Desrespeito a ciclovias aumentou 62% em São Paulo em 2017

Táxi parado sobre ciclofaixa faz ciclista se arriscar em meio aos carros com uma criança na cadeirinha. Foto: José Renato Bergo/Clicados na Ciclovia

As autuações a motoristas que trafegam em ciclovias e ciclofaixas de São Paulo aumentou 62% em 2017, numa comparação entre os oito primeiros meses do ano (2.024 multas) com o mesmo período de 2016 (1.246). As multas aplicadas por estacionar estruturas também cresceu: o aumento foi de 24% nesse mesmo período (2.027 em 2017, contra 1.632 no ano passado).

São quase 17 motoristas multados por dia por colocar ciclistas em risco, considerando-se apenas essas duas infrações. Imagine quantos não são flagrados e você terá uma medida do tamanho do desrespeito a quem pedala na cidade.

Carros sobre ciclofaixa na Vila Prudente, forçando ciclistas a trafegar na contramão

Os dados são do Painel Mobilidade Segura, da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes, e foram levantados por reportagem do portal G1.

A quem questiona na página da CET no Facebook sobre o aumento do desrespeito aos ciclistas na cidade, a companhia responde que o crescimento no número de atuações resulta de um aumento na fiscalização. Mas como esse reforço se deu apenas em setembro, tudo indica que o aumento foi mesmo no comportamento de quem dirige.

Outro dado que demonstra que o aumento foi no desrespeito e não na fiscalização aparece na mesma reportagem: o número de multas manuais (registradas por agentes de trânsito e não por radares), subiu apenas 1,12% nesse período (2.261.721 em 2016 para 2.287.098 em 2017). Se as multas por desrespeito à estrutura cicloviária estivessem diretamente relacionadas ao esforço de autuação, não teriam subido 62%.

Ao mesmo tempo em que afirma que as autuações cresceram de janeiro a agosto devido ao aumento na fiscalização, o órgão admite que esse reforço aconteceu apenas em setembro, portanto fora do período avaliado.

Mortes crescem na cidade

Esse aumento no desrespeito às estruturas coincide com o aumento no número de mortes de ciclistas na gestão João Doria, número que cresceu bastante em relação a 2016. No primeiro semestre, foram 75% mais mortes que nos primeiros seis meses do ano passado.

Depois de uma pequena queda nesse crescimento no quarto trimestre (ainda assim, mantendo o índice acima de 2016), em outubro – um mês depois do reforço na fiscalização – voltamos a ter quatro mortes na cidade. Com esse número, temos ciclistas morrendo em São Paulo à taxa de praticamente um por semana.

Mortes de ciclistas em São Paulo – comparativo de janeiro a outubro (2016/2017). Fonte: Infosiga

Manifestação

Cansados das mortes constantes na cidade, pessoas de todas as idades, regiões e estilos de uso da bicicleta farão uma grande mobilização no próximo sábado (2/12), buscando uma cidade mais segura para nós e nossos filhos.

Participe, chame seus amigos e leve sua família. Confirme participação no evento e convide geral! Vamos fazer uma manifestação de peso, mostrando que existe bicicleta em São Paulo e que nossas vidas precisam de mais proteção e respeito.

Vem com a gente!


8 comentários para Desrespeito a ciclovias aumentou 62% em São Paulo em 2017

  • Carlos

    Uma outra coisa: toda essa briga é porque a prefeitura e o estado não investem o suficiente nos transportes públicos e melhoria das vias públicas. Então o problema não ter ou não ciclovia, o problema é o descaso da falta de manutenção, melhoria e ampliação de vias, sejam elas para veículos automotores, motos, bicicletas e pedestres. Essa briga toda serve para desviar a atenção para o mal serviços que a prefeitura e o estado está fazendo com relação aos transportes e vias.
    Poderíamos dizer que há uma impropridade ocorrendo nestas entidades públicas.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Carlos

    Há outro desrespeito: a falta de paraciclos e bicicletários. Em estabelecimentos comerciais, houve implantação de algumas, mas foi retirada ou foi impraticável o uso do bicicletário.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Alberto

    Um grupo paga imposto, outro não.

    Polêmico. O que acha? Thumb up 5 Thumb down 7

    • Netto

      TODOS pagam impostos meu caro, apenas isso.
      E mais: ciclovia e ciclofaixa é pra bicicleta e não pra carro de motorista folgado.

      Thumb up 5 Thumb down 2

      • Alberto

        Carro 0km: 30.000,00 impostos (IPI e outros): aprox. 12.000,00
        Isso sem contar o IPVA.
        Agora, a bicicleta…
        E o motorista é que é folgado?!
        Além disso, a maioria usa carro (ou transp. público motorizado), não bicicleta.

        Polêmico. O que acha? Thumb up 2 Thumb down 6

        • Marcos

          A folga aqui foi em desrespeitar os locais delimitados.

          Pedestre atravessando a rua para não ter que ir na faixa está sendo folgado também. Ciclista indo pra calçada está sendo folgado também. Carro na área delimitada a outro veículo é folgado, esteja ele pagando imposto ou boquete pro governo.

          Thumb up 2 Thumb down 2

        • Fabio

          Pago a saúde pública das pessoas que vc adoece. Quer mais?

          Comentário bem votado! Thumb up 4 Thumb down 0

    • Carlos

      Os dois pagam impostos, praticamente só um grupo recebe o que pagou, em forma de obras viárias. E ciclovia é uma das obras viárias, e urbanas. Por sinal, e, esse grupo, a dos veículos automotivos, mal recebe melhorias necessárias para circular. O custo de uma malha cicloviária é muito menor. Respeito para esse meio de transporte ajuda a dos veiculos automotivos, pois mais pessoas irão adotar a bicicleta e o trânsito ficará muito melhor para quem realmente precisa de veículos automotivos. É a falta de educação, não uma questão de impostos.

      Thumb up 0 Thumb down 0

Enviar resposta

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>