Ciclovia de Manaus atrasa e segue como “obra-fantasma”

"Ciclovia fantasma" - ou calçada refeita - não é usada por ciclistas e nem por pedestres que antes passavam por ali. Foto: Pedala Manaus

“Ciclovia fantasma” – ou calçada refeita – não é usada por ciclistas e nem por pedestres que antes passavam por ali. Foto: Divulgação/Pedala Manaus

Quando foi anunciada, em fevereiro de 2014, a primeira ciclovia de Manaus foi comemorada pelo movimento cicloativista local. A capital do Amazonas foi uma das sedes dos jogos da Copa e a ciclovia era esperada como um dos legados que o campeonato mundial deixaria para a cidade. Com inauguração prevista para antes do início dos jogos, a ciclovia ainda é uma obra em andamento, ou “fantasma”, como define Paulo Aguiar, coordenador do Pedala Manaus.

“Eles quebraram a calçada e refizeram a mesma calçada”, conta Paulo. “Ela se tornou uma ciclovia-fantasma porque ninguém usa, nem o ciclista passou a usar, nem o pedestre que antes andava por ali.” Os 14,5 km da ciclovia que interligam as zonas sul e oeste de Manaus têm trechos segregados, outros compartilhados, e outros em que há apenas sinalização vertical. A quilometragem total inclui as ciclofaixas do Novo Aleixo, de 6 km, e da avenida Coronel Teixeira, em Ponta Negra, com 2 km.

Projeção em 3D de como será a ciclovia de Manaus. Imagem: Divulgação/Implurb

Projeção em 3D de como será (ou seria) a ciclovia de Manaus. Imagem: Divulgação/Implurb

O Pedala Manaus cobra uma posição da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf). “No meu entendimento, já poderia haver inaugurações parciais dos trechos que já têm condições de uso. O trecho entre a Boulevard Álvaro Maia e a rua Constantino Néri, de cerca de 3 km, já deveria ter sido inaugurado para a Copa. A alegação para nós foi que o atraso era por conta da Copa, que havia outras prioridades. A chuva também foi dada como causa de atraso. Choveu, mas nada que entendêssemos como um motivo para atrasar tanto”, diz Paulo.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Seminf informa que a ciclovia na avenida Álvaro Botelho Maia está em fase de execução. De acordo com a secretaria, a obra foi paralisada por 10 dias para ajustes no projeto, mas os serviços já foram retomados, com previsão de entrega até dezembro da extensão completa entre o Boulevard Álvaro à Marina do Davi, na praia da Ponta Negra. Até o momento não há trechos concluídos, segundo a Seminf.

“A cada reclamação nossa, a prefeitura estende o prazo e joga a inauguração para mais adiante”, diz Paulo. “Com eleições fica mais difícil ainda cobrar e ter apoio da imprensa. A prefeitura alega que tem outras prioridades. Todos se envolvem em campanha e as obras que não rendem votos não são inauguradas”, diz o cicloativista. “Em 19 de agosto foi o Dia do Ciclista. Só dá para comemorar o envolvimento da sociedade civil. Você vê pessoas envolvidas na discussão de cidades para as pessoas, mas do lado das políticas públicas, falta tudo”, conclui.

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>