Montadoras comparam carros à bicicleta nos comerciais

Apoie nosso trabalho,
doe um libre!

Bicicleta é ágil, leve, barata, não polui, quase não ocupa espaço e não congestiona. Isso todo mundo sabe ou deveria saber. Mas de um tempo pra cá, outro atributo tem se consolidado: defender o uso da bicicleta, mesmo não a utilizando, passou a ser algo cada vez mais bem visto.

A bicicleta tem aparecido cada vez mais nos comerciais de TV. Se antes só aparecia sendo pedalada pela família no parque (ou no condomínio), para associar a sensação de liberdade, alegria e descontração a algum produto ou serviço, de uns tempos para cá ela aparece também como meio de transporte, para associar a imagem de verde e moderninho ao que estiver sendo vendido.

Pode reparar: em comerciais onde passam rápidas cenas de cidade, quase sempre tem uma bicicleta trafegando ou encostada em alguma parede ao fundo. Nessas aparições relâmpago, o que importa não é você percebê-la conscientemente: tudo compõe um cenário absorvido inconscientemente, que traz uma sensação que você associará com aquele produto. Em um comercial bem feito, todos os detalhes são estudados e nada está ali por acaso.

No vídeo abaixo, vende-se a idéia de que quem compra esse carro é alguém tão cool e verde quanto um ciclista. É alguém moderno, preocupado com o meio ambiente, que embeleza a cidade e o ar com seu carro. No final, ele se junta aos ciclistas que jogam hóquei em bicicletas de roda-fixa: ele faz parte da mesma turma e é aceito naquele meio (tão aceito que enfia o carro no meio das bicicletas e ninguém reclama).

Ok, o carro não emite gases poluentes por ser elétrico, mas a eletricidade utilizada para carregá-lo também causa poluição ao ser produzida. Ainda mais na Europa, onde não há tantas hidrelétricas (e mesmo elas também poluem um pouco e têm seu impacto ambiental). Além disso, poluir não é o único problema do automóvel. Ele ainda perde feio de uma bicicleta em vários quesitos.

Nesse outro vídeo, tentam convencer que o carro é tão ágil na cidade quanto uma bicicleta. O resultado é patético.  (dica do @Wadilson)

Percebam que as cidades dos dois comerciais quase não tem carros. A cidade ideal para as montadoras seria uma cidade sem carros? Ou é a única situação em que seria possível dirigir com algum prazer?

No segundo anúncio, não tem nenhum outro carro mesmo, apenas o da moça sorridente que leva a bicicleta para passear. Assim fica fácil ser ágil.

Nessa mesma linha de cidades sem carros, veja esse outro comercial onde todo mundo que está na rua some quando o cara está dentro do carro. Eu diria até que é uma situação realista: muita gente quando dirige não vê mais ninguém do lado de fora e age como se existisse apenas ele no mundo…

Não sei o que é pior: fazerem propagandas assim ou tanta gente cair nelas.

Gostou da matéria? Doe um libre
e ajude nosso projeto a continuar!

11 comentários para Montadoras comparam carros à bicicleta nos comerciais

  • panoptico

    Eu adoro a fumacinha de cor e felicidade que os carros soltam nessas propagandas cools. Ela se espalha pela cidade e deixa tudo mais bonito.

    Ela é ótima pq atinge os adultos mas tb já catequisa as crianças na religião automobilística.

    Abraço!

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Luiza

    o fantástico da bicicleta é justamente a sua simplicidade, ainda não inventaram um meio de transporte tão ecológico e saudável quanto à bike; onde encontrar um veículo movido a energia limpa, (no meu caso, com 01 litro de água,ou menos,rodo dezenas de km) e o motor fica melhor quanto mais uso?

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Juliano Pappalardo

    se o planeta decidisse andar de bike, digo todos, qual seria o aumento (em hec) das plantações de arroz e feijão e qual seria o impacto ambiental desse aumento ?!?!

    brincadeiras a parte, as novel(h)as da Globo parecem comerciais quando aparece automóvel, bike no fundo como o Willian falou, para dar um ar de simplicidade e descontração, nunca vi cena de trânsito, e não tem irmão ou tio estressado porque pegou trânsito na marginal e precisava de uns trocados para tirar o carro da reserva!!!!

    maior viagem

    detalhe, tudo subliminar

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Julio Nohara

    Vale lembrar que a produção da energia eólica que está aumentando no Brasil não há emissão de poluentes… =-)

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • + Vá de bike! + - A poluição do carro elétrico

    […] Não se preocupe mais com o efeito estufa! Estamos salvos da poluição? Aproveitando o gancho do comentário de um leitor do blog, o Neto de Curitiba, resolvi escrever um pouco sobre o […]

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Willian Cruz

    Neto, a fábrica da bike e do carro poluem para fabricar sim. Mas além do impacto ambiental da fabricação de uma bicicleta ser BEM menor que a de um carro, depois que ela sai da fábrica não é gerada poluição nenhuma para abastecê-la, nem diretamente (caso dos carros movidos a gasolina, álcool, diesel, gás) e nem indiretamente (carro elétrico). Não coloquei em pauta a poluição causada pela produção do bem mas, mesmo que colocasse, a do carro seria bem maior. O foco foi a poluição durante o uso.

    E olha que só falei sobre a poluição do ar, tem outras como a causada pelo óleo que cai no asfalto e é levado para os rios. Bicicleta também tem lubrificante? Tem, claro. Mas quanto de lubrificante uma bicicleta solta no asfalto, por pior que seja sua situação, e quanto um carro solta? É só ver as manchas de óleo pela rua, que aparecem mais em dias molhados, quando elas ficam multicoloridas e bastante perigosas para quem pedala, que você vai ter uma idéia de quanto óleo vai parar nos rios. E você já deve ter ouvido falar em como uma pequena quantidade de óleo contamina MUITA água.

    Quanto à poluição causada pela geração de energia elétrica, boa parte dela na Europa é gerada a partir de termoelétricas (a carvão, diesel e gás) e até por usinas nucleares. E mesmo a hidrelétrica causa alguma poluição, principalmente porque a área alagada expele metano como consequência de uma floresta submersa e apodrecida.

    Leia aqui sobre a poluição causada por termoelétricas e aqui e aqui sobre a poluição causada por hidrelétricas. Sobre as nucleares, acho que não preciso nem comentar, já que a sobra da produção de energia é lixo radioativo…

    Grande abraço,

    Willian Cruz

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Neto Goulart

    Willian, muito bom o post.
    Faço apenas uma resalva pois acho que vc esta sendo muito radical ao falar que o carro elétrico tbm polui pois a usina que gera a eletricidade polui. Se for levar assim a minha e a sua Bike tbm poluiem pois as fábricas deles poluem…
    Tirando isso seu post esta de parabéns.
    abraços
    Neto Goulart
    Ciclista – Curitiba -PR

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Leandro

    Redículo, simplesmente… Lembrei que a Peugeot aqui no Brasil também tinha uma campanha (anúncio em revistas) em que procurava pegar embalo na atraente bicicleta, você lembra dessa? Uma bicicleta em no teto do carro.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Rodrigo

    A idéia da Peugeot é interessante, carros menores e não poluentes, pois é uma alternativa ao carro grande, viril e beberrão. Tem gente que gosta de carro e não larga o osso. Existem várias saídas, mas o problema que vejo é a falta de vontade. É como paz mundial, todo mundo concorda, mas ninguém move uma palha para que isso aconteça. E essa falta de vontade vira terreno fértil para os vendedores de complicação. As soluções vão desde aumentar imposto dos carros e combustíveis até ciclofaixas e melhorar o transporte público. Aliás, o problema disso é a chamada última milha, que é a distância entre o ponto de ônibus, metro, trem e a porta da casa do usuário. Nesse trecho uma bicicleta iria bem a calhar. A coisa mais sensata que já ouvi foi que antes de tudo deve haver uma convivência pacífica e respeitosa entre os meios de locomoção. E sem essa babaquice de querer vender carro por bicicleta.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Álvaro Diogo

    Ótimo post e bela reflexão.
    #Vá de bike

    Thumb up 0 Thumb down 0

Enviar resposta

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>