Rota Márcia Prado interditada e sem previsão de liberação

Vários pontos da estrada estão cobertos e correm riscos de novos deslizamentos. Foto: Anselmo Stoquini

Vários pontos da estrada estão cobertos e correm riscos de novos deslizamentos. Foto:Anselmo Stoquini

Leia também
Mapa completo da Rota Márcia Prado

Veja como foi a descida coletiva de 2012

Saiba quem foi Márcia Prado

No dia 22 de fevereiro de 2013, quando a natureza resolveu tomar de volta parte da Rodovia dos Imigrantes, levando a vida de uma moça, interditando as pistas e causando inúmeros prejuízos, a Estrada de Manutenção também foi afetada.

Água, terra, árvores e pedras cobriram vários trechos da “Manu”, a estrada costumeiramente utilizada por ciclistas e que faz parte da Rota Cicloturística Márcia Prado, que liga a capital paulista ao litoral do estado. A estrada se tornou intransitável e oferece grave risco aos ciclistas nesse momento. Recomenda-se fortemente adiar a descida.

Relatos

Alguns ciclistas tentaram passar pela Manu no final de semana, logo após o ocorrido. Muitos desistiram, outros insistiram mas passaram por situações perigosíssimas. Há o relato de um ciclista que afundou na lama até a cintura, quando empurrava a bicicleta sobre um trecho coberto, e seus colegas tiveram dificuldade para tirá-lo de lá – uma situação que poderia ter terminado muito mal. Além disso, esses trechos estão instáveis e podem sofrer novos deslizamentos. Não se arrisque.

Sem previsão

O Vá de Bike buscou um posicionamento oficial sobre a situação. Tanto a Dersa quanto o Parque Estadual da Serra do Mar, dentro do qual se situa a Estrada de Manutenção, nos informaram que a responsabilidade pela limpeza e reativação da pista é da concessionária Ecovias.

A administração do Parque reforça que “as atividades de cicloturismo estão suspensas” e que trabalham com a data prevista de 15 de março. Mas esclarecem que não é uma data oficial, pois a liberação depende de não haver novas chuvas fortes e principalmente da atuação da concessionária – que, convenhamos, não é muito amiga dos ciclistas. Atualizado: não há mais nenhuma previsão quanto à data de liberação, leia mais abaixo o novo comunicado.

Matéria no Estadão informa que, “dos 26 km da pista, metade está obstruída com terra, pedras e árvores”. Essa metade corresponde à parte mais alta da estrada e a parte ao pé da serra já foi liberada. A Ecovias informou ao jornal que só iniciará os reparos depois que forem concluídos os trabalhos de drenagem na rodovia, sem estabelecer data para essa conclusão.

Segue o comunicado completo do Parque:

Prezados Ciclistas,

As atividades de Cicloturismo na Estrada de Manutenção estão suspensas em sem data mínima para retorno das atividades.

Estipulamos uma data – a partir do dia 15 de Março – que não é oficial. Esperamos que durante este período a chuva cesse e a Equipe da Ecovias possa liberar o trecho e as atividades voltem às atividades.

Informamos que por ora, os seguintes Número de Termo da Descida de Bike estão suspensas:

Líderes:

Flávio Lapola;

Fábio Eduardo da Silva (data de 10 de Março);

Mauricio Luiz; e

Rogério Mendes.

Mais uma vez, lamentamos o ocorrido e pedimos para que alterem a data da descida de Bike,  postergando para 15 de Março em diante.

Mais uma vez, grato pela atenção de todos dispensada.

À disposição para eventuais dúvidas,

Vinícius Justo

Turismólogo – Monitor Ambiental

Equipe de Uso Público do Núcleo Itutinga Pilões

pesm.itutingapiloes@fflorestal.sp.gov.br

Novo comunicado

Disponibilizado no blog do parque na noite do dia 28/02:

A situação da Estrada de Manutenção da Ecovias está mais crítica do que esperávamos. Depois da chuva do último dia 22 – e mais um pouco no dia 26 – deixaram a estrada inacessível.

Ainda hoje o Gestor da nossa Unidade – Sr. Luis Fernando G. da Cunha – esteve em reunião com a Ecovias e foi nos informados que há 3 trechos da estrada que estão intransitáveis e com sérios riscos de novos deslizamentos.

Ficou decidido pelo Gestor que toda e qualquer atividade cicloturística na Estrada de Manutenção está definitivamente suspensa e não há mais nenhuma previsão para a reabertura da mesma.

Estamos aguardando qual será a estratégia que a Ecovias tomará para fazer a limpeza do local, destinação  do entulho que se encontra e como será feito o tratamento do solo para que não haja risco de novos desmoronamento.

Pedimos a colaboração e a compreensão de todos os ciclistas diante do ocorrido. NÃO TENTEM fazer a descida e não coloquem em risco a sua integridade física e dos membros do grupo. Divulguem a notícia a quem mais interessar e aguardem nossas informações a respeito da Estrada.

No site do “Vá de Bike” é possível ter a dimensão de como a área também foi afetada.

Agradecemos a equipe do site (em especial ao Willian Cruz) pela disposição em divulgar a situação atual da Estrada e informar o máximo possivel de ciclistas que também usufrui do trecho para o cicloturismo.

EcoSaudações!

 

Vídeo e fotos


(Vídeo de Marcelo Camargo)


(Vídeo de Marcelo Camargo)

Árvores também bloqueiam a pista. Foto: Anselmo Stoquini

Árvores também bloqueiam a pista. Foto: Anselmo Stoquini


Vídeo de Marcelo Camargo

Ciclistas que tentaram passar pelas áreas de deslizamento correram sérios riscos. Foto: Fabricio Bezerra

Ciclistas que tentaram passar pelas áreas de deslizamento correram sérios riscos. Foto: Fabricio Bezerra


Vídeo de Marcelo Camargo

Nesse trecho, o deslizamento cobriu totalmente a estrada. Foto: Anselmo Stoquini

Nesse trecho, o deslizamento cobriu totalmente a estrada. Foto: Anselmo Stoquini


Vídeo de jlcgauss

Foto: Fabricio Bezerra

Foto: Fabricio Bezerra

Foto: Fabricio Bezerra

Foto: Fabricio Bezerra

Foto: Fabricio Bezerra

Foto: Fabricio Bezerra


45 comentários para Rota Márcia Prado interditada e sem previsão de liberação

  • Ricardo Scheicher

    Muito triste isso!!!

    Thumb up 3 Thumb down 0

  • Boa tarde William!

    Acessei teu site agora e vi que a situação está realmente pior do que esperávamos.
    O Gestor da nossa Unidade, (Núcleo Itutinga Pilões – Parque Estadual Serra do Mar) esteve em reunião com o pessoal da Ecovias e o parecer deles também parece ser bastante triste.

    Estarei colocando ainda hoje em nosso blog as últimas informações desta reunião!

    Obrigado pela atenção dispensada e nos ajudar a divulgar como está a situação do Parque.

    Vinicius Justo
    Turismólogo – Monitor Ambiental

    Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 0

  • Seria interessante que já que vão ter que refazer parte da estrada, que pelo jeito cedeu, o pessoal do parque insistisse em uma infra mais bacana para ciclistas.

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  • Alex

    Infelizmente, considerando o pensamento da EcoVias, temo que esse acidente proporcione o que eles talvez mais queiram: a possibilidade de afastar, de vez, os ciclistas dali.

    Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 0

    • Eu não duvido que eles tentarão, por isso nós, ciclistas, e nossas ongs, veiculos de comunicação temos que ficar em cima.

      Fiz questão de deixar meu comentário no blog do parque. Quem sabe nossas ongs não podem falar junto a prefeitura, ou pode rolar um abaixo assinado, … etc, … não sei o que da pra fazer.

      Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 0

  • Marcel Morgado

    William, bom dia.
    Será que é possível uma mobilização, um abaixo-assinado entre os ciclistas para abrirem a estrada velha para ciclistas, enquanto a “Manu” estiver sendo reformada?

    []‘s
    MM

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

    • Marcel, a descida de bicicleta pela Estrada Velha só é permitida com o acompanhamento de monitores de uma empresa que cobra pelo serviço, em formato de passeio turístico. Talvez por haver mais pontos de risco do que na Manu.

      Thumb up 1 Thumb down 0

    • Vamos lá! Mais indagações! E possiveis respostas!

      O Caminhos do Mar é um Monumento Histórico tombando pelo Condephaat há mais de 40 anos (em 1972) E desde então tem sido protegido por essa Lei.

      De um tempo pra cá (mais de 10 anos, certamente) O Caminhos do Mar passou a ter uma caráter mais turístico e a Fundação Florestal (que administra as Unidades de Conservação – e também o Caminhos do Mar) abriu uma licitação para que incentivar o funcionamento do Equipamento para o Ecoturismo.

      A EMAE – Empresa Metropolitana de Águas e Energia – ganhou a licitação e o aval para o operar no local.

      Em 2011 houve o desmoronamento do Equipamento e as atividades foram suspensas com riscos de novos deslizamentos.
      Foi feita algumas barreiras de contenção mas parece que não houve-se a liberação para as atividades turísticas.

      Em 2012 (ano passado)a expirou o contrato de concessão do equipamento e não sabia se a Fundação Florestal renovaria ou se abriria uma nova licitação.

      E não sabemos deste resultado até hoje. Não temos nenhum posicionamento concreto do Caminhos do Mar, sobre QUEM vai operar, COMO e QUANDO vão começar a operar, QUANTO será o custo e QUAL o suporte será oferecido ao (ciclo)turista.

      Nas reuniões que tivemos por aqui, acerca do Caminhos do Mar, o Cicloturismo FOI SIM citado como um público potencial e que deve ter seu espaço durante a nova operacionalização do Caminhos do Mar.

      Assim como nós, nos resta esperar como está sendo avaliado e acompanhado o processo por parte da Fundação Florestal

      Att,

      Vinicius Justo
      Turismólogo – Monitor Ambiental

      Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  • Rafael S.Martins

    Sem querer ser pessimista, mas se depender da “Ecavias” não vamos pedalar tão cedo pela Manu. Uma pena, um lugar tão lindo…mas como o Willian escreveu, a natureza tomou de volta o que é dela.
    Tive o prazer de fazer a descida em 2010, depois disso nunca mais consegui ir.
    Sobre a estrada velha, tinha uma empresa que fazia a descida por lá mas também teve um desmoronamento que fechou a estrada. Me parece que tem vigias lá que impedem a descida.

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  • Flávio lapola

    Boa tarde…
    estavamos programado pra descer a serra amanha 2 de março, nos pegou de surpresa a noticia, mas fazer o que, com a natureza não se brinca, é uma pena porque a galera estava super animada pelo passeio, agora é esperar uma nova data e curtir essa aventura.
    Abraço a todos que curtem dar umas pedaladas.

    Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 0

  • William Dias

    Boa Tarde
    Eu e Mais alguns Amigos estaremos indo até a Estrada de Manutenção de bicicleta para Ver se conseguimos passar, alguem sabe se o pessoal que postou o Video conseguiu chegar até o Final????

    abraços

    Thumb up 3 Thumb down 2

    • Olha eu realmente não acho uma boa ideia ir, pelas poucas fotos da pra ver que tem lugares bastante perigosos… seria se arriscar a toa.

      Mas caso vá, tente documentar com imagens o que conseguir… além de ser um registro interessante sobre o evento em si (do deslizamento) pode dar uma noção melhor pra nós…

      Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  • William Dias

    Vou Filmar e Tirar Fotos do local…Felipe vc sabe se o pessoal que fez a filmagem conseguiu chegar até Santos????

    Thumb up 2 Thumb down 1

  • LuiZ Andrade

    O que é um “Número de Termo da Descida de Bike”? (No primeiro comunicado)

    Thumb up 3 Thumb down 0

    • Luiz, a Estrada de Manutenção fica dentro de uma área de preservação ambiental, por isso é de bom tom solicitar autorização ao Parque para circular por ali. Isso pode ser feito pelo e-mail pesm.itutingapiloes@fflorestal.sp.gov.br ou, preferencialmente, pelos telefones 13 3361-8250 e 3377-9154. Os pedidos são invariavelmente atendidos, exceto em situações como a atual, em que há risco para os cicloturistas.

      Os nomes citados no comunicado são de pessoas que haviam solicitado acesso ao Parque para realizar a descida.

      Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

      • LuiZ Andrade

        Bom dia William!
        Considerava que eu tinha um “certo contato” com as regras de uso dos Parques Estaduais em SP. Mas nunca tinha ouvido falar de tal documento.
        Não há NADA no hotsite do do Núcleo Itutinga-Pilões, que deveria ser o canal oficial de informações. (Aliás, recomendo a quem se interessar que acesse os sites http://www.ambiente.sp.gov.br e http://www.turismo.sp.gov.br e pesquisem os termos “Estrada de Manutenção”, “Estrada de Serviço”, “Estrada do Dersa”, “Rota Márcia Prado”, “Cicloturismo”, etc. Será uma “experiência magnífica”, sem dúvida… ).

        Depois de muito pesquisar em outros cantos, achei este único texto aqui, uma postagem no blog do Núcleo IP:
        http://pesmitutingapiloes.blogspot.com.br/2012/09/cicloturismo-no-nucleo-itutinga-piloes.html
        Recomendo a leitura, principalmente dos documentos lá citados com links. Talvez o tal número seja um retorno de quando se envia o documento “Termo de Responsabilidade e Risco para Bikers”.

        E, da leitura dos outros documentos, se pode concluir os anos-luz que existem entre teoria e prática em nosso país. (“Rondantes do parque acompanhando a descida do grupo”?? Hein?!?)

        Em tempo: Não é fácil a realidade dos funcionários dos Parques Estaduais paulistas. E talvez, o pessoal do Núcleo Itutinga-Pilões, seja o mais guerreiro de todos, pois não matam onça, mas matam um leão por dia pra trabalhar lá!

        Thumb up 0 Thumb down 0

        • Luiz, talvez os dois rondantes sejam o Saci e o Curupira! :D

          Brincadeiras à parte, só temos a agradecer ao pessoal do Núcleo Itutinga Pilões, sempre receptivos e compreensivos com os ciclistas. Sabemos da simpatia do pessoal de lá à questão do cicloturismo, algo raro em nosso país.

          Thumb up 1 Thumb down 0

    • LuiZ! Boa tarde! Fiz um comentário na postagem explanando o que o Número do Termo e o porquê dessa necessidade. Dá uma conferida lá, tá?

      Abração!

      Vinicius Justo

      Thumb up 0 Thumb down 0

  • Paulo Ricardo Pantaleao

    Olá pessoal,bom dia.
    É muito triste o que aconteceu mas não é o fim de tudo, ha pelo menos outras duas possibilidades de se chegar as praias,digo tres possibilidades de se chegar as praias por meio de rodovias:
    1ª possibilidade: TREM ATE MOGI DAS CRUZES,CONTINUANDO PELA MOGI BERTIOGA.
    2ª POSSIBILIDADE: IR PELA REGIS BITTENCOURT ATÉ O ACESSO A CIDADE DE PEDRO DE TOLEDO,É SÓ SEGUIR JÁ ESTAMOS EM PRAIAS COMEÇANDO POR PERUIBE.
    3ª POSSIBILIDADE: A MAIOR E MAIS COMPRIDA DELAS,PARASER FEITA EM DUAS ETAPAS.VAMOS A ELA:
    SISTEMA AIRTON SENNA – CARVALHO PINTO CONTINUANDO PELA TAMOIOS ATÉ CHEGARMOS A CARAGUATATUBA JÁ ESTAMOS EM PRAIAS. INDO A ESQUERDA RIO DE JANEIRO,A DIREITA CIDADE DE SANTOS.

    Comentário bem votado! Thumb up 6 Thumb down 0

  • Fabricio Bezerra

    Pessoal, pelo que vimos no dia em que fomos pela rota,em 23/02/13, chega um ponto que é impossível passar, pelo simples motivo de que afundamos até a cintura quando tentavamos reconhecer o terreno, pois em um trecho de mais ou menos 300 metros, era possível andar sobre a terra e sem noção alguma do que havia embaixo. Para se ter noção, estou com marcas nas pernas de arranhões causados pelo atolamento, já que vários galhos e rochas estavam misturados aos entulhos. Não sei hoje, pois já se foram 10 dias, como está a rota, mas no dia era impossível seguir em frente com tanta terra pelo caminho, que no dia estava extremamente úmida.
    Espero que consigamos descer novamente por esta rota, pois foi a primeira vez que fiz esse passeio, e minha meta não foi atingida, que era chegar ao fim da rota e seguir até santos, mas tenho esperança de em breve começar e terminar esse passeio.
    Abraços

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

    • LuiZ Andrade

      Olá Fabrício e pessoal!
      pra contribuir com as informações, envio um relato sobre uma descida mais recente. Quando falamos de terrenos que envolvam terra, vegetação e chuva (caindo ou ausente), o cenário muda muito a cada dia.

      Um grupo de amigos meus foi no sábado último (02mar13) e fez todo o trajeto. Enviei uma mensagem perguntando como foi e a resposta foi a seguinte:
      “Oi Luiz.
      Foram 73,5 km com 4 momentos de transporte da bike nas mãos por conta dos desmoronamentos.
      Pedalando foram 4 horas e no total com as paradas (lanche, portagem, cachoeiras) foram 7 horas.
      Os sites tem recomendado não ir. Discordo! Basta ir e saber que em 4 trechos haverá a diversão de se transpor obstáculos carregando a bike na mão com segurança. Divertido!
      Abração e até a próxima.”

      De qualquer modo, acho que vale comentar que se tratava de um grupo já experiente com perrengues e aventuras. Quem não tiver esse perfil deve ser mais cauteloso mesmo.

      Acho que a mensagem final é: esta rota é um marco nas conquistas dos amantes da bike. Temos que continuar mantendo-a viva e mostrar presença de alguma forma, exigindo que a concessionária tome as medidas de recuperação o quanto antes.
      Abraços,
      LuiZ

      Polêmico. O que acha? Thumb up 3 Thumb down 7

      • Luiz, me desculpe, mas a recomendação para não descer não é à toa. Há pontos onde a sustentação por baixo do asfalto cedeu, representando risco de desmoronamento sem aviso. Em outros pontos, a encosta está descoberta de vegetação, podendo ocorrer novo deslizamento a qualquer momento, mesmo sem chuvas. A recomendação para não descer é por questão de segurança, uma preocupação com os ciclistas que desejam usar a rota. Enquanto a Ecovias não realizar os trabalhos de restauração da estrada e das encostas que desabaram, passar por ali é contar com a sorte e representa risco de vida.

        Por isso, reforço: não desçam enquanto a Ecovias não fizer a parte que lhe cabe.

        Comentário bem votado! Thumb up 10 Thumb down 3

        • LuiZ Andrade

          Willian, mas eu não exortei ninguém a fazer a descida!
          Como a informação anterior tinha mais de 10 dias, pensei em contribuir colocando uma visão mais recente, e publiquei “ipsis literis” a que recebi. Se a mensagem falasse o inverso, eu a teria publicado do mesmo jeito.

          O que eu fiz sim foi salientar que se tratava de um grupo experiente (BEEEM experiente com montanhas, leituras de terrenos, etc) ou seja, que justamente não era para qualquer um se arriscar. (Particularmente, eu acho que se deve dar informações às pessoas e então confiar que elas podem tomar suas próprias decisões. Aliás, as atividades de aventura têm isso como premissa).

          Assim, não precisa “pedir desculpas”, pois nós não estávamos exatamente discordando até esse ponto.

          A minha “discordância” está só no seguinte: NÃO acho que as pessoas devem ficar esperando a Ecovias fazer a “parte dela”. Isso é quase como dizer “Não faça nada!”. Você, mais do que ninguém aqui, sabe do “elevado grau de interesse” da concessionária pelos cicloturistas. O que eu clamei às pessoas sim, é quanto a fazer pressão para que a concessionária se mexa. E isso pode se dar de diversas formas!

          Pra finalizar, CONCORDO plenamente com essa sua opinião:
          “Só não quero que ninguém se machuque gravemente ou perca a vida, o que seria péssimo para a pessoa, sua família, seus amigos e todos os ciclistas que pretendem descer por lá, pois o fato será usado para justificar uma possível proibição.”

          Thumb up 0 Thumb down 0

          • Luiz, então estamos alinhados. Só discordo ainda de não esperar para descer. Acho que a pressão deve ser feita não descendo, mas por outros meios. A Ecovias já inicou os reparos e não acredito que demorará propositalmente, pois usa a estrada para deslocar seus veículos ao longo da estrada sem ter que descer até o litoral para fazer retorno.

            E se tiver fotos mais recentes, envie e publicaremos. ;)

            Thumb up 0 Thumb down 0

  • eser

    Quem já sofreu com motoristas de onibus intermunicipais pode enviar uma reclamação , pois quanto mais gente reclamar é melhor , veja a minha reclamação a seguir: ” Trafegava de bicicleta pelo bordo direito da estrada de itapecerica sentido centro e o motorista do onibus de numeral 15678, passou por mim tao perto que quase me atropelou como se eu não estivesse ali, tive que praticamente quase subir na calçada, me senti com senão tivesse o direito a trafegar pela rua, direito este consolidado pelo código de transito brasileiro, por isso venho por meio deste canal pedir que como acontece na sptrans, seja realizado um treinamento aos profissionais motoristas de empresas intermunicipais em relação a velocidade e respeito a pedestres , ciclistas , outros motoristas, enfim , afinal nós somos o transito , pois tenho como meio de transporte a bicicleta como uma alternativa que nao congestiona e deve ser considerada parte do transito. Percebo muita agressividade, direçao ofensiva e não defensiva por parte dos motoristas de empresas intermunicipais e, bem menos respeito do que os motoristas de empresas de onibus da sptrans, sem mais , Obrigado.” link para a ouvidoria: http://www.emtu.sp.gov.br/emtu/ouvidoria/entre-em-contato/por-formulario-eletronico.fss

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Rodrigo Vasconcelos

    Fiz a descida por essa estrada nesse fim de semana (2/03) com mais 4 amigos … Um deles era um garotinho de 14 anos, Fizemos o percurso numa boa. Claro que tiveram vários pontos que tivemos que parar e carregar a bike no braço e tinha um trecho que não deu pra passar mesmo (onde tem uma cachoeira numa ponte) então entramos pela contra-mão da Imigrantes e fomos empurrando a bike por dentro do túnel (numa calçada pequena). Depois de sair do túnel atravessamos a imigrantes e continuamos o percurso normalmente até a praia … A situação não é das mehlores, claro, mas da pra passar de boa e aproveitar o momento “super mountain bike” kk

    Polêmico. O que acha? Thumb up 3 Thumb down 7

  • Bruno Burle

    Amigos, To planejando descer nesse domingo 10/03, só não irei se a previsão for de chuva ou se houverem novos problemas. Acredito que para a própria manutenção e fiscalização da Imigrantes (pilares) a via de manutenção já esteja bem melhor, afinal, a Ecovias não quer novos deslizamentos. A pedalada ta marcada pra 7 da matina ma estação Grajaú. Se alguém se animar será bem-vindo.

    Thumb up 2 Thumb down 3

  • [...] a quem mais interessar e aguardem nossas informações a respeito da Estrada. No site do “Vá de Bike” é possível ter a dimensão de como a área também foi afetada. Agradecemos a equipe do [...]

    Thumb up 1 Thumb down 1

  • Bruno Burle

    Vejam bem, o Vá de bike e esse site blog aí em cima não tem notícias há 10 dias, eu particularmente duvido que a ECOVIAS esteja vacilando a ponto de correr o risco de deslizar um dos pilares da Imigrantes… acredito que já limparam a estrada de manutenção e estou disposto a conferir. Vou tirar fotos e enviar o report para os sites e blogs. Tenho conhecidos que foram e o panorama deles foi bem menos conservador (pra não dizer reacionário).
    .
    Acho um tremendo erro esperarmos a liberação formal da ECOVIAS pois isso pode nunca acontecer, quanto mais os ciclistas demorarem a retomar a descida maior o risco de perdemos o “usucapião” desta rota. Corro mais risco de vida pedalando nas ruas e avenidas de São Paulo diariamente do que de ser soterrado por um deslizamento (claro que se estiver chovendo forte, não iremos)…
    .
    É isso aí, enquanto tem muita gente querendo brecar a descida por precaução levando como base fotos e relatos desatualizados, nós vamos lá conferir.
    Marcado na Grajaú mais cedo que o report original, 6:30 da matina… mais uma vez, interessados são bem vindos.

    Thumb up 2 Thumb down 4

    • Bruno, conversei hoje com uma pessoa que tentou descer no fim de semana. Ele disse que a estrada está irreconhecível, com trechos intransitáveis e que já começaram a limpeza, mas ainda estão lá embaixo. E não é só limpar, é REFORMAR. Haja braço, haja caminhão. Haja tempo. E não tem nada a ver com pilar da Imigrantes, onde você leu isso? O problema é no solo por baixo do asfalto da própria estrada de manutenção. Isso dá pra ver nas fotos dessa página, inclusive acabo de subir mais algumas.

      Mas se você quer ir mesmo assim, campeão, boa sorte! Não estou querendo “brecar” a descida, nem me considero reacionário. Se você acompanha o site há bastante tempo, deve saber que desde 2008 defendo a descida pela manutenção. Só não quero que ninguém se machuque gravemente ou perca a vida, o que seria péssimo para a pessoa, sua família, seus amigos e todos os ciclistas que pretendem descer por lá, pois o fato será usado para justificar uma possível proibição.

      Thumb up 2 Thumb down 0

  • Leonardo Testa

    Estou voltando a minha vida sobre a magrela, e estava pensando em fazer essa rota, porém com a informações de vocês eu vou aguardar.

    Porem vocês não tem dicas de rotas para substituir esse passeio? Li sobre a estrada da Petrobras de Salesópolis até Caraguatatuba, mas são noticias não tão recentes. O que vocês indicam?

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Paulo Ricardo Pantaleao

    Boa noite Leonardo Testa.
    Como vai? tudo bem!
    Vi o seu comentario algumas horas atras.
    As dicas que voce pediu já estão ai nos comentarios antes dos nossos, e estou tentando chegar a ITANHAEM por Parelheiros (VIA MATA ATLÂNTICA),ãinda não bem sucedida por causa do mal tempo e por causa dos BORRACHUDOS.Espero que possa lhe ser útil.
    Abraços Paulo Ricardo

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Leonardo

    Do jeito que a coisa foi feia eu sugiro que é melhor esperar a liberação oficial.

    A Ecovias não deve demorar tanto assim pra liberar a Márcia Prado, visto que ela é extremamente necessária para eles e para nós. Um pouco de paciência é sempre bem vinda.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Prezados, boa tarde!

    Mesmo sendo a demora em responder àlgumas indagações que aconteceram no decorrer desta postagem, vão aí alguns esclarecimentos:

    O tal “numero de termo” que vocês indagam é um número gerado – geralmente por mim – para que possamos ter maior ciência dos ciclistas que costumam trafegar na Estrada de Manutenção. É mais para controle interno nosso, dos agendamentos que vocês fazem.

    E para quê tudo isso?
    Desde 2011, foram feitas algumas reuniões para que se pudesse oficializar a Estrada de Manutenção ou que ela pudesse ter maior respeito e respaldo como atividade esportiva e turística. Já que existe uma lei que defende a Rota Cicloturística Márcia Prado.

    Com o apoio de vocês (cicloturistas) pudemos ter uma maior dimensão do volume de ciclistas que descem mensalmente até a baixada. Isso está contabilizado em nossas tabelas e ajuda a viabilizar qualquer projeto de Cicloturismo na região, já que, com o volume e procura registrados, é realmente necessário viabilizar a Estrada de Manutenção como um equipamento para o cicloturismo.

    Contudo, a tarefa nem sempre nos foi tão fácil. Tampouco para vocês. Realmente a Ecovias não dá muito o braço a torcer e nem mesmo se comove para os eventos cicloturísticos que ocorrem na região. (Rota Márcia Prado, por exemplo, que ocorre anualmente).

    Além do mais, quando vocês solicitam uma descida, vocês deixam seus telefones para contato, para o caso de alguma emergência, nós sabemos a quem e como contatar. É bom sabermos para “onde correr” em caso de necessidade.
    E os rondantes, que são nossos vigilantes de moto, costumavam fazer o acompanhamento dos grupos para assegurar a integridade física dos participantes diante de veículos motorizados que também trafegam na Estrada de Manutenção.
    Como o contrato desses vigilantes foram renovados e a frota de veículo automotor passa a ser de Carros, não é muito provável que eles voltem a fazer o acompanhamento de cicloturistas.

    Afirmando: Estamos sim a favor das Práticas de Ecoturismo dentro do Parque Estadual Serra do Mar, mas há sim alguns entraves que não cabem somente à gestão do Parque Estadual Serra do Mar. Isso envolve outros órgãos competentes tais quais Secretarias de Turismo/Esporte, Prefeituras municipais, Ecovias, Polícia Rodoviária e Secretaria do Meio Ambiente (a qual fazemos parte).
    Os organizadores do CicloBR, que organizam a Rota Marcia Prado conhecem um pouco essa realidade, assim como o ciclista DuGomez, do “Domingueiras Bike” de Campinas, que também é parceiro nosso.

    Agradeço a atenção de todos!

    Vinícius Justo
    Turismólogo – Monitor Ambiental
    Núcleo Itutinga Pilões
    Parque Estadual Serra do Mar.

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  • Fabricio Bezerra

    Willian, segue links que postei no youtube do que filmei na Rota Márcia Prado.
    http://www.youtube.com/watch?v=zuf5hfuImuA

    http://www.youtube.com/watch?v=Mv3vQsOhmF0

    http://www.youtube.com/watch?v=jrdWHygQu1I

    Quem quiser, há mais vídeos, inclusive de outros temas no canal de FabricioRB78
    Abraços

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Leandro Vale

    Como está a situação atual? Já consertaram o estrago? Estava querendo fazer essa rota pela primeira vez com alguns amigos.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Leandro Vale

    Em tempo acaba de sair esta notícia: http://pesmitutingapiloes.blogspot.com.br/2013/04/volta-as-atividades-cicloturisticas-na.html

    Acho que agora está OK!! Uhhhuuuuu!!!!

    Thumb up 0 Thumb down 0

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>