Ciclista pedala de máscara na Ciclovia Rio Pinheiros. Foto: Willian Cruz/Vá de Bike

O que abre e o que fecha para o ciclista na Fase Emergencial em SP

Ciclovia Rio Pinheiros, Ciclofaixa de Lazer, parques, lojas, bicicletários e até grupos de pedal: o que fecha e o que permanece aberto

Desde 15 de março, o estado de São Paulo está na chamada Fase Emergencial de enfrentamento à pandemia. O objetivo é reduzir a circulação de pessoas e, com isso, diminuir a propagação da COVID-19.

O levantamento abaixo foi realizado quando todos os municípios do estado entraram na Fase Vermelha, em 6 de março, mas as regras continuam valendo – e foram atualizadas onde necessário, como no caso da Ciclofaixa de Lazer, que agora está suspensa.

As informações referem-se à cidade de São Paulo, mas a maior parte delas serve para todo o estado.

Parques

Os parques ficam fechados durante o período restritivo, tanto os estaduais quanto os municipais. As prefeituras não estão autorizadas a abrandar as medidas determinadas pelo governo estadual, sob pena de notificação administrativa e sanções judiciais junto ao Ministério Público.

Ciclista e pedestres usando máscaras no Parque Ibirapuera, em São Paulo: fechado na Fase Vermelha. Foto: Willian Cruz/VdB

Portanto se você pensava em pedalar em algum parque, terá que fazer isso nas…

Ciclovias e ciclofaixas

Por se tratarem de espaço público, geralmente junto ao viário, as ciclovias continuarão podendo ser utilizadas.

Aliás essas estruturas são uma excelente alternativa à inevitável aglomeração do transporte coletivo, constituindo uma opção muito mais segura e saudável que o ambiente fechado e restrito de ônibus, metrô e trens, onde via de regra o distanciamento social se torna impraticável.

Ciclofaixa da Avenida Rebouças, uma das estruturas implantadas em 2020 pela gestão Bruno Covas (PSDB). Foto: Willian Cruz/VdB

Há algumas ciclovias que ficam em locais com acesso controlado e na maioria dos casos não poderão ser utilizadas – como as que ficam dentro de parques, já que esses locais estarão inacessíveis. Mas há outra ciclovia em São Paulo, com controle e horários de acesso, que é muito usada pelos ciclistas. Estamos falando da…

Ciclovia Rio Pinheiros

Apesar de estar em espaço público estadual, essa ciclovia da capital paulista tem acesso controlado e horários de funcionamento. Por isso, surge o questionamento específico quanto a esse espaço, utilizado tanto para deslocamento quanto para passeios e treinos esportivos.

Em uma live do canal Movimento Central na noite de 3 de março, Michel Farah, responsável pela Farah Service, empresa que administra o espaço da ciclovia, afirmou que a ciclovia continuaria aberta durante a Fase Vermelha. E confirmamos que permanece aberta também na Fase Emergencial, por ser essencial para deslocamentos.

Farah conta que 60% das 80 mil bicicletas que passam mensalmente pela Ciclovia Rio Pinheiros estão sendo usadas para deslocamento. “Por isso a via permanecerá aberta na fase vermelha”, justifica. Mas alerta: “não é o momento para fazer esporte ou treinamento, mas para usar como transporte“.

O empresário chamou atenção também para a importância do uso de máscara na ciclovia. “Isso é uma regra para uso do espaço. Não é hora de críticas e de achismo, é todo mundo se unir e tentar respeitar as regras que são feitas no mundo todo, não só aqui.”

Farah, que contraiu Covid-19 recentemente mas conseguiu se recuperar, reforça a importância de se proteger contra a doença: “Não é um momento fácil porque é uma loteria. Não adianta ser atleta, não ser atleta, estar no peso ou fora do peso. Me considero com sorte por ter passado com facilidade em relação aos sintomas”, relata, fazendo a ressalva de que chegou a ter uma pneumonia associada ao coronavírus.

Ciclovia Rio Pinheiros, uma das mais usadas pelos ciclistas paulistanos, tanto para deslocamentos como para o lazer. Foto: Willian Cruz/VdB

Outro espaço que também gera dúvidas quanto à disponibilidade na Fase Vermelha do Plano São Paulo é a…

Ciclofaixa de Lazer de São Paulo

Durante a Fase Vermelha, a Ciclofaixa de Lazer foi mantida operando. De acordo com a Uber, a ativação da ciclofaixa foi mantida “por autorização da CET”.

Entretanto, agora na Fase Emergencial, a operação da Ciclofaixa de Lazer foi suspensa. Não há data para retorno. Saiba mais aqui.

Operada pela Uber aos domingos em parceria com a prefeitura de São Paulo, a Ciclofaixa de Lazer é tecnicamente uma ciclovia operacional, ou seja: um espaço segregado para a circulação de ciclistas que tem dia e hora para acontecer. Por sinal a Ciclovia Rio Pinheiros também se enquadra nessa definição, já que tem horários de funcionamento.

Ciclista pedala de máscara na Avenida Paulista, na Ciclofaixa de Lazer de São Paulo. Foto: Marcelo Pereira/Secom

Outra opção de lazer e prática esportiva muito comum entre os ciclistas são os…

Grupos de pedalada

É impossível saber com exatidão o que decidem os guias e membros dos inúmeros grupos de pedal em todo o estado. Certamente alguns continuam se reunindo, outros tiveram maior consciência e fizeram uma pausa em suas atividades. Portanto, depende do grupo.

Nossa recomendação é não se arriscar em atividades em grupo nesse momento, em que a doença se espalha de forma assustadora e chegamos ao ponto de não haver leitos de UTI em hospitais. Além da possibilidade de contaminação, existe sempre a possibilidade de acidente que necessite de um atendimento hospitalar que não estará disponível.

O Pedala Itaquera, tradicional grupo da Zona Leste paulistana, um dos que decidiu suspender as atividades desde a Fase Vermelha. “O grupo oficialmente vai dar essa parada por conta do aumento do casos nos hospitais e não queremos colaborar com o número. Iremos respeitar, zelando a segurança de todos”, afirma Sergio Teles de Lima, um dos principais líderes do grupo.

O grupo pretende promover atividades para os ciclistas fazerem em casa, com competições virtuais valendo medalhas. “Ficar em casa sim, mas sem ficar parado”, ressalta Sergio.

O Pedala Itaquera é um dos grupos que decidiu suspender as atividades durante a Fase Vermelha. Foto: Sergio Teles de Lima/Pedala Itaquera/Divulgação

Mas se você pretende (ou precisa) continuar pedalando, talvez precise de uma peça, um acessório, um reparo. É aí que entram as…

Lojas de bicicletas

As vendas presenciais em comércios não essenciais continuam fechadas durante a Fase Emergencial do Plano São Paulo. Mas se a bicicleta é essencial para o deslocamento das pessoas, as lojas também não deveriam ser enquadradas nessa categoria?

Em março de 2020, o serviço de mecânica de bicicletas foi considerado essencial, para que possamos manter nossas bikes em condições de rodagem. Com isso, as lojas que oferecerem esses serviços poderão operar, mas devem permanecer com controle de acesso de público, preferencialmente com as portas fechadas e funcionamento apenas do serviço de mecânica.

Claro que se for necessária uma peça para o reparo, a loja poderá fazer essa venda. Mas a compra de acessórios, peças e outras mercadorias só pode ser feita por delivery ou retirada na porta da loja, com os pedidos sendo feitos por telefone ou internet – regra que vale para todo o comércio.

Mas atenção: por serem feriados, boa parte das lojas pode não abrir. Principalmente porque há regras específicas sobre o trabalho de funcionários em feriados.

A Associação Brasileira do Setor de Bicicletas (Aliança Bike) indica que seja colado um cartaz contendo o decreto e o reconhecimento da mecânica de bicicletas como serviço essencial. “É uma medida importante para avisar clientes e eventual fiscalização”, instrui a entidade, em comunicado aos associados.

O cartaz sugerido pela Aliança Bike aos lojistas que oferecerão serviço de mecânica durante a Fase Vermelha do Plano São Paulo.

Clique aqui para baixar o cartaz em PDF

E se você continua se deslocando de bicicleta por aí, principalmente se opta por ir ao trabalho com ela, você pode vir a precisar dos…

Bicicletários em terminais

Quando do início da Fase Vermelha, questionamos a SPTrans, órgão responsável pelos transportes públicos no município de São Paulo, se os bicicletários em terminais e estações de transporte coletivo continuariam com funcionamento normal.

A resposta foi curta, direta e, felizmente, em tom de obviedade: sim, terão operação normal. Entendemos que a mesma regra vale para a nova fase.

A CPTM nunca respondeu à nossa solicitação de informação sobre os bicicletários da rede de trens paulista, mas esse serviço também continuou funcionando na Fase vermelha e deve continuar na Emergencial.

Bicicletário do Terminal Campo Limpo (antes da reforma). Foto: Arquivo SPTrans

Mas pode ser que você não use esses bicicletários e precise de outro, o…

Bicicletário da Faria Lima

Operado pela Tembici, a mesma empresa que opera o sistema de bicicletas compartilhadas de São Paulo, esse bicicletário tem uso gratuito e funciona 24h. Fica localizado no Largo da Batata, próximo a uma das saídas da Estação Faria Lima do Metrô, Zona Oeste da capital paulista.

A empresa nos confirmou, no início da Fase Vermelha, que o bicicletário é considerado serviço essencial. Ele portanto continua operando 24h.

Bicicletário do Largo da Batata (Faria Lima), em São Paulo. Foto: Willian Cruz

E por falar em Tembici, você também pode optar pelas…

Bicicletas compartilhadas

As “laranjinhas”, como são conhecidas as bicicletas compartilhadas da capital paulista, representam uma importante forma de deslocamento rápido na cidade, seja para quem não tem bicicleta, para quem não quer ter que procurar local seguro para estacionar no destino e até mesmo para ciclistas que trabalham por aplicativo, que usam as bicicletas de compartilhamento para fazer suas entregas.

O Bike Sampa continua funcionando normalmente durante essa fase de restrição, por ser também considerado um serviço essencial.

Limpeza frequente e QR code

A Tembici nos informou que reforçou o processo de higienização das bikes e estações desde o início da pandemia. Além da limpeza diária com álcool 70%, ainda no centro de operações, todas as bikes são lavadas com cloro diluído em água.

E uma novidade interessante no sistema é a liberação das bicicletas através de QR Code, para que o usuário não precise digitar os códigos no dock das estações para destravar a bicicleta. O sistema já é utilizado em outras praças, com alta taxa de adesão: no Bike PE, 60% dos desbloqueios já são feitos dessa forma.

Mesmo com a limpeza recorrente das bicicletas e das estações, a empresa recomenda que os usuários também apliquem álcool em gel nas mãos antes e depois de utilizar as laranjinhas, além de fazer uso de máscaras.

Estação do sistema Bike Sampa, no Itaim Bibi, em registro feito antes da pandemia. Foto: Willian Cruz/Vá de Bike

Colabore

O objetivo das restrições acentuadas na Fase Vermelha do Plano São Paulo é diminuir a propagação do vírus a partir da diminuição de circulação das pessoas. Por isso, colabore: se a atividade que você pretende fazer não for essencial (como trabalho, mercado, farmácia, etc.), evite sair às ruas.

Se precisar ir a algum lugar, prefira a bicicleta ao transporte coletivo. E use máscara para pedalar.

Com o esforço de todos passaremos por esses tempos difíceis e poderemos pedalar juntos novamente mais adiante.

Uso de máscara

O uso de máscara é obrigatório no estado de São Paulo, não só em estabelecimentos comerciais mas também em áreas públicas. Pessoas que estejam circulando nas ruas sem máscaras, ou sem cobrir corretamente o nariz e a boca, estão sujeitas a multa de R$ 552,71 (19 Ufesps).

A Vigilância Sanitária é encarregada de fiscalizar e realizar abordagens, podendo pedir apoio policial quando necessário. O infrator terá o número de CPF solicitado no ato de aplicação da multa e receberá o auto de infração, com prazo de dez dias para defesa.

A fiscalização, convenhamos, é muito fraca. Mas é uma questão de coerência, inteligência e bom senso: com mais de 3 mil mortes diárias, não dá mais para questionarmos o uso de máscara, que é o cuidado mínimo necessário para reduzir a disseminação do coronavírus.

Tire aqui suas dúvidas sobre o uso de máscara para pedalar

Antecipação de feriados no município

No dia 18 de março o prefeito Bruno Covas (PSDB) anunciou a antecipação de cinco feriados municipais, que já começaram a valer a partir da última sexta-feira (26). Dessa forma, comércio e serviços não essenciais, bem como diversos serviços públicos, ficam paralisados por dez dias, numa tentativa de reduzir a circulação de pessoas e, com isso, a propagação da COVID-19.

Nessa antecipação, entraram até mesmo feriados que ocorreriam apenas no próximo ano:

  • Corpus Christi – 3 de junho de 2021
  • Consciência Negra – 20 de novembro de 2021
  • Aniversário da cidade – 25 de janeiro de 2022
  • Corpus Christi – 16 de junho de 2022
  • Consciência Negra – 20 de novembro de 2022

Como a sexta-feira 2 de abril já seria feriado (Sexta-Feira Santa), forma-se um lockdown de 10 dias contínuos, com as atividades retornando na segunda-feira 5 de abril.

Prorrogação da fase emergencial no estado

O Governo do Estado também decidiu prorrogar a fase emergencial. “Em virtude dos números da pandemia e da insistência do crescimento da pandemia, apesar de todas as medidas adotadas, o Governo de São Paulo prorroga até o dia 11 de abril a fase emergencial”, anunciou o Vice-Governador e Secretário de Governo Rodrigo Garcia, em coletiva de imprensa nesta sexta-feira, 26 de março.

A fase emergencial determina toque de recolher nos 645 municípios todos os dias, entre 20h e 5h, além de impedir o acesso a parques e praias. Qualquer tipo de aglomeração está proibido. O uso de máscaras deve ser intensificado em qualquer ambiente interno ou externo de acesso público.

As medidas mais duras de restrição de circulação pública são uma tentativa de frear o aumento de casos e mortes por COVID-19 e reduzir a sobrecarga em hospitais públicos e particulares.

A fase emergencial determina toque de recolher nos 645 municípios todos os dias, entre 20h e 5h, além de impedir o acesso a parques e praias. Qualquer tipo de aglomeração está proibido. O uso de máscaras deve ser intensificado em qualquer ambiente interno ou externo de acesso público.

Denúncia de aglomerações e festas clandestinas

Você pode denunciar aglomerações, festas e eventos clandestinos pelos telefones 0800-771-3541 (ligação gratuita) e 3065-4666, pelo site do Procon-SP ou pelo e-mail secretarias@cvs.saude.sp.gov.br

Preciso mesmo de máscara para pedalar?

Tire aqui suas dúvidas:

 

Apresentação do entrevistado, Dr. Samuel Lopes 0:00
Preciso mesmo usar a máscara? Por que? 2:05
Me alimento bem, tenho boa saúde, preciso usar? 4:12
E quem já teve Covid? Usa ou não? 7:40
Tem que trocar quando a máscara fica úmida? 9:13
Respirar CO2 na máscara faz mal? 11:01
Fiquei sem fôlego, posso tirar a máscara? 13:14
Mas você pratica esporte de máscara pra saber? 16:35
Qual a melhor máscara pra pedalar? 17:50
Quem ficou parado pode voltar de uma vez? 19:36
Você não preferia *não* usar a máscara, doutor? 😀 22:04
Qual conselho você deixa pros ciclistas? 23:47
Contato para dúvidas com o Dr. Samuel 25:16
Bônus 1: Teste de oxigenação com atleta olímpica 26:09
Bônus 2: Teste de corrida de 35 km com máscara 26:41
Encerramento 27:07
Bloopers (erros de gravação) 27:54

1 comentário em “O que abre e o que fecha para o ciclista na Fase Emergencial em SP

  1. Na ciclofaixa hoje diversos pelotões sem usar máscara e sem respeitar os ciclistas iniciantes ou a transporte, fazendo ultrapassagens perigosas ou tomando toda a via e não deixando ninguém passar de forma segura.
    Uns agressivos insinuando que vão derrubar ciclistas amadores. Deviam ser proibido pelotões com mais de 4 pessoas na ciclovia, especialmente agora na fase vermelha.
    Epor último. Podiam criar parcerias pra educar os ciclistas. Ficam gritar esquerda como se todo mundo entendesse.Melhor seria falar passando pela esquerda. Vc fala esquerda e as pessoas metem a bike pra esquerda ou se assustam achando que vem um carro ou caminhão atrás. Pessoal devia ser mais gentil.

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *