Atravesse o Paraná evitando grandes rodovias – e conheça a Casa do Ciclista

Camping em praça de Caetano Mendes. Foto: Pedro Sibahi

Camping em praça de Caetano Mendes. Foto: Pedro Sibahi

Muitos dos cicloviajantes que saem do Brasil rumo à Argentina ou Paraguai precisam atravessar o estado do Paraná até a região de Foz do Iguaçu, onde fica a tríplice fronteira. Batendo o olho em qualquer mapa, o caminho mais óbvio parece ser pela BR 277, que cruza o estado de leste a oeste. Entretanto, essa é uma das rotas mais movimentadas da região, com intenso tráfego de caminhões e paisagens monótonas, tomadas pelas plantações de soja. Uma alternativa muito mais agradável, tanto em relação ao trânsito quanto ao entorno, é percorrer estradas menores que passam um pouco mais ao norte, paralelamente à rodovia federal. O trajeto pode tomar um pouco mais de tempo por conta da altimetria acentuada, mas vale pelas áreas de vegetação preservada e cidadezinhas com gente amistosa.

Trecho íngreme próximo à Serra de Três Bicos. Foto: Pedro Sibahi

Trecho íngreme próximo à Serra de Três Bicos. Foto: Pedro Sibahi

Saindo de Curitiba, essa rota pode passar pela cidade de Ponta Grossa, via BR 376, ou seguir diretamente até a cidade de Castro via PR 090. Independentemente do caminho escolhido, a ideia é chegar até a cidade de Caetano Mendes, próxima ao cruzamento da BR 376 com a PR 441. O povoado é tão pacífico que acampar na praça é uma opção viável, mas também há um posto de gasolina nas proximidades, além de mercados para se abastecer de comida. A rota segue para oeste, passando pelas cidades de Reserva e Três Bicos. Esse é o trecho mais sinuoso e íngreme do percurso, com duas serras bem inclinadas, mas pedaláveis. Em Três Bicos a estrada muda para BR 487, que apesar de ser uma rodovia federal, não é muito movimentada. As próximas cidades no caminho são Cândido de Abreu e Manoel Ribas, ambas com hotéis simples e baratos. A distância entre Caetano Mendes e Manoel Ribas é de 140 quilômetros.

Partindo de Manoel Ribas, são mais 55 quilômetros até o trevo que dá acesso à PR 462, passando por Iretama até Roncador. Nessa pequena cidade de nome sonoro também há hotel, mercados e padaria. A partir daí o percurso segue mais 67 quilômetros pela PR 239, passando pela cidade de Nova Cantu até Campina da Lagoa, onde também é possível pernoitar em um hotel econômico. A PR 239 continua por mais 20 quilômetros até encontrar a BR 369, que passa pelas cidades de Ubiratã, Santa Luzia e Corbélia até chegar a Cascavel, 90 quilômetros depois.

Como qualquer cidade grande, Cascavel tem um trânsito intenso. Além disso, há poucas opções de restaurante nos trechos de rodovia próximos da área urbana. De Cascavel a única opção para Foz do Iguaçu é tomar a BR-277 e percorrer 140 quilômetros. Todo esse trecho possui acostamento, mas é preciso tomar cuidado com os arames de pneus de caminhão espalhados pelo asfalto.

Luciano Castilha, que mantém a Casa do Ciclista. Foto: Pedro Sibahi

Luciano Castilha, que mantém a Casa do Ciclista. Foto: Pedro Sibahi

Casa do Ciclista

Em Foz do Iguaçu, o ciclista viajante encontra um recanto amigável onde pode descansar com conforto e recuperar as energias para seguir viagem. É a Casa do Ciclista, primeira e única no país, localizada na sede da Associação Ciclística Cataratas do Iguaçu (ACCI).

A entidade foi criada em 2012 para reunir entusiastas do ciclismo e competidores locais. No ano seguinte o espaço foi aberto aos cicloturistas, que só precisam contribuir com a limpeza e organização do local, já que não se cobra nada pela estadia.

A casa já recebeu mais de 200 viajantes e muitas de suas histórias podem ser encontradas no livro de visitas mantido no lugar. Quem administra a casa e banca o aluguel é Luciano Castilha, entusiasta do pedal que ajuda a promover o uso da bicicleta na cidade e sempre aparece para conversar com os visitantes.

Para além do descanso, o mais interessante dessa casa é a possibilidade de trocar experiências, tanto com os ciclistas locais quanto com viajantes de distintos lugares que se hospedam por alguns dias. Nos sábados o local também recebe oficinas de manutenção de bicicletas voltadas para jovens, uma ótima oportunidade para inspirar sonhos e tirar dúvidas da criançada.

A Casa do Ciclista fica na Rua Nivaldo do Amaral, 819, bairro Morumbi II. Telefones: (55) 45 – 88018326 / (55) 45 – 99774889 Email: accifoz@hotmail.com

Fora isso, a cidade de Foz também tem vários locais para se visitar pedalando, como o Templo Budista, a usina hidrelétrica de Itaipu, o Parque das Aves (para quem gosta de ver animais presos), além das famosas cataratas.

As etapas da viagem
De São Paulo a Curitiba pelo litoral
De Curitiba ao cânion do Guartelá: cachoeiras e banhos de rio
Atravessando o Paraná evitando grandes rodovias
Cruzando o Paraguai, de Foz do Iguaçu a Assunção
Atravessando o norte da Argentina
Cruzando os Andes de bicicleta pelo Paso Jama
Pedale pelo deserto mais seco do mundo, o Atacama
Atravesse pedalando o Uyuni, o maior mar de sal do planeta
Veja também
20 recomendações importantes para começar sua cicloviagem
Tudo que já publicamos sobre cicloturismo
Pedro Sibahi partiu de São Paulo rumo ao sul do país, passando pelo Paraguai, Argentina e Bolívia, para de lá voltar à capital paulista. Acompanhe essa aventura no pedal e conheça as preciosas dicas do viajante. Veja o que Pedro já publicou aqui no Vá de Bike.

Enviar resposta

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>