Faltam equipamentos públicos para os ciclistas de velocidade

Depois de assumir uma nova postura, mais calma, paciente e “slow bike”, nos meus deslocamentos pela cidade, resolvi falar agora sobre um outro lado mais agressivo, por assim dizer, ligado a velocidade e esforços máximos sobre duas rodas. Adrenalina, diversão, superação e prazer.

A velocidade máxima chegou a passar dos 80km/h. Foto: Tag and Juice/Divulgação

Além dos deslocamentos urbanos, existem várias outras modalidades de uso da bicicleta. Enquanto alguns preferem pedais mais longos, audax, cicloviagens, trilhas, escadarias e manobras, outros são adeptos do pedal mais rápido e “performance”. Superar limites é a paixão que move muita gente e todos os usos possíveis da bicicleta são plenamente legítimos e igualmente apaixonantes.

Falo isso por que participei recentemente de uma mini-competição de corrida sobre “rolo” – instrumento feito para o ciclista pedalar sem sair do lugar. É muito legal pedalar rápido. E esse tipo de experiência sempre me faz refletir sobre a necessidade de termos equipamentos públicos disponíveis para as pessoas exercitarem suas vontades de correr, pular, fazer pirueta e extravasar toda a adrenalina dentro de si. O evento foi organizado pela loja Tag and Juice, que fica na Vila Madalena, e reuniu dezenas de pessoas que queriam testar seus limites.

Eu concentrada ao lado da minha adversária, Juliana. Foto Ana Paula Leonc

Não é a toa que, principalmente aos finais de semana, as ciclofaixas de lazer, parques e vias exclusivas para a bicicleta ficam abarrotadas de ciclistas em busca de treino e velocidade. Mas por serem locais que recebem um público cada vez maior de iniciantes, crianças e pessoas de todas as idades, fica difícil aceitar e estimular altas velocidades nesses lugares.

Opções

A ciclovia que beira a Marginal do Rio Pinheiros – por ter poucos acessos de entrada e saída que viabilizariam seu uso eficiente para o transporte – é atualmente muito utilizada pelas pessoas que treinam ciclismo, pedalam forte, com médias altíssimas de velocidade.

Outra opção utilizada são as rodovias, para pedalar nos acostamentos, mesmo sabendo que o poder público desconsidera oficialmente a presença dos ciclistas (inclusive de moradores das cidades próximas), fechando os olhos e se omitindo de garantir a nossa segurança (por vezes até proibindo nossa presença) em um espaço onde temos direito legal de circular, seja a lazer ou por necessidade de deslocamento.

Velódromo de Caieiras/SP

USP

A Universidade de São Paulo recebe diariamente pelotões de ciclistas que usam as ruas do Campus para treinar, mas por se tratar de um ambiente de circulação intensa de pessoas, vez ou outra os ciclistas são recebidos com tachinhas no chão para sabotar a prática. Um conflito desnecessário, que mostra a intolerância e falta de respeito de todos.

Por outro lado, em 1975 foi construído nas dependências da Cidade Universitária um velódromo para receber as competições de ciclismo no Pan-Americano de São Paulo – antes dos jogos serem transferidos para a Cidade do México.

O velódromo é uma espécie de autódromo de ciclistas, um local fechado, com percurso oval delimitado e sem circulação de pedestres. Mas o da USP está fechado desde o final dos anos 80. A administração e a cidade abandonaram um dos equipamentos públicos mais eficientes para dar vazão à parte mais “agressiva” do ciclismo de velocidade.

No Brasil, existem atualmente poucos velódromos disponíveis, como os de Caieiras/SP, Rio de Janeiro/RJ e Curitiba/PR. Mas, de acordo com relatos de usuários, dentre estes três apenas o do Rio é bem feito, bem conservado, bem frequentado e um exemplo de investimento de qualidade no ciclismo.

Segundo uma matéria da Folha de São Paulo, publicada em agosto de 2011, “o diretor do Cepeusp (Centro de Práticas Esportivas da USP), Carlos Bezerra de Albuquerque, diz que está aberto para que os ciclistas façam propostas para o uso do espaço. Dessa forma, seria possível tentar verbas no Ministério dos Esportes ou com a iniciativa privada. Quanto a verbas próprias da universidade para a reforma, o diretor afirma que a instituição não colocou o velódromo como prioridade, mas que já existe um plano diretor com projeto para reforma do espaço”.

Leia mais: E o velódromo da USP

Caieiras

A pista de Caieiras fica a 40 km de São Paulo e conheço muita gente que vai até lá para soltar os freios e pedalar muito forte. É o caso dos adeptos das fixed gears – “roda fixa” – bicicletas simplistas e sem marcha muito utilizadas em competições de velocidade em outros países, que ganhou as ruas das cidades graças à sua baixa manutenção, beleza e conexão completa com o corpo. Entenda melhor o funcionamento dessas bicicletas.

Veja nesse vídeo do André Seitsugo como a galera do Clube de Ciclismo da Ciclo Vila se diverte pedalando no velódromo de Caieiras. Eu já experimentei e recomendo, é uma experiência transcendental e inesquecível!

Ciclovia no autódromo

Projeto do Autódromo. Imagem: Divulgação

O Autódromo de Interlagos, em São Paulo, passará por uma reforma estrutural com previsão de entrega em 2013. E a novidade é que está sendo planejada uma ciclovia que contornará toda a área, chegando a ter inclusive um acesso à Represa do Guarapiranga.

Segundo reportagem da Folha de São Paulo, o projeto completo para o autódromo conta, ainda, com área de parque, pista de skate, quadras e um Museu do Automóvel (e por que não fazer também um museu do ciclismo?)

Se concluída, essa área de ciclovia será outra ótima opção para os ciclistas que gostam de treinar forte, profissionalmente ou não. Inclusive a Ciclovia Rio Pinheiros chega bem perto do Autódromo, dá até pra ouvir o barulho dos motores rasgando o silêncio e abafando o som dos pássaros que sobraram perto do Rio.

Ciclismo também é esporte!

Ciclistas também se divertem, correm, competem, têm ídolos e movimentam um mercado consistente. Uma pena o Brasil não dar valor às modalidades esportivas menos “cobiçadas”, principalmente quando elas têm um potencial revolucionário de transformar nossas cidades. E até pessoas.

Enquanto isso, ficamos discutindo monotematicamente na frente da TV os gols do Neymar, assistindo de camarote a violência das torcidas organizadas e sendo cúmplices de transações obscuras e bilionárias para tudo que ronda o mundo da bola.

É mais ou menos o que fazemos ao assumir que todo brasileiro é apaixonado por carro: limitamos as escolhas, desrespeitamos as pessoas.


17 comentários para Faltam equipamentos públicos para os ciclistas de velocidade

  • Roberto Laudari

    Bom, na verdade, como vivemos em um lugar onde não há grandes iniciativas públicas para suprir as necessidades dos usuários de bicicleta como meio de transporte, que dirá de uma segmentação especícifa do ciclismo como esporte! Não será de imediato, porque tratamos de algo específico e de custo bastante alto. Nossa postura perante a sociedade, utilizando a bicicleta como meio de transporte, mostrando essa possibilidade, talvez possa abrir os olhos do poder público para casos como este.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Lucas

    O tal velódromo de curitiba deve ser o do Jd. Botanico né?

    Passo todo dia ali indo pra faculdade, a avenida onde se encontra a entrada do velodromo e da minha faculdade, é um perigo

    Calçada estreita, transito pesado de caminhões, faixas entre os carros menores ainda, e um estacionamento a ceu aberto nos horários de pico

    o velodromo sempre se encontra as moscas, um dia vou pegar minha mtb e pedalar para brincar

    Thumb up 3 Thumb down 0

  • O povo Brasileiro é altamente misturado e diversificado genéticamente e culturalmente. Infelizmente um ser no poder decidiu que o Brasil seria o país do Futebol e Samba. Pelo menos é isso que a Tv passa na maioria do tempo dedicado as reportagens diárias, alienantes e sensacionalistas. Basta sair um pouco da cidade grande para ver que a realidade é outra, sons , esportes, religiões se misturam lindamente

    Existe uma tendência das pessoas que possuem acesso web de trocarem a Tv pela a internet, com isso teremos mais liberdade para expor o Brasil como é de fato. O trabalho deste Blog é realmente inspirador, aqui consigo aprender e me informar de verdade, ao contrário da velha mídia que na maioria das vezes é só para passar o tempo. Continue o ótimo trabalho, que é essencialmente de cidadania e não somente sobre bicicleta

    Abraços !

    Comentário bem votado! Thumb up 7 Thumb down 0

  • Luciano

    Ótimo texto.
    Acho que em SP poderíamos ter, inclusive, provas de ruas de ciclismo. Temos provas de corrida, maratona, meia-maratona, todos os finais de semana. Essas corridas de rua começaram há 20 anos, incentivaram muitos a começar a correr e hoje estão sempre cheias. Por que não temos uma de ciclismo?
    Quanto ao velódromo da USP, foi sempre deixado de lado. Na década de 90 ainda havia um curso de ciclismo do prof D’Elia, onde os alunos inclusive andavam no velódromo e aprendiam técnicas de corrida. Com a saída do prof o curso deixou de ser oferecido e o velódromo serve agora só para festas.
    Acho que aqui em SP temos uma federação pouco ativa. Esta poderia ajudar na obtenção de patrocínios para a reforma do velódromo ou na organização de provas de ciclismo de rua.
    Uma idéia: o minhocão, de madrugada é um ótimo lugar para fazer uma prova de velocidade. Bora organizar??

    Comentário bem votado! Thumb up 6 Thumb down 0

  • Oi Aline!!
    Eu queria dar uma sugestão sobre um outro assunto delicado que é a proibição dos ciclistas pedalarem pelos parque publicos. Por exemplo, eu moro pertinho do Parque da Aclimação e tenho que desmontar da bicicleta para poder atravessá-lo.O mesmo aconteceu uma vez que estava passando pelo Pq da Luz. Fico pensando que se as pessoas são proibidas de andar nos parques, onde seria lugar ideal para iniciarmos a prática de pedal, sendo criança ou adulto, onde vamos das as primeiras pedaladas? No meio da rua ? Porque todos os parques não poderiam ter ciclofaixa à exemplo do Parque do Ibirapuera?
    Vamos nos unir por essa causa?
    bjs

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

Enviar resposta

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>