Novos acessos da Ciclovia Rio Pinheiros, em São Paulo, trarão risco aos ciclistas

Forte ângulo de inclinação é o principal problema dos novos acessos. Foto: Rachel Schein

Forte ângulo de inclinação é o principal problema dos novos acessos. Foto:Rachel Schein

A Ciclovia Rio Pinheiros está recebendo uma série de adaptações, para que os ciclistas não tenham sua circulação interrompida durante os dois anos de obras do Monotrilho – Linha 17 Ouro do Metrô (veja quais são essas adaptações e a opinião dos ciclistas sobre elas). Dentre as mudanças estão dois conjuntos de acessos à margem oposta do rio, para que se possa usufruir da pista que foi pavimentada ali, um na ponte João Dias e outro na Ponte Cidade Jardim. Nesta última, haverá também acessos externos.

Seria tudo ótimo se esses acessos não fossem através de escadas com um ângulo de inclinação muito forte. Em todas as reuniões de que participamos, deixamos claro que seria muito melhor utilizar rampas, como em quase todos os acessos já existentes. A única entrada da Ciclovia que utiliza escadas é o acesso da Vila Olímpia, mas apenas porque foi preparada sobre um acesso já existente, utilizado para entrar a pé na área da Usina de Traição a partir da estação de trem.

No dia 24 de fevereiro de 2014, representantes dos ciclistas fizeram uma visita às obras para verificar o andamento. Rachel Schein estava por lá e preparou as fotos que você vê nesta matéria.

Veja a galeria completa, com fotos dos acessos e da pista nova

Perigo de queda

Visão lateral de um dos novos acessos, na Ponte Cidade Jardim. Foto: Rachel Schein

Visão lateral de um dos novos acessos, na Ponte Cidade Jardim. Foto: Rachel Schein

Sempre ressaltamos que as escadas são péssimas para os ciclistas, por diversos motivos. Os principais são que nem todos que utilizam a bicicleta têm perfil de atleta e que idosos, crianças, pessoas com problemas de coluna, com pouca força nos braços ou com bicicletas muito pesadas já enfrentam dificuldades no acesso da Vila Olímpia, chegando em alguns casos a deixar de utilizar a ciclovia por conta disso. As escadas também constituem fator de risco, principalmente com piso metálico, representando possibilidade de quedas e até fraturas.

Empurrar uma bicicleta escada acima, em uma canaleta estreita e com inclinação forte como essa, sobretudo com piso molhado e/ou sapatilha de ciclismo (que possui um “taquinho” de metal na sola), representa um risco alto de queda. E rolar uma escada com um bicicleta caindo por cima de você não deve ser agradável.

Durante as reuniões com os representantes da obra reforçamos que, se fosse imprescindível utilizar escadas, elas deveriam ter uma inclinação menor, utilizando-se degraus mais largos para obtê-la. Mas vê-se que essa demanda foi ignorada.

Ângulo impraticável

Além do acesso ser construído em uma escada metálica, há diversos outros complicadores, que impedirão seu uso a boa parte dos ciclistas e colocarão em risco os que insistirem em utilizá-las. Acidentes graves não tardarão a acontecer, tanto subindo quanto descendo a escada.

1. A escada tem uma inclinação muito forte. É necessário um grande esforço para empurrar a bicicleta escada acima e nem todos os ciclistas conseguirão fazer isso. O peso da bicicleta acaba de se concentrar fortemente no ciclista e a chance de um dos pés escorregar é muito grande, causando um grave acidente. Na hora de descer, o problema é o mesmo: é preciso segurar com força a bicicleta para que ela não desembeste canaleta abaixo. Os freios não serão suficientes nesse ângulo, pois o pneu escorregará, principalmente em bicicletas mais pesadas ou com carga no bagageiro – algo muito comum entre os ciclistas que utilizam a ciclovia para ir e voltar do trabalho.

2. A canaleta tem um ângulo “seco” na transição, fazendo com que o ciclista precise dispender um grande esforço para vencer essa barreira para começar a subida. No final de cada lance, esse ângulo faz com que a coroa da bicicleta (engrenagem dianteira) bata na canaleta. Além de poder danificar o mecanismo de forma irreversível, entortando dentes da coroa, há novamente a possibilidade do ciclista perder o equilíbrio, caindo com a bicicleta pela escada.

3. As proteções laterais ficam próximas demais da canaleta. Mesmo guidões mais estreitos esbarram nelas, em uma situação que pode derrubar a bicicleta e, com ela, o ciclista.

4. Bem no meio da escada há uma “emenda” ou algo semelhante, que além de tudo é de metal e lisa. Ao empurrar a bicicleta você precisa de espaço para o corpo, para colocá-lo em ângulo que suporte esse peso. Principalmente se for uma bicicleta de passeio com guidão alto e/ou largo, que precisará ser tombada de lado dependendo de sua estatura. Se o ciclista pisar nessa emenda quando estiver suportando em seu corpo todo o peso da bicicleta, poderá escorregar, torcer o pé e cair.

5. A escada termina sobre a ciclovia, provavelmente para não ter que preparar um trecho curto de piso ligando sua saída à via ciclável. Além de diminuir o espaço útil da ciclovia, ainda cria um ponto cego, que pode fazer com que as bicicletas colidam de frente. Isso é especialmente perigoso para os ciclistas em treinamento, que circulam em velocidade mais alta, com menor tempo de reação.

Renata Falzoni, em seu texto no site Bike é Legal, chegou a chamar essas escadas de “monumento à burrice e ao descaso com os ciclistas”. Me parece que ela tem razão.

Escada termina dentro da ciclovia, diminuindo o espaço de circulação e criando um ponto cego, que pode causar colisões entre os ciclistas. Foto: Rachel Schein

Escada de acesso termina dentro da ciclovia, diminuindo o espaço de circulação e criando um ponto cego que pode causar colisões entre os ciclistas. Foto: Rachel Schein

Ministério Público

As obras já estão praticamente prontas. Na visita do dia 24 de fevereiro, ainda faltavam detalhes a se resolver, como finalizar a separação física na área que cruza a usina, instalação de grades em alguns pontos do percurso e o corte das grades e muretas que ainda bloqueiam as escadas, nos acessos. O prazo original para liberação era 25 de fevereiro.

Além do acordo com os representantes dos ciclistas, em negociação que documentamos extensivamente aqui no Vá de Bike, O Ministério Público condicionou a interdição do trecho antigo à liberação da via alternativa na outra margem. Resta saber se o MP irá aceitar instalações que coloquem em risco a integridade dos cidadãos.

A dor de cabeça com as vans

Enquanto a pista nova não é liberada, vans com carretinhas transportam ciclistas e bicicletas pelo trecho em obras. Mas essa solução tem trazido problemas para os usuários. Muitos reclamam de danos nas bicicletas, outros sobre uma demora que, nas reuniões, garantiu-se que não ocorreria.

O leitor Antonio Oliveira diz que as vans têm causado atraso para quem usa a via para chegar ao trabalho. “O nosso percurso, que antes era de 30 min, agora é de 1h30 até 2 horas”, nos relatou por e-mail, contando que há caminhões descarregando concreto e que muitos ciclistas precisam pedalar em meio à obra para não chegar atrasados. Segundo Antonio, há quatro vans, mas costumam ficar só de um lado da obra.

André de Azambuja, outro de nossos leitores, conta que, além da demora para sair com a van, sempre há caminhões bloqueando completamente a pista, fazendo com que o traslado seja interrompido para aguardar. “Um trajeto de 2,5 km acaba durando 1 hora, 1 hora e meia. Fica a impressão que é de propósito, pra desestimular mesmo o pessoal de ir trabalhar de bicicleta enquanto durarem as obras. Sei que a obra é importante, mas custava não fazer bloqueios totais até pelo menos 9h da manhã?” André também relata ciclistas circulando em meio às obras devido à demora das vans.

Como se o atraso no trabalho não fosse suficiente, os suportes ainda danificam as magrelas. O leitor Bruno Silva, por exemplo, nos relatou que por mais de uma vez teve o pneu da bicicleta furado durante o transporte. Em uma das ocasiões, o aro estava empenado. As bicicletas são dispostas de forma perpendicular à direção da van, fazendo com que o peso da bicicleta seja suportado lateralmente pelos aros, principalmente nas frenagens. Por não serem projetados para receber esforço lateralmente, acabam por entortar.

Ciclovia Rio Pinheiros

Prefeito de São Paulo questiona proibição de pedalar em acesso da ciclovia

Ciclopassarela do Parque do Povo é inaugurada em São Paulo

Pista da margem oeste liberada para uso

Novos acessos trazem risco aos ciclistas

Pela primeira vez, São Paulo terá pontes com ciclovia

A opinião dos ciclistas sobre as soluções para a interdição

CPTM publica retratação por afirmação sobre Ciclovia

Monotrilho não prossegue sobre ciclovia enquanto
não houver alternativa para os ciclistas

Acessos e horário da Ciclovia Rio Pinheiros


22 comentários para Novos acessos da Ciclovia Rio Pinheiros, em São Paulo, trarão risco aos ciclistas

  • Luciano

    Mudando um pouco de assunto, quando fui trabalhar de bicicleta pela ciclovia da Marginal Pinheiros quase peguei uma insolação, as duas unicas sombras num trajeto de 8 Km foram de dois viadutos, não existe uma arvore se quer de um porte um pouco maior capaz de gerar esse tipo de beneficio tão importante e ao mesmo tempo visualmente belo. Gostaria de deixar minha queixa aqui registrada para começarmos a exigir o plantio de arvores em futuras melhorias.

    Thumb up 4 Thumb down 3

  • fabio

    meu!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! cara , esse pessoal de engenharia são mto burrooossss!!!!!!!!! pq não colocam rampas??? SABEM RAMPAS ? ENTÃO……….. RAAAMMMMMMMMMPPPPPPAAAAASSSSSS! ANIMAIS !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Thumb up 4 Thumb down 1

  • Alan Edgar Thisted

    E o trecho novo, recém inaugurado, foi interditado por força de uma liminar concedida à Eletropaulo. Quando inauguraram o trecho novo não sabiam dos riscos? Mais uma vez somos feitos de palhaços por administradores altamente incompetentes. Viva o país das gambiarras, dos puxadinhos e das liminares!

    Thumb up 4 Thumb down 1

  • Reginaldo

    Brasil o pais das gambiarras mal feitas…. como um projeto tão simples pode se transformar em um pesadelo desses… pelo jeito foi ter que ir da zona sul de São Paulo até o Parque Villa Lobos de trem pois as dificuldades no acesso pelo ciclovia são intermináveis.

    Thumb up 3 Thumb down 1

  • Mauro Gilberto Moda

    Realmente é muito ruim o acesso na ponte Cidade Jardim, como sabia das condições não fui da sapatilha e sim de tênis, mas mesmo assim o risco de escorregar, desequilibrar , etc é grande. O pavimento é novo e de boa qualidade, mas tem muita sujeira , pedras , etc. Quando cheguei na ponte João Dias optei por seguir até o canal da Guarapiranga, não achei muito seguro, por que não existe isolamento entre a ciclovia e a Marginal Pinheiros, encontrei várias pessoas caminhando pela pista. Quando passa ao lado da usina da Bandeirantes (“Traição”) fica muito estreito. Vamos continuar reclamando e lembrando destes detalhes nas próximas eleições, apesar de também achar que não fazemos a nossa parte ….. E o acesso no Villa Lobos ? Alguém sabe qual a nova previsão de inicio do projeto ?

    Thumb up 1 Thumb down 2

  • Pedalador

    Desde o começo escrevi aqui meu relato e recebi algumas respostas criticas sobre meu pessimismo.

    Infelizmente eu tinha razão, uma bela de uma porcaria para tapar a incompetencia no planejamento dessa obra, diga-se extremamente necessária para a cidade.

    Como utilizo apenas para treino, ficarei com os miseros 6,3 km entre o Villalobos e a Vila Olimpia, tomando cuidado para naão acertar ninguém na escadaria bizonha que construiram na ponte cidade Jardim, bem no meio da pista…

    Digo de novo: GESTORES DE MEIA TIGELA!

    Thumb up 3 Thumb down 3

  • Sergio

    Busquei informação em varios lugares e não consegui. Conversei com varios ciclistas e todos me disseram que a ciclovia nova estava fechada. Acordei cedo hoje e resolvi conferir. HOJE ESTAVA ABERTA, com as seguintes entradas: Ponte da Cidade Jardim e Socorro, nestes dois pontos você consegue se comunicar com rua. Existe ainda a possibilidade de na Ponte da João passar para o outro lado, sem possibilidade de se comunicar com rua (aquele papo em horarios de transito da pra sair e cruzar a Marginal). Foi um roles mais legais que dei antes do trabalho entrei na ponte Cidade Jardim e sai na ponte do Socorro. A pista esta otima, porém entre a ponte da joao dias e socorro tem um ponto de alagamento com um palmo de agua (acredito que devido as chuvas)..de MTB passei tranquilo e me sujei um pouco os caras de speed medraram. Enfim achei legal demais para passeio, para trabalho no dia dia as escadas poderiam ser muito melhores.

    Thumb up 1 Thumb down 1

  • Luiz

    Tenho ido trabalhar de trem, pois considero a alternativa der vans ruim. No trem, todo dia fico de olho nos acessos ao lado oeste. Hoje os acessos na ponte cidade jardim estavam abertos. Será que já foi liberada a ciclovia da margem oeste?

    Thumb up 1 Thumb down 1

    • Luiz

      Está aberta sim, o Metro confirmou e saiu no SPTV. Parece que o horário é das 5h30 às 18h. Vou atrás de mais detalhes.

      Thumb up 0 Thumb down 2

      • Luiz

        Conversei com o atendimento do metro. Me disseram que o horário da ciclovia alternativa será o mesmo da ciclovia original.

        Não souberam informar com certeza se um ciclista que entrar no horário limite de um lado vai conseguir sair do outro.

        Sobre a segurança, disseram que não haverá nenhum esquema especial, somente a ‘segurança patrimonial’ que já ocorre normalmente daquele lado.

        Thumb up 1 Thumb down 2

  • Luciane

    Como faz para se juntar ao grupo e protestar contra esta “solução” ridícula?
    Que fez estas escadas nunca andou de bicicleta….qual a dificuldade de se fazer uma rampa??????
    Vamos ao MP reclamar?

    Thumb up 3 Thumb down 1

  • Leandro

    Quando será liberada a passagem entre Socorro à Cidade Jardim?

    Thumb up 0 Thumb down 1

    • Ainda não sabemos, Leandro. Assim que tivermos a confirmação, publicaremos por aqui.

      Para não perder nenhuma publicação, cadastra-se para receber nosso resumo diário (aqui na coluna direita da página).

      Thumb up 1 Thumb down 1

  • Luis

    “monumento à burrice e ao descaso com os ciclistas” (2)

    Perfeitos os riscos apontados pelo William… espero que não, mas se alguém escorregar nessa escada irá se quebrar!! Palhaçada, sapatilha aí nem pensar!! Por PELO MENOS 2 anos é isso que constroem?

    Quanto aos problemas com as vans, não sabia pois não preciso passar para o outro lado da obra. Quer dizer que além de demorar as bikes estragam??? E os ciclistas têm que pedalar em área de obras, cheia de pedrinhas no chão, como na foto?

    Uma dúvida: com essa escada e a pista do outro lado elimina-se a van?

    Thumb up 1 Thumb down 2

  • Absurdo o descaso com o cidadão ciclista… na verdade essa é uma prática de todo e qualquer administrador público. Veja-se o caso em Brasília, eles fazem grandes áreas gramadas e criam calçadas-caminho para pedestres (nem estou falando de ciclistas), que obrigam o cidadão a dar uma volta enorme para cruzar a tal área. Aí surgem os conhecidos ‘caminho-de-rato’ nos gramados.

    Será que os srs arquitetos responsáveis por essa obra(?) desconhecem esse sistema que funciona há mais de 10 anos na Noruega: http://www.arquitetonico.ufsc.br/elevador-de-bicicleta

    (procurei aqui no vá de bike mas não encontrei a notícia a esse respeito)

    Comentário bem votado! Thumb up 7 Thumb down 0

  • Lixo de obra, feito por pessoas que não estão lá muito preocupadas se vai servir ou não, falta muito pra ficar ruim!

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Gabriel

    É cair e se arrebentar. Se sobreviver, vai ficar com gesso e muitos pontos. Se ainda assim achar pouco, pense no tétano. QUE GAMBIARRA essa escada! Soldada de qualquer jeito, quase um deboche.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • O maior problema é que a pessoa que projeta algo assim, só vê pelo lado técnico e não pelo lado de quem usa a bicicleta. Para eles essa gambiarra é normal, para um ciclista é um transtorno. Pode até parecer exigir demais, mas o pessoal que usa a ciclovia pede o minimo possível! O engraçado é que quando fazem intervenções de obras numa rua ou avenida, é tudo bem sinalizado, pra provocar o minimo de dificuldades possível para os motoristas. Porque não o mesmo cuidado para com os ciclistas?

    Comentário bem votado! Thumb up 5 Thumb down 0

  • Camila

    Ou seja, uma porcaria!! Desrespeito no nível máximo!

    Thumb up 1 Thumb down 0

  • Cícero Soares

    Não sei por que, mas sempre que olho essas escadarias, hum, paliativas, no lugar delas eu sempre imagino… elevadores. É, elevadores! (Será que sairiam mais caras que escadarias, não paliativas, mas permanentes?)

    Thumb up 1 Thumb down 0

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>