São Paulo adapta Ponte da Casa Verde para proteger ciclistas e pedestres

Travessia elevada na alça de acesso força a redução na velocidade dos carros, aumentando a segurança. Foto: Rachel Schein

Travessia elevada na alça de acesso força a redução na velocidade dos carros, aumentando a segurança. Foto: Rachel Schein

A Prefeitura de São Paulo na terça-feira, 4 de novembro, a primeira ciclovia em ponte da cidade, na Ponte da Casa Verde, que passa sobre a Marginal Tietê. Essa intervenção inicia a conexão da nova rede cicloviária com a Zona Norte. O prefeito Fernando Haddad e o secretário de transportes Jilmar Tatto participaram do evento inaugural – com o secretário pedalando pela estrutura, mesmo sob a leve chuva que caía sobre a cidade naquele momento.

Secretário Jilmar Tatto pedalou sob leve chuva. Foto: Rachel Schein

Secretário Jilmar Tatto pedalou sob leve chuva. Foto: Rachel Schein

O percurso de 600 metros funciona no passeio lateral da ponte, no sentido bairro/centro, e tem conexão com a ciclovia existente na Rua dos Americanos, no Bom Retiro, região central da cidade. Futuramente, será integrada também à Ciclovia da Av. Braz Leme – que tem seu início a poucas quadras, na altura da R. Marambaia.

O secretário de transportes anunciou durante o evento que “as próximas pontes a receberem ciclovias serão a das Bandeiras, cujas obras já estão em andamento, e a Júlio de Mesquita Neto, com obras iniciando”. Já o prefeito destacou que, com a inclusão das ciclovias nas pontes, a Zona Norte da cidade ganha uma conexão importante, e declarou que “as novas pontes da Marginal Pinheiros já vão ser construídas com as ciclovias” (como antecipamos aqui no Vá de Bike em fevereiro).

Veja mais fotos das adaptações feitas na Ponte da Casa verde

Pedestres

A Ponte da Casa Verde contempla uma sinalização diferenciada destinada aos pedestres. Foi delimitada uma área azul, que consiste num projeto-piloto da CET para proporcionar mais segurança. Essa experiência está sendo realizda também em alguns viadutos da cidade, como o Viaduto Pacaembu (zona oeste) e Viaduto Maestro Alberto Marino, na Av. Rangel Pestana (zona leste, próximo ao centro).

A calçada da Ponte da Casa Verde possui 4 metros de largura e foi dividida em duas partes: metade para acomodar a ciclovia e metade para os pedestres, com a área azul. A CET está acompanhando o desempenho dessa intervenção.

Travessia

Na travessia da alça de acesso foi instalada uma “lombofaixa” – travessia elevada – com áreas sinalizadas separadamente para pedestres e ciclistas. A elevação reforça a prioridade de circulação, ajudando a reduzir a velocidade dos veículos motorizados que por ali trafegam.

As alças de acesso são os pontos críticos da maioria das pontes que cruzam os dois grandes rios paulistanos (Tietê e Pinheiros), pois os motoristas geralmente entram em velocidade, colocando em risco quem realiza a travessia, esteja de bicicleta ou a pé.

Sinalizar e reformar pontes é essencial

Milhares de ciclistas precisam cruzar diariamente as pontes paulistanas. E a maneira como foram construídas, servindo de alça de acesso para vias de alta velocidade ou como ligação entre elas, coloca em risco qualquer pessoa que não esteja em um veículo automotor.

O motivo do risco é bastante claro. O ciclista vem por uma avenida principal, quando de repente “surge” uma nova faixa à sua direita, com veículos entrando em alta velocidade. E isso justo no momento em que começa o ciclista começa a subida e sua velocidade, por consequência, diminui.

Mesmo após passar por essa entrada (ou ainda que não exista um acesso na entrada da ponte) o risco continua sobre a estrutura, pois a velocidade da bicicleta diminui cada vez mais em razão do aclive. E os motoristas, que vêm em alta velocidade, vêem a ponte como uma extensão da via de onde vieram e tentam manter a velocidade que imprimiam anteriormente. O ciclista passa a ser visto então como obstáculo e não raro ocorrem ameaças e agressões que colocam sua vida em risco, como finas e fechadas que podem terminar em tragédia.

Mais adiante, quando tem início a descida, o risco continua, agora com os motoristas que embalam na descida ou que querem chegar a alguma saída ou acesso na direita, no final da ponte. Muitos não têm paciência com o ciclista e o fecham descaradamente, sem se importar que essa atitude pode causar um atropelamento lateral com consequências gravíssimas. Outros aceleram para assustar quem está na bicicleta, não raro colando em sua traseira ou passando a centímetros do guidão.

Construir estrutura e sinalização que permitam a travessia segura de ciclistas é uma medida importantíssima e que evita atropelamentos, que não raro resultam em morte ou, em muitos casos, em sequelas que acompanharão o ciclista para o resto da vida, em incidentes que invariavelmente ferem apenas um dos envolvidos: o mais frágil.

12 pontes até 2015

As obras na Ponte da Casa Verde são parte do planejamento da CET para adaptação de 28 pontes e viadutos de São Paulo para travessia segura de pedestres e ciclistas. Nessa primeira fase foram desenvolvidos projetos para 12 das 28 pontes.

A travessia das marginais é parte importante para a ligação cicloviária das zonas norte, oeste e sul ao centro, e a criação desses ramais será fundamental para a formação de grandes eixos de deslocamento por bicicleta na cidade. “Daqui para frente, toda ponte tem que ser pensada neste sentido”, afirmou o prefeito Fernando Haddad (PT), ao anunciar as medidas em 7 de outubro.

Inicialmente, quatro estruturas serão contempladas, com pintura de solo e obras de pequeno porte: Viaduto Domingos Franciulli Netto (Penha) e as pontes Presidente Jânio Quadros (Vila Maria), Júlio de Mesquita Neto (Pompeia) e Vitorino Goulart da Silva. As três primeiras ficam sobre o Rio Tietê e a última, sobre o Rio Pinheiros, na zona sul. Esta se situa próximo à saída sul da Ciclovia Rio Pinheiros, na Av. Miguel Yunes, tornando mais seguro o acesso à via de ciclistas para quem vem do extremo sul da cidade.

Com a Ciclovia da Ponte Casa Verde, essa gestão alcançou 106,5 km de rede cicloviária implantada. A meta é viabilizar uma rede de 400 km de ciclovias até o fim de 2015 (saiba mais).

As pontes que receberão ciclovias

Ciclistas na Ponte Vitorino Goulart da Silva, uma das que receberão ciclovia já na primeira etapa. Foto: Willian Cruz

Ciclistas na Ponte Vitorino Goulart da Silva, uma das que receberão ciclovia já na primeira etapa. De acordo com a imagem do projeto fornecida pela CET, a ciclovia será instalada exatamente onde os ciclistas estão pedalando (sentido Interlagos). Foto: Willian Cruz

Primeira Etapa (em andamento)

A primeira fase consiste em projetos para pontes que requerem apenas pintura e obras de pequeno porte:
  • [Pronta - veja aqui] Viaduto Domingos Franciulli Neto (General Milton Tavares de Souza) - Sobre o Rio Tietê, ciclovia bidirecional no acostamento, na lateral do sentido Rodovia Fernão Dias
  • [Pronta - veja aqui] Ponte Presidente Jânio Quadros (Vila Maria) - Sobre o Rio Tietê, ciclovia bidirecional central
  • Ponte Júlio de Mesquita Neto (Pompéia) - Sobre o Rio Tietê, ciclovia bidirecional central
  • Ponte Vitorino Goulart da Silva - Sobre o Rio Pinheiros, passarela com ciclovia bidirecional, na lateral do sentido Interlagos

Segunda Etapa (em andamento)

Projetos para pontes que requerem obras civis de maior porte:
  • Ponte Doutor Miguel Arraes (Aricanduva) - Sobre o Rio Tietê, ciclovia bidirecional no canteiro central
  • [Pronta - veja aqui] Ponte Flávio Cavalcanti (Vila Guilherme) - Sobre o Rio Tietê, ciclovia bidirecional no canteiro central
  • [Pronta - veja aqui] Ponte Cruzeiro do Sul - Sobre o Rio Tietê, ciclovia unidirecional central em ambos os sentidos
  • [Pronta - veja aqui] Ponte das Bandeiras - Sobre o Rio Tietê, ciclovia bidirecional sobre o passeio, na lateral do sentido Santana
  • [Pronta - veja aqui] Ponte Jornalista Walter Abraão (Casa Verde) - Sobre o Rio Tietê, ciclovia bidirecional sobre o passeio, na lateral do sentido Centro
  • Ponte Adhemar Ferreira da Silva (Limão) - Sobre o Rio Tietê, ciclovia bidirecional no canteiro central
  • [Pronta] Ponte Remédios - Carmen Fernandes Neves - Sobre o Rio Tietê, ciclovia unidirecional central em ambos os sentidos
  • Ponte Jurubatuba - Sobre o Rio Pinheiros, passarela com ciclovia bidirecional central

Próximas pontes (em estudo)

Além destas, outras pontes continuam em estudos técnicos, buscando soluções para implantação de ciclovias:
  • Ponte Imigrante Nordestino - Sobre o Rio Tietê
  • Ponte Deputado Ricardo Izar (Tatuapé) – Sobre o Rio Tietê
  • Complexo Viário Prefeito Olavo Egydio Setúbal (Anhanguera) – Sobre Rio Tietê
  • Ponte Engenheiro Ary Torres – Sobre o Rio Pinheiros
  • Ponte Octávio Frias de Oliveira (Estaiada) – Sobre o Rio Pinheiros
  • Ponte Caio Pompeu de Toledo (Morumbi) – Sobre o Rio Pinheiros
  • Ponte João Dias – Sobre o Rio Pinheiros
  • Ponte Transamérica – Sobre o Rio Pinheiros
  • Ponte Freguesia do Ó - Sobre o Rio Tietê, construção de ciclopassarela bidirecional na lateral do sentido Centro
  • Ponte do Piqueri - Sobre o Rio Tietê, construção de ciclopassarela bidirecional na lateral do sentido Bairro
  • Ponte Hirant Sanazar (Jaguaré) –Sobre oRio Pinheiros, construção de ciclopassarela bidirecional entre as pontes
  • Ponte Cidade Universitária - Sobre o Rio Pinheiros, construção de ciclopassarela bidirecional ao lado do sentido Bairro
  • Ponte Eusébio Matoso - Sobre o Rio Pinheiros, construção de ciclopassarela bidirecional ao lado do sentido Bairro
  • Ponte Engenheiro Roberto Rossi Zuccolo (Cidade Jardim) - Sobre o Rio Pinheiros, construção de ciclopassarela bidirecional na lateral do sentido Bairro
  • [Pronta] Ponte Laguna - Em construção sobre o Rio Pinheiros
  • Ponte Santo Dias da Silva (Socorro) - Sobre o Rio Pinheiros, construção de ciclopassarela bidirecional na lateral do sentido Bairro.

6 comentários para São Paulo adapta Ponte da Casa Verde para proteger ciclistas e pedestres

  • Luiz de Oliveira Hirth

    Excelente a matéria sobre as ciclovias nas pontes sobre os rios Tietê e Pinheiros, em São Paulo. A ressalva na minha opinião é que se utilizem bicicletas leves e rápidas, com pneus para asfalto, evitando bicicletas pesadas e com pneus feitos para uso na terra ou barro, que deixam as bicicletas muito lentas e com isso dificultam manter uma velocidade média ideal por volta dos 30 Km/h. E sempre deve ser utilizado a iluminação de segurança e capacete, eu uso os faróis e lanternas da bike ligados mesmo durante o dia, principalmente nos trechos de confluêcia com os veículos motorizados.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Alexandre

    Em Portland – EUA os ciclistas e pedestres compartilham espaço para atravessar as pontes. Tudo sinalizado e sem stress. Nem precisa pintar o chão inteiro de azul, nem vermelho, nem listrado. Tudo na base do respeito mútuo. Ainda temos muito a aprender por aqui…
    https://www.youtube.com/watch?v=b3bl-tC4pRQ

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Thiago

    Imagine o sabão que vira essa porra de faixa pintada de vermelha quando chove (veja foto). Chamar isso de ciclovia é um insulto à inteligência. Puta merda, tudo neste país é de faz de conta!

    Thumb up 1 Thumb down 5

  • Diego

    Pessoal,

    Não sei onde postar essa dica então estou postando aqui. O Strava (http://www.strava.com/routes) está com uma ferramenta muito legal pra quem anda de bike. No link é possível montar uma rota que você deseja percorrer e ele adapta para vias em que mais se anda de bike e também com menos elevações.

    Achei muito legal o mapa de uso das ruas, isso é em nível mundial.

    Abraços

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Humberto

    A ponte Jaguaré bem que merecia uma intervenção destas para dar acesso à ciclovia da Av. Escola Politécnica com o outro “lado do rio”.

    Thumb up 3 Thumb down 0

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>