Foto: Simone Penninck/Bike Zona Oeste

10 acessos da Ciclovia Rio Pinheiros, em São Paulo

Conhece todas essas entradas da ciclovia? Quantas já usou?

Ciclovia da Marginal Pinheiros, Ciclo-Capivara ou, mais recentemente, Ciclo Rio Pinheiros: não importa qual nome você use, qualquer paulistano saberá de que ciclovia você está falando.

Apesar de ser mais conhecida por seu uso para treinos e não ser muito prática para o uso cotidiano (pela dificuldade em ser acessada e pelos horários de funcionamento restritos), a maior parte das pessoas utiliza a Ciclovia Rio Pinheiros para deslocamento, desviando do tráfego intenso e agressivo da região.

Mas quem se dispõe a conhecer essa via para ciclistas que existe desde 2010 precisa primeiro descobrir como acessá-la, já que ela se encontra isolada entre o rio e os trilhos da CPTM e não há ligação com a maioria das pontes que a cruzam.

Para facilitar sua pesquisa, o Vá de Bike fez uma lista dos acessos atuais e propostos, com detalhes sobre cada um deles. Há também um mapa para facilitar a localização, mais abaixo nesta página.

Duas ciclovias?

Pista da margem oeste da Ciclovia Rio Pinheiros, recém pintada após sua inauguração em 2014. Foto: Rachel Schein/VdB

Na lista dos acessos a seguir, esclarecemos sempre se ele é uma entrada para a “margem leste” ou para a “margem oeste” da ciclovia.

Depois que a via para ciclistas foi parcialmente interditada em 2013 para as obras da Linha 17-Ouro do Metrô, o popular Monotrilho, há trechos de ciclovia de ambos os lados do rio. A margem que fica voltada ao Centro Expandido da cidade é denominada margem leste e a margem que fica voltada para as áreas periféricas da cidade é chamada de margem oeste.

As obras, que deveriam durar 2 anos, já se arrastam há mais de sete e um longo trecho da margem leste continua com acesso proibido. A interdição causou grande polêmica na época e, graças ao esforço conjunto de cicloativistas, deu origem à pista da margem oeste.

Com manutenção frequente, boa sinalização e pontos de apoio, a margem leste passou a ser bastante utilizada para treinos de ciclismo, gerando eventuais conflitos entre ciclistas esportistas que pedalam em alta velocidade e usuários que buscam o simples lazer com a família ou apenas fazer um deslocamento seguro pela cidade.

A margem oeste tem pouca segurança e é palco frequente de assaltos e roubos de bicicleta, chegando a ser apelidada de “Faixa de Gaza” pelos usuários. Ela acaba sendo evitada pelos atletas e usada mais para deslocamento, por quem busca a segurança que ele oferece em relação ao trânsito. Muitas pessoas que precisam passar por ali esperam outros ciclistas para poder trafegar em grupo, garantindo com isso um pouco mais de segurança.

Acessos atuais

1Ponte da Cidade Universitária

Passarela de acesso na Ponte Cidade Universitária. Foto: Willian Cruz/VdB

Trata-se de uma passarela em formato “caracol quadrado”. Não é permitido pedalar na rampa da passarela – e um segurança no local garante o cumprimento dessa determinação (além de impedir o acesso à ciclovia sem bicicleta).

A entrada fica no acesso de pedestres da ponte, sentido bairro. Esse acesso fica bem próximo à estação Cidade Universitária da CPTM e permite acesso à margem leste.

2Ponte Cidade Jardim

Visão lateral de um dos novos acessos, na Ponte Cidade Jardim. Foto: Rachel Schein
Um dos acessos da Ponte Cidade Jardim. Foto: Rachel Schein/VdB

Quatro acessos foram instalados na ponte Roberto Zuccolo (Cidade Jardim) em 2013, como parte da alternativa à interdição da Ciclovia para as obras do Monotrilho. Esses acessos foram disponibilizados nos dois sentidos da ponte, descendo a partir da passarela de pedestres através de escadas com canaleta.

O formato gerou fortes críticas de ciclistas e dos cicloativistas que participaram das reuniões que buscavam a construção dessa alternativa, pois além do esforço para empurrar uma bicicleta carregada escada acima ainda há risco de queda.

As duas escadas que ficavam na pista sentido bairro da ponte foram desativadas há alguns anos, sem muito alarde. Como havia outras duas no sentido centro, mais utilizadas, sua remoção acabou não gerando repercussão.

Transposição foi removida

Escada de acesso à ciclovia, na ponte Cidade Jardim – removida em agosto de 2020. Foto: Rachel Schein/VdB

O acesso nessa ponte funcionou como transposição do rio por sete anos, sendo possível descer às duas margens. Mas em agosto de 2020, a estrutura que permitia acesso à margem leste foi removida pela Farah Service, a concessionária que administra o espaço, a pedido dos usuários esportistas. A escada ocupava um pouco da pista e criava um ponto cego, que poderia causar acidentes com ciclistas em alta velocidade, mas sua retirada sumária prejudicou o uso para mobilidade.

Agora só resta uma dessas escadas, dando acesso da ponte à ciclovia da margem oeste. Para chegar a esse acesso, o ciclista que está na margem leste precisa sair pela Ciclopassarela do Parque do Povo , seguir pela calçada, cruzar a alça de acesso da ponte e continuar pela área de pedestres da ponte até chegar à escada do outro lado. Fazer esse desvio fez com que o trajeto para transposição do rio tenha agora 1,15 km a partir da ponte – dezesseis vezes maior que os 70 m anteriores.

A outra transposição é feita na Ponte João Dias, onde infelizmente não há acesso externo.

3Ciclopassarela do Parque do Povo

Ciclopassarela ligando o Parque do Povo à Ciclovia Rio Pinheiros foi construída como parte de compensação viária por empreendimento comercial. Foto: Marcelo Iha/SPTuris

Um acesso à ciclovia existe também a partir do Parque do Povo, situado próximo à estação Cidade Jardim e entre a Ponte Cidade Jardim e a Av. Juscelino Kubitschek. Esse acesso foi feito pela empreiteira WTorre em 2014, que se comprometeu com a Prefeitura a construí-la como parte das contrapartidas viárias do complexo que engloba o Shopping JK. Veja aqui.

Depois que o prefeito Fernando Haddad ignorou as placas de proibição e determinou que seria permitido pedalar nessa ciclopassarela, esse passou a ser o único acesso desse tipo onde é permitido acessar pedalando (além obviamente da Miguel Yunes, onde não há desnível).

Esse acesso leva à pista da margem leste do rio.

4Estação Vila Olímpia da CPTM

Trabalhador cruza a passarela de acesso na Vila Olímpia, indo para o trabalho no início da manhã. A volta pela ciclovia no final do dia nem sempre é possível, devido ao horário de fechamento. Foto: Willian Cruz/VdB

Quando a ciclovia foi inaugurada, em fevereiro de 2010, a ciclovia tinha uma das pontas nessa estação. O acesso foi feito aproveitando-se uma passarela já existente que, entretanto, possuía uma escadaria. Para que não fosse preciso carregar a bicicleta, foram instaladas canaletas nos cantos, tornando possível empurrar a bicicleta escada acima. Para descer, encaixe na canaleta e controle a descida com os freios.

O acesso à passarela fica na calçada da pista local da Marginal, um pouco antes da estação. É possível cruzar por dentro da área das bilheterias – desmonte da bicicleta e siga empurrando.

Não é possível pedalar nesse acesso. Serve como entrada e saída da pista da margem leste.

5Ponte Laguna

Acesso da Ponte Laguna leva à margem oeste da Ciclovia Rio Pinheiros. Foto: Google Street View

Há uma ciclovia bidirecional na lateral da ponte Laguna, no sentido bairro, cumprindo a determinação legal de que construções ou reformas de pontes, avenidas e túneis devem contemplar ciclovias na cidade de São Paulo.

A partir da estrutura para ciclistas da ponte há um acesso para a margem oeste da Ciclovia Rio Pinheiros, através de passarela em caracol quadrado. Não há segurança no local, nem para controlar acesso, nem para impedir que se suba e desça pedalando. Acesso existente desde fevereiro de 2018.

6Estação Santo Amaro da CPTM

Acesso a partir da Estação Santo Amaro da CPTM. Foto: Willian Cruz/VdB

Acesso por dentro da estação, com passarela para descer à margem leste da ciclovia. Também não é permitido pedalar na rampa, “para sua segurança”.

Do outro lado do rio também há uma entrada junto ao Terminal Guido Caloi, permitindo acessar a margem oeste. Informe-se no terminal.

7Av. Guarapiranga

Acesso se dá pela lateral da ponte, de forma improvisada e sem estrutura. Foto: Google Street View

Fica na Av. Guarapiranga, ao lado da ponte que cruza o rio de mesmo nome, e não é um acesso oficial. Embora não seja propriamente uma entrada da Ciclovia Rio Pinheiros, a pista asfaltada que se vê na imagem está ligada à margem oeste da ciclovia. Siga por ela, margeando o Rio Guarapiranga.

8Largo do Socorro

Foto: Google Street View

Tecnicamente também não é um acesso da Ciclovia Rio Pinheiros, mas da Ciclovia do Trabalhador, que está ligada à pista da margem oeste na altura da “Ponte Bayer”. Ou seja, entrando por esse acesso no Largo do Socorro também é possível chegar na ciclovia Rio Pinheiros.

9Estação Jurubatuba da CPTM

Após 10 anos cruzando por cima dos trilhos a partir da plataforma, uma rampa de acesso foi construída. Foto: Bike Zona Sul

Anteriormente feito por cima de um dos ramais de trilhos, essa entrada agora tem um acesso em rampa, parecido com o da Estação Santo Amaro, levando à margem leste.

A entrada se dá por dentro da estação, sendo necessário entrar na “área paga” para chegar à rampa. Procure um funcionário para que sua entrada seja liberada sem que seja preciso pagar uma passagem para isso.

10Av. Miguel Yunes

Nesse acesso há área para estacionamento e banheiros. Foto: Bike Zona Sul

Representa a ponta sul da ciclovia. Há área para estacionar automóveis, para quem prefere ou precisa levar a bicicleta no carro até a ciclovia. No muro que acompanha a pista há vários grafites com a temática da bicicleta, fruto do projeto Bicicromia.

Acesso a partir da avenida. Não há passarela e nem desníveis, o ciclista já entra pedalando na margem leste.

 

Esta página é atualizada conforme acessos surgem ou são desativados.
Adicione-a agora aos “favoritos”!

 

Mapa

Clique aqui para abrir o mapa em outra janela.

Acessos futuros (ou prometidos)

Parque Villa-Lobos

Final da Ciclovia, em frente ao Parque Villa-Lobos: sem saída.

A atual ponta oeste se situa próxima ao Parque Villa Lobos e à estação Villa Lobos-Jaguaré da CPTM. Mas ainda não há acesso, fazendo com que a ciclovia tenha um trecho de 2km sem saída, que obriga o ciclista a voltar até a Ponte Cidade Universitária para sair da via para ciclistas.

Em dezembro de 2012, o Governo do Estado de São Paulo anunciou a construção de uma “ciclopassarela” ligando a USP e o Parque Villa Lobos, com espaço para pedestres e ciclistas e, segundo o governador, “dois mirantes” e “12 a 14 metros de largura”, uma obra que custará R$ 80 milhões. E, claro, haveria uma ligação com a Ciclovia Rio Pinheiros.

Mas várias perguntas surgiram com esse anúncio. A USP passaria a abrir à população aos finais de semana, aceitando sem problema a presença de ciclistas, ou a ciclopassarela também teria horário de funcionamento? Esse investimento não seria melhor aproveitado em várias intervenções menores para a melhoria da mobilidade de pedestres e ciclistas ao longo da cidade, em vez de concentrá-lo em um único ponto? Vale a pena ler as considerações da urbanista Raquel Rolnik sobre esse assunto.

Esse projeto encontra-se suspenso.

Estação Morumbi da CPTM

Obra em andamento.

Ciclopassarela Marina Harkot

Acesso será feito através de uma ciclopassarela que será construída na Ponte Bernardo Golfarb (paralela à Ponte Eusébio Matoso), via Operação Urbana Consorciada Faria Lima. De acordo com o site do coletivo Bike Zona Sul, falta licitar a obra.

Ciclopassarela Berrini-Panorama

Ligará o Jardim Panorama, no Morumbi, às imediações da Estação Berrini da CPTM. A extensão prevista é de 320 metros, segundo informações de 2015 da SPTrans. Também será construída via Operação Urbana Consorciada Faria Lima e, de acordo com o site do Bike Zona Sul, falta licitação do projeto executivo e obra.

Horários

Ciclovia abre por mais tempo durante o horário de verão. Foto: Willian Cruz
Ciclovia abre por mais tempo durante o horário de verão. Foto: Willian Cruz

Sim, a Ciclovia Rio Pinheiros tem horário de funcionamento! A justificativa é a segurança, já que não há iluminação na via.

O horário normal de funcionamento é das 5h30 da manhã às 18h30, todos os dias. Durante o horário de verão, a ciclovia tem seu funcionamento estendido, operando das 5h até às 19h30 – o que não resolve, mas já ajuda um bocado, pois muita gente precisa sair correndo do trabalho para conseguir entrar nela a tempo, chegando até a deixar de utilizá-la por não conseguir chegar a algum acesso antes que ela feche.

Para mais informações, consulte a CPTM no telefone 0800 055 0121 ou no site da Companhia.

 

>> Vídeos da inauguração da Ciclovia: parte 1 parte 2 <<

>> Vídeo da vistoria feita em setembro de 2009, antes da criação da ciclovia <<

 

Entenda aqui por que a Ciclovia Rio Pinheiros ainda não é tão utilizada para mobilidade quanto deveria

Saiba mais sobre o horário de funcionamento

Veja também
Mapa das Ciclovias de São Paulo

109 comentários em “10 acessos da Ciclovia Rio Pinheiros, em São Paulo

  1. Na estação Santo Amaro do Metrô entrada pela Av Guido Caloi, terminal Guido Caloi os seguranças não nos deixam atravessar para acessar ciclovia, nem quem vem da ciclovia para a Av Guido Caloi, infelizmente ciclista ainda não é levado a sério..

    Thumb up 1 Thumb down 0

  2. Pessoal,

    Tenho uma duvida, vi que o horário de funcionamento é até as 18:30h, caso de o horário e eu já esteja dentro da ciclovia eu posso terminar o meu trajeto? Ou terei que sair no próximo ponto de saída?

    Obrigado.

    Thumb up 0 Thumb down 0

    1. Só a da margem esquerda da pista sentido Interlagos, essa que não tem apoio nem segurança alguma.. mas lá você consegue entrar a pé sim..

      Thumb up 0 Thumb down 0

  3. Olá,

    Recentemente vi que havia funcionários trabalhando no final da ciclovia (próximo ao parque Villa Lobos) e perguntei se tinha algo a ver com a passarela. A resposta foi afirmativa. Será que finalmente teremos essa importante ligação realizada? Vocês do Vá de Bike tem alguma informação sobre isso?

    Thumb up 0 Thumb down 0

  4. O lado direito (do rio) não seria exclusivo para circulação de veículos?
    A sinalização horizontal informa isto bem como o regulamento da ciclovia no site da CPTM (item 4.3).
    Apesar de já usar a bike a mais de 2 anos para locomoção para o trabalho comecei a usar a ciclovia do rio a 1 semana (sentido Pinheiros – Vila Olimpia) e estava seguindo a sinalização a risca, ou seja, pedalando do lado esquerdo.
    Mas 6 a cada 10 ciclistas passam reclamando, xingando ou até jogando a bike em cima.
    Ai esta o dilema, estão certos os ciclistas e a sinalização e a regulamentação é que estão erradas?

    Thumb up 1 Thumb down 0

  5. Oi Willian!
    Antes de mais nada: parabéns pelo trabalho que você faz!

    Só passando pra dar o toque que a adaptação para ciclovia não será feita na ponte Itapaiúna, mas na Ponte João Dias. Veja:

    “Os automóveis farão o sentido oposto de circulação por meio da ponte Itapaiúna, que está sendo construída como compensação de um polo gerador de tráfego. Já para os ciclistas, essa travessia será feita pela ponte João Dias, que será adaptada.” Fonte: http://www.capital.sp.gov.br/portal/noticia/5616#ad-image-0

    Thumb up 0 Thumb down 0

  6. Quando vamos ter seguranças, se for na ruas temos perigos de ser atropelados por veículos motorizados que não respeitam os ciclistas, e quando é na ciclovias do marginal pinheiros temos os perigos de assaltos, tráficos de drogas e outros, cadê a nossas seguranças??????????? quem são responsáveis por esses acontecimentos??????

    Thumb up 3 Thumb down 0

  7. Prezados,
    Seria muito importante um acesso na estação Morumbi, pois acredito que não haveria dificuldade em fazê-lo, sendo que pela ponte do Morumbi próximo a estação, seria uma boa alternativa de se construir um acesso. Por que seria importante? A distancia entre a estação Santo Amaro que tem acesso e a Cidade Jardim que também tem acesso é muito grande e a estação Morumbi seria uma boa alternativa, na qual eu utilizaria diariamente.

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  8. Bom dia,eu gostaria de ver em breve ciclovia na Av Carlos Caldeira Filho do metro capão até o terminal João Dias ,essa obra acontecer ai sim vai ficar bom p ir ao trabalho e também p o lazer.

    Thumb up 3 Thumb down 0

  9. Prezados,
    Há algum projeto para a construção de uma ciclovia na Carlos Caldeira Filho ? Tá precisando para essa população se sair a prefeitura vai estar de parabéns.Aparecido Sandaniel

    Thumb up 2 Thumb down 0

  10. Tem que ter muitas ciclovia bom para ir ao trabalho e também p praticar esporte porque é saúde. Parabéns prefeito isso mesmo tá certo.

    Thumb up 1 Thumb down 0

Deixe uma resposta para Wallan Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *