Ciclistas de Recife colocam-se contra corte de árvores para construção de ciclovia

Prefeitura já marcou árvores que serão cortadas. Foto: Cezar Martins

Prefeitura já marcou árvores que serão cortadas. Foto: Cezar Martins

A prefeitura do Recife (PE), por meio da Empresa de Urbanização do município (URB), pretende derrubar cerca de 40 árvores no entorno do Canal do Arruda para a construção de 7,4 km de ciclovia. Algumas árvores já estão marcadas com um simbólico “X” vermelho, como sinal de que devem ser cortadas. Como forma de compensação, a prefeitura prevê o replantio de duas mudas para cada árvore derrubada.

Ao tomar conhecimento de que a obra já estava licitada e que a derrubada das árvores poderia acontecer a qualquer momento, a Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife (Ameciclo), posicionou-se contrária ao projeto, apesar de defender a construção da ciclovia, que atenderá cerca de seis mil ciclistas que diariamente passam pela região, segundo dados de 2008 da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU).

Segundo o coordenador-geral da Ameciclo, Daniel Valença, não é admissível que árvores adultas sejam retiradas para a colocação da ciclovia. “A Ameciclo defende a humanização do trânsito, uma luta bem mais ampla que uma simples demanda por ciclovias”, diz Valença. Ele salienta ainda que é possível implantar a ciclovia com traçados que evitem a derrubada das árvores e, até mesmo, com a supressão de uma parte da via destinada aos automóveis.

Vale destacar que a avenida onde se localiza o Canal do Arruda possui seis faixas de circulação de veículos. Parte dessas pistas são frequentemente utilizadas como estacionamento irregular.

O outro lado

Questionada pelo Vá de Bike sobre o corte de árvores, a URB enviou a seguinte nota:

A Empresa de Urbanização do Recife (URB) informa que as obras de requalificação do Canal do Arruda estão em andamento. Estão em execução os serviços de limpeza do canal, com a reposição e instalação de placas de revestimento, e foi já foi realizada a dragagem do trecho que compreende a Avenida Norte até o Rio Beberibe. O próximo passo importante é a construção de três áreas de lazer elevadas sobre o canal (três praças, duas quadras esportivas). Também serão implantados: 7,4 km de ciclovias; 2,5 km de pista de cooper, quiosques, além de passeio público e passarelas para pedestres. A previsão de término das obras é para o primeiro semestre de 2016, com investimentos de aproximadamente R$ 83 milhões, devendo beneficiar 80 mil pessoas que vivem na região.

A URB esclarece que atualmente existem 700 árvores no canal e que, no final da obra, serão mais de 1.400. A proposta é retirar as árvores que estão doentes, tombando (com risco de queda) ou as inadequadas ao paisagismo urbano e que, por isso, estão quebrando calçadas e comprometendo a estrutura do equipamento público. O traçado da ciclovia está sendo feito para se adequar às árvores que serão mantidas.

É importante ressaltar que a compensação ambiental na área do canal se dará por meio de plantio de árvores adultas e de mudas, conforme exigido pela Secretaria de Meio Ambiente do município. Para cada árvore retirada, será feito o replantio de outras duas (na área do canal e também nas vias do entorno). No primeiro trecho a ser trabalhado, entre a Avenida Beberibe e a Rua Petronila Botelho, devem ser retiradas 40 árvores e plantadas 80 – divididas entre a área do canal e as ruas do entorno. A URB reforça que no canal, neste primeiro trecho, todas as árvores plantadas serão adultas (mínimo de 4 metros de altura).

Ciclovia e integração

Qualquer ciclista deseja mais ciclovias em sua cidade. No entanto, a construção dessa infraestrutura não pode ser a qualquer preço. Derrubar árvores com esse objetivo pode transformar a solução em problema, inclusive colocando-o na conta da coletividade. No Brasil, há diversos exemplos de construção de ciclovias integradas à natureza e com redução de espaço de circulação de veículos motorizados.

Em Sorocaba (SP), pista foi dividida para evitar a derrubada de árvores. Foto: Marcos de Sousa

Em Sorocaba (SP), pista foi dividida para evitar a derrubada de árvores. Foto: Marcos de Sousa

Na capital paulista, traçado de ciclovia desvia de árvores. Foto: Enzo Bertolini

Na capital paulista, traçado de ciclovia desvia de árvores. Foto: Enzo Bertolini

Construção em frente à igreja Nossa Senhora do Paraíso, próxima à Avenida Paulista, preservou as árvores e o canteiro central. Foto: Gulherme Venaglia

Na Av. Bernardino de Campos (próxima à Avenida Paulista, em São Paulo), o canteiro central foi alargado, com redução da largura das faixas de rolamento, para preservar as árvores. Foto: Gulherme Venaglia

Contagem na Ciclovia da Av. Faria Lima registrou 193 ciclistas por hora no pico da noite. Demanda que não existe? Foto: Gabriel Ionescu

Traçado de ciclovia desvia de árvores na Av. Faria Lima, em São Paulo. Foto: Gabriel Ionescu

Nesse outro exemplo, também em São Paulo, traçado da ciclovia preservou até as menores árvores. Foto: Willian Cruz

Nesse outro exemplo, também em São Paulo, traçado da ciclovia preservou até as menores árvores. Foto: Willian Cruz


1 comentário para Ciclistas de Recife colocam-se contra corte de árvores para construção de ciclovia

  • Rosana

    Esta notícia é mais uma amostra da generosidade e bom senso dos ciclistas, que desejamo melhor não só para si, mas para o meio ambiente urbano.
    A resposta pasteurizada da prefeitura é muito preocupante, pois sabemos da distância entre discurso e realidade das políticas públicas.
    Meu apoio aos recifenses que lutam por uma cidade mais humana e mais humanizada. Preservem as árvores que já existem, demandem outras mais, demora muitos anos para crescerem, isso se forem de fato plantadas!

    Thumb up 3 Thumb down 1

Enviar resposta

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>