Foto: Divulgação

Projeto distribui cargueiras para catadores de Maceió

Com capacidade de 400kg, estepe, amassador de latas e outros acessórios, bicicletas ajudam catadores e reduzem uso de carroças de tração animal

Bicicleta adaptada para catadores. Foto: Ascom/Agência Alagoas
Bicicleta adaptada para catadores. Foto: Ascom/Agência Alagoas

Os catadores de entulho e recicláveis de Maceió ganharam uma mãozinha para fazer o seu trabalho. Agora eles contam com a Ciclolix, uma bicicleta cargueira que ajuda no dia a dia pela cidade.

“A Ciclolix foi criada para atender à necessidade de se oferecer uma maneira mais digna e segura para os trabalhadores que usam carroça”, explica Gabriela Carlos, uma das organizadoras da ação. A iniciativa faz parte do Projeto Relix, que incentiva a conscientização a respeito da correta destinação do lixo e a reciclagem.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Segundo Gabriela, foram produzidos dois protótipos que sofreram algumas alterações depois de várias escutas com um grupo de catadores. “Ela carrega até 400 kg e acompanha estepe, bomba de pneu, amassador de latas e um kit para proteção do sol, que inclui bolsa de guidão, duas camisas com proteção UV, dois chapéus com proteção para a nuca, dois pares de luvas e trava.”

Chamadas de “ecobicicletas” pelo site do projeto, os veículos são triciclos com uma carroça de carga acoplada e estão sendo doados para cooperativas e associações de catadores em diversas cidades alagoanas. “Além de proporcionar mais conforto e qualidade de vida aos catadores, a Ciclolix também incentiva a retirada de carroceiros humanos, de cavalos e de burros das ruas”, diz a página.

Infraestrutura da cidade ainda deixa a desejar

O projeto merece destaque, mas o movimento cicloativista da região chama atenção para o descaso da prefeitura da cidade com a mobilidade em duas rodas sem motor. “A bicicleta enquanto meio de transporte ainda é menosprezada pela prefeitura”, pontua a cicloativista Juliana Agra. “Dos 200 km que precisamos de estrutura cicloviária, só temos 42 km”.

Para Juliana, o projeto mostra como a bicicleta pode ser uma ótima alternativa de transporte, inclusive de carga, “além de uma alternativa para o uso, ainda muito popular, de carroças de tração animal, que acabam sendo submetidos a maus tratos diversos”, completa. Ainda assim, a cicloativista acredita que o investimento em infraestrutura ainda é um ponto que merece atenção. “Maceió tem um relevo favorável ao uso da bike, mas não adianta dar bicicletas à população carente e não dar condições seguras de uso”, finaliza.

Foto: Ascom/Agência Alagoas
Foto: Ascom/Agência Alagoas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *