Praça do Ciclista tem horta urbana comunitária

Apoie nosso trabalho,
doe um libre!

Primeiro mutirão da horta. Foto: Ariel Kogan

Veja também
Movimentos como o Hortelões Urbanos
estão mudando a cidade de São Paulo

Priorizar pessoas no planejamento
das cidades é tendência mundial

Desde outubro de 2012, a Praça do Ciclista (entre as avenidas Paulista e Consolação) tem um novo motivo para ser visitada e, mais do que nunca, cuidada pelos cidadãos que usufruem e passam por lá. É que o coletivo Hortelões Urbanos iniciou o processo de implantação de uma Horta Urbana Comunitária, a “Horta do Ciclista”.

“A Horta do Ciclista é uma intervenção coletiva sobre o espaço urbano de São Paulo com o fim de cultivo de alimentos. Na sua essência, é uma proposta de uso equitativo da cidade. Ela vem somar uma direção bastante forte assumida por ciclistas, que é o uso do espaço urbano público para a satisfação de uma necessidade essencial: além de transitar e de contribuir para a não poluição do ar coletivo, alimentar-se”, diz a página Wiki da iniciativa, que traz ainda dicas para cuidar da hortinha, informações sobre as primeiras espécies plantadas e fotos dos trabalhos.

Imagem do primeiro mutirão da Horta. Foto: Ariel Kogan

Cidadãos se apropriam e cuidam do espaço público. Foto: Ariel Kogan

Ariel Kogan, um dos entusiastas e facilitadores da iniciativa, acredita que a horta vai mostrar que podemos confiar uns nos outros para construir um mundo melhor. “Mostra também que produzir alimentos nas cidades, em espaços vazios, degradados, é possível e melhora significativamente a qualidade de vida”.

 Os mutirões para cuidar da Horta do Ciclista têm sido constantes. Entre as plantas que já estão germinando por lá, hortelã, abóbora, alface, manjericão, orégano e outros.

Durante a semana, a horta conta com os cuidados das pessoas que moram ou trabalham por perto, que se revezam para regar e manter tudo sob controle. “Várias pessoas cuidam periodicamente, as que moram perto da Praça e ou que passam por lá todos os dias. Também tem pessoas que, assim como eu, cuidam sempre que passam por perto. Para assumir essa função é só querer”, explicou Ariel.

Em uma cidade como São Paulo, onde os espaços verdes e públicos são cada dia mais escassos e as pessoas vivem com pouca conexão com a natureza, projetos assim ajudam a quebrar o paradigma da produção e consumo, e a inércia da rotina cinza de concreto que o paulistano está acostumado.

“Entre os objetivos que eu vejo das Hortas Urbanas Comunitárias, está a sensibilização da população sobre temas como a crise alimentar, a importância de promover modelos de produção de alimentos justos e sustentáveis, fortalecer cadeias e empreendimentos de pequenos produtores, criar comunidades solidárias e promover maior contato com a terra e a reconexão com os ciclos da natureza”, afirmou Ariel.

Não é preciso entender de cultivo para participar dos mutirões e ajudar a cuidar da Horta. Basta ter vontade. Segundo os participantes, nos mutirões acontece troca de conhecimentos, de experiências e até de mudas. A ideia é justamente promover esse encontro e facilitar o empoderamento dos cidadãos para cuidar da sua cidade e do seu próprio alimento.

Para mais informações:

Horta do Ciclista

Grupo do Facebook dos Hortelões Urbanos

Agricultura Urbana

Cordões sinalizam a área plantada. Foto: Cláudio Kerber

 

Cuidado com as plantas!

ATENÇÃO, CUIDADO AO PASSAR PELA PRAÇA DO CICLISTA! A área plantada costuma estar sinalizada com cordões de isolamento, mas o vento, as chuvas e outras ações podem ter modificado a estrutura. Por isso, tenha um pouco mais de cuidado ao visitar a Praça! 🙂

Ajude a cuidar da Horta do Ciclista e crie uma para você também. É possível cultivar hortaliças que irão fresquinhas diretamente para o seu prato! 😀

Gostou da matéria? Doe um libre
e ajude nosso projeto a continuar!

5 comentários para Praça do Ciclista tem horta urbana comunitária

Enviar resposta

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>