez que um estabelecimento é criticado publicamente por seus funcionários adotarem posturas preconceituosas contra ciclistas. Essa é uma situação recorrente em várias partes de São Paulo e ao redor de todo o Brasil. Já falamos aqui mesmo no Vá de Bike sobre outros casos parecidos que ocorreram ao longo dos últimos anos. Em 2011, por exemplo, o Bourbon Shopping São Paulo, localizado no bairro da Pompeia, se viu envolvido em polêmica por obrigar ciclistas a descerem de suas bicicletas antes de adentrar no estacionamento.

Outro estabelecimento que já se mostrou pouco aberto às magrelas foi o Conjunto Nacional, que fica na avenida Paulista. Um funcionário da Estapar, empresa que administra o estacionamento do condomínio, foi rude e agressivo com Willian Cruz, fundador do Vá de Bike, quando este questionou o horário de funcionamento reduzido do bicicletário instalado no local, alguns anos atrás.

Vale lembrar que a Lei Municipal 14.266, instaurada em fevereiro de 2007, obriga “edifícios públicos, indústrias, escolas, centros de compras, condomínios, parques e outros locais de grande fluxo de pessoas” a terem uma infraestrutura para o estacionamento de bicicletas. Veja as leis que obrigam bicicletários em São Paulo.


34 comentários para Por usar bicicleta, empresário é hostilizado em prédio de luxo da capital paulista

  • manoel

    Lamentável isso ocorrer. Deve ser uma situação muito chata. Nunca ocorreu comigo, mas de fato, eu iria reclamar igual esse empresário fez. Triste isso

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Maria

    Eu e meu amigos fomos em domingo de manhã andar de bike pelo centro e passamos no Centro Cultural Banco do Brasil. Como tinha uma exposição que nos interessou, tentamos parar bike lá e não pudemos. Não tinha onde prender as bikes então fomos embora decepcionados!

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Edmilson

    Nem ligo pra essas coisas,chego chegando e foda-se, em bancos,restaurantes as vezes em empresas e onde tiver que ir, FODA-SE,sou mais EU,quer olhar olhe, quer zombar,zombe,quer desdenhar desdenhe nem tô.

    Thumb up 4 Thumb down 2

  • Marcio Gomes

    Eu fui como convidado (paguei 55 reais) ao clube pinheiros e tive que sair para pegar minha bike e voltar. No entanto, apesar de ter o nome registrado no sistema e o cartão de visitante, não me permitiram entrar com a magrela, pois isso só ê possível se você estiver acompanhado do sócio. Isto é, você pode entrar no clube sem a presença do sócio, mas sua bike não. Sendo assim, desisti de entrar novamente, pois minha irmã não podia vir até a portaria naquele momento, e decidi ir ao shopping Iguatemí. Lá correu tudo bem, exceto pelo fato de que só é permitido entrar de bike pelo acesso da faria lima e é proibido pedalar no estacionamento, mesmo que seja para acessar o bicicletário… O pessoal da segurança foi muito educado e cumpriu a ordem que recebeu. Mas essas ordens, tanto do clube, quanto do shopping são bem estranhas, né? De qualquer forma, seja o cara da “linha de frente” rude ou não, boa parte da situação foi criada pela “chefia”. Essa é a miséria do país.

    Comentário bem votado! Thumb up 7 Thumb down 0

  • Ádila Varela

    Minha solidadriedade ao ciclista.
    Passei por situação semelhante tempos atras quando fui numa consulta médica oftalmológica. O prédio Ed Zion Business belíssimo, moderno, chique, só que não, pois não tinha sequer bicicletário. Sofri preconceito sim por parte dos manobristas da empresa ESTAPAR quando tentei trancar a bike num espaço ocioso (não era espaço para carros, pois era pequeno demais para isso. Foram indelicados nas palavras e atitudes. Muito a contragosto porém com a permissão deles, a bike ficou guardada no tal cantinho. Demorei mais de uma hora na consulta. Quando voltei, queriam me COBRAR o valor cobrado por estacionar moto, alegando que eu demorei muito… Aí perdi a delicadeza e falei poucas e boas, ora vá! Além de preconceituosos e desrespeitosos, ainda mais pilantras! Nunca mais volto lá.

    Thumb up 4 Thumb down 2

    • RicardoP

      Mas se o lugar cobra pelo estacionamento, qual o problema? Bicicletas não são sagradas. Cada estabelecimento pode determinar as suas próprias regras.

      A infraestrutura não é gratuita. Uma coisa é falar que “lá no meu prédio a bike não ocupa espaço nenhum no bicicletário”, o que já seria errado porém é amenizado por vários fatores. As bicicletas podem ficar todas jogadas em algum canto, penduradas, sem espaço de circulação entre elas e sem nenhuma praticidade.

      Outra coisa é criticar um estabelecimento privado por cobrar pela estrutura. Pois se você chega 15h para uma consulta e quer sair as 17h dali sem ficar tirando a bicicleta dos outros da frente (que provavelmente estarão todas acorrentadas) é preciso investir espaço em vagas individuais, corredores/passagens, etc. E se as bicicletas não estiverem acorrentadas, é preciso controlar a entrada e saída com algum mecanismo.

      E pior: se a pessoa deixa a bicicleta lá e alguém quebra a sua corrente, tenho certeza que a maioria vai processar o lugar. Mesmo sem ter pago nada pelo serviço, e ainda vão “xingar muito no twitter”.

      Bicicleta não é relógio de bolso. Em um ambiente comercial, que respeite diversas normas, ocupa tanto espaço quanto uma moto. Os estabelecimentos podem optar por incentivar o meio de transporte e com isso nutrir uma boa imagem entre os frequentadores. Mas também podem não estar nem aí para isso e cobrar pelo estacionamento.

      Polêmico. O que acha? Thumb up 9 Thumb down 7

      • Renato

        Se é cobrado, então é dever avisar na hora que chega. E outra, não há problema de cobrar, mas sim de hostilizar.
        Se deixaram ficar e não cobraram para depois cobrar, perderam qualquer razão. E se vacilar, caberia até processo por danos morais, pela forma como a cliente ciclista foi tratada.

        Comentário bem votado! Thumb up 7 Thumb down 3

      • Wilson

        Mas regra arbitrária não é regra, é abuso de autoridade e má-fé. Havia realmente algum regulamento oficial do estacionamento definindo o valor a ser pago para estacionar uma bicicleta? Eles informaram o regulamento e valor ANTES do ciclista estacionar? Acredito que não, pois, segundo Ádila, não havia nem sequer local adequado para estacionar bicicletas. E se eles iam ou poderiam cobrar algo, isso devia ser informado antes: deixar claro se se trata de um favor ou de uma transação. Faltou transparência e boa fé por parte do estacionamento.

        Thumb up 2 Thumb down 1

  • RicardoP

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 5 Thumb down 14

  • Fulvio Joegger

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 4 Thumb down 11

  • Tarantino

    Quanta idiotice do pessoal dos prédios! Bicicleta nem espaço ocupa, com um pouco de boa vontade tudo se resolve. Mas essa história não é nova. Lá pela décad de 1980, eu usava regularmente a bicicleta, e nenhum condomínio deixava estacionar, mesmo estando o estacionamento vazio.

    Comentário bem votado! Thumb up 10 Thumb down 0

  • maria luciani

    o caso do Marco, empresário, não é e nunca será um caso isolado. Eu aqui em Curitiba, passo pelas mesmas situações. A diferença entre estar bem vestida e numa bike, é muuuuuito diferente! Eu nem ligo e rio por dentro. Pobreza de espírito , não tem jeito!

    Comentário bem votado! Thumb up 12 Thumb down 1

  • Marcelo

    O mais irônico, é ver os “sofredores de preconceito” praticando o mesmo assim que lhes é dada a oportunidade… Essa é minha cidade, só ensina coisa boa pros outros… Bom senso, que é bom, nada, e se usado vira motivo de chacota… Viva SP!

    Polêmico. O que acha? Thumb up 5 Thumb down 6

  • Alex

    Louco isso. Comprei uma bike dobrável semana passada. Tenho entrado em todo lugar com ela dobrada e ninguém falou nada ou olhou torto, muito pelo contrário, pessoas puxam conversa. Semana passada fui num laboratório de análises clínicas em Moema e deixei minha dobrável ao meu lado o tempo todo até quando fazia meu exame.

    Comentário bem votado! Thumb up 10 Thumb down 0

  • Daniel Jones

    Já estive nos dois lados em prédios corporativos: como empresário e como ciclista courier, pois tenho uma empresa deste segmento em SP.

    Infelizmente os condomínios ainda não perceberam que a cidade está mudando, salvo exceções claro! Não ter vaga adequada para a bicicleta é o maior problema. Algumas vezes, os seguranças nem permitem que se estacione a bicicleta na calçada. É uma situação constrangedora.

    Comentário bem votado! Thumb up 17 Thumb down 0

  • Eu já fui em consulta de Bike, e o cara , segurança, veio chegando “VAI PRA ONDE?” Eu: Consulta! Ele: AONDE?? QUAL MÉDICO?
    Eu: Tal tal tal.

    E da outra foi no hospital pra visitar minha filha recém nascida.
    Cheguei, deixei a bike e fui em direção ao segurança pra perguntar onde poderia deixar.
    Ele já veio falando “Não pode deixar aí não”
    Eu: Calma, só quero saber onde posso deixar!

    É osso. Se chegasse num Porsche…

    Comentário bem votado! Thumb up 18 Thumb down 1

  • Marco, grande trabalho em expor esses marginais mal educados. Eu fui no prédio do Google ali na Faria Lima e tive que deixar a bicicleta na rua pois não deixavam eu entrar no estacionamento. A bici ficou na rua até as 22 horas. Uma vergonha um empreendimento inaugurado em 2013 não ter capacidade para receber ciclistas. O resto dos escritórios que visito são todos mais ou menos assim. Ou não tem lugar próprio, não deixam entrar ou precisa ser funcionário para estacionar.

    Comentário bem votado! Thumb up 15 Thumb down 0

    • marcio rebeldia

      esse procedimento BABACA desses condominios se deve ao fato que não PODEM COBRAR PELO ESTACIONAMENTO ALGUEM DE BIKE!!

      aki onde trabalho não tem um maldito lugar pra deixar bike. agora pra carro, até pra helicopetero tem!!

      Thumb up 0 Thumb down 0

  • Joaquim Alves

    É paradoxal este preconceito contra bikes em SP pela elite, pois são os filhos e parentes deles que estão na vanguarda de andar de bike em SP. A explosão do movimento de bikes nos últimos 5 anos só ocorreu quando este sensibilizou a classe média e média/alta de São Paulo.
    Eu já passei por um caso parecido a dois meses atrás, quando eu ia dormir na casa de um amigo na zona oeste. Quando eu fui entrar no apartamento dele, o porteiro simplesmente falou que o acesso ao prédio com bicicletas era proibido. E ponto, não consegui entrar. Resultado: tive que ir pra casa a 20 quilômetros dali, no Horto Florestal, de bike e super cansado. Ainda perdi o compromisso que teria no outro dia por causa disso.
    O caminho da bicicleta ser reconhecida como um meio de transporte em São Paulo será longo, ainda mais por ser esta a cidade locomotiva de todo tipo de conservadorismo e visão estreita, infelizmente. Mas mal esta elite sabe que o caminho da bike não tem volta. Eles que fiquem 4 horas no trânsito todos os dias.

    Comentário bem votado! Thumb up 13 Thumb down 7

    • Paulo Roberto

      Olha, não acho que isso seja uma atitude da elite conforme você disse. Conforme o relato quem tratou mal o ciclista foi o segurança do edifício, que creio eu, não faz parte dessa elite que você diz, o porteiro do seu caso também não. Já passei tanto por experiências boas quanto problemáticas por exemplo, ali no prédio do Santander na JK tem uma área para estacionar bicicletas e na primeira vez que fui o seguranca foi bem educado em me indicar onde deveria estacionar a bike sendo que na época o bicicletário estava em construção. Enquanto isso no prédio de um parente meu cheguei de bike e o porteiro também veio com um papo de que não poderia entrar de bike e que eu deveria deixa-la na rua, nisso peguei e liguei para o meu primo que entrou imediatamente em contato com o sindico que desceu para liberar minha entrada e na minha frente chamou a atenção do funcionário perguntando de onde havia tirado a ideia de que quem possui bike não poderia entrar no edifício. O sujeito imediatamente falou que achou que era o correto e blá blá blá. Portanto acho que vem mais do preconceito de determinadas pessoas do que com relação ao grupo econômico de que fazem parte.

      Comentário bem votado! Thumb up 11 Thumb down 0

  • Andre

    Infelizmente um bando de ignorantes e preconceituosos, tratam você pelo aquilo q vc tem não o q vc é! Mas vc agiu corretamente com inteligência e sabedoria!

    Comentário bem votado! Thumb up 13 Thumb down 0

  • Marco Baruffaldi

    Troque de shopping!

    O higienópolis tem bicicletario onde nem com a corrente voce precisa se preocupar.
    Um funcionário faz sua ficha na rapidez acondiciona a bike e a tranca.
    Quando voce volta, ele ou outro funcionário destacado e de guarda abre a cadeado pra voce.
    Inconveniencia?
    É céu aberto, na frente do Shopping.

    Só os usuários do shopping te olham atravessado quando de sapatilha,jersey e calção.

    Comentário bem votado! Thumb up 12 Thumb down 0

    • Paulo Roberto

      Verdade Marco, não vou muito em shopping mas as vezes que fui lá no Higienópolis nunca tive problemas, tem paraciclos na Veiga Filho e vaga na garagem (não sei se agora tem lugar específico para bike no estacionamento, mas há um tempo atrás era junto com as motos mas eu não importo muito com isso).

      Thumb up 1 Thumb down 0

  • kb

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 1 Thumb down 68

  • Felix

    Isso que ocorreu não foi uma falta de respeito com o ciclista em si e sim com o ser humano, mas já é normal esse tipo de pensamento por uma grande parte da população, vivemos em um mundo hj em dia que ser humano é deixar de ser ser humano e apenas ocupar um lugar de destaque na sociedade, com dinheiro e fama, já estamos cansados de ver pessoas deixando de ser ser humano e sempre se achar que é melhor que outros muitos seres humanos porque tem dinheiro, mas o buraco será o mesmo, e como o mundo está entrando um verdadeiro caos e o Brasil sem encaminhando para uma grande guerra civil, quero ver esse tipo de pessoa fazer alguma coisa, afinal ele é feito do mesmo material que uma pessoa pobre….

    Comentário bem votado! Thumb up 6 Thumb down 0

  • juca

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 10 Thumb down 24

    • Renato

      [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

      Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 8 Thumb down 15

    • FASTERRR

      Concordo!
      Apesar da qualidade de conexão do visitante, ainda são mais de 2mb de transferência e o término do carregamento de todos assets (incluindo widgets) é de mais de 25 segundos sem cachê.
      Tem algumas medidas que são bem simples de se tomar e que podem melhorar bastante esses números (atualmente são 73 requisições http no load inicial e os scripts/estilos não são minificados, por exemplo).

      Polêmico. O que acha? Thumb up 6 Thumb down 5

    • Juca e Fasterrr, vocês têm razão, a otimização do carregamento e uma melhora no design estão na nossa lista de pendências aqui. Se tiverem recomendações ou sugestões específicas, agradecemos se puderem enviar no contato@vadebike.org. Obrigado!

      Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  • David Brito

    Um dia, por bem ou por mal, vão acordar e começar a nos tratar com o devido respeito.

    Comentário bem votado! Thumb up 14 Thumb down 0

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>