Encerrada a equipe de ciclismo de pista do Rio de Janeiro

Veja também
Demolição do velódromo foi
o prenúncio do fim da equipe

Ciclistas tentaram salvar o velódromo

Entenda o ciclismo de pista olímpico

Reforma do velódromo da USP
não contempla ciclismo de pista

Por falta de estrutura, brasileiros do BMX
tiveram que treinar na Argentina
para ir às Olimpíadas de Londres

Como antecipamos em dezembro passado aqui no Vá de Bike, a demolição do velódromo terminou por resultar no encerramento da equipe de ciclismo de pista do Rio de Janeiro. O anúncio foi feito pela Federação de Ciclismo do Estado (Fecierj) e pelo Movimento LiveWright - parceiro responsável pela captação de recursos, que tinha a expectativa de fazer o Brasil subir no quadro de medalhas como resultado do investimento no ciclismo, já que a modalidade pista pode trazer até 54 medalhas olímpicas.

Todo o trabalho desenvolvido pelas duas instituições, pelos atletas, treinadores e equipe de apoio foi, infelizmente, jogado pelo ralo, como consequência da decisão de destruir o velódromo sem que houvesse outro espaço para que os ciclistas continuasse seus treinos. O encerramento, anunciado na segunda-feira 15 de julho, é a pá de cal que faltava sobre a equipe, que ficou sem local para treinar desde 8 de fevereiro, quando o velódromo do Rio de Janeiro, construído para o Pan de 2007, fechou suas portas definitivamente. Entenda os motivos da demolição.

“Era um projeto que estava no começo, mas que já vinha alcançando bons resultados”, conta Túlio Landin, diretor executivo do Movimento LiveWright.  Veja no vídeo abaixo, em matéria de Renata Falzoni, a qualidade do trabalho que era realizado no velódromo:

Camila Coelho, uma das atletas da equipe que treinava no velódromo do Rio. Foto: Caloi/LiveWright

Camila Coelho, uma das atletas da equipe que treinava no Rio. Foto: Caloi/LiveWright

Falta de apoio

Nos cinco meses que se passaram desde o fechamento do velódromo, o que deixou os atletas sem local para treinar, a Fecierj e o LiveWright tentaram levar um grupo de ciclistas para treinamentos no exterior. Mas, segundo Landin, houve falta de apoio da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC). ”Tentamos de todas as maneiras viabilizar um projeto com a CBC para que pelo menos parte do grupo treinasse na Europa, mas não conseguimos acordo”, desabafa o diretor do LiveWright. Com isso, a opção foi encerrar o projeto de ciclismo de pista.

Segundo nota, para que esse treinamento no exterior fosse possível a CBC precisaria adotar o grupo como integrante da seleção brasileira, mas a entidade recusou-se a apoiar o projeto e a assinar um contrato de gestão de longo prazo com o LiveWright, “influenciando assim a desistência dos patrocinadores que o Movimento tinha alinhado para garantir a continuidade do projeto da Fecierj”, afirma a nota.

Tentamos contato telefônico com a CBC, mas o expediente havia se encerrado. Deixamos mensagem através do formulário de contato do site (em 15 de julho) e publicaremos aqui o posicionamento da Confederação, assim que houver retorno.

Atualizado em 17 de julho: passados dois dias, não recebemos resposta alguma da CBC.

Velódromo do Rio, com as duas polêmicas pilastras que justificaram sua demolição. Imagem: Reprodução

Velódromo do Rio, com as duas polêmicas pilastras que justificaram sua demolição. Imagem: Reprodução

O presidente da CBC (no centro da foto, à esq. do atleta de óculos) e o Ministro dos Esportes (à direita do mesmo atleta), junto à seleção brasileira de ciclismo de pista. Foto: Divulgação

O presidente da CBC (no centro da foto, à esq. do atleta de óculos) e o Ministro dos Esportes (à direita do mesmo atleta), junto à seleção brasileira de ciclismo de pista. Foto: Divulgação

Seleção brasileira

No site da CBC há a informação de que a seleção brasileira de ciclismo de pista tem como sede o velódromo de Maringá, no Paraná. Recentemente a equipe recebeu a visita do Ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, que afirmou ser preciso “investir em infraestrutura esportiva em todas as regiões do país, dentro do conceito de nacionalização dos legados da Copa do Mundo e das Olimpíadas”.

Durante o encontro, o presidente da CBC, José Luiz Vasconcellos, discutiu com o ministro propostas de desenvolvimento para o ciclismo nacional. “Nossas propostas foram muito bem recebidas”, declarou Vasconcellos, embora a matéria da CBC não informe quais seriam essas propostas.


2 comentários para Encerrada a equipe de ciclismo de pista do Rio de Janeiro

  • No mínimo lamentável.

    Mesmo que esse velódromo não possua os requisitos para as Olimpíadas de 2016, o mesmo seria extremamente útil para a realização de treinamento de equipes e demonstrações.

    É o dinheiro público jogado no lixo!

    Vejam mais uma reportagem bem interessante da Renata Falzoni sobre o assunto:
    espn.com.br/post/342545_projeto-de-ciclismo-de-pista-da-fecierj-e-encerrado-por-falta-de-apoio

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Vendo com o que aconteceu com o velódromo do Rio, legado do Pan 2007, já sabemos o que herdaremos disso tudo: Dívida dos cofres públicos e um equipamento esportivo tipo “fachada”. Uma confederação que leva ciclismo no nome e não consegue reconhecer a importância do mesmo, é no mínimo absurdo, pra não dizer criminoso.

    Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 0

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>