Como derreter o coração de um motorista estressado

Foto: Luciana Spedine

Flores e animais. Foto: Luciana Spedine

Texto da amiga Luciana Spedine, de São Paulo:

Hoje fiz o percurso rural: vi animais dentro de bolhas, mas vi também flores na beira da estrada. São Miguel Arcanjo foi requisitado algumas vezes.

Na subida da Heitor Penteado, a coisa melhorou com o corredor quase exclusivo pra mim. Os motoristas até avançaram pra segunda faixa pra me ultrapassar, porque eu, na subida, em vias rápidas, pedalo sim no meio da faixa. Julguem-me.

Na Dr. Arnaldo, com alguns ônibus no corredor, fui pra segunda faixa pra deixá-los passar e ouvi em seguida uma buzina… de outro ônibus (!). Ele vinha relativamente rápido. Sinalizei pra ele ir pra faixa dele e, quando foi, estava preparada pra soltar uma bronca. Cheguei a soltar um “pra que buzinar??!!”. Ele passou rápido por mim e me olhou pelo retrovisor. Mudei a tática, balancei a cabeça e sorri pra ele (não sem uma piscada). Ele abriu o sorrisão.

Quando passei por ele, ainda na segunda faixa, diminui a velô e soltei a pérola: “Voce buzinou daquele jeito porque eu sou linda, ne?”. Ele riu um riso “com os olhos” e já tava com as duas pernas quebradas e o coração era puro doce de leite. hahahaha

Ele me ultrapassou antes da Consolacão com um aceno e eu o alcancei em frente ao Conjunto Nacional. Não eh que o bichinho estava de novo tentando ir pra segunda faixa??!! Eu buzinei, ele me obedeceu de novo e ficou no corredor.

Quando o ultrapassei e entrei no corredor pra entrar na Peixoto Gomide, ele vai pra segunda faixa, se aproxima de mim, reduzimos a velocidade e ele não se contem: faz um coraçãozinho com a mão, dá uma buzinadinha, dá tchau e segue pro seu dia longo e certamente menos estressante depois dessa mini surra de algodão doce que eu dei nele. Ate a senhorinha atrás dele sorria de contentamento (ou entretenimento – rsrsrs)

O pedal comecou mal, São Miguel Arcanjo teve que ficar colado em mim, mas derreter um coração estressado de um motorista não tem preço.

Veja também
Abordagem positiva

Constrangendo para educar

Motorista assustado

Conversa com um motorista de
ônibus que passou perto demais


34 comentários para Como derreter o coração de um motorista estressado

  • CAETANO GARCIA

    No caso da Luciana Spedine, acredito que tudo deu certo por se tratar de uma ciclista, mulher. Se fosse um ciclista homem, acredito que poderia ser bem diferente.
    Em resposta ao João Batista, eu ando com 2 buzinas na minha bike. Uma campainha clássica, para chamar a atenção de pedestres quando preciso, e outra digital, bem alta e aguda, para que os motoristas possam me ouvir. Ela é bem alta, mas não agride as pessoas no entorno, coisa que acho muito importante.

    Agradeço a participação

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • no texto(muito bom) da Luciana Spedine ela conta,em determinado momento, que buzinou para o motorista de ônibus.Gostaria de saber se é importante ter buzina na bike e qual seria a melhor buzina. Abraço a todos.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Diogo

    lu uma vez estava indo no centro de onde moro penha, e eu tava na faixa exclusiva de onibus (na verdade estacionamento) e tinha um honda fit me empurrando perguntei pra ele se ele iria entrar no posto ele ficou bravo comigo pq eu nao saia da frente,…deixei ele ficar esperando so de pirraça pq ele dever a obrigação de me esperar

    Thumb up 1 Thumb down 1

  • Walkiria

    Olá,
    Tenho uma dobrável e um problema que é um funcionário da cptm de jundiaí.Ele exige uma capa. Ouvi dizer q tem um gabarito p fazer a capa. Vocês sabem algo a esse respeito?
    Grata

    Thumb up 0 Thumb down 0

    • Oi, Walkiria. A maioria das dobraveis têm uma capa como acessório que pode ser adquirido à parte. Você pode tentar improvisar com um saco de lixo preto bem grande e alegar que ela está “embalada” e dentro das regras…

      Thumb up 1 Thumb down 0

  • Caru

    Ah que linda Lu!
    Eu uso essa tática qnd dirijo… muito bom surras de algodão doce!! Amei tudo e viva são miguel arcanjo :)
    beijinho

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Filipe

    Há Luciana só pelo fato de vc ser do sexo feminino ja ajuda 50% pra acalmar o animal se for homem no volante, mas o problema tambem pra mim foi confrontar com outras mulheres estressadas e apressadas no volante, acredito que não é tão facil assim, tambem nem sempre vc pode estar disposto a ser tão alegre depois de tomar fechadas propositais, unico jeito mesmo seria a ciclovia seria 100% da solução…mas bem vindo a uma terra de corruptos né…

    Thumb up 1 Thumb down 1

  • hugo

    Oie Luciana! Uma pergunta. Na Heitor Penteado, você anda no corredor mesmo o na faixa do meio ( no meio da faixa do meio então ;) ?

    Pedalo diariamente no mesmo trecho que você e o primeiro dia do corredor da Heitor Penteado foi horrível para mim! Aquele dia continuei de andar na faixa de direita, novamente exclusiva para ônibus, e nessa subida me ultrapassarão 2 ônibus com uma proximidade assustadora(!!!), como para significar-me que a faixa era deles. Eu não gosto de atrapalhar ônibus, mas realmente em sp as vezes não sei aonde andar…

    Corredores merecemos aonde não ciclofaixa! Isso é meu punto de vista de ciclista europeu! Estou sentindo que todos esses novos corredores de ônibus piorarão a segurança do ciclista.

    Para quando una bici pintada no asfalto daquelas vias exclusivas, as vezes vazias.. lindas! :) )

    Adorei sua historinha e acho que vou sempre pensar em você antes de pensar em ficar revoltado com motoristas…… <3

    Thumb up 2 Thumb down 1

    • Luciana

      Oi Hugo,
      Sim, ando no meio da faixa do corredor de onibus, especialmente na subida, pois assim o onibus nao me espreme na ultrapassagem. Tambem faço isso pra me fazer vista e porque ali os veiculos, inclusive os onibus, sobem sempre em alta velocidade, o que os obriga a reduzir a marcha quando se aproximam.
      Quando minha intuicao fala mais alto, ali na subidinha, e sinto um carro ou onibus se aproximar demais, faço duas coisas: 1) sinalizo gentilmente pra irem para a outra faixa; ou 2) finjo que acho que eles estao me dando a passagem e, sem olhar pra tras, agradeco a “preferencia”. Esta também é uma forma de quebrar o gelo qunado eles se aproximam demais.

      Tenho me sentido mais segura agora que a faixa virou corredor, mas ainda assim, ali naquele trecho, é preciso olho vivo e faro fino, pois tem sempre um motorista querendo fazer ultrapassagens rápidas e curtas pela faixa da direita.

      Precisando de ajuda, Hugo, é só avisar e subimos juntos a Heitor.

      Bom pedal!

      Thumb up 3 Thumb down 0

      • hugo

        Muito muito obrigado pelas dicas Luciana! Pedalar em sp é uma experiência não só desportiva e intensa, mas também um pouquinho intelectual! Eh um “combate” grande para o ciclista chegar a ser respeitado aqui. E gosto muito das suas “armas” Luciana!!! Obrigado por compartilhar estrategias e… mais amor em sp!
        Seria um prazer te encontrar por ai e parar um pouquinho naquela subida(!) para bater um papo :)
        Se você ver um menino com capacete branco da um oi!
        Peace!

        Thumb up 1 Thumb down 0

  • Anapaula

    “surra de algodão doce” hahaha… gostei!
    Legal sua atitude.

    Thumb up 3 Thumb down 0

  • Priscila

    Abordagem positiva. É o melhor caminho a seguir. Acabo de ver da janela de casa uma cena lamentável. Ciclista descendo a Teodoro Sampaio pela calçada, sem desmontar, em rápida velocidade e na contramão, colocando em risco a integridade dos pedestres. Um senhor foi lhe abordar no farol e o moço desceu da bici e começou a discutir com o senhor, tentando impor suas convicções. Pensei comigo que bastava um pedido de desculpas e um sorriso p que nos ciclistas, ganhássemos mais um amigo e defensor. Da forma como aconteceu, certamente ganhamos mais um “inimigo”.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • Eduardo

    Todo mundo acha legal. Até semana que vem quando as Pedalinas publicam outro texto contra assédio a ciclistas.
    Ciclista mandando beijo, flertando, falando que é linda pode. Motorista mandando beijo é assédio…

    Polêmico. O que acha? Thumb up 3 Thumb down 7

    • Luciana

      Eduardo, entendo sua colocação, mas o relato trata mesmo de gentileza, não de assédio. Já fui assediada e confrontei meu agressor – e foi muito constrangedor… pra ele, claro. Porque todo homem é macho pra agredir uma mulher, mas se sente encurralado quando questionado. Falar que sou linda foi uma opção pra não xingar o motorista e foi a escolha certa. Chega uma hora que, pra poder se preservar, é preciso mudar a estratégia.

      Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 0

      • Eduardo

        Do seu ponto de vista parece fácil. Coloque-se no meu lugar; imagine eu, negro, 1,90, 100kgs. mandando beijos para vc do meu carro.
        Em dois minuitos apareceriam aqueles textos das feminazis contra assédio.
        Isso porque todos são iguais…

        Polêmico. O que acha? Thumb up 5 Thumb down 4

        • Luciana

          Preconceito é mesmo uma praga. Espero muito que a gente se encontre por ai algum dia, porque a cor da sua pele ou seu tamanho nao vao importar. Boa semana, cheia de gentileza e surras de algodão doce pra todos nos. =D

          Comentário bem votado! Thumb up 7 Thumb down 0

  • Paolo

    valeu Luciana…tambem estou apaixonado por ti!

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  • Nelson Oliveira

    Parabéns Luciana, show de bola seu depoimento.
    E que continuemos sempre assim…

    Thumb up 3 Thumb down 0

  • “Surra de algodão doce”

    Amei.

    Comentário bem votado! Thumb up 7 Thumb down 0

  • Leandro

    Da ultima vez que mandei beijinho pra motorista, o cara desceu do carro e veio querer me bater, acho que ele não gostou da minha barba.

    Bom texto teve muito bom humor e paciencia para enfrentar o mal humorado. rsrs

    Comentário bem votado! Thumb up 15 Thumb down 1

  • Leonardo

    Linda história.

    Vejo muito relato de enfrentamento com os carros e isso só gera mais atrito.
    O argumento mais forte é o sorriso e a gentileza. Nessa história todos saíram felizes.

    Agora quando se parte pro insulto ou para a rispidez, perdemos o respeito do motorista, geramos mais atrito e nos irritamos.

    Parabéns pela atitude!

    Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 1

  • Rafael

    Na real, tenho buscado interagir com os motoristas no corredor paulista/dr arnaldo. Acredito que seja plenamente possivel compartilhar o corredor (ônibus/bicicleta). Como eles param nos pontos de onibus, acabamos, os ciclistas, sendo mais rápidos que eles e dificilmente ultrapassados. Só é preciso que eles lembrem que existimos, por isso acho importante essa interação, como da Luciana.

    Porém, obviamente, isso não basta. A declaração do Secretário de Transportes no sentido de que devemos usar o corredor ajuda. Ajudaria mais ainda orientação e sinalização.

    Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

  • Rafael

    Legal a história, mas acho que o motorista achou que estava flertando, agora se o ciclista for homem dai complica… Fazer o que?

    Comentário bem votado! Thumb up 11 Thumb down 1

    • Luciana

      Nao rolou flerte, Rafael. Linguagem corporal. Cumprimento, quase diariamente, muitos homens durante meu percurso: frentista, jornaleiro, guarda de rua (troquei presentes com o guarda da rua de cima da minha casa), motoristas de onibus, manobristas. Eles nunca me passaram cantadas; quase todos estao na faixo dos 40 pra cima. Sinto que me respeitam justamente porque sou mulher. E nao sou jovenzinha. Eles devem imaginar que tenho filhos em casa. Trata-se de pura gentileza mesmo.

      Comentário bem votado! Thumb up 22 Thumb down 4

  • Luís Felipe

    “Voce buzinou daquele jeito
    porque eu sou lindo, ne?”.
    Kkkkkkkkkkk Adorei a frase, vou começar a usa-la de agora em diante.. Belo exemplo, Parabens!

    Comentário bem votado! Thumb up 8 Thumb down 0

  • Luciana

    Obrigada, Willian!
    Sejamos protagonistas de nossa luta por uma cidade mais humana e com mais “surras de algodao doce”.
    Um beijo!

    Comentário bem votado! Thumb up 14 Thumb down 0

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>