Família de Ubatuba/SP usa bicicleta riquixá como meio de transporte

Bike "familiar" permite interação maior da família entre si e com a cidade. Foto: Luis Pavão Luba

Bike “familiar” permite interação maior da família entre si e com a cidade. Foto: Luis Pavão Luba

Em Ubatuba, litoral norte de São Paulo, uma família levou bastante a sério o conceito de que é possível viver sem automóvel. A bióloga Fabiana Carvalhal, mais conhecida como Biba, e o marido Matías Larco, educador ambiental, são pais de quatro meninas (uma de 2 anos, duas gêmeas de 4 e a mais velha de 7 anos). E essa família não tem carro.

Biba conta que enquanto as crianças eram pequenas, eles se viravam com duas bikes, cadeirinhas e sling. “Muitas vezes eu carreguei três crianças em uma bicicleta”, lembra. Mas as meninas estavam crescendo e já não dava mais para levá-las, especialmente se um dos dois adultos não estava. “A gente também não podia e não queria ter um carro.”

Em agosto de 2013, a família se mudou de lhabela (SP) para Ubatuba (SP), uma cidade cheia de ciclovias, onde todos andam de bike. Na nova cidade, Biba e Matías começaram a pensar em uma bicicleta que comportasse um adulto e as crianças e que pudesse atender as necessidades da família.

Na internet, Biba encontrou a Dream Bike, empresa de São Paulo especializada em triciclos. O modelo escolhido foi um modelo especial semelhante a um riquixá – meio de transporte de tração humana com origem na Ásia onde uma pessoa puxa uma carroça de duas rodas que acomoda  uma ou duas pessoas. “Entramos em contato para ver quanto peso suporta, tipo de pavimento em que poderia ser usada, etc. Compramos em outubro de 2013 e ela veio pelos Correios.” A bicicleta veio equipada com marchas, cobertura para os passageiros e três cintos de segurança.

Adaptação

A bike tuk-tuk, como Biba a chama, ainda passaria por uma adaptação final. O bairro onde a família mora, Ressaca, possui ruas de terra bastante esburacadas. Aliado a isso, Biba ou Matías transportavam pelo menos 150 kg, contando as crianças, um adulto e algumas bolsas. “As marchas não eram suficientes em alguns momentos. Por isso fazíamos trajetos curtos, de até 3 km. Em algumas oportunidades a gente chegava cansado nos lugares.” Para ajudar, a bióloga começou a pesquisar uma fábrica de motor elétrico para bicicleta. “Achamos uma empresa em Sorocaba e compramos um motor para adaptar no tuk-tuk.”

Biba agora tem ajuda nos deslocamentos e as marchas são usadas para trechos planos e quando houver menos peso. “Isso vai ao encontro do que pensamos sobre deslocamentos sem poluir, de maneira sustentável, de estar mais em contato com a natureza.”

O investimento para o veículo foi de R$ 1800 no triciclo e mais R$ 900 no motor elétrico. O gasto com manutenção se resume à troca de pneus e ajustes no motor de vez em quando.

Chamando atenção por onde passa

A bike tuk-tuk é uma atração por onde passa, atraindo sorrisos e interação das pessoas. Para Biba, “usar uma bicicleta para se locomover é maravilhoso, pois te proporciona uma interação social muito grande. Quando passamos todo mundo dá tchauzinho, buzina, interage com a gente. Sentimos na pele o clima, temperatura, o vento. Eu valorizo isso. Se estivesse dentro de um carro jamais teríamos essa experiência”.

Biba comenta que a questão ambiental tem um papel muito importante nas decisões da família e para eles é possível viver sem carro e sem gastar gasolina. “O contato com o mundo, a natureza, o vento a chuva. Andar de bicicleta flexibiliza a gente e aumenta nossa tolerância. Para as minhas filhas, a bike é o único meio de transporte que a gente tem. É a referência delas. Estamos felizes com a opção que fizemos.”


4 comentários para Família de Ubatuba/SP usa bicicleta riquixá como meio de transporte

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>