Ciclistas discutem posicionamento sobre plano cicloviário de São Paulo

Plenária organizada pela Ciclocidade reuniu mais de 70 ciclistas. Foto: JP Amaral

Plenária organizada pela Ciclocidade reuniu mais de 70 ciclistas. Foto: JP Amaral

Em 6 de julho, pouco antes da inauguração oficial da Oficina Mão na Roda do Centro Cultural São Paulo, a terceira oficina comunitária da cidade, mais de 70 ciclistas participaram da plenária puxada pela Ciclocidade a fim de discutir a participação da sociedade civil nos processos de construção e implementação da infraestrutura cicloviária de São Paulo.

400 km, e agora?

Durante as quase duas horas de conversas, foram formados três pilares de discussão sobre a meta dos 400 km de estrutura anunciada pelo prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT):

  1. Diálogo com o Poder Público: como garantir a participação e a representação dos ciclistas?
    .
  2. Implantação da infraestrutura: quais as diretrizes desejáveis para os tipos e locais das novas ciclovias?
    .
  3. Como influenciar o debate público para vencer as resistências de alguns setores da sociedade ao projeto?

Diálogo

Uma das principais reclamações dos ciclistas é com a ausência de um espaço institucional, dentro do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte (CMTT) para debater, analisar e dialogar sobre questões relacionadas à ciclomobilidade de São Paulo, papel de uma ‘Câmara Temática’ que oficializa o diálogo e dá subsídios para a população cobrar compromissos.

A preocupação está justamente em como se dará esse diálogo com a prefeitura, quem participaria do processo e, principalmente, onde os cidadãos poderiam ter acesso aos projetos antes de sua execução.

“É preciso levar críticas
que podem ser assimiladas
pelo poder público”
- Gabriel Di Pierro

“Todas as cidades passam por dilema no diálogo entre sociedade civil e poder público, precisamos de diretrizes fundamentais (e não critérios que engessem) para nortear a qualidade do que for proposto, mesmo com flexibilidade. Para isso é importante criar diálogo e consenso entre nós, ciclistas, e unificar o discurso”, explicou JP Amaral, do Bike Anjo, que lembrou sobre a necessidade de fortalecer espaços coletivos de debates e disseminar as informações.

Por outro, lado ficou claro que o interesse de todos não é fazer críticas sem fundamento e sim colocar pessoas interessadas e qualificadas à disposição da prefeitura para tornar a política dos 400km o menos problemática possível, para todos, mesmo diante do complexo cenário de mobilidade nas cidades brasileiras. ”É preciso elevar a barra da qualidade nas discussões; levar críticas que podem ser assimiladas pelo poder público”, explicou o diretor da Ciclocidade, Gabriel Di Pierro.

“Os 400 km devem estar
ligados ao planejamento
mais amplo da cidade”
- Marcos Jana

Infra

Em relação ao debate sobre implantação de infraestruturas, os pontos mais levantados foram a falta de planejamento a longo prazo, a necessidade de conexão com estruturas já existentes na cidade, sinalização, redução de velocidade, campanhas educativas e a convivência com os motoristas de ônibus.

“Não dá para pensar em ciclovias desmembrado dos outros modais. Os 400 km devem estar ligados diretamente ao planejamento mais amplo da cidade”, lembrou Marcos Jana. Outra demanda fundamental é ter um canal de fiscalização rápida das obras, disponível e acessível para qualquer cidadão comum.

“O diálogo com o
comerciante local e com
as associações comerciais
é fundamental”
- Daniel Guth

Debate

Pensando em influenciar o debate público para minimizar cada vez mais as resistências à política de mobilidade por bicicletas, uma das ações levantadas foi a sensibilização imediata do comerciante do entorno, com pesquisas e dados que demonstrem o aumento do fluxo em áreas onde se investe em infraestruturas para ciclistas e pedestres.

“O diálogo com o comerciante local e também com as associações comerciais é fundamental. Temos evidências coletadas em diversas cidades pelo mundo que apontam o pedestre e o ciclista como os mais propensos a consumir localmente, no comércio de rua. Há cidades que apontam aumento superior a 50% no comércio local após implantação de infraestrutura cicloviária. Agora buscaremos coletar dados locais, relacionados à realidade brasileira e de São Paulo, para que também o comerciante enxergue o benefício e possa, finalmente, se apropriar das políticas públicas de infraestrutura à mobilidade ativa”, informou o diretor de participação pública da Ciclocidade, Daniel Guth.

Próxima Reunião Geral

Ao encerrar, Guth convidou a todos para fortalecer a associação e os espaços que existem dentro da entidade. A próxima reunião geral da Ciclocidade acontece dia 16 de julho, quarta-feira, a partir das 19h, em Pinheiros (Rua Medeiros de Albuquerque, 55). O foco do debate será a travessia de pontes e viadutos de São Paulo, pauta iniciada no mês de maio e um dos principais eixos de trabalho da associação. A reunião é aberta a todos, associados ou não.

Mais informações no site da Ciclocidade ou através do e-mail contato@ciclocidade.org.br


3 comentários para Ciclistas discutem posicionamento sobre plano cicloviário de São Paulo

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>