Avenida Paulista: fechar ou não para a circulação de carros na época do Natal?

Avenida Paulista fica tomada por pedestres durante a época do Natal. Foto: Rachel Schein

Avenida Paulista fica tomada por pedestres durante a época do Natal. Foto: Rachel Schein

Todo fim de ano a cena se repete: milhares de pessoas tentando circular pela avenida Paulista, seja a pé, de carro, de ônibus ou bicicleta, para ver a decoração de Natal, passear com a família e desfrutar das atrações que o lugar oferece. Músicos tocam em cada esquina, ambulantes aproveitam o movimento para vender seus produtos, lojas, shoppings e até bancos capricham na decoração e iluminação de suas fachadas. A avenida que é símbolo do dinheiro em São Paulo transforma-se numa rua, ou melhor, numa calçada de lazer.

E muita gente se pergunta: por que não fechar a avenida para os carros nessa época do ano? Ou, em outra perspectiva: por que não abri-la para as pessoas?

Em 2011, com muita gente na avenida, a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) tomou essa iniciativa para garantir a segurança dos cidadãos, já que em dado momento não se passava mais nem de carro e nem a pé. Mas acabou sendo notificada pelo Ministério Público por conta disso.

Segundo um termo de ajustamento de conduta (TAC) celebrado entre o Ministério Público Estadual e a prefeitura de São Paulo em 2007, a avenida Paulista só pode ser fechada para carros em três ocasiões: Parada do Orgulho LGBT, São Silvestre e Réveillon.

Justificativa

A principal justificativa para a proibição do fechamento é o impacto que a medida teria em atendimentos de emergência. Para Daniel Guth, consultor em mobilidade urbana, é perfeitamente possível interditar a avenida para carros nessa época, já que em dias de muito trânsito a ambulância já precisa buscar caminhos alternativos. Guth ainda acrescenta ser muito mais rápido para pedestres liberarem caminho do que carros. “Se você tiver ainda um batedor de moto que vai avisando, possibilitando que a ambulância possa rapidamente circular, é super possível..

“Normalmente durante a semana temos uma média de 1 milhão e meio de pedestres circulando na avenida, enquanto a gente tem no máximo, pelos números da CET, 300.000 motoristas passando por aquela via, o que significa que aquele é um espaço absolutamente prioritário para a circulação de pessoas nos modos ativos. Então é mais do que legítimo a proposta de fechamento da avenida”, justifica.

Para 2015, Daniel sugere testar o fechamento da avenida em alguns domingos para futuramente a Paulista poder ser transformada efetivamente numa avenida de lazer. “Isso favorece uma nova relação com a cidade, o comércio de rua, a paisagem urbana, as fachadas, a circulação de pessoas num modelo de cidade que a gente tanto quer”, completa.

O secretário de Transportes Jilmar Tatto simpatiza com a ideia, conforme entrevista dada a um jornal de grande circulação em novembro deste ano. Segundo o secretário, é possível criar algumas medidas para permitir, inclusive, que numa emergência seja possível a passagem de carros de emergência.

“E isso eu vi inclusive em Nova York”, conta Tatto. “As avenidas que foram fechadas não têm barreiras físicas permanentes na entrada e na saída do quarteirão. É para passar ambulâncias e o corpo de bombeiros. Se tiver um incêndio, alguma coisa, você abre. Esse tipo de solução é possível. O problema não está aí porque, realmente, você não pode fechar uma avenida que tem grandes hospitais sem uma solução. O problema é a cidade compreender que isso é importante para ela. Esse debate não está colocado agora”, afirmou.

Veja a seguir a videorreportagem do Vá de Bike sobre a ocupação da avenida durante a época do Natal.


3 comentários para Avenida Paulista: fechar ou não para a circulação de carros na época do Natal?

  • isac coelho

    Não vejo nenhum problema, uma vez que neste período temos poucos veiculos Na cidade.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • isac coelho

    Aqui em osasco é o contrário, desativa a ciclovia para os carros terem mais espaço.

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Alexandre

    Pra mim a Avenida Paulista que tinha que fechar todos os domingos e feriados nacionais. Nos fins de semana do natal deveria fechar sábado e domingo. O atendimento de urgência pode seguir pelas ruas paralelas como ja faz hoje e em casos de necessidade extrema é possível passar pela avenida, basta sinalizar uma faixa e deixar policiais e agentes da CET treinados para possibilitar a passagem como foi dito.

    Já existe um movimento para transformar a paulista em rua de lazer, chama-se “Se a Paulista Fosse Minha” e é organizado pelo SampaPé. Seria lagal se nos juntassemos a ele para dar força ao movimento.

    Comentário bem votado! Thumb up 7 Thumb down 0

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>