Passar pelo congestionamento como se não fosse nada

Apoie nosso trabalho,
doe um libre!

Cena de uma tarde como outra qualquer em São Paulo. O ciclista assobia pedalando, os motoristas buzinam parados.

“Eu transito, você congestiona”. A frase, da ciclista Márcia Prado, me vem à cabeça com frequência cada vez maior quando pedalo nas ruas de São Paulo. Essa foto foi tirada por volta das 17h (teoricamente fora do horário de pico), em uma rua menor, ao lado de uma praça (que teoricamente deveria ter menor tráfego).

Os congestionamentos nas grandes cidades não têm mais dia e nem horário. Se tornou comum aos finais de semana e em alguns lugares já temos trânsito parado até na madrugada.

Os ciclistas assistem isso do alto do selim, sem se atrasar por causa dos engarrafamentos. O tempo de bicicleta é sempre o mesmo, com congestionamento ou sem, com chuva ou com sol. Se houver algum atraso, será de 5 ou 10 minutos, não 50 ou uma hora.

Quando tirei a foto acima, eu passava assobiando em meio aos carros parados, feliz porque ia encontrar minha esposa para fazer mais um ultrassom do bebê (hoje uma menininha linda) e sabendo que não iria me atrasar. Os motoristas buzinavam raivosos, estacionados em plena rua, sem saber quanto tempo mais perderiam no trajeto.

E a culpa é sempre do motorista da frente: afinal, só o carro dele ocupa espaço, o meu não. Quase todo mundo ali chegou estressado em casa, provavelmente até o cara do carrão que aparece na foto. Muitos descontaram na esposa, nos filhos ou, quem sabe, em alguém atravessando a rua.

Depois ainda me perguntam por que, depois de tantos anos dirigindo, resolvi vender o carro e adotar a bicicleta. O principal motivo é que prefiro chegar com um sorriso no rosto. Veja os outros aqui.

Atenção: só passe no corredor entre os carros quando eles estiverem parados. Saiba mais aqui.

Gostou da matéria? Doe um libre
e ajude nosso projeto a continuar!

23 comentários para Passar pelo congestionamento como se não fosse nada

  • Du Dias

    A culpa é sempre do motorista da frente ou do poder público – é um fator externo sobre o qual ele não tem controle que causa o trânsito e as mazelas do seu dia a dia. O motorista lava suas mãos pra depois enfiar na buzina!

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Marquinho

    Acho muito show, porém aqui no Rio de Janeiro, pelo menos no meu trajeto casa-trabalho, não posso me arriscar muito, pois o pessoal não tem muita educação e pode acabar te machucando. Mas ainda torço para que um dia tenhamos uma via só nossa, com segurança.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Felipe Menhem

    Em fevereiro fiz um vídeo do meu trajeto entre o Itaim e a Vila Madalena, devo ter vencido uns 100 carros. 🙂

    http://www.youtube.com/watch?v=UWaq6PqVKPc

    Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 0

  • Rafaella Della Giustina

    Ontem cheguei em Congonhas quando chovia torrencialmente e fiquei chocada com a dificuldade em conseguir um táxi. O primeiro que apareceu, depois de inacreditáveis 30′, se recusou a transportar minha bicicleta. Consegui um no desembarque em seguida. Depois de ter andado somente 5km em absurdos 45′, pedi ao taxista que parasse no posto de combustíveis que eu seguiria de bicicleta até o trabalho. Tanto ele, como as pessoas no posto, diziam que era loucura seguir de bicicleta na chuva com mala e tudo. Loucura, pra mim, era ficar presa naquele congestionamento com tanta gente estressada logo cedo no primeiro dia útil da semana! Troquei de roupa, ajustei a mala nas costas e segui tão mais leve e feliz que podia cantar entre os carros com a chuva escorrendo no meu rosto! Cheguei ao trabalho em apenas 30′, tomei banho (o que, aliás, normalmente nem faço) e comecei meu dia sem sequer lembrar que havia acordado às 4h30. No final da tarde, recoloquei a roupa ainda úmida e voltei pra casa no mesmo astral… e impressionada com a quantidade de pessoas que passou o dia reclamando do trânsito como se fossem totalmente alheias a ele…

    Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 0

  • kiko morente

    Um pequeno trecho de um texto que escrevi a algum tempo e ontem me senti reescrevendo…

    (…)E ultimamente tem algo que eu tenho aprendido a gostar mais e mais. Do transito. E não, eu não sou nenhum masoquista. (…) mas não tem nada mais prazeroso do que andar a milhão num corredor entre os carros. E nada te faz sentir mais livre. Nada te faz sentir mais poderoso. Você se sente bem quando sabe que é aquele vulto que passou entre o carro e as motos que vem buzinando no corredor. Que você é mais forte que o motor de 150cc à 2.0 turbo. É bom sentir que você não depende de ninguém. É algo como receber o primeiro salário.

    Qualquer poeta barato sabe que “o mel fica mais doce perto do fel” e seja lá o que for esse tal de fel, fica mesmo. E meu fel tem sido o transito. Tem sido os carros que ficam pra trás. Tem sido aquela versão de mim mesmo que estaria dentro do carro ouvindo alguma baboseira no radio. É bom se sentir livre. É bom se sentir independente. E é bom se sentir melhor que os outros às vezes, mesmo quando você deseja que outros deixem de ser piores que você. Se sentir fora da roda, zoando o status quo. (…)

    Thumb up 3 Thumb down 0

  • Vinícius

    Eu ainda tenho medo de andar no corredor entre os carros, até porque na avenida onde moro (M BOi Mirim, ZS – São Paulo) os carros andam bem colados um no outro. =(

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Wagner Mitsumaru Menescal Hirata

    Trabalho das 13 as 22 e infelizmente não pego o congestionamento do horário de pico. Me satisfaço passando entre os carros durante os congestionamentos, me sinto tão seguro entre eles quando não podem ser tão ameaçadores. E entre outros que gostariam, mas não podem exercer sua agressividade.
    Saio de casa cedo e vou a academia, ignoro a esteira e a bicicleta ergométrica, meu exercício aeróbico é natural…
    Após isso mais uma pedalada, chego ao trabalho, suado e disposto, é incrível como algumas pessoas não entendem a disposição. Respiro melhor, trabalho melhor; meu coração bate melhor, como que um agradecimento.
    Saindo do trabalho as 22h pedalo em meio a trânsito pesado da cidade. Estou mascarado as partículas, fruto da combustão, me incomodam.
    O trânsito está tranquilo e com máximo cuidado curto a velocidade, e chego em casa me sentindo vivo, realizado e feliz; simplesmente por pedalar, por fazer um dia bom para mim e para os outros que mal o sabem…

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Carlos Lavieri

    Ontem cheguei em casa após um super pé dágua, típico de SP. Cheguei ensopado… e lembrei das muitas vezes que ouvi que bike não dá por que se você pega uma chuva, como faz? Resposta.. cheguei molhado, mas cheguei sem stress… A chuva travou a cidade e o pessoal de carro chegou sequinho, mas infeliz, estressado e horas depois.

    Thumb up 3 Thumb down 0

  • @BicikloAkt

    Aqui em Natal passar por consgetionamentos não dá, os carros andam muito encostados nas ruas estreitas. O macete é sempre escolher vias alternativas, enquanto na outra parte da cidade estão os motoristas em seu quotidiano congestionamento!

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Rodrigo Vilani

    Há cerca de um ano não uso mais o carro (por realmente não gostar de dirigir) e há uns 4 meses que a bike realmente tem sido meu meio de transporte mais usual. Aqui em Guarulhos não existem taaantos congestionamentos, mas evitá-los sempre será algo agradável, bem como traçar caminhos alternativos e encontrar ruas agradáveis ao ciclista, mesmo com o sobe e desce dos morros daqui.
    Acredito que não somos melhores que ninguém por estar sobre uma bicicleta, mas por termos atitudes que em algumas vezes colocam em segundo plano o nosso conforto por um bem maior, como o ar e a segurança dos outros. E quem sabe por estarmos mais felizes de estar pedalando possamos distribuir gentileza com mais freqüência, como quando eu parei a bike pra dar passagem para 3 carros que esperavam pra fazer uma conversão. Foi sensacional observar o rosto de espanto e agradecimento dos motoristas, que deram uma buzinada de agradecimento todos os 3!
    Ocupo meu lugar na faixa principalmente nas avenidas mais movimentadas e não sei se tenho sorte ou se o pessoal daqui é mais tranquilo, mas até hoje nunca passei nenhum apuro nem recebi nenhum tipo de mau-trato. Aí fica fácil distribuir gentileza!

    Thumb up 3 Thumb down 0

    • marcelo

      Me comporto no trânsito parecido com vc, e as vezes tb cedo a vez para os carros, normalmente é o espanto que vc comentou. Tb ocupo a faixa e o respeito é em 95% dos casos muito bom aqui em Curitiba. Pelo menos comigo. Mas outro dia um carro passou longe, respeitando legal a distância lateral, mas o carona do carro saiu na janela (não sei se por inciativa própria ou por orientação do motorista) e gritou alto: “tá se achando o DONO da RUA”!!!!! . Achei hilário. Eu “dono” da rua de bicicleta!

      Thumb up 3 Thumb down 0

  • José Carlos Gonçalves

    Moro num trajeto de 10km do trabalho. Da zona norte,onde moro,até a zona oeste,onde trabalho é 100% “andando no corredor”. Quando estou muito cansado uso a moto 35min,[um ou dois dias da semana] de BIKE,25min.
    “NÃO TEM DESCULPA,A BICICLETA ENTRA EM QUALQUER LUGAR”

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • José Carlos Gonçalves

    Moro num trajeto de 10km do trabalho. Da zona norte,onde moro,até a zona oeste,onde trabalho é 100% “andando no corredor”. Quando estou muito cansado uso a moto 35min,[um ou dois dias da semana] de BIKE,25min.
    “NÃO EXISTE LUGAR ONDE A BIKE NÃO POSSA ENTRAR”

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Juliana

    Inspirador….

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Claudio Br

    A incrível arte de ir devagar e chegar antes. Em São Paulo bicicleta é um vórtex temporal.

    Comentário bem votado! Thumb up 20 Thumb down 0

  • Rafael Gomes

    Que tal reunir textos e fotos de vários leitores espalhados pelo Brasil sobre esse assunto? Eu mesmo me disponho a escrever. (Sou de Salvador-BA) 😀

    Thumb up 1 Thumb down 0

Enviar resposta

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>