Sapatilhas de ciclismo fazem sentido para uso urbano?

Sapatilha de ciclismo na cidade ajuda ou atrapalha? Foto: Willian Cruz

Sapatilha de ciclismo na cidade ajuda ou atrapalha? Foto: Willian Cruz

Clip ou clipless?

No Brasil, geralmente chamamos o pedal de encaixe de “pedal clip”. Mas isso é uma corruptela do termo original, clipless, que acabou sendo alterado com o tempo conforme ia sendo incorporado ao jargão ciclístico local.

Clipless significa “sem clipe”. O termo foi adotado para pedais de encaixe porque o tal do clip era o que chamamos de firma-pé. Como esse novo tipo de pedal, o de encaixe, representava uma forma de ter seu pé preso a ele sem o uso de um firma-pé (toe clip), o modelo ficou conhecido em inglês como “clipless”.

Mas você não precisa passar a dizer clipless só para impressionar os amigos. Periga até não entenderem sobre o que você está falando. :) Use o termo adaptado, que se tornou corrente pelo uso massificado: pedal clipe, ou pedal de encaixe.

E o firma-pé?

O chamado firma-pé é um encaixe afixado sobre o pedal, geralmente uma “gaiola” de plástico para encaixar a ponta do pé, com uma cinta para prender. O objetivo, como na sapatilha, é prender seu pé para que ele não escorregue para fora do pedal. É uma solução mais barata que o conjunto sapatilha-pedal, mas com algumas desvantagens relevantes.

O pé precisa estar preso na medida ideal, através do tensionamento da cinta, para que o firma-pé tenha o efeito desejado. Se estiver muito frouxo, você não consegue fazer a puxada sem que o pé escape; se estiver muito apertado, isso pode interferir na circulação e causar dormência. Estando bem preso, seu pé não vai sair com facilidade e você precisará soltar a cinta ou fazer esforço para soltá-lo, o que pode lhe complicar a vida em pedaladas urbanas, onde é preciso parar o tempo todo. Por fim, se você estiver usando o lado oposto do pedal para não ter que prender num trajeto ou trecho curto, a parte de plástico pendurada para baixo pode raspar no chão em uma curva ou enganchar em alguma coisa na via, levando a uma queda.

Os firma-pés continuam sendo bastante usados pelos donos de bikes fixas, principalmente pelo conceito minimalista ligado a elas. Porém esses modelos costumam ser um pouco diferentes, sem a gaiola de plástico e apenas com uma cinta, reduzindo o risco de acidentes e facilitando o encaixe e desencaixe do pé. Como nas fixas os pedais giram o tempo todo quando a bicicleta está em movimento, é importante tê-los presos aos pedais. E, sim, existem fixeiros que usam pedal clip.

Se você pedala cotidianamente, usando a bicicleta em seus deslocamentos, alguém já deve ter lhe sugerido o uso de sapatilha e pedal “clip”. Se faz uso esportivo, mais ainda. E você deve ter se perguntado: será que é vantagem pra mim? Precisa mesmo disso?

Bom, precisar, não precisa, é claro que dá pra pedalar sem. Mas se o seu uso da bicicleta é frequente, se você faz distâncias mais longas ou enfrenta subidas pelo caminho, há algumas vantagens que merecem ser avaliadas.

Como funciona

O sistema de “clipagem” é composto de um calçado específico, que chamamos de sapatilha, e de um pedal próprio para isso. Na sola da sapatilha há um “taquinho” de metal, que encaixa no pedal sem muito esforço.

Há vários tipos de conjunto sapatilha-taquinho-pedal, destacando-se especialmente as diferenças entre os modelos de mountain bike e estrada. Neste último, leveza e aerodinâmica são essenciais, o que os fazem ter um design diferenciado, ainda que o princípio de funcionamento seja o mesmo.

Usando a sapatilha, basta pisar com o taquinho na parte de encaixe do pedal para que ele trave com um leve clique. Pronto, seu pé está conectado ao pedal.

Um pedal de encaixe tradicional (SPD). Foto: Shimano/Divulgação

Um pedal de encaixe tradicional (SPD). Foto: Shimano/Divulgação

Mas não é perigoso ficar preso ali? Como vou apoiar o pé no chão? Calma, não é tão complicado quanto parece. Com uma leve torção do pé, como se você o estivesse retirando de lado e não para cima, o pedal destrava e o pé se solta.

Já devem ter lhe dito que, no início, você pode ter algumas quedas bobas, com a bicicleta parada, e isso é realmente comum, mas é só até pegar o jeito. Quando comprei minha primeira sapatilha, treinei bastante a clipagem e desclipagem na garagem de casa antes de sair à rua e isso ajudou bastante. Também há uma regulagem no pedal, que controla o esforço necessário para clipar e desclipar. Mas atenção: se você deixar essa regulagem muito frouxa, seu pé pode soltar quando estiver pedalando. No início, deixe bem solto e vá apertando aos poucos conforme sentir confiança. Consulte o manual do seu pedal, busque informações no site do fabricante ou pergunte a seu lojista amigo sobre como regular essa tensão.

Importante: o taquinho precisa ser afixado na sapatilha na posição correta, para que sua pisada transmita força através do ponto exato, evitando dores e maximizando o efeito do conjunto. O ideal é que seja feito pelo lojista ou por um ciclista com experiência.

Vantagens

Quando o taquinho trava, seus pés estão conectados ao pedal, permitindo um maior aproveitamento da sua energia. Você consegue aproveitar sua energia em todos os momentos da pedalada. Para uma maior eficiência, recomenda-se fazer esforço em todos os momentos do giro: você não só pisará no pedal, mas na sequência o puxará para trás, como se estivesse limpando a sola, para depois puxá-lo para cima enquanto o outro pé desce e, na sequência, empurrar o pedal para a frente para depois fazer a pisada e fechar o ciclo. Isso é chamado de “pedalada redonda” e é muito bem descrito pelo Cleber Ricci Anderson neste artigo.

Aproveitando ao máximo sua energia, você consegue um desempenho melhor nas subidas e uma velocidade maior nas retas. Você vai se cansar menos em longas distâncias, devido ao aproveitamento maior do esforço realizado para pedalar. Seus pés ficam na posição correta, o que além de garantir um aproveitamento maior na transferência de energia ainda evita dores e lesões decorrentes de um mau posicionamento.

Observação: como pontuou o leitor Rômulo Passos, o ganho de desempenho com a sapatilha é bastante questionado atualmente, como mostram este vídeo, este artigo e este estudo.

Ter o pé preso no pedal também traz a vantagem de evitar que seu pé escape. Quem tem aqueles pedais com “dentes” de metal para que o pé não escorregue sabe quanto dó quando o pé escapa, seja numa subida, na hora de um sprint ou em um terreno irregular, e pega com tudo na batata da perna ou – pior ainda – na canela. Tenho algumas pequenas cicatrizes para me lembrar disso.

O conjunto ainda ajuda a dar pequenos saltos com a bicicleta, porque você passa a conseguir puxá-la para cima usando também os pés. E subir uma guia passa a ser uma experiência diferente, pois na hora de subir a roda de trás você pode dar uma levantadinha na traseira da bicicleta, evitando que a roda bata na guia (o que pode danificar o aro). Há outras vantagens que você vai perceber no uso cotidiano.

Desvantagens

Além da desvantagem passageira da adaptação, há alguns pontos que podem incomodar alguns ciclistas urbanos, ainda que raramente alguém desista da sapatilha depois de começar a usar.

Ficar clipando e desclipando a cada sinal fechado pode ser um pouco incômodo no início. É como quando você aprende a dirigir e pensa “caramba, tenho que ficar passando a marcha o tempo todo e sempre que paro no final tenho que colocar no ponto morto”. Tanto em um caso como no outro, com o tempo se torna natural – e se você dirige sabe disso.

Se você usar um modelo muito esportivo de sapatilha, andar com ela quando sair da bicicleta pode se tornar incômodo, por três motivos principais. O primeiro é que o solado costuma ser bastante rígido para ajudar na transferência de energia, impedindo o pé de dobrar quando você caminha. Isso pode causar dores se você andar com a sapatilha por muito tempo. O outro é que o taquinho costuma ser ressaltado para fora da sola, fazendo plec-plec quando você caminha e causando escorregões perigosos em pisos lisos. O terceiro motivo é estético: sapatilha de ciclismo costuma ter um visual bastante esportivo, não se parecendo muito com um calçado convencional.

Por esses motivos, há ciclistas que usam sapatilha durante a pedalada mas carregam um outro par de calçado para usar quando chegam ao destino, principalmente quando estão indo ao trabalho.


45 comentários para Sapatilhas de ciclismo fazem sentido para uso urbano?

  • gilson lau

    Este fim de semana cheguei a conclusão sobre isso, já que eu estava pensando em comprar um pedal clipe. saímos para pedalar e decidimos ir para uma cidade vizinha que eh área rural, porem no caminho um carro derrapou próximo de mim e a primeira reação que tive ao escutar a freada foi me jogar para o a acostamento. Em fim, o acostamento por ser uma estadual passando por uma área rual era uma grota ( 1 metro de declive).
    se eu estivesse com o pé clipado estaria preso a bike e estaria ferrado.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Hugo pacheco Braz

    Acabo de ler e gostaria de dar a minha contribuição, na terça feira passada, 21 de junho, levei uma queda justamente em razão de meu pé esquerdo se soltar do pedal, sou ciclista amador e já estou com 50 anos de idade, estava sprintando ao final de uma leve subida para não perder a velocidade e o ritimo da cadência, como eu estava a 49,4 km/h e o pé esquerdo ao escapar foi direto para o asfaldo, girei sobre o meu corpo e bati com a bunda no chão. Ralados no glúteo, cotovelos e joelho. Percebi que os tacos gastos foram os resposnsáveis.
    Até então nunca havia sofrido nenhuma queda em oito anos de ciclismo neste nível.
    Pedalar com clipes pode até não ser o responsável pela pedalada perfeita, mas que nos permite impor toda a força e potência sobre os pedais é indescutível, e isso se reflete em performance.
    Neste dia descobri quanto de força colocamos nestes pedais, muita!
    Troquei os tacos e voltei ontem, sete dias após, com algumas dores, mas com confiança de impor força aos pedais.

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  • André fernandes

    Eu usei sapatilha e pedal clipe durante muitos anos no montais Bike, agora comprei uma speed que já veio com um pedal especial no entanto quando o Nei a ideia de usar pegar o clipe.

    Agora estou pensando seriamente em abandonar o pedal clipe da mountain bike e por um pedal de downhill.

    Nunca me senti seguro com esses pedais

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Marcio

    Lendo os comentarios, acho que não tem melhor ou pior. Depende do estilo de pedalar de cada um. Particularmente, uso clip na speed e li que o uso do clip fará diferença para os pros em subidas e sprints. Para andar na cidade, com bike fixa ou não, prefiro os pés livres por comodidade e segurança. Acho mesmo que os clips aumentam as chances de acidentes no trânsito e em nossas ruas acho isso bem relevante. E já andei muito de bmx na adolescência. Sem clips.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Rômulo Augusto Nogueira de Oliveira Passos

    A reportagem fala de uma suporta vantagem em “aproveitamento da energia” e cita a “pedalada redonda”. Mas NÃO HÁ melhor aproveitamento da energia (leia-se: não se gera maior potência, em watts) e tampouco existe o ato de “puxar” como determinante na pedalada. Isso está comprovado cientificamente em diversos artigos científicos e experimentos controlados. Veja o video a seguir: https://youtu.be/CNedIJBZpgM . Portanto, esses pontos citados são MITOS. Os benefícios do pedal “clipless” são subjetivos, não mensuráveis – isto é, vão do gosto de cada ciclista, e não por base em fatos. É claro que há vantagens em se manter o pé fixo no pedal (ex, maior controle da bike em eventuais saltos), mas isso em nada tem a ver com desempenho. É bom às vezes ter cuidado pra não contribuir para difundir mitos.

    Eu, particularmente, só vejo vantagem para uso de pedais “clipados” em competição, em circuito dedicado e de acesso controlado (ou em treinos para tal). Para uso recreativo ou transporte urbano, principalmente por estar envolvido o imponderável, não faz NENHUM sentido.

    Seguem links q contêm referências a artigos que demonstram o fato:

    http://www.nourishbalancethrive.com/blog/2015/10/02/its-not-about-pulling-why-flat-pedals-work/

    http://forums.roadbikereview.com/beginners-corner/pedaling-efficiency-research-paper-platform-vs-clipless-309187.html

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Geraldo

    Ja tomei tombo sem sapatilhas e pedais clipados ! Se estivesse usando esses equipamento, talvez esses tombos seriam mais graves. Quando passo sobre lombadas, depressão e mesmo buracos, sinto a necessidade de ter os pedais presos nos tenis para ajudar no salto. Penso nas sapatilhas e pedais clipados todas as vezes que tento fazer os saltos.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Junior

    Pedalo com frequencia e adotei pedais de aluminio dentados junto com chuteiras de grama sintetica que dispoe de pequenos cravos que dao boa ancoragem nos pedais . Tive bons resultados . E uma dica pra quem esta migrando para sapatilhas clipadas aos pedais ou aquelas que buscam algo intermediario .

    Thumb up 3 Thumb down 0

  • Neto

    Uso o clip a dois anos, acho o rendimento muito bom. Confesso que caí duas vezes no primeiro pedal usando eles, depois não caí mais. Você vai acostumando e ficando cabreiro kkkkkk é uma questão de prática e costume.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Fatinha

    Poxa. Eu cai logo no inicio rsrs. Nem vi, Qdo vi tinha caído. Estragou o câmbio da minha speed. Agora fiquei com medo de cair e estragar novamente. Tá duro, tô tentando criar coragem de novo.
    Abraço gente.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Jose Rubens Batistella

    Qual a melhor sapatilha, desde que não muito cara?

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Eu estou agora usando uma sapatilha e pedal click’r e adoro. Realmente é perfeito para a cidade. Não precisa forçar. Obrigado pela dica click’r! Valeu a pena substituir o SPD clássico pelo click’r.
    Ainda escuto um pouco o taquinho que encosta em pedrinha pequenas mas é muito melhor do que as antiga sapatilhas que eu usava.
    Ainda falta poder ter uma sapatilha com alguma compensação. Nas sapatilhas de corrida, eu uso uma compensação de 5 mm que fica entre a sapatilha e o taquinho mas com esses tênis misto, teria que fazer uma adaptação complexa. Não sei se alguém já fez algo parecido. Para quem diferença de comprimento entre as duas pernas, isso permite pedalar de maneira mais simétrica. É bom para o desempenho e ajuda a ter menos dores. Quando não é feito essa compensação, como no meu caso com 10,5 mm de diferença, uma perna fique mais dobrada que a outra, podendo dar mais facilmente dor no joelho.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Diego Silva

    Eu li alguns comentários a galera fazendo critica que caiu, o outro pegou uma speed e foi pra estrada de cascalho esse deve ter titica na cabeça… rapaz.. vcs são sem noção demais o outro diz que caiu no meio da estrada e quase foi atropelado, o cara viu uma onça , um cavalo, o chão sumiu na hora que vc estava pedalando ? não existe isso não, claro, vc tem que ter coordenação motora, realmente antes de pegar longos percursos , faz um treino antes, mesmo assim , galera muito doida, esses ai deve ser aqueles cara que anda em grupo fazendo zig zag , essas pestes… cara , uma dica sem sacanagem , comece treinando sozinho, coordenação motora na bike, pense nisso, que vc vai evolui muito seu pedal

    Polêmico. O que acha? Thumb up 3 Thumb down 6

  • usei muito e desisti. em freadas de pânico, é chão na certa, e por estar de sapatilha, já desloquei a patela num tombo.

    segundo é que mexe muito com as roupas. sim, o pedalar na cidade é a extensão do andar – como na holanda, simplesmente se sobe na bicicleta e vai. estar de sapatilhas implica ou em levar outro calçado -e portanto ter que carregar coisas – ou ficar gastando o taquinho n chão, além de andar como um pato no mais das vezes. pra quem vai trabalhar de bicicleta, é melhor nem pensar nisso e, se houver mesmo muita necessidade de prender o pé, usar firma-pé.

    terceiro pois a pedalada girada é mito, já comprovado pela ciência. basta notar que os músculos para descer o pé são muito mais poderosos que os de subir o pé.

    e o quarto ponto é que o pé, estando solto, não fica numa única posição que, se errada, causará lesão.

    pra cidade, amelhor coisa é um pedal plano. europeus que o digam.

    Comentário bem votado! Thumb up 14 Thumb down 2

    • Marcelo Mig

      Sobre os pontos levantados, minha opinião:

      1- Freadas de “pânico” são por si só o problema. Se elas virassem freadas de “emergência”, menor chance de chão…

      2- Depende muito da distância e do relevo. Eu deixo um tênis comum no trabalho, chego lá e troco. A sapatilha que uso é razoavelmente confortável para caminhar curtas distâncias, como pedalo muito mais km do que caminho com ela, o custo x benefício é favorável. Na minha opinião, firma-pé não é uma opção válida, pois ele só funciona em 75% do movimento de cada giro de pedal, e para isso ele deve estar bem preso, o que o torna perigoso para tirar o pé rapidamente em emergências. Também a posição do pé em relação ao pedal em geral não permite ajustes com o firma-pé, e pode causar lesões.

      3- Na minha opinião a pedalada redonda só é mito para quem não a entendeu e pratica. Já li alguns artigos que a contestam, e conheço ciclistas que respeito que adotam essa tese. Mas para mim é muito orgânico e natural pedalar redondo. E a maior prova disso é que nas raras ocasiões em estou sem clip, minha perna frequentemente sobe e deixa o pedal lá embaixo, provando que estou fazendo força para cima nessa fase do movimento. Também há alguns argumentos francamente risíveis, como o de que “o cérebro não consegue processar o pedalar para cima, para frente, para baixo, para trás.” O movimento só é dividido assim para fins didáticos ou de treinamento específico. Quando você pedala redondo, não precisa pensar nisso, é só deixar fluir com muito mais eficiência do que ficar empurrando os pedais somente pra baixo.

      4- Existe uma única posição certa de pedalar e todas as outras erradas. Basta ajustar o clip correto no tênis uma única vez, e você estará 100% do tempo pedalando corretamente.

      Com isso não quero dizer que todos devem usar clip como eu uso. Apenas pretendo demonstrar que não existe o melhor pedal, ou a melhor bicicleta, a melhor roupa. Tudo depende do uso que se faz deles.

      Comentário bem votado! Thumb up 8 Thumb down 0

  • Mazzini

    Iria falar a mesma coisa que meu xará.Não uso esse tipo de equipamento e tbm já vi vários tombos com ele, inclusive quase causando um atropelamento, pois, o ciclista caiu na beira da estrada, mas seu corpo foi parar no meio da pista, ainda bem que era cedo e nada mais grave aconteceu. Também já li várias matérias e estudos falado a mesma coisa, onde o cérebro humano não faz dois movimentos simultâneos com a mesma eficiência. Somos feitos desde a pré história a termos a força só para empurrar, e portanto não conseguimos fazer esses 2 movimentos com a mesma eficiência. è muito polêmicos esses argumentos da matéria.

    Thumb up 2 Thumb down 2

  • Danilo

    Eu utilizo um pedal de speed em uma montain bike para pedalar em São Paulo todos os dias para o trabalho. Acabei comprando a sapatilha de speed porque infelizmente não temos uma numeração que abranja todos os tamanhos aqui no Brasil, e por calçar 46 só achei esta.

    Já havia pelado durante anos com o clip de montain e achei que não iria me acostumar ou sentir diferença para o de speed, mas a firmeza que ele dá para o pé é absurdamente melhor. O único ponto negativo é que o taco de speed é enorme e fica impossível andar com a sapatilha durante o dia, então sempre tenho que carregar um tênis na mochila.

    Com relação a ser perigoso tomar tombos por conta de estar com o pé preso, é questão de costume… já passei por uma situação aonde um amigo que estava começando a usar o clip parou em um semáforo, não conseguiu tirar o pé e acabou se apoiando em mim. Nesta fração de segundos eu consegui tirar o meu pé do pedal, apoiar no chão e segurá-lo para que não caísse também.. portanto, é questão de treino, o reflexo vem com o uso.

    Thumb up 1 Thumb down 1

  • Gustavo Venier

    Achei muito boa essa matéria, uso sapatilha a alguns meses e me adaptei muito bem nas trilhas e em alguns passeios na cidade também, porém algumas vezes na semana uso a bike para ir ao trabalho ou algumas vezes na faculdade. Conversei com o dona da bicicletária onde comprei a bike, e ele sempre me da dicas de pedalar entre outros, para resolver meu problema ele me indicou uma plataforma que se encaixa em um dos lados do pedalClip e pronto acabou meu problema de ir trabalhar e levar um tênis na mochila. Quem costuma trabalhar ou outros passeios rapidos, sugiro essa plataforma. muito bom mesmo. recomendo.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • willian

    Não tenho sapatilha mas pelo que eu li a puxada parece funcionar mais como válvula de escape tirando o peso do lado morto do pedal e usando a energia da empurrada de maneira mais eficiente. Como um carro 16 válvula,mais escape menos energia desperdiçada

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 0 Thumb down 5

  • Bom dia à todos. O pedal spd trás alguns inconvenientes:
    1-Ninguém está esperando ser abalroado por um carro ou moto e nesses acidentes muito rápidos não há como desclipar o spd, movimentando o pé para os lados e, preso à bike, você será puxado até onde haja a perda do coeficiente de arraste daquele veículo. Se o mesmo for para um penhasco, você será arrastado também. Se você estiver solto no pedal, certamente a bike irá sozinha com o veículo e a chance de você ficar vivo aumentará em muito.
    2-Tive uma péssima experiência com o spd, capotando a bike em decorrência de cascalho na trilha, a bike rodou em 180 graus, não houve a soltura do mesmo e a consequência não foi muito boa:
    a)-Fratura do tornozelo
    b)-Fratura da perna
    c)-Rompimento de tendões do mesmo pé

    Polêmico. O que acha? Thumb up 9 Thumb down 11

    • [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

      Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 3 Thumb down 10

      • [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

        Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 3 Thumb down 10

        • [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

          Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 5 Thumb down 10

          • [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

            Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 3 Thumb down 13

            • Francisco

              Meu Deus, Rodrigo. Falou muita besteira agora. Porque que um clip seria vantajoso para um motociclista? Você não entendeu que a vantagem do clip eh de melhorar a eficiencia da pedalada? Como um motociclista seria beneficado?

              Cara, deu para entender pelo seu ataque ai que você não aprendeu a usar o negócio, possivelmente deu azar, e tomou um tombo feio com o clip. Não precisa negar a tecnologia só porque não deu certo pra você. E quanto ao BMX, é claro que também não é vantajoso, porque o cara não precisa de tanta eficiência na pedalada e porque parte da graça do esporte é tirar o pé do pedal pra fazer as manobras.

              Relaxa, toma uma água com açúcar, e talvez tente de novo o clip. Pode ser que você mude de ideia.

              Comentário bem votado! Thumb up 35 Thumb down 2

  • Perfeito. Curti. Muito útil pra quem ainda tem dúvidas.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • tiagobarufi

    clip é um termo errado já que se refere ao toe clip, que é a fixação de pedal e sapatilha por meio de clip e correia!
    O pedal é chamado clipless, que pode ser traduzido como sem clip.
    Eu uso o SPD com um sapato fabricado pela Shimano que tem um aspecto bem ‘normal’ e sola ampla que envolve o taquinho. Só faz barulho ao caminhar em piso áspero.
    Esse pessoal dos estudos [que mediram a força e comprovaram ineficiência(?)] provavelmente não pedala muito. É óbvio que ajuda! Não apenas por causa da ‘puxada’, mas também pelo menor esforço em manter a postura do pé e a interação entre o tornozelo e o pedal via sola rígida e articulação. E é muito tranquilo para sacar o pé, eu consigo fazer sem pensar depois que me acostumei. Nunca caí por estar com o pé preso.

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  • Douglas

    Um estudo envolvendo ciclistas treinados por décadas a *não* pedalar “puxando” conclui que pedalar puxando é ineficiente. As conclusões não me surpreendem.

    Thumb up 4 Thumb down 2

  • Marcio

    Comprei uma dessa Click’r a uns 8 meses, nunca havia utilizado sapatilha, nunca tive problema, achei super confortável e uso ela no pé o dia praticamente todo!

    Vale a pena andar clipado!

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Ana Silva

    Sou ciclista há menos de 02 anos e voltar a pedalar depois de 20 anos, foi a melhor coisa que fiz na minha vida. Sou maratonista e depois de uma lesão no tornozelo, comprei uma MTB para ajudar na minha recuperação. O uso do “clip” veio depois de 6 meses de bike, claro q a idéia me assustou muito no ccomeço….kkkkk, mas garanto há todos, foi a melhor coisa que fiz!!!!! Como relatado acima, os tombos no início são de praxe…kkkkk Na minha primira queda “clipada” foi surreal, eu destravei o meu pé esquerdo e quis colocar o pé direito (que estava travado) no chão, não tinha o q fazer, claro que fui ao chão…ri muito neste dia. Eu recomendo à todos o uso do pedal com clip, quem usa sabe a diferença que faz no pedal.

    Comentário bem votado! Thumb up 15 Thumb down 0

  • Rosana

    Não sei se é a isso que o Kleber se refere, mas já havia lido este artigo
    http://www.praquempedala.com.br/blog/o-mito-de-puxar-e-empurrar-o-pedal/#.U9zfxPldUpk
    que indica que a eficiência do movimento de puxar é discutível.

    Comentário bem votado! Thumb up 9 Thumb down 1

  • Fabio Degani

    Eu tenho um Shimano SPD e coloquei um adaptador para usar um lado como pedal comum e outro lado uso clip. Para trabalhar, acho complicado andar clipado pelos mesmos motivos citados que o Marcos, então passei a usar só nos passeios mais longos. Mas atualmente, estou considerando voltar para um pedal comum: os clipes aumentam a eficiência, mas tiram um pouco o prazer de pedalar como passeio.

    Comentário bem votado! Thumb up 6 Thumb down 0

    • Marcos Antonio

      Meu pedal é do tipo misto. De um lado tem o encaixe e do outro a superfícile é de um pedal normal. Isto é bom porque quando tenho que transitar por ruas movimentadas ou quando vou no centro (moro em Guarulhos) o que obriga a ficar parando o todo tempo, posso usar o lado do pedal sem o encaixe e com um tênis normal. Andar com aqueles taquinhos pegando no chão é muito chato.
      Acho que a Shimano faz um bom trabalho tornando o procedimento de soltar o pé mais fácil. Mas é quanto a sapatilha em si? Existe algum modelo em que os taquinhos não peguem no chão?

      Thumb up 2 Thumb down 0

  • Marcos

    Tenho aquela sapatilha sistema SPD da Shimano para mountain bike que é tipo tênis comum. Meu pedal também é sistema SPD. Para facilitar o tira e põe ajusto as molas para agarrar menos. Uso a bicicleta frequentemente como meio de transporte e lazer. Para o lazer, quando pego uma estrada ou ando em lugares próprios para ciclismo o uso de sapatilhas é muito vantajoso…

    mas…

    Para o uso urbano acho muito desconfortável.

    No uso urbano, normalmente pedalamos para ir a algum lugar onde deixaremos a bicicleta e andaremos a pé. E andar com uma sapatilha com aqueles taquinhos de metal é muito chato, se andamos em um piso perfeitamente liso ainda vai, mas andar sobre asfalto, calçadas que tem os mais diversos tipos de pisos ou terra é muito chato pois os taquinhos pegam facilmente nas imperfeições do solo. Isto sem falar que mesmo a sapatilha sendo do tipo tênis, com uma palmilha mais confortável e solado mais macio mesmo assim não chega nem perto do conforto de um tênis comum. Pelo que sei, as solas destas sapatilhas nem podem ser muito macias porque na pedalada cederiam muito com o esforço feito na puxada no pedal.

    Pedalar em uma rua com muito trânsito ou até próximo a calçadas com grande movimento de pedestres é estar sujeito a imprevistos a todo momento. É um carro que te fecha, um pedestre que entra na sua frente de repente para atravessar e um buraco ou um defeito na pista que você só percebe quando já está bem em cima.

    Bem mais qual o problema? Nestas situações normalmente estamos em baixa velocidade e uma parada repentina nos obriga a tirar o pé do pedal para não cair e aí é que está o problema. É muito fácil se atrapalhar e não conseguir desencaixar o pé a tempo e levar aquele famoso tombo besta.

    Muitos dizem que com o tempo se pega o jeito de tirar o pé com facilidade.

    Bom, pode ser que a maioria consiga.

    Fazendo passeios em grupos de ciclistas pela cidade já vi caras experientes acabarem se atrapalhando na hora de fazer uma parada brusca e levando o tal do tombo besta por não conseguir tirar o pé do pedal a tempo.

    Eu mesmo já levei três destes tombos bestas, como isto sempre acontece quando já está parando acaba não sendo grave.

    Penso seriamente em voltar para o bom e velho firma pé mesmo, tem uns modelos bem estilosos de aço cromado com a cinta em couro.

    Vantagens: Bem mais fácil de tirar o pé e você pode usar qualquer tênis ou até sapato.

    Agora se é um esportista ou usa a bike muito mais para lazer, ou seja, normalmente usa a bike com o único propósito de só andar de bike mesmo sem ser como meio de transporte para um determinado local onde você terá que acabar andando a pé, recomendo as sapatilhas.

    Comentário bem votado! Thumb up 12 Thumb down 0

  • Edson

    No meu caso,a mudança para a sapatilha foi definitiva.Só lamento ter demorado tanto para fazer a troca,pois a diferença é gritante,principalmente no que se refere a performance.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • eu

    Tenho uma sapatóla shimanolo Click’R, show de bola! Discreta, com eficiência razoável, preço não muito salgado e dá para andar (pouco) com ela por ai… mas ela não presta para usar como calçado comum no trabalho nem a pau! Eu fiz o seguinte, deixei um par de tênis no trabalho e vou com a sapatilha, troco ela pelo calçado no trabalho e o contrário na saída, show de bola! Bem melhor e mais seguro que um firma pé de qualidade e não tem comparação com pedal plataforma!

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Alexandre

    Eu já usei no dia a dia, é só se adaptar. Torna-se mais econômico fisicamente.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Kleber

    Pedalo de Montain freqüentemente e não uso esse tipo de equipamento, já vi vários tombos de pessoas que usam, inclusive c fraturas, e e muito polêmica essa matéria, pois, vários estudos falam que o cérebro só realiza um movimento por vez, o de empurrar, portanto reduzindo o efeito que vcs falam que e tanto benéfico.

    Thumb up 2 Thumb down 5

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>