18 razões para apoiar a implantação de ciclovias

Infraestrutura para bicicletas pode ser criada com facilidade, bastando vontade política de fazê-lo. Foto: Willian Cruz

Foto: Willian Cruz

 

ciclovia nao prejudica o comercioA construção de ciclovias em São Paulo (e em qualquer outra cidade brasileira) é uma iniciativa que representa um enorme passo em direção a uma cidade mais justa, mais inclusiva e mais democrática.

Mesmo que ainda existam pontos de melhora, que as ciclovias ainda não estejam totalmente conectadas e que não atinjam toda a cidade, elas representam melhor aproveitamento do viário, com mais segurança e saúde para seus cidadãos, menos estresse, menos congestionamento e menos mortes no trânsito. Uma cidade que nossos filhos merecem receber de nossas mãos.

Sabemos que há um crescente movimento contrário à implantação de ciclovias na capital paulista, que ao mesmo tempo em que nega o direito de utilização segura das ruas em bicicletas, defende a continuidade do uso do espaço público para fins particulares, priorizando o estacionamento de automóveis em detrimento da circulação do veículo bicicleta.

É importante ressaltar que estacionar o carro na rua não é direito garantido por lei, seja na esfera municipal, estadual ou federal. Além disso, necessidades individuais não podem sobrepujar a coletividade e o direito do cidadão que utiliza a bicicleta de circular com mais segurança, sem se sentir ameaçado por pessoas que pensam de forma diferente e se utilizam de outros veículos.

A maior cidade do Brasil ainda está estacionada no século passado em relação à mobilidade. Negar o desenvolvimento sustentável e o uso da bicicleta como alternativa de transporte aos cidadãos é manter um conceito ultrapassado e já abandonado nas cidades mais desenvolvidas do mundo, além de negar a quem utiliza esse meio de transporte seu direito inalienável de escolha.

Na decisão de apoiar ou se opor à construção de ciclovias, deve-se pesar os pontos abaixo:

1Construir ciclovias e reduzir limites de velocidade significa preservar vidas, pois a bicicleta é frágil frente ao tamanho e velocidade dos demais veículos nas ruas. Queremos uma cidade onde idosos e crianças possam ocupar as ruas sem medo.

2Ciclovias promovem ocupação do espaço público, tornando-o espaço de convivência e não apenas de passagem. Espaços ociosos, pouco frequentados e abandonados pelo poder público e pelos cidadãos têm maior índice de criminalidade. Por isso, investir na bicicleta aumenta a segurança pública.

3Ciclovias são boas para o comércio, pois ciclistas são clientes potenciais que passam em baixa velocidade e não exigem grandes áreas de estacionamento, podendo facilmente parar em frente a uma vitrine, entrar numa loja, conhecer um serviço. Comerciantes da região do Largo 13 de Maio, em Santo Amaro – que têm suas lojas dentro da área onde houve restrição da circulação de automóveis desde 2013 – tiveram aumento nas vendas com mais pessoas circulando a pé, em velocidade similar à de uma bicicleta a passeio. No entorno da Ciclofaixa de Lazer, onde 100 mil pessoas circulam a cada domingo, comerciantes mais conectados com as tendências de mercado souberam aproveitar o fluxo de clientes potenciais e estão lucrando com isso. Em Nova York, depois que a Times Square teve a circulação de carros restringida, registrou-se um aumento de 50% no valor dos imóveis e na receita do comércio.

4demanda pelo uso da bicicleta em São Paulo. Pesquisa de Mobilidade da Região Metropolitana, realizada pelo Metrô em 2012, registrou 333 mil viagens diárias em bicicleta durante os dias úteis, mesmo com a infraestrutura ainda reduzida, deficiente e desconectada. Vale ressaltar que esse número já representava, dois anos atrás, mais do que o dobro das viagens de táxi, contabilizadas em 158 mil/dia.

5Grande parcela da população só adotará a bicicleta em seus deslocamentos a partir da proteção oferecida por áreas segregadas. Na pesquisa sobre Mobilidade Urbana realizada pela Rede Nossa São Paulo e Instituto Ibope, em 2012, entre as pessoas que afirmaram não utilizar nunca a bicicleta, 63% afirmaram que passariam a usar havendo melhores condições. Dentre essas pessoas, 27% traduziram essa falta de segurança expressamente em necessidade de ciclovias.

6A mesma pesquisa apontou que uma em cada quatro pessoas entrevistadas usava a bicicleta “de vez em quando”. Entre os jovens de 16 a 24 anos, esse número saltava para 47%. A quantidade de pessoas que utilizava a bicicleta “todos os dias” ou “quase todos os dias” também é bem maior do que se imagina: 7%. Somados, os ciclistas habituais e eventuais representavam, em 2012, 32% da amostra, praticamente um terço da população entrevistada e o dobro da parcela de pessoas que usava frequente ou eventualmente a moto (16%).

7O uso da bicicleta é benéfico à saúde dos cidadãos, pois o simples fato de usar a bicicleta como transporte os afasta do sedentarismo e de todos os problemas de saúde deles decorrentes. A atividade física regular previne doenças cardíacas e AVCs, hipertensão, ajuda a controlar o diabetes, aumenta a resistência aeróbica, reduz a obesidade, ativa a musculatura de todo o corpo, diminui a incidência de doenças crônicas, faz bem para a saúde do idoso e aumenta a expectativa de vida.

8O uso da bicicleta melhora a qualidade de vida de quem a utiliza, não só pelo ganho em saúde mas também pela diminuição do stress, melhorando os relacionamentos interpessoais e humanizando o trânsito e a cidade.

9As ciclovias proporcionam uma retomada do uso das ruas pelas crianças, sendo uma opção de lazer que resgata uma faceta da infância há muito esquecida nas regiões mais urbanizadas da cidade. Já temos crianças utilizando as ciclovias junto a seus pais e, conforme sua aceitação, abrangência e conectividade aumentarem, esse fenômeno tende a crescer, com o potencial de permitir que pedalem sozinhas até a escola.

10Quem opta pela bicicleta economiza tempo, sobretudo nos horários de pico, quando a velocidade média dos automóveis chega a meros 6,9 km/h em alguns casos – a mesma de alguém caminhando com pressa. Os Desafios Intermodais realizados desde 2006 na cidade comprovam que a bicicleta é bem mais rápida que o carro nesses horários – em um deles, chegou antes até mesmo do helicóptero, que necessita aguardar autorização para decolagem e tráfego.

11A bicicleta traz economia para o cidadão, pois os custos com compra, utilização e manutenção são muito menores que o do automóvel, representando redução de gastos até para quem a utiliza em substituição ao transporte público. Além de ser um fator importante para as camadas sociais mais baixas, o valor economizado pode ter destino em consumo, aquecendo comércio e serviços.

12O uso da bicicleta é benéfico à cidade, por ser um meio de transporte não poluente. Conforme pesquisa do Instituto Saúde e Sustentabilidade, nos próximos 16 anos a poluição atmosférica matará 256 mil pessoas no Estado (quase 44 pessoas por dia) e a concentração de partículas poluentes no ar levará a internação de 1 milhão de pessoas e um gasto público estimado em mais de R$ 1,5 bilhão, com pelo menos 25% das mortes (59 mil) ocorrendo na capital. Construir ciclovias, portanto, preserva vidas também de forma indireta e diminui o gasto público com o sistema de saúde e o da população com medicamentos para tratar doenças causadas pela poluição.

13A bicicleta é um veículo silencioso e sua adoção em maior escala trará uma diminuição da poluição sonora da cidade;
 
 
14A construção de vias para bicicletas têm um custo muito menor que a de vias para veículos motorizados. Quanto mais cidadãos as adotarem, menor será o gasto com criação e manutenção do viário a longo prazo, economizando o dinheiro da cidade.

15O incentivo e a garantia de uso seguro da bicicleta democratizam o deslocamento. Todos os cidadãos são importantes para uma cidade, não apenas os que se deslocam em automóveis e essa mensagem é passada claramente com a construção de ciclovias;

16Ciclovias atuam no sentido de reduzir os congestionamentos e a lotação dos transportes públicos, ao passo que cada vez mais pessoas troquem suas opções de deslocamento pelas bicicletas, ainda que eventualmente;

17O novo Plano Diretor Estratégico de São Paulo (PDE), que tem força de Lei Municipal, tem como uma de suas diretrizes a “prioridade no sistema viário para o transporte coletivo e modos não motorizados”. Isso significa que o uso de bicicletas deve ter prioridade sobre o uso do automóvel. Portanto, a construção de ciclovias cumpre uma das diretrizes dessa Lei. O PDE também determina que a cidade deve “desestimular o uso do transporte individual motorizado”, “adaptar as condições da circulação de transportes motorizados a fim de garantir a segurança e incentivar o uso de modais não motorizados”, “garantir o deslocamento seguro e confortável de ciclistas em todas as vias” e “implantar redes cicloviárias”, entre outros apontamentos.

18Da mesma maneira que o PDE, a Política Nacional de Mobilidade Urbana, que tem força de Lei Federal, tem como uma de suas diretrizes a “prioridade dos modos de transportes não motorizados sobre os motorizados”, determinando que o uso de bicicletas deve ter prioridade sobre o uso do automóvel. A construção de ciclovias cumpre, também, uma das diretrizes dessa Lei, que determina ainda a “dedicação de espaço exclusivo nas vias públicas para os serviços de transporte público coletivo e modos de transporte não motorizados”, entre outras citações.

Texto elaborado colaborativamente.

Assine o manifesto a favor de ciclovias em São Paulo – veja aqui


48 comentários para 18 razões para apoiar a implantação de ciclovias

  • Santo André, 5 de outubro de 2016

    Ao “Vá de bike”, coluna “Painel do Leitor”

    Prezado Willian Cruz,
    sou Maria Eduarda, 10 anos, estudante. Li a reportagem publicada em 20/7/16, “5 razões para apoiar a implantação de ciclovias”.Gostaria de expressar minha opinião. As ciclovias reduzem não somente a poluição mas também as faixas de rolamento dos veículos motorizados.
    Penso que este último fato seja negativo para o tráfego, pois a maioria dos municípios da região do grande ABC e de São Paulo possuem ruas que perderam espaço para as áreas de “zona azul”, são vias de mão dupla e devido á urbanização já ficaram estreitas. Para finalizar, acredito que as ciclovias deveriam estar localizadas em parques, praças e áreas de lazer, ao menos em Santo André, onde ciclovias são liberadas apenas aos domingos.

    Atenciosamente,
    Maria Eduarda A. Queiroz
    Santo André-SP

    Thumb up 4 Thumb down 1

  • [...] Agora pare e descanse um pouquinho. É um bom momento para refletir sobre estas razões para apoiar a implantação de ciclovias. [...]

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Homci/jornalista

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 5 Thumb down 21

    • Marcos

      A velha mentalidade atrasada de que o unico meio de deslocamento é o carro.

      70% de todos os deslocamentos feitos todos os dias na cidade é a pé e de transporte publico…..Os deslocamentos feitos por carro representam a minoria, mas ocupando 7 vezes mais espaço publico….ou 80% do espaço.

      Sugiro que estude mobilidade e se informe melhor antes, pois essa ideia é bem anos 60.

      Carro é um veículo caríssimo de se manter. E é altamente agressivo ao meio ambiente. A cidade não aguenta mais tantos carros.

      Comentário bem votado! Thumb up 11 Thumb down 4

      • Marcos

        E tem mais: Distancias maiores tem o trem e o metrô. E a bike pode ser usada como complemento intermodal: Vai até a estação de metrô/trem/terminal de ônibus mais próxima e de lá segue o resto do caminho de ônibus, metrô ou trem.

        Comentário bem votado! Thumb up 7 Thumb down 3

        • Tarantino

          Depende miito da situação. Se a pessoa mora na Vila Madalena e trabalha no Itaim, o mais lógico é a bicicleta; se mora em Guarulhos e trabalha em Interlagos, e além disso tem de levar os filhos à escola, o carro é indispensável. SP é muito grande,e não há solução definitiva em transporte. A intermodalidade parece ser a melhor alternativa, porém deveria-se melhorar o transporte coletivo, que é usado pela esmagadora maioria. Bicicleta é ótima opção como complementar, mas como solução passa longe. Talvez em uma cidade menor o uso da bicicleta seja mais amplo.

          Polêmico. O que acha? Thumb up 4 Thumb down 6

          • Marcos

            Estamos falando de São Paulo, não de Guarulhos Tarantino.

            Tem que se pensar em todos, o carro já teve decadas e decadas de investimentos prioritários, tanto é que tem mais de 17 mil quilometros de vias, enquanto que o metrô não tem nem 80km, corredores exclusivos de onibus pouco mais de 100km, e ciclovias com pouco mais de 300 km

            E ainda vem bacaca chamar quem apenas pede mais espaço seguro para poder se deslocar, já que cada um tem o DIREITO de se deslocar como quiser.

            Vamos lembrar que é OBRIGAÇÃO do poder publico prover segurança aos mais frageis. Pedestres e ciclistas.

            Até paises com povos educados como a Holanda e Japão, mesmo possuindo um transporte publico eficiente, implantaram milhares de quilometros de ciclovias exclusivas e segredadas.

            O que não dá, é mentalidade egoista de carrocrata que acha que as ruas e o espaço é só dos carros.

            Sem mais!

            Comentário bem votado! Thumb up 10 Thumb down 1

    • Sempre quando um comentário começa com “Não sou contra *COLOQUE O QUE QUISER NESTE ESPAÇO* mas…” coisa boa não vem. Associar implantação de ciclovias com comunismo é no mínimo doentio!

      Comentário bem votado! Thumb up 7 Thumb down 0

    • Julio Alan

      Para curtas ou longas distâncias, quem decide é o indivíduo.

      Thumb up 4 Thumb down 2

  • Maria Costa Carvalho

    Usar a bicicleta, é um meio de transporte barato, saudável e anti poluente. A ciclovia é um maravilhoso presente para a população de uma cidade, porém precisam ser expandidas e chegarem ao alcance de todos os cidadãos. APOIO AS CONSTRUÇÕES E A CONSERVAÇÃO DAS CICLOVIAS!!!!

    Comentário bem votado! Thumb up 8 Thumb down 0

  • [...] também: 18 razões para apoiar as ciclovias (por Vá de [...]

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Antônio falcão

    Por ser ciclista já a 20 anos, sou totalmente a favor de ciclovia. Participei quando pude de manifestações por segurança e fui até a reuniões do ciclocidade. A adesão à bicicleta tem aumentado nos últimos anos, mesmo antes dos movimentos de cicloativismo começarem e continuarão assim mesmo sem as polêmicas ciclofaixas. Não gostei da forma como a prefeitura tratou a implantação das ciclofaixas, pois merecíamos coisa melhor. Na ânsia de mostrar serviço priorizou a quantidade e esqueceu da qualidade. Os defensores dizem que vai melhorar depois , mas melhorar quando???era melhor 200km bem feitos do que isso que jogaram nas ruas. Pena, pois quem perdeu foram os ciclistas.

    Polêmico. O que acha? Thumb up 7 Thumb down 4

    • CiceroS

      Melhorar quando? Pôxa, Antônio, depende de nós, depende de nós exigirmos essa qualidade. Depende de nós que uma malha ciclável mínima mas completa seja finalizada, depende de nós que se façam ajustes e aperfeiçoamentos nela em termos de funcionalidade, de sinalização, de segurança, depende de nós que licitações para asfalto pigmentado e paraciclos sejam levados adiante, depende de nós que se construa bicicletários em áreas estratégicas, como de integração de modais, depende de nós que novas companhas educativas tanto de incentivo e respeito à bicicleta como de formação adequada ao ciclista sejam feitas, depende de nós que os gestores municipais (CET, Secretaria dos Transportes, etc.) estejam mais afinados com nossas necessidades e demandas… Em suma, Antônio: depende de nós.

      E depende de nós também combatermos essa gente mesquinha e/ou hipócrita, né?, que acha que lugar de bicicleta é… é não ter lugar, é em lugar nenhum.

      Comentário bem votado! Thumb up 6 Thumb down 1

  • erica valle

    Onde eu assino?

    Thumb up 3 Thumb down 0

  • Mariana

    Alguém por aqui sabe onde é possível consultar o projeto da rede de ciclovias? As já implantadas aparecem no Google maps e também no site da CET mas não encontrei informações sobre o projeto da rede completa que se pretende implantar.

    Thumb up 1 Thumb down 0

    • Vitor

      Mariana, pelo que pesquisei esse mapa não existe de forma detalhada, apenas na forma geral (pág. 55 desse press release da CET).
      Houve uma discussão sobre isso nesse artigo do vadebike (procure por “12 de agosto de 2014 at 20:47″).

      Thumb up 0 Thumb down 0

      • Mariana

        Obrigada pelas informações Vitor. Já havia consultado esse material da CET e de fato é bem genérico. Procurei informações na sptrans, cet e sites que divulgam o uso da bicicleta como meio de transporte e não encontrei nada. Talvez essa informação não esteja disponível para a população. Espero ao menos que ela existe.

        Thumb up 0 Thumb down 0

  • Maria Cecilia Lopes

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 0 Thumb down 18

    • Renato

      Progresso era deixar vias e avenidas que NÃO tem espaço para ciclovias sem nada, como era até 2013, não?

      Pesquise sobre ciclofaixas no mundo e se surpreenda.

      Comentário bem votado! Thumb up 16 Thumb down 0

    • CiceroS

      Ciclofaixas tiram espaço de circulação dos ônibus? De onde você “tirou” isso, Maria Cecília? Aliás, você é realmente usuária dessa modalidade de transporte coletivo?

      Agora, como é público e notório, em nenhum lugar do mundo, nem aqui, uma ciclofaixa impede o acesso de veículos a garagens de condomínios, de comércio, etc. Mas leia bem, tá?, garagens, espaços PRIVADOS de estacionamento.

      Comentário bem votado! Thumb up 7 Thumb down 0

      • Maria Cecilia Lopes

        Como disse, sou a favor de Ciclovias. Utilizo uma delas em conjunto com as bikes da rede disponível por um banco. Levo mais tempo porque não me sinto segura para usar a ciclofaixa. Dois motivos:
        1- o pavimento é muito ruim. Já cai em buracos na ciclofaixa da Liberdade.
        2- ao passar na porta de garagens em subidas já fui abalrroada por um carro que saia da rampa de um condomínio. E simplesmente foi embora.

        Não vim aqui polemizar.
        Apenas gostaria de mais ciclovias como a da Faria Lima, da Radia Leste ou da Marginal Pinheiros. Assim, ciclistas como eu que tem medo dos carros sentiriam-se mais seguras.
        Se houvesse mais ciclovias como alternativa à ciclofaixa seria muito bom. Assim, cada um escolheria a via que achar melhor .
        Ótimo dia a todos.

        Thumb up 3 Thumb down 1

        • CiceroS

          Ok, Maria Cecília, sem polemizar. E agora você descreveu melhor seu ponto de vista, que está intimamente ligado a sua experiência como usuária das ciclofaixas.

          E, sim, o ideal seria termos inúmeras ciclovias como a da Faria Lima, Eliseu de Almeida, no futuro a da Paulista, etc. Mas infelizmente um sistema completo assim o viário da cidade não comporta, as ciclofaixas são indispensáveis para a interligação das ciclovias segregadas dos grandes eixos viários, por exemplo.

          Quanto ao problema do asfalto inadequado, embora haja promessas de melhoria (está ou em estudo ou já em curso uma licitação para aquisição de asfalto pigmentado), como ciclistas não devemos nunca deixar de cobrar da prefeitura (e do partido que for) 100% de condições desse que é como um “item de segurança” fundamental pra nós. Inclusive, como forma de pressão, e enquanto uma reforma mais sistemática não ocorrer, procedendo reclamações formais (CET, Subprefeituras) para a manutenção e recapeamento onde exista pontos de risco.

          Já sobre o “abalroamento”, o que te aconselho é, se possível, não fazer pouco caso, não “deixar pra lá”. Se tiver como identificar o veículo e fazer um Boletim de Ocorrência, faça. Na ciclofaixa, a preferência é do ciclista, e o condutor do veículo motorizado que não respeitar isso não estará apenas transgredindo uma mera infração de trânsito: ele está atentando contra sua integridade física, Maria Cecília, pior, contra sua própria vida.

          Enfim, desculpe se me exaltei um pouco no “espírito da polêmica”. Como eu disse antes, entendendo melhor os fatos que a levaram a ter tal ponto de vista, espero que agora, com minha resposta, você venha a reconsiderá-lo.

          Comentário bem votado! Thumb up 6 Thumb down 0

        • Renato

          Como bem frisou o CiceroS, o viario da cidade não tem espaço para ciclovias padrão Faria Lima por não terem sido projetadas para isso. Veja que onde há espaço, eles construiram a ciclovia no canteiro central, a exemplo das avenidas Atlantica, Eliseu de Almeida, Gastão Vidigal, Escola Politecnica, Braz leme, cruzeiro do sul, entre outras.

          Comentário bem votado! Thumb up 8 Thumb down 0

  • Hélio Francisco

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 0 Thumb down 18

  • Daniel Galdino

    Pois é amigos, vejo nesse post as razões para apoiar e onde moro Butantã infelizmente as pessoas não tem essa mesma ideia.

    A rua onde moro Valson Lopes, está sendo implantada uma ciclovia que será Circuito USP que ligara varias ruas do bairro a USP.

    Porem já existe uma pedição feita por moradores do condomínio onde moro solicitando o cancelamento da implantação por motivos citados que não condiz com a verdade.

    Mas o real interesse que mobilizou isso tudo é que vai atrapalhar o transito “na minha rua” como muitos dizem, que o ciclista não terá seguração naquela via, recomenda que seja desviado para outra via (afinal lá pode, não está passando em frente a minha casa mas sim na dos outro), não poderei mais estacionar o carro na via entre outras coisas absurdas relacionado até a falta de água que um ciclista toma mais banho.

    Portanto peço o apoio de vocês para que isso não aconteça e sim seja implantada a via e não que prevaleça o interesse de algum achando que são donos da rua.

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  • SOU GAÚCHA,MAS RESIDO NO RIO DE JANEIRO,TENHO AMIGOS EM MONTENEGRO,APOIO A CICLOVIA,POR SER SALUTAR,ECONÔMICA,SEM POLUIÇÃO,DESDE QUE OS CICLISTAS TENHAM A DEVIDA SEGURANÇA.NA MAIORIA DAS CIDADES, JÁ EXISTEM CICLOVIAS, QUE AJUDAM MUITO,NA LOCOMOÇÃO,E PORQUE MONTENEGRO NÃO TERIA? VAMOS LUTAR A FAVOR.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • sou gaucha mas resido no rio de janeiro,e acho excelente o meu amado rio grande do sul ,ter ciclovias,é excelente para saúde,econômico e não polui.por favor vamos lutar por isso é mais do que válido.contem comigo.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Salvador Campos

    A lista dos “pró” está justa e técnica. É o que ocorre. Antes dessa gestão, o tema não era destaque. Se falássemos então sobre locomoção urbana, onde metrôs e trens estão em déficit, voltaria a se comentar na opção do pedal. Então, é irreversível a tendência. As ciclovias vieram depois, das calças, ruas e avenidas; portanto a maioria foi adaptada ao que existe. Algumas ciclovias sobem em calçadas, outras eliminam uma faixa de veículo. Num primeiro momento no conceito emergencial, pode ser funcional; mas não é engenharia inteligente. Países de ciclovias adaptadas, também fizeram o mesmo. Há leis a serem adequadas para sanções cabíveis à infratores tanto ciclistas, como motociclistas e motoristas.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Fabiano

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 1 Thumb down 18

  • Carlos

    Tem uma outra coisa sobre o uso de bicicletas que neste momento de escassez de água faz saltar os olhos: um carro pode gastar no mínimo mil litros ( caixa de água de residencia ) segundo Akatu http://www.akatu.org.br/Temas/Agua/Posts/Producao-industrial-aposta-no-consumo-racional-de-agua, mas pode passar tranquilamente isto ( em alguns sites falam de 400 mil litros http://www.guiadoscuriosos.com.br/categorias/4912/1/quanta-agua-e-gasta.html), enquanto que a bicicleta com certeza utiliza-se menos água para sua fabricação. Sobre a manutenção o uso da água também é maior nos automóveis: Para lavar 1 carro utiliza-se 90 litros de água. ( http://www.amvapmg.org.br/con_cisam_curiosidades02.htm ), lavar bicicleta não vai 5 litros.

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

    • Carlos

      Também não contribui para as Ilhas de Calor, pois ao contrário do carro que gera muito calor ( os motores a combustão, os elétricos não geram esse calor todo ), bicicleta transfere pouquíssimo calor para o meio ambiente.

      Thumb up 2 Thumb down 0

      • O calor que a bicicleta em si transfere pode ser desconsiderado, já que não há motor para produzi-lo. Há apenas um mínimo, causado pelo atrito dos pneus e peças.

        Thumb up 3 Thumb down 0

        • Carlos

          Isso mesmo. Em resumo, bicicleta é um transporte tranquilamente sustentável. Trens e metrô são também porque usam energia elétrica, embora o problema seja justamente este: eletricidade, depende da infraestrutura de transmissão e geração elétrica. Ônibus, eventualmente terá que trocar o combustível pelo elétrico ou híbrido. Em termos administrativos, a ciclovia tem menos trabalho, ou seja, para mantê-lo é uma fração das vias normais. Temos que it procurando os fatos que o comprovem. Como dizem contra fatos não há argumentos. E, assim, diminuimos a fase inicial da resistência.

          Thumb up 1 Thumb down 0

        • Carlos

          Fiz um teste, postando numa comunidade no Facebook. Tem gente que contesta. E essa é uma boa oportunidade de mostrar as vantagens, melhor, o acréscimo de qualidade de vida nas pessoas. Embora é claro, há aqueles problemas como aquele do lojista de carros, as desvantagens que deve ser trabalhado. Em um ponto eles tem razão, não foram informados ou consultados. Então antes de haver uma implantação de ciclovia, é bom a comunidade já ir trabalhando, ou fazer lição de casa. Como fiz esta tentativa numa comunidade do Facebook. Creio que esta é uma das atividades de um legítimo cicloativista, como o William. O William está atuando no macro, e o restante do pessoal tem que atuar no micro, ou seja, no local onde moram, trafegam, trabalham.

          Thumb up 1 Thumb down 0

  • Estevão Laurito

    Excelente. Esse texto pode servir como referência e ponto de reflexão até mesmo para alguns relutantes e recalcitrantes, pois não deixa nada de lado! Parabéns ao vá de bike. É indispensável movimentar-se para apoiar e defender essa grande conquista para a cidade de São Paulo!

    Comentário bem votado! Thumb up 6 Thumb down 0

    • Carlos

      É importante que nós mais conscientes dos benefícios ( e das resistências ), sejamos o disseminador deste conhecimento, desta conscientização. Aí eu recomendo a leitura do livrinho do Mário Sérgio Cortela e Renato Janine Ribeiro: “Política para não ser idiota.”. A palavra idiota parece ofensivo, mas não é, se refere a pessoa que não procura se informar, participar da comunidade ( mais explicação você acha no YouTube, no Google, e no livro ). E é justamente pessoas assim que oferecem resistência, porque não tem o conhecimento, e por causa desta postura não procuram saber das coisas. O cicloativista depara com esta resistência, este problema. Estamos propondo uma solução para os problemas de qualidade de vida nesta cidade, desta maneira, temos por obrigação, saber o maior possível de consequências desta solução na vida das pessoas, para poder mostrar que é uma boa termos ciclovias na cidade, não se contentem com este tópico, procurem mais e mais implicações que podem beneficiar a vida das pessoas, enriquecendo-a.

      Thumb up 1 Thumb down 0

  • Paulo

    Muitos pontos positivos e bem argumentados, excelente! Dia desses pedalando no horário de pico em uma avenida congestionada em SP, parei no farol vermelho ao lado de um motorista em veículo de passeio (aliás, era o único ocupante do carro). Ele olhou pra mim e disse “um dia todos estarão andando de bicicleta q nem vc”. Apenas respondi “tomara”, sorri e segui em frente qdo o farol abriu. As manifestações nas ruas dos motoristas em relação aos ciclistas está se tornando mais amistosa e o respeito aumenta tb. Sinto isso no dia a dia.

    Comentário bem votado! Thumb up 11 Thumb down 0

  • Vitor

    Correção, o verbo “representa”

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Vitor

    Da uma conferida no item 4, o verbo apresentar aparece duas vezes na mesma frase

    Thumb up 0 Thumb down 0

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>