José Maria da Costa Júnior sorri no elevador do prédio onde mora, minutos após atropelar e matar Marina Harkot. Imagem: TV Globo/Reprodução

Justiça nega pedido de prisão do atropelador de Marina Harkot

Ministério Público manifestou-se pelo indeferimento

A Justiça de São Paulo negou o pedido de prisão preventiva de José Maria da Costa Júnior, o homem que atropelou e matou a ciclista Marina Harkot no domingo 8 de novembro, fugindo do local enquanto a jovem morria no asfalto.

O pedido de prisão havia sido feito pela Polícia Civil, que não pôde prendê-lo na terça-feira, quando se apresentou para prestar depoimento, por ter escapado do flagrante. O atropelador compareceu espontaneamente à delegacia, mas permaneceu em silêncio em frente ao delegado e não respondeu a nenhuma de suas perguntas.

Costa Júnior se apresentou quase 60 horas após o atropelamento e sua presença causou tumulto no 14º DP.

Justificativa

O próprio Ministério Público manifestou-se pelo indeferimento (negativa) da prisão preventiva.

Para que se possa prender preventivamente um acusado de crime, é necessário que esteja diante de um crime doloso com pena máxima superior a 4 anos, de um reincidente ou, ainda, em casos de violência doméstica e familiar, para garantir a execução das medidas protetivas de urgência. No caso aqui tratado, porém, nenhum desses requisitos se encontra presente. O investigado responde pela prática de crime culposo previsto na legislação de trânsito e é primário.

Agora será necessário aguardar julgamento para que ele possa – talvez – vir a ser preso.

Acompanhe os desdobramentos do caso:

Acompanhe o caso

Marina Harkot: um ano depois do atropelamento, o que mudou?

Três envolvidos, três versões: as contradições sobre a morte de Marina Harkot

Isabela Serafim confirma: José Maria bebeu antes matar Marina

Atropelador entra em contradição em entrevista ao Fantástico

Justiça nega pedido de prisão preventiva

Presença de atropelador causou tumulto no 14º DP

1 comentário em “Justiça nega pedido de prisão do atropelador de Marina Harkot

  1. O delegado é de uma incompetência irritante e a justiça é vagabunda. Depois, quando vai lá e mata o sujeito, dizem que é errado. Se fosse filha minha, esse assassino estaria com os dias contados.

    Thumb up 0 Thumb down 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *