Motorista, cuidado: uma “fina” pode resultar em morte

Leia também
Aos amigos e amigas que dirigem 

Por que há ciclistas que andam no meio da rua?

Como ultrapassar um ciclista sem colocá-lo em risco

Ciclistas podem circular em avenidas de tráfego rápido?

O que o Código de Trânsito diz sobre bicicletas e ciclistas

Exemplo de convivência entre carros, ônibus e a bicicleta

Por que 1,5m ao ultrapassar ciclista? Tem espaço pra isso?

Rafael Darrouy, o Ciclista Capixaba, publicou tempos atrás um vídeo que mostra a agressividade gratuita de um motorista intolerante. O que se vê, na verdade, é uma “fina educativa” que poderia ter acabado em morte. Mais um pouco e o vídeo deixaria de ser publicado para servir de prova em uma investigação de homicídio.

Rafael circulava em uma das avenidas de sua cidade, na faixa da direita, como manda a lei, quando um motorista buzina para que ele saia da rua. Em seguida passa perigosamente perto – mesmo havendo duas outras faixas, por onde poderia ser feita uma ultrapassagem segura. O trânsito, como sempre, para, e Rafael prossegue com sua bicicleta pela faixa da direita. Poucos segundos depois, o mesmo motorista passa tão perto que o retrovisor chega a tocar o cotovelo do colega.

Há motoristas que, acreditando que a bicicleta não tem direito de atrapalhar seu caminho, resolvem tirar uma “fina” (ou um “fino”, dependendo da região), com o objetivo de ensinar o ciclista a não circular nas ruas. A isso, chamamos de “fina educativa”. Para quem está na bicicleta, a sensação é de ter escapado por pouco da morte.

Pedimos aos amigos motoristas que nunca ameacem um ciclista ou pedestre com o carro, por mais que estejam fazendo um uso inadequado da via.

O tal do susto pode dar errado e a consequência lhe perseguirá para o resto da vida, sempre que você se lembrar do barulho, da cena, do corpo caído no chão.

O que poderia ter acontecido

Rafael demonstrou ter um domínio muito grande da bicicleta, pois conseguiu manter o equilíbrio. Também teve a sorte do toque não ter sido na ponta do guidão, mas em seu cotovelo, o que ajudou a absorver um pouco da energia do contato com a reação de sua musculatura. Por pouco a conduta irresponsável do motorista não causou sua morte.

Quando um carro (ou ônibus, caminhão, moto, etc.) esbarra na ponta do guidão, este se desloca para a frente. Se o ciclista estiver com o peso do corpo apoiado no guidão, que é a situação mais comum, é grande a chance dele se desequilibrar pela ausência do ponto de apoio, caindo na direção do carro. Se não estiver com o corpo apoiado, a situação também é de risco extremo, pois o guidão se moverá com maior facilidade e em maior ângulo: a bicicleta “escapará” do ciclista, levando-o também na direção do veículo que o tocou.

Quando o ciclista cai em direção a um carro que o tocou, há boas chances de um braço ou perna ir parar debaixo da roda traseira. Ainda que isso não aconteça, o ciclista cairá logo atrás do carro, ficando exposto na via aos outros veículos que estiverem vindo atrás. Se o veículo que esbarrou for um ônibus, caminhão ou mesmo uma SUV mais alta, há chances da roda passar por cima da cabeça ou do tronco.

É muito difícil que alguém circulando em bicicleta pela rua caia de repente, principalmente quem já está habituado a esse tipo de deslocamento. E, mesmo que isso ocorra, se o condutor do veículo motorizado estiver a uma distância adequada, o ciclista não irá parar debaixo da roda. A distância de 1,5m, exigida por lei, não é à toa.

Na próxima vez que você ler uma notícia dizendo que um ciclista morreu porque “caiu debaixo do ônibus” ou “colidiu com a lateral do veículo”, lembre-se dessa explicação.

Pedalar no cantinho teria ajudado?

A resposta é um enfático “não”. Um motorista como esse passaria perto do mesmo jeito, estando o ciclista ocupando a faixa ou conduzindo junto ao meio fio. Quando a bicicleta está trafegando muito no canto, a distância de 1,5m se torna ainda mais importante, pois o ciclista não tem área de escape.

Perceba na cena da primeira “fina” que Rafael desloca sua bicicleta para a direita, fazendo uso dessa área de escape – ainda que, talvez, por reação instintiva. Se ele estivesse perto da calçada, quando esse mesmo motorista passasse perto demais ele poderia bater o pedal ou tocar com a roda no meio fio, o que o projetaria para a calçada, causando sérios ferimentos. Perceba que, nesse caso, nem seria necessário o toque do veículo para derrubá-lo.

E se você está pensando que se o ciclista estivesse bem no cantinho o motorista não faria isso, me desculpe, mas está enganado. Quando a bicicleta está bem no canto, quase todos os carros passam perto demais, não apenas os que são conduzidos por irresponsáveis como o desse vídeo.

A bicicleta no canto deixa a faixa livre e convida o motorista a passar por ali. Afinal, o carro cabe naquele espaço e os motoristas estão acostumados a passar por entre outros veículos, pois isso faz parte da dinâmica de deslocamento do automóvel. Eles realmente não percebem o risco que isso representa para quem está numa bicicleta.

Melhor ação nesse caso

Veja também
Como pedalar nas ruas de forma segura 

Por que não pedalar na contramão

Cuidado com as portas dos carros parados

Ao perceber que um motorista vai passar perigosamente perto, estenda a mão esquerda. Isso vai confundir o motorista, que vai tentar desviar, ou desistir da ultrapassagem buzinando atrás de você. Na pior das hipóteses, o retrovisor vai bater na sua mão, o que não irá desequilibrá-lo. Depois disso, deixe o motorista ir embora. Ele provavelmente vai fugir, com receio das consequências legais de um quase atropelamento, como fez o motorista desse vídeo.

Se você estiver num local onde os motoristas estiverem passando perto demais com uma frequência acima do aceitável, você pode “alargar” sua ocupação da faixa estendendo a mão ou posicionando o cotovelo para fora, o que evita que possíveis toques sejam no guidão. Mas se não estiver se sentindo seguro, não se arrisque: vá para a calçada, ainda que isso constitua uma infração de trânsito. É a sua vida que está em jogo.

Se optar pela calçada, saiba que você estará em um espaço que não é seu. Pedale devagar, dê a preferência para quem está a pé, pare sempre que preciso e passe o mais longe possível de idosos e crianças. O ideal mesmo é desmontar da bicicleta e empurrar, mas sabemos que isso se torna impraticável para longas distâncias.

Boletim de Ocorrência

Rafael, fico feliz por nada de mais grave ter acontecido. Mas no seu lugar, faria um boletim de ocorrência contra o motorista, por ”expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente” (art. 132 do Código Penal). Atenção: não é ocorrência de Trânsito, é crime mesmo, a ser denunciado em uma delegacia.

A autoridade policial tem obrigação de receber a denúncia e fazer o boletim de ocorrência. Caso se negue a fazer isso, estará cometendo crime de prevaricação (retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal – art. 319 do Código Penal). Se isso acontecer, é possível queixar-se ao Ministério Público ou à Corregedoria da Polícia Civil.

Você tem o vídeo como prova. Se não fizer nada, amanhã essa pessoa pode matar alguém – e fugir, claro, como fez nesse caso.

Outro exemplo que poderia ter acabado em tragédia

O vídeo abaixo mostra um caso que ocorreu em El Salvador. Um ônibus passa buzinando e toca no ciclista, que se estatela no asfalto. Segundo a descrição do vídeo, o motorista posteriormente disse que queria apenas “assustar” o ciclista. Ele teve que pagar uma bicicleta nova e perdeu a licença para circular com seu ônibus (lá, os ônibus são de propriedade dos condutores).

Pause o vídeo aos 9 segundos e você verá como o ciclista quase foi colhido pela roda traseira, caindo a centímetros dela. Quando tocou o solo, seu braço por sorte estava apontando para a frente, senão ele o teria perdido. Por muita sorte não aconteceu nada de mais grave ao ciclista. É possível vê-lo de pé no final de vídeo, ainda que mancando pelas dores.

Ajude a tornar as ruas mais seguras, compartilhando esse texto com os amigos que dirigem.


123 comentários para Motorista, cuidado: uma “fina” pode resultar em morte

  • DOUGLAS

    DESCULPA A GALERA QUE TRAFEGA NA MÃO CORRETA DA VIA. MAS AINDA ACREDITO EM CERTAS TEORIAS DA CONTRA-MÃO, COM O CICLISTA PRATICANDO A DIREÇÃO DEFENSIVA.

    DANDO PRIORIDADE AOS CARROS EM CERTAS SITUAÇÕES DE CONFLITO.EM CRUZAMENTOS E ENTRADAS E SAÍDAS DE VIAS.TOLERÂNCIA E BOM SENSO, SEMPRE GALERA.

    ESSA DICA É PRA QUEM TRAFEGA EM BORDOS E ACOSTAMENTOS ONDE OU QUANDO NÃO EXISTE QUAISQUER CONDIÇÃO PARA SEGUIR EM FRENTE POR OUTRA VIA MAIS SEGURA.

    INFELIZMENTE NÃO TEMOS CICLOVIAS OU CICLOFAIXAS EM TODOS OS LUGARES.
    OS ÚLTIMOS ACIDENTES DE GRANDE REPERCUSSÃO OCORRERAM. POR CAUSA DA CHAMADA “FINA” COLISÃO LATERAL NO CICLISTA VINDO POR TRÁS DELE.

    MESMO QUANDO TRAFEGAMOS DE FORMA CORRETA PELA VIA, ACONTECE ESSAS SITUAÇÕES CONTANDO COM “GENTILEZA” DE ALGUNS MOTORISTAS E A FALTA DE TOLERÂNCIA DOS MESMOS.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Fernanda

    Era ciclista profissional, competia e tudo… Mas morria de medo qdo tinha q treinar em lugar movimentado… Tive q fazer a renovação da CNH e ouvi de um dos alunos q era caminhoneiro q ele odiava ciclista. O monitor explicou com base no CTB e eu aproveitei para falar sobre a minha experiência. O caminhoneiro entendeu e disse q a partir daquele dia iria respeitar os ciclistas! Falta muita educação básica em todas as áreas aq no Brasil…

    Thumb up 2 Thumb down 1

    • CiceroS

      Grande depoimento, Fernanda. E fico muito feliz que o monitor, de pronto, tenha fornecido a explicação necessária do que o CTB dispõe sobre a bicicleta. Que educação básica também é isso, né? Ela também depende de o responsável pela educação básica saber o que se deve saber sobre ela.

      Thumb up 0 Thumb down 0

  • Daniel Melo

    Em 2013 me tiraram uma fina, resultado, cai da bike fraturei o punho e abando ei a bike. O idiota nem parou pra me socorrer.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • manoel

    A questao que esta por tras eh sempre uma so: a certeza da impunidade. Como o Claudio Flavio falou, a tal fina corretiva, que pode ser considerada tentativa de homicídio, eh um procedimento administrativo.

    Thumb up 3 Thumb down 0

  • Claudio Flavio

    Gostaria de informar que o artigo 132 não pode ser usado no caso de fina corretivo. Acabei de chegar de uma audiência, onde mostrei o vídeo https://youtu.be/n9cRX2F-GEM, e o promotor e a juiza acataram como sendo procedimento administrativo e não criminal.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Havary

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 2 Thumb down 18

  • Edil Polito

    Colocar sempre muita luz na bike assim evita os acidentes.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • pipoca

    Infelizmente já sofri algumas finas e sustos! É como sempre digo ANIMAL NO VOLANTE PERIGO CONSTANTE

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  • uhul sou ciclista

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 4 Thumb down 13

  • Giovanni Bassi

    Por isso estou sempre com minha câmera filmando tudo. Recebi uma fina a um tempo atrás, está publicada no Youtube também:
    http://youtu.be/_I_sFiT0ang

    Tomei outra semana passada, de um ônibus. Vou publicar também, e entrar em contato com a empresa de ônibus.

    Thumb up 2 Thumb down 0

    • Rosana

      O que me impressiona muito no video que postou s]ao os comentários!!! Nenhum dos pobres motoristas oprimidos que comentou reparou que há carros estacionados de ambos os lados da via, atrapalhando tudo? Uma via que comportaria duas faixas e possivelmente uma ciclofaixa está entupida, e a cidade infartando…

      Thumb up 2 Thumb down 0

      • Francisco

        Carro estacionado na rua é igual artéria entupida. Depois que essa analogia entrou na minha cabeça, não consigo tirar. Eles atrapalham o fluxo das vias, assim como gordura. Restringem a área livre, fazem com que todos tenha que andar mais devagar, e não estão fazendo NADA ali, só estragando.

        Thumb up 2 Thumb down 1

  • Henrique

    O sujeito, com sua linda SUV branca, concede um gesto de 3 finas aceleradas e consecutivas pra cima de 3 ciclistas que transitavam em na mesma linha reta, em fila e no mesmo sentido na via – conforme os mandamentos do bom usuário de bicicletas. Pq tanta raiva e ódio de um ciclista, me diz? Vc que tá lendo isso, já fez isso? Tem noção de que isso não é menos do que uma tentativa de homicídio? Ahhhhh, hj tua orelha ferveu sujeito! (Durante isso ainda tive q aceitar a indiferença da polícia, que quando não quer, não serve pra nada!).

    Thumb up 3 Thumb down 0

  • [...] uma advogada e pesquisei na internet casos semelhantes. Deparei com um texto no site vadebike.org em que eles aconselham ir à delegacia, já que é um crime conforme o art. 132 do Código Penal: [...]

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • [...] uma advogada e pesquisei na internet casos semelhantes. Deparei com um texto no site vadebike.org em que eles aconselham ir à delegacia, já que é um crime conforme o art. 132 [...]

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Trindade

    Aqui em salvador-Bahia não é diferente,os motoristas se achan os donos das vias,a semana passada tivemos um evento ciclistico ( Asbeb,assosciação dos bicicleteiros do estado da bahia ) com o suporte da policia militar, um motorista de onibus fechou um ciclista,que quase se esborrachou no chão,o policial agiu na hora dando a maior bronca nele,agora imagine com a policia do lado acompanhando o evento com mais de 600 ciclistas e vemos isso.nossa cidade é pobre em Ciclovias,ciclorotas etc… pedalamos oprimidos no transito violento.Desejo PAZ no transito e respeito a nós Ciclistas.

    Thumb up 4 Thumb down 1

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>