De Foz do Iguaçu a Assunção: cruze o Paraguai de bicicleta!

Rota 7, que leva de Foz a Assunção. Foto: Pedro Sibahi

Rota 7, que leva de Foz a Assunção. Foto: Pedro Sibahi

O Paraguai é um país relativamente plano, com paisagens interessantes e um povo amável, o que o torna um destino perfeito para cicloturistas menos experientes. Nosso vizinho a sudoeste em geral recebe poucos visitantes brasileiros dispostos a ir além das compras em Ciudad del Este, mas tem muito mais a oferecer.

É possível cruzar
o Paraguai de bicicleta
em três ou quatro dias

Viajando de bicicleta, cruzar o país a partir de Foz é uma tarefa relativamente fácil, que pode ser feita em três ou quatro dias. São aproximadamente 300 quilômetros entre a fronteira e a capital, sempre pela Ruta 7. É recomendável trocar dinheiro ainda no Brasil, pois Ciudad del Este é um pouco caótica para ciclistas e nas cidades seguintes não há casas de câmbio.

As etapas da viagem
De São Paulo a Curitiba pelo litoral
De Curitiba ao cânion do Guartelá: cachoeiras e banhos de rio
Atravessando o Paraná evitando grandes rodovias
Cruzando o Paraguai, de Foz do Iguaçu a Assunção
Atravessando o norte da Argentina
Cruzando os Andes de bicicleta pelo Paso Jama
Pedale pelo deserto mais seco do mundo, o Atacama
Atravesse pedalando o Uyuni, o maior mar de sal do planeta
Veja também
20 recomendações importantes para começar sua cicloviagem
Tudo que já publicamos sobre cicloturismo

Quem tomar essa rota encontrará diversos povoados ao longo do caminho, a cada 40 ou 50 quilômetros. Alguns lugares são pequenos e simples, não possuem hotéis, mas são tão calmos que até as praças são convidativas para acampar. Também há cidades com alguma estrutura e oferta de hotéis para viajantes. Eu mesmo, quando atravessei esse trecho, dormi apenas em praças, em uma delegacia e nos jardins atrás de um restaurante (sempre pedindo permissão aos responsáveis).

As paisagens são tomadas por fazendas apenas nas proximidades do Brasil, depois há muitos sítios familiares, hortas e trechos de mata. A altimetria varia pouco, com pequenos morros similares aos campos paranaenses.

Depois de Foz, a primeira cidade de maior interesse que aparece após cruzamos o bucólico interior paraguaio é Caacupé, 278 km depois. É um ponto de peregrinação que vale ser conhecido pela importância para o povo local. Quase toda a população do país, que é muito católica, se dirige para a catedral da cidade no mês de dezembro.

Recanto Marianela, onde é possível descansar. Foto: Pedro Sibahi

Recanto Marianela, onde é possível se hospedar a bom preço. Foto: Pedro Sibahi

Em Caacupé, é possível fazer um “desvio” de rota antes de chegar a Assunção. É para a cidade de Atyrá, uma estância climática localizada a apenas 60 quilômetros da capital. A cidade conserva um charme histórico, uma vez que tem quase 500 anos. Uma boa opção para relaxar por aqui é o recanto Marianela, uma espécie de retiro espiritual que faz as vezes de hotel e pode abrigar ciclistas a preços camaradas.

De lá, seguimos para São Bernardino, outra cidade de veraneio, localizada bem em frente ao Lago Ypacaraí, que já serviu de tema para músicas de amor. Infelizmente, hoje o lago não se encontra próprio para banho, mas está em processo de recuperação e a bela paisagem pode ser visitada mais de perto em barco. Pássaros como o quero-quero habitam as margens e dão mais vida ao lugar.

Após esse pequeno desvio, o próximo destino é Assunção, a 46 quilômetros de distância. A melhor rota é seguir pedalando até a cidade homônima ao lago Ypacaraí, depois pegar a rota que passa por Areguá sentido Luque, onde fica o aeroporto internacional. O caminho é tranquilo e dependendo da época do ano, ao longo da estrada há barracas vendendo morangos e todo o tipo de guloseimas feitas com a fruta.

Lago Ypacaraí. Foto: Pedro Sibahi

Lago Ypacaraí. Foto: Pedro Sibahi

Chegando em Assunção, é preciso tomar cuidado com as avenidas movimentadas, como Las Residentas, que vem de Areguá. Quem for para o centro antigo irá passar na frente da Confederação Sul Americana de Futebol e próximo a áreas verdes como o Parque Guasu e o Jardim Botânico.

Uma boa opção de acomodação na cidade é o hostel La Fábrica, localizado no coração do bairro La Catedral (Calle 14 de Mayo, 1051). O terreno onde está o hostel é um dos poucos que ainda abriga um vasto gramado no centro da cidade – onde é possível acampar – e os hóspedes compartilham as áreas comuns com os simpáticos funcionários de uma troqueladora (equipamento de indústria gráfica) que funciona no mesmo prédio (daí o nome La Fabrica). O hostel está em uma construção histórica e foi idealizado por um mexicano chamado Erick Alarcon, que viajou por quatro anos pela América Latina, dois deles em bicicleta.

Quem quiser explorar a cidade não pode deixar de pedalar pela avenida Costanera, às margens do Rio Paraguay, além de gastar algumas horas caminhando pelo centro. O Palácio de Lopez, sede do governo, também merece uma visita, mas o lugar mais charmoso é o bairro de San Jerónimo, uma comunidade que se uniu para combater a violência e se renovar, abrigando cafés e bares dentro das casas de fachadas coloridas.

Pedro Sibahi partiu de São Paulo rumo ao sul do país, passando pelo Paraguai, Argentina e Bolívia, para de lá voltar à capital paulista. Acompanhe essa aventura no pedal e conheça as preciosas dicas do viajante. Veja o que Pedro já publicou aqui no Vá de Bike.


Abra esse mapa em uma versão maior

Quero-quero no lago Ypacaraí. Foto: Pedro Sibahi

Quero-quero no lago Ypacaraí. Foto: Pedro Sibahi


2 comentários para De Foz do Iguaçu a Assunção: cruze o Paraguai de bicicleta!

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>