João Doria sanciona “Lei Anticiclovia” que pode inviabilizar novas estruturas em São Paulo

Apoie nosso trabalho,
doe um libre!

Lei promulgada pelo prefeito pode inviabilizar novas ciclovias em São Paulo. Foto: Willian Cruz

Ciclofaixa é uma sinalização viária para garantir a segurança das pessoas que pedalam, da mesma forma que uma faixa de pedestres visa a segurança de quem caminha, correto? Infelizmente, não é dessa maneira que o prefeito de São Paulo e alguns vereadores de seu partido vêem a estrutura.

“O ciclista se tornou um rival dos demais meios de transporte”, afirmou João Jorge (PSDB) ao jornal Metro. O vereador é autor da Lei sancionada na terça-feira (7/11) por João Doria. A nova Lei (16.738/2017) altera a legislação anterior (14.266/2007), criando novas regras que, na prática, dificultam e limitam a expansão da estrutura cicloviária.

Autor da Lei
vê ciclista como
rival
dos outros meios
de transporte

Vá de Bike alertou sobre esse PL em julho deste ano, em matéria onde entrevistamos o vereador. Além de defender seu projeto, ele afirmou à nossa reportagem que as “finas educativas” – quando um motorista passa perigosamente perto de uma pessoa em bicicleta, para ensiná-la a não pedalar nas ruas – ocorreriam também por falta de formação dos ciclistas (veja a entrevista). Organizações de defesa da mobilidade ativa chegaram a se reunir com alguns vereadores para tentar frear esse retrocesso, sensibilizando alguns deles, mas infelizmente não em número suficiente.

Junto a João Jorge, também assinam o PL: Adriana Ramalho, Aline Cardoso, Aurélio Nomura, Claudinho de Souza, Eduardo Tuma, Fábio Riva, Gilson Barreto, Mário Covas Neto e Quito Formiga, todos do PSDB. De acordo com o Diário Oficial, 40 vereadores ao todo aprovaram o projeto antes dele ser sancionado pelo prefeito. Apenas 9 foram contrários:  José Police Neto (PSD), Antonio Donato (PT), Juliana Cardoso (PT), Soninha Francine (PPS), Alessandro Guedes (PT), Toninho Vespoli (PSOL), Patrícia Bezerra (PSDB), Sâmia Bomfim (PSOL) e Eduardo Suplicy (PT).

Lei Anticiclovia

Foto: Aline Os

A justificativa do PL (Projeto de Lei) chega a afirmar até que a ciclovia da Avenida Paulista prejudica os pedestres, o que deixa claro que nenhuma estrutura, por melhor implantada que esteja, escapará do crivo crítico de quem deseja que a cidade continue priorizando a circulação do automóvel.

Mas não é apenas por isso que decidimos chamar a iniciativa de Lei Anticiclovia. É porque ela tem o potencial de inviabilizar a implantação de qualquer nova ciclovia na cidade de São Paulo. QUALQUER. CICLOVIA.

Um dos pontos principais da alteração da Lei é a necessidade de apresentação de estudos de “demanda, viabilidade e impacto viário” que, por não terem nenhuma especificação ou detalhamento sobre seus requisitos ou sobre a avaliação de seus resultados, dão margem a interpretações e aplicações bastante subjetivas. E é aí que mora o perigo.

Foto: Paulo Preto

Só se não ocupar espaço do automóvel

O “impacto viário” pode vir a ser entendido como qualquer alteração que afete a circulação ou o estacionamento de automóveis. Isso significa que, a partir dessa Lei, ciclovias ou ciclofaixas que ocupariam espaço do viário antes dedicado aos carros – mesmo áreas de estacionamento – poderão ser barradas.

Com isso, são grandes as chances de que novas estruturas só sejam aprovadas em canteiros centrais de avenidas (isso se não infringirem outro requisito, a existência de demanda prévia), o que elimina por completo a possibilidade de termos uma malha ampla e conectada.

E não adianta sermos otimistas e contarmos com uma possível boa intenção da Secretaria de Mobilidade e Transportes: com essa Lei aprovada, qualquer expansão ou alteração proposta pelo executivo poderá ser impedida na justiça por infringir a legislação municipal, ainda mais com o Ministério Público que temos. A situação pode ser muito pior do que parece.

Só onde ciclistas já circulam

Sabe aquela avenida perigosa, com caminhões, ônibus e motoristas de automóvel apressados que deixam qualquer um com medo de pedalar? Seria muito bom ter uma ciclovia nela, né? Pelo jeito, pode esquecer: ao exigir “estudos de demanda”, qualquer via onde não exista previamente um fluxo de bicicletas inquestionável deixará de ser candidata a receber uma ciclovia.

Crescimento espantoso do uso da bicicleta em Nova York, com a criação de cerca de 500 km de ciclofaixas e ciclovias a partir de 2007. A contagem é realizada pelo próprio Departamento de Transportes (DOT). Clique na imagem para mais informações. Fonte: DOT

Crescimento espantoso do uso da bicicleta em Nova York, com a criação de cerca de 500 km de ciclofaixas e ciclovias a partir de 2007. Clique na imagem para mais informações. Fonte: DOT

É fato conhecido que as ciclovias têm efeito indutor de demanda. Em São Paulo, o uso da bicicleta aumentou 66% entre 2014 e 2015, quando as estruturas começaram a ser implantadas em larga escala. Só na Rua da Consolação, a quantidade de ciclistas mais que triplicou após a implantação da ciclovia (227%).

Se dependesse de
demanda prévia,
ciclovia mais usada
de São Paulo
não teria
sido construída

A estrutura da avenida Faria Lima é o exemplo mais claro: implantada onde antes não havia praticamente nenhum ciclista trafegando, hoje tem mais de 2 mil viagens diárias, sendo a mais utilizada da cidade.

E para não ficar apenas nos exemplos paulistanos, Nova York também teve um aumento espantoso no uso da bicicleta após implantar 480 km de ciclofaixas num espaço de 5 anos, além de um grande corredor de ciclovias. O então prefeito Michael Bloomberg chegou a declarar que usuários de transporte público, ciclistas e pedestres eram mais importantes que os motoristas que congestionavam a cidade, além de afirmar que as ruas “não são para os carros”.

Foto: Willian Cruz

Só se não for caro

O texto da Lei não especifica o que seriam os “estudos de viabilidade”, mas isso pode ter sido proposital. Assim, qualquer argumento que possa ser remotamente considerado como uma suposta inviabilidade pode cair nessa definição. Tem uma escola ali? Carimba como inviável. Tem um ponto de táxi? Inviável. Viaduto? Inviável. Entrada de um condomínio? Inviável! E se nada disso colar, é só dizer que é muito caro.

E o que é caro, afinal? Para uma prefeitura que pretende aplicar R$ 350 milhões em recapeamento de vias como a Avenida Paulista (que claramente não precisa dessa intervenção), e que pretende pedir um empréstimo de um bilhão para estender esse recapeamento a mais ruas na cidade, os R$ 80 milhões gastos nos 400 km de ciclovias paulistanas não deveriam ser preocupantes, certo?

Ciclovias ainda
são vistas como
gasto e desperdício
em São Paulo

Em teoria, não. Na prática, o problema é a forma como se vê a estrutura cicloviária. Em vez de ser entendida como um investimento para proteger a população que usa ou virá a usar a bicicleta, ela ainda é vista amplamente como gasto e desperdício. O próprio autor da Lei em questão chegou a afirmar que as ciclovias eram um “desperdício de dinheiro público”. Enquanto essa mentalidade não mudar, continuaremos vendo amigos nossos morrendo pelas ruas.

E essa visão distorcida não é exclusiva de legisladores, ela está disseminada em grande parte da população. Isso tem que mudar. Façamos nossa parte convencendo, pelo menos, a cabeça de quem está próximo de nós: nossos familiares e amigos. Essa mudança só vai acontecer de baixo para cima.

Quem prejudica o comércio?

Só onde não houver comércio (nem residências)

A justificativa do PL afirma que “vias comerciais inteiras foram afetadas por ciclofaixas”, atribuindo às estruturas um suposto insucesso de comerciantes. Como se utilizar o espaço público como estacionamento particular fosse um direito sagrado, vilipendiado pela sinalização de trânsito. Ou como se ciclistas não consumissem nunca e espantassem os “clientes de verdade”.

O próprio prefeito João Dória, em mais de uma ocasião, afirmou que as ciclovias “prejudicam a sobrevivência de famílias” – o que sabemos não ser verdade, o problema é bem outro. Mas essa declaração apela ao emocional e joga comerciantes e população em geral contra os ciclistas, ganhando seu apoio em uma cruzada anticiclovias, da qual vemos agora, com essa Lei, uma das maiores investidas até o momento. Como consequência de posicionamentos públicos como esse, a animosidade contra quem pedala vem crescendo desde as últimas eleições, o que se traduz no aumento de mortes de ciclistas na cidade, um índice que vinha caindo dramaticamente nos anos anteriores.

Bicicletas estacionadas em frente a comércio em São Paulo. Foto: Willian Cruz

Nâo por acaso, a Lei sancionada agora determina a realização de Audiências Públicas para implantação de novas estruturas. Dessa forma, comerciantes e moradores de vias onde as ciclovias ou ciclofaixas seriam implantadas (e que não têm sua vida posta em risco diariamente por sua ausência) podem se posicionar contrários à implantação, com argumentos como “ciclista não presta” ou “ciclovia atrapalha o trânsito“, e alegando, pela sua presença em peso na audiência, que as ciclovias seriam um simples “interesse de minoria” (como afirma até mesmo a justificativa do PL).

Curioso que outras iniciativas de sinalização de tráfego para aumentar a segurança, como semaforização de um cruzamento, pintura de uma faixa de pedestres ou implantação de uma lombada, não demandem audiências públicas para ampla aprovação popular. Se há risco à vida, o viário e sua sinalização devem ser adaptados. Nada deveria ser mais importante que a vida, sobretudo a conveniência de estacionar um carro em frente ao imóvel para não precisar atravessar a rua ou andar cem metros.

Ciclorrotas em vez de ciclofaixas

A Lei também abre espaço para “faixas compartilhadas” com os automóveis, o que nada mais são que as ciclorrotas. Nelas, o ciclista fica em meio aos carros, motos, ônibus e caminhões, tendo como única proteção um pictograma de bicicleta no asfalto e placas sinalizando a presença de ciclistas.

Ciclorrota em Moema, em 2012 (esq) e em 2016 (dir): sinalização de solo sumiu completamente. Fotos: Google Street View

Várias ciclorrotas foram implantadas em São Paulo entre 2011 e 2013, com pouco ou nenhum efeito prático. Sem manutenção na sinalização, quase todos os pictogramas já se apagaram.

O artigo 3º da Lei recém-promulgada revoga trechos da Lei anterior, entre eles um parágrafo definindo que a ciclorrota deveria ser utilizada “somente em casos especiais para dar continuidade ao sistema cicloviário ou em parques”, quando não fosse possível a construção de ciclovia ou ciclofaixa.

Dessa forma, a ciclofaixa passará a ser utilizada quando não for possível uma ciclovia segregada, em vez das atuais ciclofaixas. Isso está escrito explicitamente no texto da nova Lei.

Outro parágrafo revogado permitia a criação de espaços compartilhados com pedestres, como na Avenida Sumaré, com isso não serão mais implantados. Mais trecho que deixa de valer é o que determinava que bicicletários públicos ou privados deveriam ter controle de acesso.

Mobilização popular é necessária e urgente

Quando o Ministério Público tentou barrar a implantação de ciclovias na cidade em 2015, demandando inclusive que as estruturas já implantadas fossem desfeitas, milhares de pessoas foram às ruas, em São Paulo e em mais de 45 outras cidades, protestar contra a ação. A indignação se espalhou para além da capital paulista, pelo entendimento de que aquele retrocesso abriria um precedente perigoso para a mobilidade ciclística em todo o país. Por fim, o Tribunal de Justiça suspendeu a ação, o que foi motivo de grande comemoração.

Em 2015, sete mil foram às ruas defender as ciclovias de São Paulo, além de ciclistas de outras 45 cidades do Brasil e do mundo. Foto: Silvia Ballan

Embora a ameaça não seja tão claramente visível agora quanto era naquela ocasião (pois havia a ameaça aberta de remoção de estrutura), nos encontramos em situação bastante semelhante. Essa Lei, aprovada pelos vereadores e sancionada pelo prefeito sem o “amplo debate” que ela mesma exige para as ciclovias, tem o potencial de inviabilizar qualquer nova estrutura cicloviária em São Paulo. E pode servir de exemplo para outras cidades, cujos gestores também prefiram continuar privilegiando o deslocamento em automóvel em detrimento das vidas de quem pedala.

A mobilização dos cidadãos que têm suas vidas diretamente ameaçadas pela falta de estrutura cicloviária é necessária e urgente. Não podemos permitir que se configure um cenário onde qualquer nova ciclovia possa ser barrada na justiça, nos fazendo estagnar no tempo e nas estatísticas de mortes em uma disputa injusta e desequilibrada por espaço viário, onde a um lado – aquele que fere, esmaga e mata – será garantido manter todo o espaço disponível. Permite-se, por omissão, inação e também por atuação ativa, que essas mortes continuem acontecendo.

Regra contraria legislação vigente

Por exigir que as estruturas não impactem a circulação de automóveis, a Lei proposta pela base aliada do prefeito e sancionada pelopróprio contraria as diretrizes do Plano Diretor Estratégico de São Paulo (PDE), que tem força de Lei Municipal. Uma delas estabelece a “prioridade no sistema viário para o transporte coletivo e modos não motorizados”.

Lei Federal garante prioridade dos modos ativos sobre os motorizados. Foto: Willian Cruz

O PDE também determina que a cidade deve “desestimular o uso do transporte individual motorizado”, “adaptar as condições da circulação de transportes motorizados a fim de garantir a segurança e incentivar o uso de modais não motorizados”, “garantir o deslocamento seguro e confortável de ciclistas em todas as vias” e “implantar redes cicloviárias”, entre outros apontamentos. Em outras palavras, reduzir o espaço do automóvel para implantar estrutura cicloviária está previsto no Plano Diretor.

Da mesma maneira que o PDE, a Política Nacional de Mobilidade Urbana (PNMU), que tem força de Lei Federal, tem como uma de suas diretrizes a “prioridade dos modos de transportes não motorizados sobre os motorizados”, determinando que o uso de bicicletas deve ter prioridade sobre o uso do automóvel. A construção de ciclovias cumpre, também, uma das diretrizes dessa Lei, que determina ainda a “dedicação de espaço exclusivo nas vias públicas para os serviços de transporte público coletivo e modos de transporte não motorizados”, entre outras citações. Portanto, realocar espaço viário para a implantação de ciclovias e ciclofaixas está previsto também na PNMU.

Por ser Lei federal, a PNMU deve prevalecer sobre a Lei Anticiclovia. Se ela diz que deve haver dedicação de espaço viário para as ciclovias, então deve haver. Se ela diz que os transportes ativos devem ter prioridade sobre os motorizados, então a prioridade deve ser dada – inclusive no uso do viário. Lembrem-se disso nas Audiências Públicas.

Veja também
Prioridade ao automóvel asfixia comércio da Av. Santo Amaro
“Essa é uma gestão amiga do ciclista”, afirma Secretário de Transportes de São Paulo
Vereadores de São Paulo se organizam para remover ciclovias
Comércio aumenta faturamento com atendimento a ciclistas
Gostou da matéria? Doe um libre
e ajude nosso projeto a continuar!

64 comentários para João Doria sanciona “Lei Anticiclovia” que pode inviabilizar novas estruturas em São Paulo

  • Cesar Marinho

    São Paulo, mire-se no exemplo de Bogotá e tentem aprender só um pouquinho. A cidade é de todos e sem descriminação.

    Thumb up 3 Thumb down 0

  • Rogério

    Vejo a galera reclamando de quem votou nesse cara. Mas grande parte da culpa cai também em quem não foi votar ou votou branco e nulo. Lembrem -se que brancos nulos e abstenções tiveram mais votos que o prefake. Quando o povo foge das urnas acontece destes tipos ganharem. Em 2018 pode dar Bolsonaro por esse mesmo motivo. Atenção.

    Comentário bem votado! Thumb up 7 Thumb down 0

  • Marcelo

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 5 Thumb down 20

  • Carlos

    Bm a mesma lógica se aplica ao fazer uma avenida ou rua, que estão estreitas ou falta de faixa de rolamento. Hã ruas e avenidas nem comportam um aumento de faixas de rolamento, principalmente porque há estabelecimentos comerciais que não vão ceder a sua fachada. Creio que há vários casos assim, onde estabelecimentos comerciais protestam quando há obras de metrôs, ou expansão de faixa de rolamentos. Pelo post da próprio Vá de Bike *(http://vadebike.org/2013/01/construcao-reforma-avenidas-sao-paulo-ciclovia/), a prefeitura é obrigada a fazer uma ciclovia nos casos de reforma de avenida, e pontes. Então, a estratégia no caso é solicitar a reformade avenidas e pontes. Houve um caso destes no meu bairro, embora tenha sido na administração passada. É ver para crer se esta administração obedece as leis. Se não há o MP no encalço.

    Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 1

  • Pardo

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 3 Thumb down 23

  • Mauro

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 4 Thumb down 10

  • Rafael Silva

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 3 Thumb down 13

  • Moa Peraccini

    Triste sina de uma cidade em que o prefeito e seus aliados políticos não pensam nem administram objetivando o bem maior, além de criar um ambiente hostil e preconceituoso para os grupos atingidos por sua estupidez, ignorância e ganância.

    Mas o que é deles está escrito. No voto dos ciclistas, quando quiserem se reeleger.

    Comentário bem votado! Thumb up 10 Thumb down 1

  • Ramiro

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 1 Thumb down 16

  • Basualdo

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 2 Thumb down 15

  • Martin Hicks

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 2 Thumb down 13

  • Marquinho

    Não temos o que merecemos não! Quem votou no Doria está feliz que isso esteja acontecendo. Não é o meu caso e não acho que eu tenha a cidade que mereço.
    Faço a minha parte para transformar SP numa cidade melhor, mas infelizmente a esmagadora maioria só pensa no próprio umbigo, no carro, no prédio, no cimento, no dinheiro, no selfie, no eu, eu, eu.
    O trânsito caótico e tudo de ruim que está acontecendo é puro reflexo do individualismo, da falta de empatia e do não estar nem aí para o próximo.
    Torço por uma cidade mais humana, menos caótica, menos violenta, por isso, torço por MAIS CICLOVIAS! 🙂

    Comentário bem votado! Thumb up 25 Thumb down 7

    • Rafael Silva

      [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

      Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 3 Thumb down 12

      • Lucas Colonna

        Na verdade ciclovia melhora o trânsito e o ar que todo mundo respira e uma boa integração ajuda quem vai da ZL a ZS todos os dias…..quem será que não consegue nem pensar?

        Comentário bem votado! Thumb up 10 Thumb down 2

        • Carlos

          No meu caso, tem uma ponte no meio do caminho, como elas são o calcanhar de aquiles nesta administração ( vide o caso com um dignatário do oriente médio ). Enquanto não houver reforma de pontes, não haverá conexão de uma ciclovia com a outra em lados opostos da ponte.

          Thumb up 1 Thumb down 4

    • Tarantino

      Quem quer uma cidade com mais segurança deve também votar a favor da liberação das armas para os civis.

      Thumb up 3 Thumb down 4

  • Jorge Almeida

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 5 Thumb down 11

    • Lucas Colonna

      um motorista me fechou esses dias, por isso sou contra todos os motoristas? Você sabe para onde ele iria, o estado da ciclovia……

      Comentário bem votado! Thumb up 10 Thumb down 1

    • Carlos

      Creio que deva haver mudança de mentalidade de ambos os lados. No lado do ciclista creio que deva interagir mais com a administração pública, mesmo com aparente mentalidade anti-ciclista. Muitos estão somente reagindo ao invés de analisar o que a administração pública está pretendendo com tudo isto.

      Thumb up 4 Thumb down 1

  • Jorge Almeida

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 1 Thumb down 20

  • Rafael

    Brasileiro é um povo atrasado em tudo. Os que viajam, principalmente, veem as ciclovias em Paris ou Amsterdam e acham lindo. Mas, aqui, ninguém tem esse direito, pois só deve existir o direito dos carros.

    Essa agenda liberal de cortar todos os direitos e “economizar” deveria ser mais justa: pegar o nome de toda essa gente chucra que bate palma em comentário de portal e tirar os direitos só deles. Dá direito a quem precisa/quer. Se não querem ser cidadãos, problema deles: vivam dentro de seus condomínios fechados e não se misturem com as pessoas boas.

    Comentário bem votado! Thumb up 9 Thumb down 5

    • Carlos

      Creio que é um povo que é averso a mudanças porque não se envolvem com a coisa pública, não participam, não reportam problemas ( como o uso do 1188, 156, SP156, … ), achando que coisa publica é somente problema do poder público. Ser morador, trabalhador numa cidade requer que haja cooperação, e, até mesmo colaboração. Se bem que essa atitude não é universal em todas cidades. Há cidades abertas à mudanças que ajudam a cidade crescer e ser mais segura.

      Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

    • Tarantino

      Em Paris, a adesão aos carros aumentou e às bicicletas diminuiu.

      Thumb up 2 Thumb down 4

  • Clau Nathan

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 8 Thumb down 23

  • Evna

    Eu acho pouco e bom! Paulista tem mesmo que pastar com os políticos que elege. Tá difícil de aprenderem, mas se não vai pela inteligência, vai pela dor mesmo.

    Polêmico. O que acha? Thumb up 8 Thumb down 11

    • Carlos

      Políticos e cidadãos aprendem quando diminuir a impunidade. E uma forma de punir é através de solicitações, reclamações, agradecimentos no dia-a-dia. Uso de canais públicos como o uso de 1188, 156 e SP156, polícia, bombeiros, … ajudam a educar os políticos e cidadãos.

      Thumb up 3 Thumb down 0

    • Tarantino

      Haha, como se paulista fosse o único que se ferra nas mãos dos políticos.

      Thumb up 4 Thumb down 1

  • Josias acauan

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 15 Thumb down 35

  • Ricardo

    Ano que vem tem eleição pra presidente. Marquemos 45 na urna e sejamos felizes!!
    Acorda povo de São Paulo, maior colégio eleitoral.
    Vão na onda da mídia!
    PSDB é contra o povo!! Contra trabalhadores e classes menos favorecidas.

    Comentário bem votado! Thumb up 29 Thumb down 12

  • Ricardo

    Quiseram né, votaram né, se lessem o mínimo não teriam votado nesse cara, mas povo que não lê, não procura informação, é movido pelo ódio, taí agora aguentem sem reclamar!!!!

    Comentário bem votado! Thumb up 27 Thumb down 7

    • EVALDO DE JESUS OLIVEIRA

      Pois é.
      E pensar que muitos ciclistas votaram nesse cara. Acreditando que ele era “amigo do ciclista” Tsi,tsi, tsi…

      Comentário bem votado! Thumb up 19 Thumb down 4

  • Guilherme Santos

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 16 Thumb down 27

    • Lucas Colonna

      Quem entende de comércio são os economistas, vá ler e descubra oq a bike ajuda no comércio.

      Thumb up 3 Thumb down 3

      • Tarantino

        Se economista entendesse de alguma coisa o país não estaria essa zona. Qualquer português dono de padaria tem mais bom senso do que esses economistas vagabundos.

        Thumb up 2 Thumb down 2

    • Carlos

      Toda obra pública passa por pelo mínimo estudo de demanda ( quantidade de futuros e atuais usuários ), viabilidade ( custo, tecnologia ), e impacto ( seja político, economia, … ). Creio que não há político que queira fazer suicídio fazendo obra baseado só no fazer de qualquer jeito. As intenções podem ser sórdidas neste caso ( corrupção, lavagem de dinheiro … ), mas sempre são calculadas. Se não o fazem há o MP para averiguar … Um exemplo disto é a troca do muro da Raia Olímpica da USP. É uma demanda ? É viável ? E o impacto ? Com certeza é um estudo de demanda ( cidade linda, mais dinheiro para os cofres públicos ), viável ( com certeza é simples ), impacto ( pretendido: uma maior visibilidade para Universidade de São Paulo ). Mesmo que seja uma obra PPP. Acabam sugando a energia e dinheiro da administração pública. Portanto, a nossa atitude é verificar não somente projetos de ciclovia, mas também o maquinário da prefeitura. AFinal quem te que dar uma olhada nestes projetos ? Administradores com certeza, porque serão cobrados por sua probidade, como toda administração é dirigida por político, acabem interferindo em quais projetos tem sinal verde. No entanto, quem tem dar uma olhada nestes projetos são os cidadãos, principalmente porque são diretamente afetados por eles.

      Thumb up 1 Thumb down 0

  • federica giovanna fochesato - Kika

    Mais uma vez, a GIGANTE preocupação: municípios de médio porte, como SJCampos, interior de SP,seguirem tb com a implantação de leis “anti-ciclovias” semelhantes a essa da capital SP.A parte do estudo de demanda… foi o que mais me revoltou entre todos os itens da nova lei. Sobre o copiar/seguir sampa: digo isso, pois por aqui tb tivemos, neste ano, mudança de gestão e segue bem clara a “disputa política” visto que não houve UM CENTÍMETRO DE MANUTENÇÃO em nossa atual malha cicloviária desde que o atual prefeito (Felicio Ramuth – PSDB) assumiu. Anúncio então de aumento da malha cicloviária existente (que aliás, duplicou na gestão anterior – Carlinhos de Almeida – PT)… nem pensar!!!! A sociedade vem clamando pela básica manutenção e nada até agora. E como sabemos… o estar “abandonado” (que é o que está acontencendo com nossas ciclofaixas em SJC, por ex.) é um convite à invasao, sendo portanto até uma estratégia de ação da nossa PMSJC. Assim, temos visto claramente mais veículos estacionando e circulando pelas nossas ciclofaixas que carecem de reforça da pintura delimitadora, inserção de tachões segregadores que soltaram e muito mais para reverter o abandono. Triste ver aqui e acolá as gestões municipais seguirem ainda acelerando com a lógica rodoviarista – que privilegia aos veículos privados motorizados em detrimento dos meios ativos de transporte e transporte coletivo. O pior é que o preço ALTÍSSIMO dessa lógica pagamos todos nós… indo e vindo de carro ou não. Pagamos em grana, em qualidade do meio e com as próprias vidas tb. Achava eu que estava ficando um pouco mais pra trás… o tal apocalipse motorizado diante dos avanços conquistados, com muita luta, nos últimos anos!!! Volta a ser, portanto, o pedal de cada dia a RESISTÊNCIA por si só. Vamos em frente disseminando a importância dos modos ativos de transporte (e do trans. público tb) entre mais pessoas! Seremos nós a fazer a mudança… de baixo pra cima… como sempre foi!

    Comentário bem votado! Thumb up 9 Thumb down 4

  • régulo

    A resposta tem que ser via judicial. Essa lei contraria os princípios do CTB, do Estatuto das Cidades e da lei de mobilidade, tem que ser declarada inconstitucional. Me parece tambem que tem vício de origem, pois esse assunto deve ser de iniciativa do executivo. Enquanto estiver em vigor, se os estudos de viabilidade não estiverem regulamentados, pode ser argumentada sua ineficácia.

    Comentário bem votado! Thumb up 17 Thumb down 3

  • Fe

    O projeto de lei é benéfico para ciclovias e ciclofaixas! Acho que nem o autor do blog leu a lei (por acaso a lei que citam no post nem existe). O que tem de ruim em se propor um melhor planejamento para aumentar e melhorar as ciclofaixas/vias?

    “Art. 4º-A. A implantação do Sistema Cicloviário do Município de São Paulo será
    orientada pelas seguintes diretrizes:
    I – integração com os modos e serviços de transporte urbano;
    II – preferência pela implantação de trechos cicloviários de forma contínua e
    interconectada, permitindo a ligação eficiente entre bairros e distintas regiões do Município;
    III – transparência e mitigação dos custos ambientais, sociais e econômicos;
    IV – promoção contínua de esforços para a convivência segura entre ciclistas,
    pedestres e modais de transporte motorizado;
    V- incentivo à participação popular na definição dos trechos cicloviários a serem
    implantados;
    VI – prevalência de soluções cicloviárias tecnicamente viáveis, harmônicas com
    desenvolvimento urbano sustentável e com os demais dispositivos legais pertinentes à
    mobilidade urbana.”

    Comentário bem votado! Thumb up 11 Thumb down 4

    • George Queiroz

      Ao contrário do que os não-ciclistas e pessoal do contra espalham por aí, praticamente todas as ciclovias implantadas em São Paulo atendem a esses requisitos. A ideia do projeto é outra, tanto que foi proposto por um vereador que faz campanha diária na internet contra as ciclovias. Eu você e a torcida do Flamengo sabemos que o que ele quer é burocratizar para não fazer, no melhor estilo daquela promotora que tentou barrar a ciclovia da Avenida Paulista, que pela ótica desse vereador jamais teria sido feita.

      Comentário bem votado! Thumb up 13 Thumb down 6

      • Carlos

        Aí que apoio ou crítica a vereadores tem sentido. Contudo, se não conhece os políticos e projetos, qualquer manifestação vai virar massa de manobra. Então mudaça de mentalidade se faz necessária, no dia-a-dia.

        Thumb up 0 Thumb down 0

  • Ronaldo Tonobohn

    Que tristeza! Como é doloroso ver essas notícias! Quanto trabalho bom, quanto avanço na discussão da ocupação do espaço público, da sustentabilidade, jogado fora assim, quase que por capricho. Muito triste!

    Polêmico. O que acha? Thumb up 10 Thumb down 7

    • Carlos

      A maioria dos vereadores e servidores públicos tem uma página em redes sociais. Além dos canais públicos, temos esse canais para expressar apoio ou reprovação.

      Thumb up 0 Thumb down 0

  • Sergio Trindade

    É uma inovação na gestão municipal:. São Paulo terá mais de 9 mil km de Ciclovias para Automóveis.
    O prefeito assegurou ainda que vai acelerar a implantação do sistema cicloviário, depois de engatar a marcha à ré.
    Sempre na vanguarda do atraso.

    Comentário bem votado! Thumb up 11 Thumb down 2

  • Waltair

    Gostaria muito de ver os ciclistas em São Paulo protestando agora e durante as eleições contra esse Doria. O que ele derruba de conquista social não é brincadeira.

    Comentário bem votado! Thumb up 20 Thumb down 8

    • Claudinei de Jesus Oliveira

      Parágrafo único. A implantação dos trechos cicloviários deverá ser precedida pela
      realização de audiências públicas e pela apresentação de estudos de demanda, de viabilidade
      e de impacto viário, os quais deverão ser integralmente divulgados em sítio eletrônico próprio.

      Só esse parágrafo já inviabilizou o projeto todo!

      Thumb up 3 Thumb down 2

  • Shirley Vaz

    Quando algumas pessoas aprenderem a votar. Quem sabe o país siga em frente. Essas propostas já estavam previstas e mesmo assim, algumas pessoas nem se importam, uma propaganda ganha mais votos do que saber usar o bom senso. Parabéns para a população de São Paulo. Parabéns por ajudar o pais a regredir.

    Comentário bem votado! Thumb up 9 Thumb down 3

  • Tiago

    Que triste ler isso mas infelizmente eu já imaginava exatamente isso…
    Vamos a luta, mais manifestações são necessárias e podem contar comigo para isso.
    Precisamos de cidades mais humanas, menos caoticas, menos poluída e etc..

    Comentário bem votado! Thumb up 10 Thumb down 6

  • Mauricio R. Muller

    Dificil entender como o Brasil, em especifico O ESTADO DE SP, conseguem ser retrógrados em assuntos de tamanha prioridade em outros paises. Valorizar o que traz mais comodidade e dinheiro em detrimento da valorização da vida e da qualidade e saude das pessoas. Meus parabéns ao “defeito”…ops…Prefeito joao Doria pelo seu minusculo cérebro e por colaborar ou talvez nao dar a minima aos ciclistas que morrem todos os dias em vias “PUBLICAS”. Ciclistas estes, que tentam colaborar e trazer tantos beneficios À sociedade ou que muitas vezes nao tem outra alternativa de transporte – ou por que o transporte publico e uma piada, ou por que vale mais pena se arriscar nas avenidas ao colaborar com a industria das multas que tiram millhoes do bolso do trabalhador e nao cumpre seu papel que é tirar de circulacao ofensores e bebados das ruas. – mas que sao ignorados por aqueles que julgam melhores cidadãos por andarem de carro e pela estupidez de um governo composto de energúmenos.
    Tenho infelizmente que dizer mais uma vez que Brasil esta de Parabéns…como sempre, mais passo pra trás.

    Comentário bem votado! Thumb up 10 Thumb down 4

  • Rodrigo

    O interessante eh que os motoristas nunca tomaram tanta multa em São Paulo como no governo do JDJ. “Acelera! Pra eu te multar!” KKKKK

    Comentário bem votado! Thumb up 13 Thumb down 2

  • Marcos Mauro

    A real é que nós temos o que merecemos. Era claro que isso iria acontecer, um prefeito elitista não sabe se quer o que é andar de onibus, não era esperado que ele atendesse nada mais do que os anseios dos nossos empresários que visam o lucro em detrimento da qualidade de vida. Carro é prioridade e obrigar pessoas a comprar carros é primordial, o resto não importa.

    Eu sinceramente cansei de protestar, a gente briga, briga, e quando chega nas urnas é a mesma lastima de sempre. No final isso tudo é reflexo da nossa sociedade, temos o que merecemos.

    Comentário bem votado! Thumb up 19 Thumb down 3

  • marcos

    Foda-se. O importante são os 20 centavos.Povo ir pra rua pra voltar a sofrer, é muito burro mesmo. Quem elegeu Doria, vai eleger Huck.

    Polêmico. O que acha? Thumb up 6 Thumb down 5

Enviar resposta

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>