Vereadores de São Paulo se organizam para remover ciclovias

Apoie nosso trabalho,
doe um libre!
Vereador João Jorge critica ciclovia na região central em um de seus vídeos, enquanto atrás dele uma cadeirante se utiliza da estrutura para não ter que circular em meio aos carros. Imagem: Reprodução

Vereador João Jorge critica ciclovia na região central em um de seus vídeos, enquanto atrás dele uma cadeirante se utiliza da estrutura para não ter que circular em meio aos carros. Imagem: Reprodução

Na contramão das grandes cidades que incluíram a bicicleta como foco na questão da mobilidade urbana, São Paulo enfrenta uma dura queda de braço com vereadores que querem barrar os avanços já conquistados pelos paulistanos. O atual secretário de Mobilidade e Transportes de São Paulo, Sérgio Avelleda, declarou que esta é uma gestão amiga do ciclista, mas isso não tranquiliza quem se locomove de bicicleta na cidade, já que esses opositores à mobilidade em bicicletas são da base aliada do prefeito João Doria.

Ciclovia na Av. Francisco Falconi, na V. Prudente, em local próximo à interligação com a ciclovia que segue sob o monotrilho da Av. Anhaia Melo. Foto: Rachel Schein

Uma das ciclovias que Edir Sales quer remover na Vila Prudente, mesmo sendo uma conexão com a ciclovia da avenida Anhaia Melo. Assine a petição para mantê-la. Foto:Rachel Schein

Entre os nomes que fazem coro para a retirada de diversos trechos de ciclovias está o da vereadora Edir Sales (PSD), que entregou um ofício para tentar acabar com as faixas destinadas às bicicletas na Vila Prudente (assine aqui para ajudar a mantê-las). Apesar de afirmar que as ciclovias atrapalham o tráfego de veículos, defende que os espaços que elas ocupam sejam transformados, em grande parte, em áreas para estacionamento. Entenda as incoerências dessa argumentação.

Aurélio Nomura (PSDB) é outro que se posiciona contrário às estruturas e levanta bandeira contra trechos na Vila Mariana – apesar de ter participado de discussões sobre o assunto ainda em 2011 e ter se envolvido no processo da ciclovia da Eliseu de Almeida em 2013, ocasiões em que teve oportunidade de se informar melhor sobre a importância e as vantagens de estruturas como essas não só para ciclistas, mas também para o comércio.

Outros vereadores que se mostram contrários à mobilidade segura em bicicletas são Mário Covas Neto (PSDB), que quer retirar as ciclovias do centro e se incomoda principalmente com as que passam ao lado da Câmara dos Vereadores; Camilo Cristófaro (PSB), que já é velho conhecido na defesa de retrocessos à mobilidade, chama as estruturas de “cicloguaches” e conseguiu interromper a implantação da ciclovia da avenida Ricardo Jafet; e o vereador João Jorge (PSDB), que apresentou um projeto de lei que pretende rever todos os trechos de ciclovia – e, enquanto forem analisados, eles deverão ser retirados.

Enquanto isso, Avelleda está entre a cruz e a espada, já que todas essas solicitações atravessam a sua gestão. O diálogo com ciclistas já teve alguns capítulos, mas nenhum encontro foi marcado por definições.

Só onde houver demanda

No PL mais radical, João Jorge propõe que a implantação de novos trechos cicloviários sejam realizados apenas após audiência pública e apresentação de estudos de demanda. “Os estudos serão promovidos sob a coordenação da Secretaria de Transportes Metropolitanos, como disposto na própria lei, e segundo o texto da alteração proposta. A realização de estudos técnicos é antes de tudo um dever do próprio poder Executivo. Durante a gestão Haddad tais estudos técnicos ou foram negligenciados, ou foram feitos de maneira inadequada. O objetivo do PL 223/2017 é reforçar a existência desse dever, deixando expressamente estabelecida esta obrigação”, disse o vereador em entrevista exclusiva ao Vá de Bike (veja abaixo).

Crescimento espantoso do uso da bicicleta em Nova York, com a criação de cerca de 500 km de ciclofaixas e ciclovias a partir de 2007. A contagem é realizada pelo próprio Departamento de Transportes (DOT). Clique na imagem para mais informações. Fonte: DOT

Crescimento espantoso do uso da bicicleta em Nova York, com a criação de cerca de 500 km de ciclofaixas e ciclovias a partir de 2007. Clique na imagem para mais informações. Fonte: DOT

É fato conhecido que as ciclovias têm efeito indutor de demanda. Em São Paulo, o uso da bicicleta aumentou 66% entre 2014 e 2015, quando as estruturas começaram a ser implantadas em larga escala. Só na Rua da Consolação, a quantidade de ciclistas mais que triplicou após a implantação da ciclovia (227%).

A estrutura da Faria Lima é o exemplo mais claro: implantada onde antes não havia praticamente nenhum ciclista trafegando, hoje tem mais de 2 mil viagens diárias, sendo a mais utilizada da cidade.

E para não ficar apenas nos exemplos paulistanos, Nova York também teve um aumento espantoso no uso da bicicleta após implantar 480 km de ciclofaixas num espaço de 5 anos, além de um grande corredor de ciclovias. O então prefeito Michael Bloomberg chegou a declarar que usuários de transporte público, ciclistas e pedestres eram mais importantes que os motoristas que congestionavam a cidade, além de afirmar que as ruas “não são para os carros”.

Desperdício de dinheiro público

Para João Jorge (PSDB),
ciclovias foram
“desperdício de
dinheiro público”

e devem ser removidas

Entre os itens que constam no PL, a adoção de ciclorrotas é um dos pontos defendidos pelo vereador. Segundo Jorge, esta seria a opção mais comum e barata adotada por diversas cidades como Londres e NY.

“Além disso, os grandes investimentos feitos em ciclovias se mostraram como desperdício de dinheiro público, sendo mais recomendável apostar daqui pra frente em ostensivas campanhas para a educação no trânsito”, completa.

“Fina educativa” seria culpa também do ciclista

Para o vereador, a famosa “fina educativa” (quando um motorista passa perigosamente perto de um ciclista, com o objetivo de “educá-lo” a não utilizar a rua) reflete a falta de campanhas de conscientização – mas não apenas para os motoristas. “É fruto da deficiência na formação dos nossos condutores e ciclistas”, afirma João Jorge.

“O mais adequado e correto seria investir em uma melhoria na educação de trânsito. Este, inclusive, é um problema grave de ética e convivência entre as pessoas no ambiente urbano. Da mesma forma, alguns maus condutores de veículos também não respeitam as ciclofaixas e uns poucos ciclistas desrespeitam os pedestres”, aponta.

Entrevista

Confira a seguir a íntegra da entrevista com o vereador João Jorge:

Vá de Bike: No seu projeto de lei o senhor propõe que a implantação de novos trechos cicloviários sejam realizados após audiência pública e apresentação de estudos de demanda. Quem seria responsável por esse tipo de estudo? Qual é o custo estimado para essa ação?

João Jorge: Os estudos serão promovidos sob a coordenação da Secretaria de Transportes Metropolitanos como disposto na própria Lei e segundo o texto da alteração proposta. A realização de estudos técnicos é antes de tudo um dever do próprio poder Executivo. Durante a gestão Haddad tais estudos técnicos ou foram negligenciados, ou foram feitos de maneira inadequada. O objetivo do PL 223/2017 é reforçar a existência desse dever deixando expressamente estabelecida esta obrigação.

VdB: O PL prioriza os espaços compartilhados por carros e bicicletas. Em que o senhor se baseia para priorizar esse modelo de espaço cicloviário?

JJ: A adoção de ciclorrotas como alternativa de um sistema cicloviário é a opção mais comum e barata adotada por diversas cidades como Londres e NY. Além disso, os grandes investimentos feitos em ciclovias se mostraram como desperdício de dinheiro público, sendo mais recomendável apostar daqui pra frente em ostensivas campanhas para a educação no trânsito.

VdB: O senhor já pedalou na rua ou em ciclovias? Qual foi a sua sensação?

JJ: Sim, foi ótimo. Já usei muito a bicicleta para estudar e trabalhar. Aliás, é uma excelente opção de transporte, lazer e hoje se constitui num importante modal de transporte em São Paulo.

VdB: O senhor conhece/convive com ciclistas ou pessoas que usam a bicicleta como meio de transporte? O que o senhor ouve dessas pessoas?

JJ: Sim. Eu ouço muitas coisas, inclusive que pedalar faz bem à saúde e que gostariam de ciclovias mais seguras. Todas as opiniões, inclusive de pedestres, moradores de áreas afetadas pelas ciclovias e ciclofaixas, condutores de transportes públicos, taxistas e demais motoristas foram levadas em consideração na redação do PL.

“Finas educativas” seriam também
falta de formação dos ciclistas,
de acordo com o vereador

VdB: O senhor conhece o termo “fina educativa”? No seu PL, como o senhor pretende enfrentar esse tipo de ação que os ciclistas sofrem diariamente?

JJ: Conheço e isto é fruto da deficiência na formação dos nossos condutores e ciclistas. O mais adequado e correto seria investir em uma melhoria na educação de trânsito. Este, inclusive, é um problema grave de ética e convivência entre as pessoas no ambiente urbano. Da mesma forma, alguns maus condutores de veículos também não respeitam as ciclofaixas e uns poucos ciclistas desrespeitam os pedestres.

VdB: Por que o senhor quer centralizar a execução na Secretaria Municipal de Mobilidade e Transporte? Qual é o objetivo? Por que não levar em consideração os planos regionais estratégicos?

JJ: Porque a Secretaria tem maior capacidade de coordenação para a constituição de um sistema cicloviário que de fato seja paulistano, orgânico, interligando diversos bairros. É importante destacar que a atividade de coordenação deverá se dar com fortes contribuições dos cidadãos e dos demais entes da administração municipal, em especial das próprias Prefeituras Regionais.

Nova York investe em ciclovias e ciclofaixas

Por Willian Cruz

Ao contrário do que afirma o vereador na entrevista, a cidade de Nova York, nos Estados Unidos, vem ampliando as ciclovias como parte do programa Vision Zero de segurança no trânsito. “Adaptando as melhores práticas da Europa e ao redor do mundo, o DOT [Departamento de Transportes] busca dobrar o número de ciclistas ativos e tornar Nova York a melhor cidade para pedalar nos Estados Unidos. O DOT irá criar pelo menos 16 km de ciclovias segregadas a cada ano, melhorar o acesso de bicicletas às pontes e explorar uma expansão da área de pedestres e ciclistas na Brooklyn Bridge”, afirma o plano estratégico do programa.

Em países com cultura consolidada de uso da bicicleta, motoristas que ferem ou matam ciclistas são inevitavelmente punidos pelos seus crimes, enquanto no Brasil os casos de atropelamento costumam resultar em impunidade ou em punições inócuas, como entrega de cestas básicas e multa. O compartilhamento das vias depende da premissa de que o motorista respeitará a vida de quem está na bicicleta e, em tese, é o que já temos nas ruas – e que claramente não tem funcionado.

Os números nos mostram que, ao menos por aqui, ciclovias e ciclofaixas são essenciais para preservar as vidas das pessoas que se deslocam em duas rodas sem motor: as estruturas que o vereador deseja retirar reduziram as mortes de ciclistas em 60% na cidade de São Paulo. Refletindo sobre o que representa essa estatística e ponderando que muitas pessoas poderiam não estar mais entre nós se não fossem as ciclovias, torna-se muito difícil concordar com as propostas do vereador. Ciclovias protegem, diariamente, centenas de milhares de vidas que por elas trafegam.

Mapa cicloviário de Nova York contradiz vereador: ciclovias e ciclofaixas (em verde e azul) compõem a maior parte das estruturas. Ciclorrotas estão em rosa e laranja. Baixe aqui o original. Imagem: Reprodução

Mapa cicloviário de Nova York contradiz vereador: ciclovias e ciclofaixas (em verde e azul) compõem a maior parte das estruturas. Ciclorrotas estão em rosa e laranja. Baixe aqui o original. Imagem: Reprodução

Ajude a defender o uso da bicicleta

logo ciclocidade fb hA Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo (Ciclocidade) possui uma série de estratégias para o legislativo, organizadas há muitos anos por um Grupo de Trabalho. O GT de acompanhamento do poder legislativo é um dos mais importantes para a construção, fiscalização e consolidação de políticas públicas para a ciclomobilidade.

Neste momento, é preciso ampliar a participação neste GT e focar nas estratégias elencadas nas reuniões de Planejamento. Essas estratégias vão desde influenciar diretamente na tramitação dos projetos de lei, através de termo de cooperação assinado com a Comissão de Trânsito e Transportes no final do ano passado, até reuniões individuais com vereadores e presença constante e massiva em audiências públicas.

Para colocar isso em prática, a Ciclocidade está precisando de ajuda. Se você quer fazer parte deste GT, deixe seus dados neste formulário. Sua participação nesse processo pode ajudar a mudar os rumos da ciclomobilidade paulistana.

Gostou da matéria? Doe um libre
e ajude nosso projeto a continuar!

8 comentários para Vereadores de São Paulo se organizam para remover ciclovias

  • nardel

    o importante agora é saber que o mané do doria não vai fazer se quer um metro de ciclovia,mais quero saber o que ele vai fazer com a verba destinada a esse proposito,em tempos de corrupção acho que ele vai usar 0prol das suas campanhas politica,quer dizer vai desviar essa grana pois ninguem vai reclamar é tanta merda na politica que isso constara como um detalhe

    Thumb up 1 Thumb down 1

  • nardel

    população da capital paulista,principalmente os ciclistas que fique de olho nessa gente para que na proxima elição os deixe de fora de cargos publicos ,esta combinado assim fode os ciclistas depois se fodem

    Thumb up 1 Thumb down 1

  • Rodrigo Vilani Pereira Pinto

    Não tem sentido gastar dinheiro removendo ciclovia. Se hoje algumas estão sub utilizadas deve se estudar o porque disso e buscar integrá-las (através de ciclovias ou ciclorrotas) com as ciclovias principais.
    Mas infelizmente vejo muita gente de bicicleta não aproveitando as estruturas.
    Eu pedalo sempre na Av. Dummont Villares e com frequência vejo o pessoal pedalando na faixa de ônibus (e ainda não consigo entense o pq disso…).

    Thumb up 1 Thumb down 1

  • william Sebastião da Silva

    aqui em Ermelino Matarazzo muitos cadeirantes e mulheres com carrinho de bebê utilizam a ciclovia de minha rua, pois as calçadas são irregulares.Dessa forma, defendo a manutenção da mesma.

    Thumb up 3 Thumb down 1

  • Marcelo Glezer

    Absurdo o que estão fazendo apagando as ciclovias. O Brasil deveria incluir as soluções da mobilidade urbana e não destruir o que está feito. Absurdidade da gestão atual e desperdício de dinheiro público apagar as ciclovias que já estão prontas. Deveriam é aumentar a malha viária de ciclovias da cidade e não apagá-las.
    Contramão.

    Comentário bem votado! Thumb up 9 Thumb down 2

  • Tiago lagare

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 2 Thumb down 13

    • Alê

      Oi, Tiago.
      Se não conhece a cidade, melhor não opinar.
      A gestão passada fez, sim, muitas ciclofaixas, mas também fez muitos quilômetros de ciclovias (com segregação física): a ciclovia da paulista, principal avenida da cidade. A expansão da ciclovia da Faria Lima, outra avenida importantíssima da cidade, que antes só tinha 2 km de ciclovia e agora possui uma ciclovia de quase 10 km integrada com a ciclovia da avenida Hélio Pellegrino, também criada pela gestão anterior. Também temos a ciclovia da Avenida Berrini, construída junto com o corredor de ônibus. Também a da Eliseu de Almeida.
      E ainda outras.

      Porém, a ciclovia nem sempre é a melhor solução. Para ruas menores, é muito mais eficiente em todos os sentidos fazer uma ciclofaixa (importante destacar que as ciclofaixas criadas na gestão anterior tem segregação por “tachões” ou por pequenos postes, então não é só a sinalização por pintura).
      A ciclofaixa salva vidas. E sim, a tinta desgasta com o tempo, assim como a tinta das faixas de pedestres e outros tipos de sinalização de solo, como as próprias faixas dos carros. Mas isso não é motivo para não fazê-lo.

      Espero ter ajudado com as informações,
      Abraço!

      Comentário bem votado! Thumb up 10 Thumb down 2

Enviar resposta para Tiago lagare Cancelar resposta

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>