O evento da Renault foi importante para as pessoas carentes

Apoie nosso trabalho,
doe um libre!
F1 passa sobre a ciclofaixa pintada pelo poder público
Ciclistas pintaram bicicletinhas na pista, como protesto contra o mau uso do dinheiro público.
Com o dinheiro gasto no evento seria possível, por exemplo, implantar uma centena de quilômetros de ciclofaixas nas avenidas da cidade.
Foto: Mauricio Lima/AFP

A respeito do evento da Renault, que a prefeitura pagou, já citado neste blog, cabe publicar a justificativa dada pelo secretário municipal de Esportes. Ao ser questionado pela Folha de São Paulo sobre a reforma da pista paga pela prefeitura, ele justificou com dois argumentos.

O secretário afirmou que a pista já seria mesmo recapeada, pois a recuperação dessa avenida fazia parte do programa de recuperação de vias da prefeitura. Só foi antecipada. Ah, tá… Vou fazer de conta que eu acredito.

Mas o que me tocou profundamente foi seu outro argumento: “nesse evento, pessoas carentes vão poder ficar a dois metros da mágica dos carros de Fórmula 1”. Nossa, que gesto nobre. É disso mesmo que a população carente precisa: ver um carro de Formula 1 de perto.

Depois de ler isso, me comovi. Bem, ele disse para a Folha que o evento faz parte de uma política de “deselitização” de esportes. Ele quer “deselitizar” Fórmula 1, tênis, golfe e rúgbi, entre outros.

Olha, eu entendo se disserem que deselitizar o tênis é um incentivo ao esporte: as “pessoas carentes” com quem o secretário se preocupa podem começar a jogar tênis, só precisam de treinamento, uma raquete e uma quadra. Também até entendo, com um pouco mais de esforço, o incentivo a prática do golfe, porque as pessoas carentes vão precisar de tacos, treinamento e um campo – que já não é tão simples de conseguir, por isso preciso de um pouco mais de esforço para aceitar, mas aceito.

Mas o que o secretário conseguiu de bom para as “pessoas carentes” com quem ele se preocupou quando resolveu pagar R$ 435 mil nesse evento, com o dinheiro da cidade? Ele incentivou o esporte? Tá certo… Afinal, tudo que as pessoas carentes precisam pra iniciar no automobilismo é um macacão, um capacete e… um carro de Fórmula 1! Será que eu acho algum lá na feira do rolo?

Na minha humilde opinião de cidadão, a secretaria de esportes tem que incentivar a prática de esportes, não a divulgação. Ainda mais a divulgação de um esporte milionário como a Formula 1, onde os patrocinadores não são bem a padaria da esquina ou a mercearia do Seu José.

O secretário chamou o evento bancado pela prefeitura de “parceria”. Nessa parceria, a cidade entra com a reforma e os custos de interdição da via. A Renault entra com o piloto e o carro. A cidade ganha uma avenida recapeada (que não precisava) e a Renault ganha MUITO em imagem de marca e na divulgação que foi feita do produto Clio.

Bela parceria. Que empresa não gostaria de uma parceria dessas? A prefeitura interdita uma rua, recapeia uma pista e a empresa “parceira” divulga seus produtos de graça! Que beleza! O pessoal da Renault também deve achá-lo um cara muito gente fina. Parceirão!

Vale a pena ler na matéria da Folha a opinião do diretor do Núcleo de Pesquisas de Políticas Públicas da USP, José Álvaro Moisés.

Ah, em tempo: o secretário disse que as críticas ao evento são “elitistas, de quem sempre teve acesso a qualquer coisa na hora em que bem quer”. Ou seja, quem está reclamando é porque não pensa nas pessoas carentes! Seus egoístas! Não dividem nada com os pobres não? Querem a mágica da Fórmula 1 só pra vocês? (A minha parte eu to doando…)

Gostou da matéria? Doe um libre
e ajude nosso projeto a continuar!

13 comentários para O evento da Renault foi importante para as pessoas carentes

  • CET quer multar ciclistas outra vez | + Vá de bike! +

    […] que a Renault fez no ano passado, com um carro de Fórmula 1 em via pública. Mas dessa parte a CET se esquece. Afinal, é muito mais justo cobrar ciclistas que participam de uma manifestação em prol da […]

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Cansou da cidade? Sua vida está ruim? Compre um carro novo! | + Vá de bike! +

    […] o que diz uma campanha da Renault (a mesma que ganhou do Walter Feldman um evento de primeira pra divulgar sua […]

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Gustavo Henrique Bah

    Apertar botãozinho pro motor do carro correr não é esporte!

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • mario cilense junior

    Estamos esperando uma nova “deselitização” do Feldman,será a degustação do caviar na Praça da Sé, e tudo regado com os vinhos mais envelhecidos.è uma chance do povo provar essas iguarias…
    Agora é só substituir o caviar pelo F1 e temos o raciocínio do Walter Feldman.
    O dinheiro gasto no evento provavelmente daría para “demarcar” com estudos de tráfego uma ciclovia.
    Feldman enganou alguns por algum tempo, mas agora ele mostra-se inteiro(para os ciclistas).

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Pedro Silva

    Isso prova que na politica tudo é uma questao de interesse e não de falta de recurso. Com esse quase meio milhão de reais a prefeitura poderia ter pintado quilometros de ciclo faixas, poderia ter feito quilometros de ciclovias, ter comprado milhares de bicicletas coletivas e ter feito muita coisa em prol de um transporte de fato popular, limpo e saudável. Sem transito e sem violencia. Infelizmente o que prevalece é a cultura do automóvel.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Véia Coroca

    Com ceiteza meu fi essas pessôa pricisa de apoio, pra financiá as campanha milionária que nóis num sabe nem de onde vem o dinheiro! Pode sê dessas coisa, êita mundo compricado…

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Cássio

    Gostei dos narizes de palhaço na intervenção que você fez na fotografia. É exatamente assim que as pessoas que têm o mínimo de senso crítico enxerga estes cidadãos desesperados por um autógrafo de piloto de carro.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • César

    Em Lisboa, houve um evento semelhante e o patrocinador do evento – a Renault – pagou ao munícipio 20.000€, o que foi considerado pela opinião pública sensibilizada pelas questões de cidadania como muito pouco tendo em conta a publicidade que tiveram com este evento que parou a principal avenida de Lisboa durante um fim de semana inteiro.
    Se aí ainda saiu dos bolsos dos contribuintes…. pior ainda!!!

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Doug Duarte

    É, tem que dezelitizar o rúgby e fazer ciclofaixas, assim eu posso ir de bike para o treino, não preciso atravessar a marginal inteira até a USP

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • panoptico

    O jetski pilotado pelo prefeito na virada esportiva foi outra dessas maravilhas das políticas públicas na área esportiva.

    Reponsável por traumas e mortes todos os finais de semana, essas máquinas acabaram com o “barulho do mar” e amedrontam banhistas (especialmente crianças) em todo o litoral brasileiro.

    O prefeito e seu secretário deram um bom incentivo ao esporte ao pilotar motos para água sem qualquer habilitação e ao pagar para os velozes e furiosos fazerem sua propaganda na “Cidade Limpa”.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Roberto

    Willian… não me importo em chamar a atenção para as pessoas carentes. Mas não existir o evento pq como país de terceiro mundo existe local melhor para aplicar o dinheiro… puts se pensarmos assim nunca teremos evento novo nenhum, pois sempre nos faltará algo pq alguéns estão recheando o bolso com dinheiro publico.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • luddista

    O argumento do Walter é daqueles que a gente diz: “era melhor ter ficado quieto”. Será que o Polo também está na lista de esportes a serem “deseletizados”. Afinal, basta uns cavalinhos, tacos e bolinhas. Pergunta pro Doda Onassis, que ele vai dizer que é bem barato deselitizar o Polo.

    Postei umas fotos de sábado à tarde, mostrando as calçadas acessíveis da Renault e o freak show montado para que a montador pudesse fazer propaganda (cidade limpa?) às custas do meu, do seu, do nosso dinheiro: http://luddista.multiply.com/photos/album/55/55

    abraços e parabéns,

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Márcia

    Não seja mal-humorado, Willian… a mensagem é clara: conseguindo o capacete e o carro, é só usar as ruas de sampa para sentir a “mágica da Fórmula 1”. Aproveito e sugiro que ele tire os radares das ruas, também. Impossível sentir a mágica a meros 60km por hora, convenhamos!

    Thumb up 0 Thumb down 0

Enviar resposta

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>