O que o Código de Trânsito diz sobre bicicletas e ciclistas

codigo de transito bicicletas ciclistas placas

Ao contrário do que muita gente acredita, o texto do Código Brasileiro de Trânsito valoriza essencialmente a vida, não o fluxo de veículos. Na redação de seus artigos, percebe-se uma preocupação acima de tudo com a integridade física dos diversos atores do tráfego, sejam eles motoristas, motociclistas, ciclistas ou pedestres.

Bicicletas, triciclos, handbikes e outras variações são todos considerados veículos, com direito de circulação pelas ruas e prioridade sobre os automotores. Portanto, quando falarmos em bicicletas neste artigo, considere que podem também ser “ciclos” de outra natureza.

Veja abaixo todos os artigos que se referem a esses meios de transporte:

 

Saiba mais
Handbike, uma bicicleta inclusiva 

Uma boa solução para regulamentar
as bicicletas elétricas

Bicicletas, triciclos, handbikes e outros também são veículos:

BICICLETA - veículo de propulsão humana, dotado de duas rodas, não sendo, para efeito deste Código, similar à motocicleta, motoneta e ciclomotor.

CICLO - veículo de pelo menos duas rodas a propulsão humana.

 

Saiba mais
Pesquisa comprova: moradores de São Paulo
querem mais segurança no uso da bicicleta

Órgãos de trânsito têm obrigação de garantir a segurança de ciclistas:

Art. 21. Compete aos órgãos e entidades executivos rodoviários da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, no âmbito de sua circunscrição:
(…)
II – planejar, projetar, regulamentar e operar o trânsito de veículos de pedestres e de animais, e promover o desenvolvimento da circulação e segurança de ciclistas.

(o Art. 24 dispõe o mesmo sobre os órgãos e entidades executivos de trânsito dos Municípios)

 

Saiba mais
Exemplo de convivência entre
carros, ônibus e a bicicleta

Ciclista deve usar faixa direita
mesmo sendo dos ônibus

Pedestres têm prioridade sobre ciclistas; ciclistas têm prioridade sobre outros veículos:

Art. 29. O trânsito de veículos nas vias terrestres abertas à circulação obedecerá às seguintes normas:
(…)
§ 2º Respeitadas as normas de circulação e conduta estabelecidas neste artigo, em ordem decrescente, os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres.

 

Saiba mais
Fiscalização e multas a
motoristas – mas e os ciclistas?

Motoristas não devem “fechar” bicicletas:

Art. 38. Antes de entrar à direita ou à esquerda, em outra via ou em lotes lindeiros, o condutor deverá:
(…)
Parágrafo único. Durante a manobra de mudança de direção, o condutor deverá ceder passagem aos pedestres e ciclistas, aos veículos que transitem em sentido contrário pela pista da via da qual vai sair, respeitadas as normas de preferência de passagem.

 

Saiba mais
É justa a multa a motoristas
que passam perto de ciclistas?

Ameaçar o ciclista com o carro é infração gravíssima, passível de suspensão do direito de dirigir e apreensão do veículo e da habilitação:

Art. 170. Dirigir ameaçando os pedestres que estejam atravessando a via pública, ou os demais veículos:
Infração – gravíssima;
Penalidade – multa e suspensão do direito de dirigir;
Medida administrativa – retenção do veículo e recolhimento do documento de habilitação.

 

Colar na traseira do ciclista ou apertá-lo contra a calçada é infração grave:

Art. 192. Deixar de guardar distância de segurança lateral e frontal entre o seu veículo e os demais, bem como em relação ao bordo da pista, considerando-se, no momento, a velocidade, as condições climáticas do local da circulação e do veículo:
Infração – grave;
Penalidade – multa.

 

Saiba mais
Depoimento de uma motorista

O carro deve dar preferência de passagem ao ciclista quando ele já estiver atravessando a via, mesmo se o sinal abrir:

Art. 214. Deixar de dar preferência de passagem a pedestre e a veículo não motorizado:
I – que se encontre na faixa a ele destinada;
II – que não haja concluído a travessia mesmo que ocorra sinal verde para o veículo;
(…)
Infração – gravíssima;
Penalidade – multa.
IV – quando houver iniciado a travessia mesmo que não haja sinalização a ele destinada;
V – que esteja atravessando a via transversal para onde se dirige o veículo:
Infração – grave;
Penalidade – multa.

 

Saiba mais
Por que 1,5m ao ultrapassar ciclista?
Tem espaço pra isso?

Tirar fina é infração média (além de perigosíssimo para o ciclista):

Art. 201. Deixar de guardar a distância lateral de um metro e cinqüenta centímetros ao passar ou ultrapassar bicicleta:
Infração – média;
Penalidade – multa.

 

Se a fina for em alta velocidade, serão duas multas (a média ali de cima mais essa grave aqui):

Art. 220. Deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito:
(…)
XIII – ao ultrapassar ciclista:
Infração – grave;
Penalidade – multa.

 

Saiba mais
Como ultrapassar um ciclista
sem colocá-lo em risco

A fina é considerada também uma ultrapassagem inadequada. Veja como o Código determina que deva ser feita uma ultrapassagem:

Art. 29. O trânsito de veículos nas vias terrestres abertas à circulação obedecerá às seguintes normas:
(…)
XI – todo condutor ao efetuar a ultrapassagem deverá:
a) indicar com antecedência a manobra pretendida, acionando a luz indicadora de direção do veículo ou por meio de gesto convencional de braço;
b) afastar-se do usuário ou usuários aos quais ultrapassa, de tal forma que deixe livre uma distância lateral de segurança;
c) retomar, após a efetivação da manobra, a faixa de trânsito de origem, acionando a luz indicadora de direção do veículo ou fazendo gesto convencional de braço, adotando os cuidados necessários para não pôr em perigo ou obstruir o trânsito dos veículos que ultrapassou.

 

Saiba mais
Por que há ciclistas que andam no meio da rua? 

Motivos para não pedalar na contramão

Afaste-se das portas dos carros parados

Ciclistas podem usar o lado esquerdo da via?

Por que ocupar a faixa com sua bicicleta

Ciclista deve usar faixa dos ônibus quando na direita

Lugar de bicicleta é na rua, no sentido dos carros e nas faixas laterais da via (inclusive na esquerda, embora geralmente seja bastante perigoso). E com preferência de uso da via.

Art. 58. Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores.

O chamado bordo da pista é a lateral da via, mas sem uma definição clara de até onde é considerado bordo (por isso ocupe a faixa, é mais seguro):

BORDO DA PISTA – margem da pista, podendo ser demarcada por linhas longitudinais de bordo que delineiam a parte da via destinada à circulação de veículos.

 

Saiba mais
Entenda as diferenças entre ciclovia,
ciclofaixa, ciclorrota e tráfego compartilhado
 

Ciclovias não são a solução milagrosa

O Vá de Bike é contra ciclovias?

Ciclovia é uma estrutura separada do fluxo dos carros (e não é lugar de pedestre):

CICLOVIA – pista própria destinada à circulação de ciclos, separada fisicamente do tráfego comum.

Ciclofaixa é uma faixa exclusiva para bicicletas:

CICLOFAIXA – parte da pista de rolamento destinada à circulação exclusiva de ciclos, delimitada por sinalização específica.

Ciclofaixas podem ser implantadas no sentido contrário ao fluxo da via:

Parágrafo único. A autoridade de trânsito com circunscrição sobre a via poderá autorizar a circulação de bicicletas no sentido contrário ao fluxo dos veículos automotores, desde que dotado o trecho com ciclofaixa.

 

Saiba mais
A velocidade mínima das vias
vale para bicicletas?

Ao contrário da crença popular, não existe velocidade mínima na faixa da direita:

Art. 219. Transitar com o veículo em velocidade inferior à metade da velocidade máxima estabelecida para a via, retardando ou obstruindo o trânsito, a menos que as condições de tráfego e meteorológicas não o permitam, salvo se estiver na faixa da direita:
Infração – média;
Penalidade – multa.

 

Saiba mais
Bicicletas podem trafegar
no corredor entre os carros?

Bicicleta pode ultrapassar carros pelo corredor quando estiverem parados ou aguardando em fila (quando estiverem em movimento, aguarde atrás deles como veículo e não se arrisque – saiba mais):

Art. 211. Ultrapassar veículos em fila, parados em razão de sinal luminoso, cancela, bloqueio viário parcial ou qualquer outro obstáculo, com exceção dos veículos não motorizados:
Infração - grave;
Penalidade - multa.

 

Saiba mais
Ciclistas podem circular em
avenidas de tráfego rápido?
 

Por que os ciclistas continuam
usando a Avenida Paulista,
apesar dos riscos

Somos proibidos de circular em vias de trânsito rápido (que não são qualquer avenida – veja definição mais abaixo), além de algumas outras coisinhas que pouquíssimos ciclistas sabem:

Art. 244, § 1º Para ciclos aplica-se o disposto nos incisos III, VII e VIII, além de:
a) conduzir passageiro fora da garupa ou do assento especial a ele destinado;
b) transitar em vias de trânsito rápido ou rodovias, salvo onde houver acostamento ou faixas de rolamento próprias;
c) transportar crianças que não tenham, nas circunstâncias, condições de cuidar de sua própria segurança.

Inciso III – fazendo malabarismo ou equilibrando-se apenas em uma roda;
Inciso VII – sem segurar o guidom com ambas as mãos, salvo eventualmente para indicação de manobras;
Inciso VIII – transportando carga incompatível com suas especificações

Via de trânsito rápido, aquelas em que o ciclista não pode trafegar, são APENAS as que não tenham cruzamentos, acessos diretos a garagens e faixas de travessia (por exemplo, a Av. 23 de Maio, em São Paulo). Em todas as outras ruas e avenidas, PODE.

VIA DE TRÂNSITO RÁPIDO – aquela caracterizada por acessos especiais com trânsito livre, sem interseções em nível, sem acessibilidade direta aos lotes lindeiros e sem travessia de pedestres em nível.

 

Saiba mais
Cuidado com as portas dos carros parados

Quem está no carro, seja motorista ou passageiro, tem obrigação de olhar antes de abrir a porta, pois isso pode causar um acidente de graves consequências:

Art. 49. O condutor e os passageiros não deverão abrir a porta do veículo, deixá-la aberta ou descer do veículo sem antes se certificarem de que isso não constitui perigo para eles e para outros usuários da via.

Parágrafo único. O embarque e o desembarque devem ocorrer sempre do lado da calçada, exceto para o condutor.

 

Estacionar um carro na ciclovia ou ciclofaixa é infração grave, sujeita a multa e guincho (pois coloca em risco a vida do ciclista):

Art. 181. Estacionar o veículo:
(…)
VIII – no passeio ou sobre faixa destinada a pedestre, sobre ciclovia ou ciclofaixa, bem como nas ilhas, refúgios, ao lado ou sobre canteiros centrais, divisores de pista de rolamento, marcas de canalização, gramados ou jardim público:
Infração – grave;
Penalidade – multa;
Medida administrativa – remoção do veículo;

 

Placa permitido bicicletasAndar com o carro na ciclovia ou mesmo numa ciclofaixa é o mesmo que dirigir na calçada, infração gravíssima:

Art. 193. Transitar com o veículo em calçadas, passeios, passarelas, ciclovias, ciclofaixas, ilhas, refúgios, ajardinamentos, canteiros centrais e divisores de pista de rolamento, acostamentos, marcas de canalização, gramados e jardins públicos:
Infração – gravíssima;
Penalidade – multa (três vezes).

 

Bicicleta na calçada, só com autorização da autoridade de trânsito e sinalização adequada na calçada:

Art. 59. Desde que autorizado e devidamente sinalizado pelo órgão ou entidade com circunscrição sobre a via, será permitida a circulação de bicicletas nos passeios.

 

Calçada é para pedestres, bicicleta só circula nela em casos excepcionais:

PASSEIO – parte da calçada ou da pista de rolamento, neste último caso, separada por pintura ou elemento físico separador, livre de interferências, destinada à circulação exclusiva de pedestres e, excepcionalmente, de ciclistas.

 

Quer passar pela calçada ou atravessar com a bike na faixa? O CTB manda desmontar:

Art. 68. É assegurada ao pedestre a utilização dos passeios (…)
§ 1º O ciclista desmontado empurrando a bicicleta equipara-se ao pedestre em direitos e deveres.

 

Saiba mais
Como se manter seguro no trânsito
ao usar sua bicicleta

Buzina, espelho e “sinalização” na frente, atrás, dos lados e nos pedais (que pode ser entendida por refletivos) são obrigatórios pelo Código, mas capacete não:

Art. 105. São equipamentos obrigatórios dos veículos, entre outros a serem estabelecidos pelo CONTRAN:
(…)
VI – para as bicicletas, a campainha, sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais, e espelho retrovisor do lado esquerdo.

Obs.:O Projeto de Lei 2956/2004 pretende cancelar a obrigatoriedade do uso de “campainha” e espelho retrovisor, mas está em tramitação desde 2004. Em 2008, foi encaminhado ao Senado.

 

Os fabricantes e importadores são obrigados a fornecer as bicicletas com os equipamentos citados acima:

Do mesmo Art. 105:
§ 3º Os fabricantes, os importadores, os montadores, os encarroçadores de veículos e os revendedores devem comercializar os seus veículos com os equipamentos obrigatórios definidos neste artigo, e com os demais estabelecidos pelo CONTRAN.

 

Importadores e fabricantes de bicicletas são obrigados a fornecer um manual contendo mais ou menos tudo isso que está sendo dito aqui, além de instruções sobre direção defensiva e primeiros socorros:

Art. 338. As montadoras, encarroçadoras, os importadores e fabricantes, ao comerciarem veículos automotores de qualquer categoria e ciclos, são obrigados a fornecer, no ato da comercialização do respectivo veículo, manual contendo normas de circulação, infrações, penalidades, direção defensiva, primeiros socorros e Anexos do Código de Trânsito Brasileiro.

 

Saiba mais
Por que não se deve implementar
licenciamento, emplacamento e
obrigatoriedades para bicicletas

O Código permite aos Municípios registrarem e licenciarem as bicicletas, caso decidam fazê-lo:

Art. 129. O registro e o licenciamento dos veículos de propulsão humana, dos ciclomotores e dos veículos de tração animal obedecerão à regulamentação estabelecida em legislação municipal do domicílio ou residência de seus proprietários [importante frisar: do domicílio ou residência, isentando a bicicleta de registro e licenciamento quando o proprietário for de outra cidade].
[ver também Art.24, incisos XVII e XVIII e Art.141]

 

Deixar de andar com a bicicleta em fila única pela rua é infração média:

Art. 247. Deixar de conduzir pelo bordo da pista de rolamento, em fila única, os veículos de tração ou propulsão humana e os de tração animal, sempre que não houver acostamento ou faixa a eles destinados:
Infração – média;
Penalidade – multa.

 

Bicicleta na calçada ou pilotagem “agressiva” é motivo para multa e apreensão da bicicleta (mas só pode apreender se fornecer um recibo!):

Art. 255. Conduzir bicicleta em passeios onde não seja permitida a circulação desta, ou de forma agressiva, em desacordo com o disposto no parágrafo único do art. 59:
Infração – média;
Penalidade – multa;
Medida administrativa – remoção da bicicleta, mediante recibo para o pagamento da multa.

 

Saiba mais
A concessionária Ecovias
é contra bicicletas

Acostamento é lugar de bicicleta SIM (por isso os carros não devem circular por ele):

ACOSTAMENTO – parte da via diferenciada da pista de rolamento destinada à parada ou estacionamento de veículos, em caso de emergência, e à circulação de pedestres e bicicletas, quando não houver local apropriado para esse fim.

 

Saiba mais
Preconceito contra ciclistas

Bicicletário é o nome oficial do “estacionamento de bicicletas”:

BICICLETÁRIO – local, na via ou fora dela, destinado ao estacionamento de bicicletas.

 

Clique aqui para ler a íntegra do Código de Trânsito

 

Dicas para o ciclista urbano
1Como se manter seguro

2Pedalando para o trabalho (vídeo)

3Não pedale na contramão

4Ocupe a faixa

5Cuidado com as portas

6O que diz o Código de Trânsito

710 dicas para os dias de chuva

8E se a empresa não tem chuveiro?

97 truques para as subidas mais difíceis

107 dicas para pedalar de madrugada

11Medo de pedalar nas ruas?
Chame um Bike Anjo!


333 comentários para O que o Código de Trânsito diz sobre bicicletas e ciclistas

  • Luiz

    A campainha não pode ser dispensada, principalmente agora que os prefeitos, como faz o hadad, estão permitindo bicicletas na contramão: é ameaça grave ao pedestre, que precisa verificar o fluxo oposto.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • wagner

    Art. 38. Antes de entrar à direita ou à esquerda, em outra via ou em lotes lindeiros, o condutor deverá:
    (…)
    Parágrafo único. Durante a manobra de mudança de direção, o condutor deverá ceder passagem aos pedestres e ciclistas, aos veículos que transitem em sentido contrário pela pista da via da qual vai sair, respeitadas as normas de preferência de passagem.

    TEM MUITO CICLISTA ENTRANDO PELA CONTRA MÃO, TRANSITANDO PELA FAIXA DE PEDRESTRE E COBRANDO QUE O MOTORISTA PARE PARA DAR PASSAGEM.

    ESSAS LEIS SÓ SERÃO VIÁVEIS QUANDO BICICLETA FOR EMPLACADA

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Delci Marlene Eger Pazzinato

    Adquiri uma bicicleta para ir e vir do meu trabalho, portanto não tenho via de ciclista para isto e na rua os condutores de veículo motorizado não respeitam, isto porque nunca foi trabalhado a cultura de andar de bicicleta. Espero que a comissão organizadora de trânsito faça um trabalho ostensivo para que respeitem o ciclista e tenhamos mais segurança.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Deivid Campos

    Bom dia, gostaria de um esclarecimento. Qual a velocidade máxima de rodagem permitida para uma bicicleta? Pois o artigo aborda o velocidade mínimo, sobre a máximo não achei nenhuma citação.

    Grato.

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • [...] que o código de trânsito diz sobre bicicletas e ciclistas? http://vadebike.org/2004/08/o–que–o–codigo–de/ acesso em 25/06/2015 às [...]

    Thumb up 0 Thumb down 1

  • Artilharia 75AR

    Eta turminha que vive brigando… Na verdade, temos uma engenharia de trânsito que é uma vergonha, não entende nada de perspectivas psicológica e de ação, seus agentes tem os mesmos segmentos. Acontece que se criou um Código de Trânsito, não para resolver, mas para faturar.Não importa se bicicleta paga ou não, impostos (deveria pagar), ter os mesmos direitos e responsabilidade (o que não tem, igual aos motociclistas), mas isso é um fator de educação, raramente se constata neste pais. Acidente entre bicicletas,ou com motocicletas ou outro veículo, de caracteriza normalmente (choque, abalroamento, colisão, tombamento, capotamento, submersão) com exceção se o ciclista estiver empurrando a bicicleta, daí é atropelamento.Antigamente, bicicleta tinha dínamo, para a luz traseira campainha como buzina e espelho retrovisor, só não existia capacete.

    Thumb up 2 Thumb down 5

  • Célio

    [Comentário oculto devido a baixa votação. Clique para ler.]

    Esse comentário não tem feito muito sucesso. Thumb up 1 Thumb down 7

    • Renato

      Sem espaço? A cidade tem disponível mais de 17.000 km de vias pavimentadas…

      Quem não tem espaço são os ciclistas que só agora ganharam 300 km de ciclovias, que representa menos de 2% do total de vias que os carros tem.

      Tu está é chorando de barriga cheia !!

      Thumb up 3 Thumb down 1

    • Renato

      E tem mais: Bicicleta não polui, carro sim e moto polui ainda mais.

      em nenhum lugar do mundo bicicleta paga para circular. E tem cidades que até pagam para as pessoas usarem a bicicleta, como em Paris por exemplo.

      Vou até replicar um comentário que li outro dia: Eu não tenho carro e nem moto. Mas o dinheiro dos meus impostos foram usados para construir ruas, pontes e avenidas para você poder usar. E ai, cara-pálida?

      Thumb up 2 Thumb down 2

    • CiceroS

      Célio, isso de você “estar cada vez mais sem espaço”, você como motociclista deveria estar reclamando é de você como motorista, não dos ciclistas. O espaço para a bicicleta no viário (compartilhado ou exclusivo) deve existir não como privilégio, mas por necessidade. E só pra ficar num dos aspecto dessa necessidade, que diz respeito à SEGURANÇA, você como motociclista acho que entende muito bem, né?

      Agora, quanto aos outros “espaços”: o da legislação é muito clara, se você é habilitado pra conduzir veículos motorizados, você não tem do que chiar, é apenas seguir o que manda o CBT e nunca colocar em situação de risco pedestres e ciclistas.

      Já o “espaço” político (leia-se, planejamento e execução de tudo o que envolve estrutura cicloviária, por exemplo), sinto muito, Célio, mas esse longo histórico de deficit de ações em prol da bicicleta como modalidade de transporte precisa ser corrigido.

      Ah, pra finalizar: essa coisa de imposto aí é balela (se você estiver falando do IPVA, por exemplo, informe-se melhor sobre o fato gerador e a finalidade dele, ok?). Dos outros impostos, como alguém aqui muito bem disse, todo mundo que paga imposto mas não tem automóvel nem motocicleta (usuários de transporte público, ciclistas, pedestres) pagou e continuará pagando pra você ter todo esse espaço que você chegou a ter, mas que já é demais.

      Então não reclama, Célio, que não é tão difícil assim deixar de ser mesquinho pra ser solidário, viu?

      Thumb up 1 Thumb down 0

  • [...] Como, por exemplo, que o ciclista tem “preferência sobre automotores” ou deve andar na mesma mão dos carros, do lado direito. O Código Brasileiro de Trânsito tem muitos artigos voltados aos bikers e você pode consultar maiores detalhes nesse link. [...]

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • Luiz

    É, mas não esqueçam de que, por serem considerados veículos, devem sim parar, ou seja, cessar completamente o movimento, frente ao semáforo vermelho e respeitar o pedestre, coisa que a maioria não faz.

    Comentário bem votado! Thumb up 6 Thumb down 0

  • [...] o blog Vida de Bike simplificou bastante a leitura, com exemplos práticos em seu post “O que o Código de Trânsito diz sobre bicicletas e ciclistas“. Então, antes de sair por aí metendo o pé no pedal, dá uma revisada nessas leis de [...]

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • marcio

    Eu tenho 3 bicicletas de carga, esse mês pintaram a faixa p parada de motos(bolsão de motos), ai veio a subprefeitura e disse que não posso parar lá, não tenho onde parar e pelo que conversei c a CET no telefone 1188 eles me disseram que por não ser um veiculo regulamentado, naõ tem o pq não parar lá, eu posso parar emmqualquer lugar que não atrapalhe o transito de pedestre ou de veiculos. Mas não tem lei que explique onde possso e não posso parar, sendo assim eles não podem nem pedir p a prefeitura vir recolher as bicicletas. Ai veio um agente da CET e disse que eu não poderia parar lá mesmo, masse no telefone me falaram outra coisa. Será que alguém sabe me informar onde posso parar a bicicleta? pq em São paulo não existe bicicletario e se existir os ladrões já roubaram faz é tempo p vender o ferro.

    Thumb up 1 Thumb down 1

  • Thiago

    Precisamos sempre dar divulgação a essas informações. Muitos de nós ciclistas não sabemos o que a lei diz e cometemos ilegalidades que poderiam ser evitadas. O pior é que, ao cometê-las, perdemos a razão. Parabéns, Vá de Bike! Estamos juntos!

    Thumb up 0 Thumb down 0

  • José de Souza

    Políticos! me desculpe pelo erro de português, a palavra certa é ilibado e não helibado.

    Thumb up 2 Thumb down 0

  • José de Souza

    Qualquer tipo de veiculo não pode competir com pedestres em passeios e jardins; pois tira-lhe o direito de ir e vir da constituição e direito adquirido; O artigo 59 é uma pegadinha para que o povo teste seus representantes políticos se, realmente são de helibado saber.

    Thumb up 3 Thumb down 0

Enviar resposta

  

  

  

Você pode usar estas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>