Bicicletário em edifício comercial de São Paulo. Foto: Willian Cruz

Bicicletários privados: estacionamento de bicicletas não é mera cortesia

Direito de Pedalar: o advogado Fernando Torres fala sobre os direitos e deveres de ciclistas e estabelecimentos comerciais em relação a bicicletários

Bicicletário em edifício comercial de São Paulo. Foto: Willian Cruz
Bicicletário em edifício comercial de São Paulo. Foto: Willian Cruz

Ainda que em algumas cidades como São Paulo determinados estabelecimentos comerciais ou de interesse público sejam obrigados a oferecer espaço adequado para estacionamento de bicicletas, estabelecimentos comerciais do país inteiro têm se valido desta tática para atrair o ciclista consumidor. Isso gera dúvidas sobre os direitos de quem utiliza os espaços e de quem os oferece.

Veja também
As leis que obrigam bicicletários em São Paulo
Condomínios devem buscar soluções para bicicletários
Preconceito contra ciclistas

Responsabilidade sobre a bicicleta

A existência do bicicletário ou paraciclo é um atrativo para o consumidor, um diferencial que o atrai para um estabelecimento de comércio ou serviço com a finalidade de fazê-lo consumir. Assim, o espaço destinado à bicicleta no estabelecimento faz parte da relação de consumo entre o ciclista e o comerciante/prestador de serviços.

Quando paramos nossa bicicleta em um estabelecimento privado, celebramos contrato de depósito com quem oferece o espaço, devendo este restituir seu bem exatamente como entregamos a sua guarda. Na falta dele, por qualquer motivo, ele deve restituir bem igual ou a quantia de dinheiro correspondente. Lembramos que o contrato de depósito é, em regra, gratuito e se comprova por escrito.

Nesse aspecto é obrigação do fornecedor de entregar um comprovante do estacionamento ao ciclista. A falta dele é interpretada em favor do ciclista, considerando o Código de Defesa do Consumidor.

E se o estacionamento não é cobrado?

A gratuidade não influi na relação. Por sinal, a gratuidade é a regra. A jurisprudência já decidiu que, no caso dos carros, o estacionamento gratuito não é mera cortesia e sua manutenção está embutida no preço do produto/serviço fornecido. Portanto, é serviço indireto prestado ao consumidor. Inclusive, o comerciante está implicado em responsabilidade até daquilo que fornece gratuitamente, como um bombom de degustação.

E se o ciclista não consumir naquele local?

Também não tem impacto na relação. Pressupõe-se que ele estava ali para consumir, que foi atraído para aquele local para isso. Ao parar a sua bike neste estabelecimento, você conhecerá os produtos, você fará pesquisa do preço, você estará inevitavelmente nesta relação.

E se existir uma placa “não nos responsabilizamos pelas bicicletas estacionadas”?

Tal aviso não afasta a responsabilidade do comércio/prestador da responsabilidade de cuidado com os seus bens. Isso já foi matéria de discussão no que diz respeito a carros e motos e a jurisprudência é pacífica que tal aviso não tem qualquer efeito. A partir do momento em que o consumidor é atraído, este está protegido pelas regras do Código de Defesa do Consumidor. A não realização da venda não é de sua responsabilidade.

Veja um caso aqui.

Quais são as práticas ideais?

Na falta da uma regulamentação das regras para a utilização de bicicletários, fica a cargo dos estabelecimentos e usuários estabelecerem os parâmetros. Algumas boas práticas podem facilitar as relações entre os ciclistas e os estabelecimentos.

  • A entrega de bilhete ou outra forma de comprovação do estacionamento da bicicleta no local, sendo anotados horário de chegada, marca e modelo da bicicleta. Isso comprova para o ciclista a existência do contrato de depósito e limita a responsabilidade do estabelecimento ao exato objeto entregue.
  • O estabelecimento pode exigir que o ciclista possua trava apropriada, mas o ideal é o sistema de duplo travamento, ou seja: uma trava do ciclista e outra do estabelecimento, sendo que o estabelecimento é responsável pela trava que fornece.
  • É desejável que o local seja monitorado por câmeras e em local que dificulte o furto por oportunidade.

O Vá de Bike tem critérios de avaliação para bicicletários que consideram a adequação da estrutura, acesso, cobertura, segurança e sinalização. Podemos ajudar sua empresa a receber de forma adequada os ciclistas, fidelizando essa parcela do público consumidor que cresce a cada dia. Entre em contato.

Como o ciclista pode se precaver?

Sabemos que nem todos os estabelecimentos estão dispostos a oferecer bicicletários dentro de práticas ideais. Assim, é importante guardar as notas fiscais da bicicleta e componentes, bem como fotografar a bicicleta e os componentes instalados nela. Ter fotos atualizadas da bicicleta demonstram o estado dela em uma eventual ação.

Se o estabelecimento não oferecer qualquer comprovante de que você deixou a bicicleta no local, o recomendado é fotografar a bicicleta estacionada, de modo que se possa reconhecer o local. As fotografias digitais têm em seu código informações de data e horário, sendo possível atestar que não foi manipulada digitalmente.

Na ocorrência de furto ou dano de sua bicicleta, informe imediatamente o estabelecimento e se necessário informe a autoridade policial e lavre Boletim de Ocorrência do fato.

Tente sempre negociar com o estabelecimento,mas caso seja necessário procure a justiça. Lembramos que nos Juizados Especiais as causas até 20 salários mínimos dispensam o auxílio de advogado, embora seja sempre recomendada a consulta ao profissional.

Fernando Torres


Advogado formado pela PUC-SP, com Pós-graduação em Direito dos Contratos, mais de 10 anos de advocacia e 7 anos como mediador de conflitos. Ciclista desde a infância e apaixonado por bicicleta, é consultor do Vá de Bike sobre questões legais que envolvam o uso da bicicleta.

Envie sua pergunta para a coluna Direito de Pedalar, no e-mail ftorres@vadebike.org

16 comentários em “Bicicletários privados: estacionamento de bicicletas não é mera cortesia

  1. gostaria de saber referente ao metrô, a linha onde minha bike foi furtada num paraciclo na frente da entrada do metrô numa distância de 5 metros, quebraram a minha corrente no paraciclo e a levaram, o paraciclo é embaixo da linha do metro, e nem câmera tinha (fiquei sabendo depois do ocorrido, afinal não é comum você ficar procurando onde tem câmera para guardar a sua bike, você vai procurar um paraciclo, um bicicletário para guardar a sua bike confiando que ali existe segurança). a segurança da estação me informou que o metrô não se responsabiliza pelas bikes deixadas no paraciclo.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  2. Ola Bom dia, (a) Gostaria de informação refente a seguro de roubo de bicicleta,nos temos uma entidade sem fim locativo e agora temos que abre um espaço para estacionamento de bicicleta e nosso entidade não cobra nada de neguem

    Thumb up 0 Thumb down 0

  3. O Leroy Merlin do Jaguaré tinha disponibilizado 30 vagas para bicicletas até final de abril deste ano. No começo de junto ocuparam com carrinhos de compras e deixou uma fileira que mal conseguirmos colocar bicicleta direito. Para aqueles que tem FB aquí vai um link:
    Antes:
    Depois:

    Thumb up 0 Thumb down 0

  4. Olá pessoas, tudo bem com vocês por ai?

    Me chamo Jonathan e sou o responsável do Universo Rodas na filial da Decathlon de Porto Alegre, gostaria de saber se possível me passar o contato ou apenas o nome da empresa na qual foi feita essa matéria, gostei muito desse estacionamento e gostaria de reproduzi-lo na nossa loja pra melhorar o conforto de nosso clientes ciclistas.

    Desde já agradeço pela atenção e conte comigo para o que precisar!

    Abraços!

    Thumb up 1 Thumb down 0

  5. Minha bicicleta foi roubada DE DENTRO DO BICICLETÁRIO DO ESTACIONAMENTO DO SHOPPING AVENIDA CENTER, em Maringá/PR, administrado pela empresa ESTAPAR. Registrei um sinistro na mesma noite, com um funcionário que disse que as câmeras do local não estavam funcionando, CONVENIENTEMENTE as mesmas que deveriam estar monitorando o bicicletário!! Fiz boletim de ocorrência, fiz minha proposta de ressarcimento, e eles negaram com contra-propostas de valores inferiores ao meu intento, duas vezes. No Procon, registrei uma queixa e no mesmo dia, o funcionário entrou em contato comigo, e me fez uma terceira proposta, apenas cem reais a menos do que eu havia pedido, em três vezes. O jeito foi aceitar, pois não tenho meios de lutar contra essa corja. Mas minha vontade era acionar na Justiça, e levar à imprensa. Às vezes, é frustrante ser pequeno e insignificante.

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  6. A lei é nacional, e no caso de escolas, e outros órgãos públicos. AQUI EM BRASÍLIA OS PRÉDIOS COMERCIAIS NÃO DAO NENHUM APOIO AOS CICLISTA, E ATÉ A ESCOLA (ETC) TECNICA CUJO TEM ATÉ BICICLETARIO NÃO SE RESPONSABILIZA!

    Thumb up 2 Thumb down 0

  7. roubaram minha bicicleta na rodoviária…em um bicicletário oferecido por eles gratuito.Fui comunicar eles disseram que não se responsabilizam por bicicletas deixadas no local.

    Thumb up 0 Thumb down 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *