São Paulo além das pontes mostra mais de mil bicicletas em contagem da Ciclocidade

Ciclocidade contou 1317 bicicletas passando por avenida da zona norte da capital paulista, em 15h de contagem. Foto: Roberson Miguel

Ciclocidade contou 1413 bicicletas passando por avenida da zona norte de São Paulo, em 15h de contagem. Foto: Roberson Miguel

Além das pontes: o ponto em vermelho marca o local onde a contagem foi realizada. A área verde representa o chamado centro expandido. Arte: Willian Cruz/VdB, sobre mapa de Fábio Soldá/Wikimedia Commons

Além das pontes: o ponto em vermelho marca o local onde a contagem foi realizada. A área verde representa o chamado centro expandido. Arte: Willian Cruz/VdB, sobre mapa de Fábio Soldá/Wikimedia Commons

No dia 10 de setembro de 2013, uma terça-feira, a Ciclocidade (Associação de Ciclistas Urbanos de São Paulo) realizou mais uma contagem de ciclistas na capital paulista, dessa vez na Av. Inajar de Souza. O trabalho foi realizado das 5h da manhã até as 20h e contabilizou 1413 pessoas passando em bicicletas – um número que certamente seria muito maior se houvesse segurança para atravessar as pontes e chegar ao centro da cidade.

Roberson Miguel, um dos voluntários que trabalhou nessa atividade, conta que o volume na parte da manhã foi maior do que à tarde. “Provavelmente as pessoas voltaram por outro caminho”, pondera.

A avenida tem um passeio no canteiro central, usado de forma compartilhada com pedestres, porém sem sinalização de ciclovia, o que acaba oferecendo risco nos cruzamentos e conversões. E ainda há um trecho de cerca de 3km da via sem essa área segregada, destaca Roberson.

A contagem faz parte das atividades da associação relacionadas à Semana da Mobilidade e ao Dia Mundial Sem Carro. As demais atividades estão sendo inseridas na Cicloagenda do Vá de Bike.

Perigo na ponte

As pessoas que passam por essa avenida em direção ao chamado “centro expandido” da cidade precisam cruzar a Ponte da Freguesia do Ó, um ponto de risco para os ciclistas devido à falta de sinalização específica e à estrutura de alça de acesso. Entretanto, é uma travessia que precisa ser vencida também por quem se desloca de bicicleta. Não há alternativa segura para se chegar ao centro expandido.

As pontes são um problema grave que precisa ser resolvido com urgência pela Prefeitura de São Paulo. Milhares (milhões?) de pessoas fazem uso delas diariamente, a pé e de bicicleta, sem haver estrutura e sinalização que protejam suas vidas. Essas travessias precisam ser revistas pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), mesmo que de forma emergencial, enquanto se estuda uma solução definitiva. Não dá mais para esperar.

Fotos

Veja abaixo algumas das fotos registradas pela equipe que realizou a contagem.

A contagem começou cedo, mas já havia ciclistas passando pelo local. Foto: Carlos Henrique Lopes

A contagem começou cedo, mas já havia ciclistas passando pelo local. Foto: Carlos Henrique Lopes

As mulheres eram minoria, mas houve um momento em que quatro passavam simultaneamente pelo local da contagem. Foto: Roberson Miguel

As mulheres eram minoria, mas houve um momento em que quatro passavam simultaneamente pelo local da contagem. Foto: Roberson Miguel

O milésimo ciclista passou na parte da tarde, levando uma criança na bicicleta. Foto: Roberson Miguel

O milésimo ciclista passou na parte da tarde, levando uma criança na bicicleta. Foto: Roberson Miguel


8 comentários para São Paulo além das pontes mostra mais de mil bicicletas em contagem da Ciclocidade

  • Joaquim bonfim

    A cet tem que educar,os motorista.E principalmes os ciclitas que andar na contra mão.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • fabio luiz

    Tem a boa cliclovia da Inajar de Souza, porém vc terá que dividir a passagem com pedestres, usuários de crack, vagabundos da região. se vc tiver uma bike descartável e não se importar de ter que voltar a pé pra casa, eu recomendo. é batata.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Tatiane Brandão

    Willian, também tenho a mesma dúvida em relação a travessia de ponte. As vezes eu chego a ir na pista mais a esquerda para não ter que pegar a alça de acesso à marginal. Tem vezes que eu eu vou pela direita, mas os carros vem em velocidade tão alta que eu fico com medo de mudar de pista para seguir reto e ser “atropelada” rs

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • bruno miranda

    Isso dai é uma Ciclovia ou pista de caminhada?

    Thumb up 0 Thumb down 1

  • Bruno

    Eu passo frequentemente pela ponte João Dias, que é um trajeto muito tenso no sentido centro. São 3 faixas, sendo 1 de conversão obrigatória à direita e duas para seguir em frente. Para seguir o meu trajeto eu trafego pela faixa do meio, no meio da faixa, no meio dos carros e ônibus que passam ali – isso para não virar à direita e pegar a alça de acesso à Marginal Pinheiros. Nem sei se é correto, talvez eu devesse ir pela direita e só mudar de faixa no final da ponte, mas eu me sinto mais seguro assim.

    Será que faço errado? Mesmo assim falta muita estrutura para o ciclista no extremo sul de São Paulo.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Anderson

    Poxa, passo todo dia no cruzamento da Rebouças, mas não entrei na contagem ontem por que não olhei no site, encontrei um amigo na Eliseu e fui pela ponte cidade jardim, dá pra me colocar na contagem ainda? kkkkk, abraço.

    Thumb up 1 Thumb down 0

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>