Projeto Cicloamazônia encerra sua primeira etapa, mas ainda precisa de apoio

Apoie nosso trabalho,
doe um libre!

Há dois meses, três guerreiros de São Paulo decidiram fazer uma expedição pela maior e mais importante floresta tropical do planeta, a Floresta Amazônica, no norte do país. Entre os objetivos do Projeto Cicloamazônia estava conhecer de perto, pedalando, a dinâmica de vida nos arredores da BR-230, a Transamazônica. Inaugurada há 40 anos sem nunca ter sido concluída de fato, é considerada hoje um dos mais polêmicos projetos de ocupação do país.

Saiba mais: O desafio de atravessar a Floresta Amazônica de bicicleta

Daniel, Marcelo e Valdinei. Foto: Divulgação

Daniel Santini, Marcelo Assumpção e Valdinei Calvento pedalaram quase 2000 km, cruzando o estado do Amazonas entre julho e agosto desse ano, e acabaram de concluir a primeira fase do projeto. “Pudemos conhecer a realidade da extração de ouro, conversar com garimpeiros, ouvir histórias sobre descoberta de fortunas, ruína de alguns homens e até de tomada de garimpo por guerrilheiros no exterior. Tivemos que redobrar a atenção ao coletar água dos igarapés, quase todos de alguma forma contaminados pela extração do minério”.

Cenário triste e vazio do desmatamento na Amazônia. Foto: Divulgação

Alguns relatos da viagem podem ser acompanhados no site do projeto. São fotos e registros impressionantes de uma realidade distante da nossa e que vem passando por um processo de transformação profunda, com problemas irreversíveis de desmatamento, contaminação, uso e ocupação do solo, que comprometem a biodiversidade da floresta e, por consequência, nossa existência.

“São quilômetros e quilômetros de pastagem sem nenhuma árvore para amenizar o sol. Quando não é capim, são tocos e terra queimada, arrasada mesmo. Na pecuária, em vez de roçar o mato para abrir espaço para o boi, todos parecem optar pelo fogo. Além da poeira dos caminhões, nos últimos dias tivemos que respirar constantemente fumaça [das queimadas]. O horizonte é de um azul borrado que varia entre tons de areia e cinza. É triste”, diz um dos relatos. “Nos últimos 200 km da viagem passamos por 120 km de isolamento dentro da Floresta Nacional da Amazônia, o trecho mais preservado de toda a estrada. Também vimos muitos animais atropelados”.

Foto: Divulgação

Apoio

Durante esses dois meses de imersão na Amazônia, os meninos colheram muitos depoimentos, ouviram as pessoas que vivem lá e realizaram registros com vídeos, fotos, arte. Agora, têm um trabalhão pela frente: organizar e editar todo esse material, escrever, relatar, dar vazão ao seu conteúdo, tornar públicas e acessíveis as coisas que estão acontecendo no nosso país, nas nossas costas, nesse exato momento, enquanto lemos esse texto.

Se você, assim como eu, tem interesse em ler e ver esse conteúdo disponibilizado na internet, tornando público e aberto o que acontece no coração do país, ajude através do crowdfunding do Projeto. Será necessário arrecadar R$ 15 mil para garantir, de forma livre e independente, a divulgacao completa do material, com produção de reportagens georreferenciadas e conteúdo multimídia sobre a Transamazônica.

Qualquer quantia doada ajuda a construir esse resultado, que pode servir como base de informação e conhecimento para mudar essa realidade preocupante. Saiba mais na página do projeto no Catarse.

Cicloamazônia também está no Facebook e no Twitter

Gostou da matéria? Doe um libre
e ajude nosso projeto a continuar!

Enviar resposta

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>